Gestão do conhecimento na sucessão de empresas familiares.

Allan Costa Galvão

Resumo


O processo sucessório, nas empresas familiares, é considerado como o ponto máximo da evolução corporativa e, ao mesmo tempo, é reconhecido como o maior desafio ao qual uma empresa pode ser submetida. Nesse ponto todas as suas práticas e valores são colocados à prova, e só perseveram as mais bem preparadas e consistentes. O objetivo deste trabalho é identificar o impacto dos elementos estratégicos e técnicas da gestão do conhecimento, enquanto mediadores no processo sucessório de empresas familiares. Para tal, foi desenvolvida uma pesquisa quantitativa descritiva, realizada por meio de questionário (survey) com escala de mensuração Likert de cinco pontos, onde os resultados serão analisados por meio de modelagem de equações estruturais (MEE-PLS). A população pesquisada foi composta pelas empresas familiares supermercadistas mineiras associadas a AMIS - Associação Mineira de Supermercados. Esta pesquisa contribui para a sucessão nas empresas familiares, pelo paradigma estratégico do conhecimento, através da gestão do conhecimento, à medida que os elementos estratégicos da gestão do conhecimento explicam 27% do processo sucessório nas empresas familiares.

Referências


ABREU, A. F. D., Gonçalves, C. M., & Pagnozzi, L. (2002). Tecnologia da Informação e Educação Corporativa: contribuições e desafios da modalidade de ensino-aprendizagem a distância no desenvolvimento de pessoas. Revista PEC, 3(1), 47-58.

AFFONSO, Henrique José. Determinantes da profissionalização das empresas familiares brasileiras: um estudo dos impactos nos resultados da organização. 2014. 249 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Ciências Gerenciais, Universidade FUMEC, Belo Horizonte, 2014.

ALVES, R. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. 15ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1992.

Allouche, J., Amann, B., Jaussaud, J., & Kurashina, T. The impact of family control on the performance and financial characteristics of family versus nonfamily businesses in Japan: a matched‐pair investigation. Family Business Review, v. 21, n. 4, p. 315-329, 2008.

AMIT, Raphael; SCHOEMAKER, Paul JH. Strategic assets and organizational rent. Strategic management journal, v. 14, n. 1, p. 33-46, 1993.

ARREGLE, Jean‐Luc et al. The development of organizational social capital: Attributes of family firms. Journal of management studies, v. 44, n. 1, p. 73-95, 2007.

ASTRACHAN, Joseph H.; KLEIN, Sabine B.; SMYRNIOS, Kosmas X. The F-PEC scale of family influence: A proposal for solving the family business definition problem1. Family business review, v. 15, n. 1, p. 45-58, 2002.

ASTRACHAN, Joseph H.; SHANKER, Melissa Carey. Family businesses’ contribution to the US economy: A closer look. Family business review, v. 16, n. 3, p. 211-219, 2003.

BARNETT, Vic et al. Outliers in statistical data. New York: Wiley, 1994.

BANK OF ITALY. Indagine Sulle Imprese Industriali e di Servizi. Banca d’Italia, Roma, 1996.

BARNEY, Jay. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BASCO, Rodrigo; RODRÍGUEZ, Maria José Pérez. Studying the family enterprise holistically: evidence for integrated family and business systems. Family Business Review, v. 22, n. 1, p. 82-95, Mar. 2009.

BARNEY, Jay B. Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of management. v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BATISTA, Fábio Ferreira et al. Gestão do conhecimento na administração pública. Brasília: IPEA, 2005

BATISTA, Fábio Ferreira. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília: IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2012.

BAYAD, Mohamed; BARBOT, Marie-Christine. Proposition d’un modèle de succession dans les PME familiales: étude de cas exploratoire de la relation père-fille. 6 Congrès international francophone sur la PME, 2002.

BEAVER, Graham; JENNINGS, Peter. Competitive advantage and entrepreneurial power: The dark side of entrepreneurship. Journal of small business and enterprise development, v. 12, n. 1, p. 9-23, 2005.

BECKMAN, T. The current state of knowledge management. In: LIEBOWITZ, J. Knowledge management handbook. New York: CRC Press, 1999.

BEDÊ, Marco Aurélio et al. Onde estão as micro e pequenas empresas no Brasil. São Paulo: SEBRAE, 2006.

BELL, D. The Coming of Post-industrial Society. New York: Basic Books, 1976.

BERNHOEFT, Renato. Empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. 2. ed. São Paulo: Nobel, 1991.

BERNHOEFT, Renato; GALLO, Miguel. Governança na empresa familiar. 4ª ed. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

BHALLA, A. A multiparadigmatic perspective of strategy: a case study of an ethnic

Family Firm. International Small Business Journal, v. 24, n. 5, p. 515–537, 1 out. 2006.

BHARDWAJ, Meeta; MONIN, John. Tacit to explicit: na interplay shaping organization knowledge. Journal of Knowledge Management. v. 10, n. 3, p. 72-85, 2006.

BJUGGREN, Per-Olof; SUND, Lars-Göran. A transition cost rationale for transition of the firm within the family. Small Business Economics, v. 19, n. 2, p. 123-133, 2002.

BOURDIEU, P. As contradições da herança. In: LINS, D. (Org). Cultura e subjetividade:

saberes nômades. Campinas: Editora Papirus, 1997. p.1 - 17.

BORNHOLDT, Werner. Governança na empresa familiar: implementação e prática. Porto Alegre: Bookman, 2005.

BOTTINO-ANTONACCIO, Carla Francisca. Empresas familiares: uma compreensão sistêmica. 2007. 260 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Departamento de Psicologia do Centro de Teologia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

BRACCI, Enrico; VAGNONI, Emidia. Understanding small family business succession in a knowledge management perspective. IUP Journal of Knowledge Management, v. 9, n. 1, p. 7, 2011.

BRASIL. Despacho No-202, de 5 de maio de 2016. Encaminhamento ao Congresso Nacional do texto do projeto de lei que "Altera os valores da tabela mensal do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, dispõe sobre a tributação das doações e heranças, do excedente do lucro distribuído pelas empresas optantes pelo lucro presumido e arbitrado [...]". Diário Oficial da União, Brasília – DF, 06 de maio. 2016. Disponível em: Acesso em: 05 out.2017.

BRITO, Lydia Maria Pinto; DE CLODOALDO GUERRA, Nilda Maria; LEONE, Pinto. Competências gerenciais requeridas em empresas familiares: um olhar feminino. Revista de Ciências da Administração, v. 14, n. 32, p. 50, 2012.

BROWN, John Seely; DUGUID, Paul. Organizational learning and communities-of-practice: Toward a unified view of working, learning, and innovation. Organization science, v. 2, n. 1, p. 40-57, 1991.

BRUNDIN, Ethel; NORDQVIST, Mattias; MELIN, Leif. Entrepreneurial orientation across generations in family firms: The role of owner-centric culture for proactiveness and autonomy. NM and T. Zellweger, editors, Transgenerational Entrepreneurship: Exploring Growth and Performance in Family Firms Across Generations, p. 123-141, 2011.

BYRD, T.A., MARKLAND, R.E., KARWAN, K.R., PHILIPOOM, P.R. An object-oriented rule-based design structure for a maintenance management system. Publisher Columbia, University of South Carolina, 1966.

CABRERA-SUÁREZ, K.; DE SAÁ PÉREZ, P. La empresa familiar desde la perspectiva de la teoría de recursos y capacidades. La Empresa en una Economía Globalizada: Retos y Cambios. In: Proceedings of the Xth National Congress of AEDEM. Granada, Spain. 1996.

CABRERA-SUÁREZ, Katiuska; DE SAÁ-PÉREZ, Petra; GARCÍA-ALMEIDA, Desiderio. The succession process from a resource-and knowledge-based view of the family firm. Family Business Review, v. 14, n. 1, p. 37-46, 2001.

CAMPOS, Elismar Álvares da Silva; BERTUCCI, Janete Lara de Oliveira; PIMENTEL, Thiago Duarte. Empresas familiares longevas: fatores que impactam sua continuidade. Relatório de pesquisa RP0802. Belo Horizonte: Fundação Dom Cabral (FDC), 2008.

CAPURRO, Rafael. Gestão do conhecimento cético. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 1, n. 1, p. 4-14, 2011.

CASILLAS, José Carlos; VÁSQUEZ, Adolfo; DÍAZ, Carmen. Gestão da empresa familiar: conceitos, casos e soluções. Tradução de Vértice Translate. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

CASTRO, C. L. de C. Entre o campo e o habitus: os significados atribuídos ao conatus por herdeiros de uma empresa familiar. 2013. 280 p. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2013.

CENTREMETAL.LÚRGIC; UPMBALL. La empresa familiar. Publicação nº 6. Set. 2005. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2017.

CHIN, W. W. The Partial Least Squares Approach to Structural Equation Modeling. In: MARCOULIDES, G. A. Modern Methods for Business Research. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 1998. p. 295-336.

CHIRICO, Francesco; SALVATO, Carlo. Knowledge integration and dynamic organizational adaptation in family firms. Family Business Review, v. 21, n. 2, p. 169-181, 2008.

CHITTOOR, Raveendra; DAS, Ranjan. Professionalization of management and succession performance—A vital linkage. Family Business Review, v. 20, n. 1, p. 65-79, 2007.

CHOO, C. W. A Organização do Conhecimento. 2. ed. São Paulo: Editora SENAC, 2006.

CHUA, Jess H.; CHRISMAN, James J.; SHARMA, Pramodita. Defining the family business by behavior. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 23, n. 4, p. 19-39, Summer 1999.

CHUA, Jess H.; CHRISMAN, James J.; CHANG, Erick PC. Are family firms born or made? An exploratory investigation. Family Business Review, v. 17, n. 1, p. 37-54, 2004.

CHURCHILL, Neil C.; HATTEN, Kenneth J. Non-market-based transfers of wealth and power: A research framework for family business. Family Business Review, v. 10, n. 1, p. 53-67, 1997.

COHEN, J. A Power Primer. Psychological Bulletin, New York, v. 112, n. 1, p. 155-159, 1992.

COHN, M. Passando a tocha: como conduzir e resolver os problemas de sucessão familiar. São Paulo: Makron, 1991.

COSTA, J. F. D. Mensuração e desenvolvimento de escalas: aplicações em administração. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2011.

CREDIT-SUISSE. The Family Business Model, 2015. Disponível em: . Acesso em 05 de jul. 2017.

CRONBACH, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika, v. 16, n. 8, p. 297-334, 1951.

DAVENPORT, Thomas H; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DEMSETZ, H. (1991). The theory of the firm revisited. In O. E. Williamson and S. G. Winter (eds.). The Nature of the Firm. Oxford University Press, New York, pp. 159-178.

DE ALMEIDA, Jobson Louis Santos; DUARTE, Emeide Nóbrega. Evolução e tendências das pesquisas em Gestão do Conhecimento no campo da Ciência da Informação. Biblionline, v. 7, n. 2, 2011.

DE MASI, D. A Sociedade Pós-Industrial. 2a ed. São Paulo: Senac, 1999.

DE MASSIS, Alfredo; CHUA, Jess H.; CHRISMAN, James J. Factors preventing intra‐family succession. Family Business Review, v. 21, n. 2, p. 183-199, 2008.

DEMO, P. Metodologia do Conhecimento Científico. São Paulo: Atlas, 2000.

DE OLIVEIRA, Janete Lara; ALBUQUERQUE, Ana Luiza; PEREIRA, Rafael Diogo. Governança, Sucessão e Profissionalização em uma Empresa Familiar:(re) arranjando o lugar de família multigeracional/Governance, Succession, and Formalization of Management in Family Businesses:(re) organizing the role played by multi-generation families/Gobierno Corporativo, Sucesión y Profesionalización en una Empresa Familiar: reorganizando el lugar de la familia multigeneracional. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 43, p. 176, 2012.

DE SÁ FREIRE, Patrícia et al. Processo de sucessão em empresa familiar: gestão do conhecimento contornando resistências às mudanças organizacionais. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, v. 7, n. 3, p. 713-736, 2010.

DE SÁ FREIRE, Patrícia et al. Ferramentas de avaliação de Gestão do Conhecimento: Um estudo bibliométrico. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), v. 2, n. 3, p. 15-38, 2013.

DE SÁ FREIRE, Patrícia; SPANHOL, Fernando José. O conhecimento organizacional: Produto ou processo? Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, n. 1, p. 3-21, 2014.

DEWI, Arfiyah Citra Eka; DHEWANTO, Wawan. Key success factors of Islamic family business. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 57, p. 53-60, 2012.

DE SOUZA BIDO, Diógenes et al. Qualidade do Relato dos Procedimentos Metodológicos em Periódicos Nacionais na Área de Administração de Empresas: o caso da modelagem em equações estruturais nos periódicos nacionais entre 2001 e 2010. Organizações & Sociedade, v. 19, n. 60, 2012.

DONATTI, Lívia. Empresa familiar: a empresa familiar em um âmbito global. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 1, n. 10, p. 3, 1999.

DONNELLEY, Robert G. A empresa familiar. Tradução de Carlos Osmar Bertero. Revista de Administração de Empresas - RAE, São Paulo, v. 7, n. 23, p. 161-198, abr./jun. 1967.

DUARTE, Luiz Fernando Dias; DE CAMPOS GOMES, Edlaine. Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares. FGV Editora, 2008.

DUMAS, Colette. Integrating the daughter into family business management. Entrepreneurship: Theory and Practice, v. 16, n. 4, p. 41-56, 1992.

DRUCKER, P. F. Management: Tasks, Responsibilities, Practices. Harper and Row Publishers Inc., New York, 1973

EDVINSSON, L; Malone M. S. Intellectual Capital. Piatkus, London, 1997.

ERBRECHT, Bericht. Des Generalrats über das. (Relatório do Conselho Geral sobre o Direito de Herança) (2-3 de Agosto de 1869), in: Marx und Engels Werke (Obras de Marx e Engels), Berlim: Dietz, 1961, Vol. 16, pp. 367. Disponível em: Acesso em: 05.out.2017.

ERICSSON, K. Anders. An Introduction to The Cambridge Handbook of Expertise and Expert Performance: Its Development, Organization, and Content. 2006.

ERICSSON, K. A., & Towne, T. J. Expertise. Wiley Interdisciplinary Reviews: Cognitive Science, 1(3), 404–416. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

ESCUDER, Sérgio Antônio Loureiro. Governança corporativa e empresa familiar: mecanismos e instrumentos facilitadores na gestão de conflitos societários. Revista de Administração da UNIMEP, Piracicaba,v. 4, n. 3, p. 80-105, set./dez. 2007.

EUROPEAN COMISSION. Overview of family-business-relevant issues: research, networks, policy measures and existing studies. Bruxelas – Bélgica: Directorate-General for Entreprise and Industry, 2009.

FAUL, F. et al. Statistical power analyses using G*Power 3.1: Tests for correlation and regression analyses. Behavior Research Methods, v. 41, n. 4, p. 1149-1160, 2009.

FELTHAM, Tammi S.; FELTHAM, Glenn; BARNETT, James J. The Dependence of Family Businesses on a Single Decision‐Maker. Journal of small business management, v. 43, n. 1, p. 1-15, 2005.

FERNÁNDEZ, Zulima. La organización interna como ventaja competitiva para la empresa. Papeles de economía Española, n. 56, p. 178-193, 1993.

FERNANDES, António B.; USSMANE, Ana Maria. Capacidade de aprendizagem das empresas familiares. XXII Jornadas Luso-Espanholas de Gestão Científica, 2012.

FIEGENER, Mark K. et al. A comparison of successor development in family and nonfamily businesses. Family business review, v. 7, n. 4, p. 313-329, 1994.

FIEGENER, Mark K. et al. Passing on strategic vision. Journal of Small Business Management, v. 34, n. 3, p. 15, 1996.

FLORIANI, Oldoni Pedro. Empresa familiar ou... inferno familiar? 2. ed. Curitiba: Juruá, 2008.

FORNELL, C.; LARCKER, D. F. Evaluating Structural Equation Models with Unobservable Variables and Measurement Error. Journal of Marketing Research, v. 18, n. 1, p. 39-50, 1981.

FOSS, Nicolai J.; KNUDSEN, Thorbjørn. The resource‐based tangle: towards a sustainable explanation of competitive advantage. Managerial and decision economics, v. 24, n. 4, p. 291-307, 2003.

FREEMAN, Robert R. Ocean and environmental information: The theory, policy, and practice of knowledge management. Marine Policy, v. 1, n. 3, p. 215-229, 1977.

FREITAS, Ernani Cesar de; FREZZA, Cleusa Maria Marques. Gestão e sucessão em empresa familiar. Revista Gestão e Desenvolvimento, Novo Hamburgo, v.2, n.1, p. 31-43, jan. 2005.

GALLO, Miguel Angel et al. Empresa familiar: texto y casos. 1995.

GALLO, M. A.; AMAT, J. M. Los secretos de las empresas familiars centenárias: claves del éxito de las empresas familiares multigeneracionales. Bilbao: Deusto, col. Del Instituto de la Empresa Familiar, 2003.

GARCIA, Volnei Pereira. Desenvolvimento das famílias empresárias. Rio de Janeiro: Qualitimark, 2001.

GERSICK et al. Kelin E.; DAVIS, John A.; HAMPTON, Marion McCollin; LANSBERG, Ivan. De geração para geração: ciclos de vida da empresa familiar. Tradução de Nivaldo Montingelli Jr. São Paulo: Negócio Editora, 1997.

GHOBADIAN, Abby; GALLEAR, David. TQM and organization size. International journal of operations & production management, v. 17, n. 2, p. 121-163, 1997.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Ed. Atlas, 1.995.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. In: Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas, 2008.

GIMENES, R. P. OS DESAFIOS DA SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES: Estudo de caso sobre a sucessão da primeira para a segunda geração em 3 empresas de transporte de cargas rodoviário do Estado de São Paulo. [s.l.] Escola de administração de empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, 2015.

GONÇALVES, Ernesto Lima. Família, ontem, hoje e sempre. Aparecida, São Paulo: Santuário, 2000.

GRANOVETTER, M. S. Problems of Explanation in Economic Sociology. In… Nohria N and Eccles R (Eds.), Networks and Organizations: Structure, Form and Action, pp. 25-56, Harvard Business School Press, Boston, 1992.

GRANT, Robert M. The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California management review, v. 33, n. 3, p. 114-135, 1991.

GRANT, Robert M. Toward a knowledge‐based theory of the firm. Strategic management journal, v. 17, n. S2, p. 109-122, 1996.

GRANT, Robert M. Prospering in dynamically-competitive environments: Organizational capability as knowledge integration. Organization science, v. 7, n. 4, p. 375-387, 1996.

GRZYBOVSKI, Denize; TEDESCO, João Carlos. Empresa familiar x competitividade: tendências e racionalidades em conflito. Revista Teoria e Evidência Econômica, Passo Fundo, v. 6, n. 11, p. 37-68, nov. 1998.

GRZYBOVSKI, D. Plataforma de conhecimentos e aprendizagem transgeracional em empresas familiares. 2007. 383 p. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal de Lavras: Lavras, 2007.

GRZESZCZESZYN, Geverson; MACHADO, Hilka Pelizza Vier. Empresas familiares do setor moveleiro e desenvolvimento local em Guarapuava. In: Encontro Da Associação Nacional De Pós-Graduação E Pesquisa Em Administração, 32., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: EnANPAD, 2008.

HABBERSHON, Timothy G.; WILLIAMS, Mary L. A resource-based framework for assessing the strategic advantages of family firms. Family Business Review, v. 12, n. 1, p. 1-25, 1999.

HABBERSHON, T; NORDQVIST, M.; ZELLWEGER, T. M. Trangenerational entrepreneurship. In: Nordqvist, M.; Zellweger, T. (Eds.). Transgenerational Entrepreneurship: Exploring Growth and Performance in Family Firms across Generations. UK: Edgard Elgar Publishing Ltd., p. 2-37, 2010.

HAIR JR., J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R.L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 5a Ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAIR JR, J. F. et al. Multivariate Data Analysis. 6. ed. Upper Saddle River: Pearson Education, Inc., 2009.

HAIR JR, J. F.; RINGLE, C. M.; SARSTEDT, M. PLS-SEM: Indeed a Silver Bullet. Journal of Marketing Theory and Practice, v. 19, n. 2, p. 139-151, 2011.

HAIR JR, J. F. et al. A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 2016.

HANDLER, W. C. Managing the family firm succession process: The next generation family member's experience. Boston: Boston University. 1989. Tese de Doutorado. Ph. D. Dissertation.

HAWKINS, Douglas M. Identification of outliers. London: Chapman and Hall, 1980.

HENSELER, J.; HUBONA, G.; RAY, P. A. Using PLS path modeling in new technology research: updated guidelines. Industrial Management & Data Systems, v. 116, n. 1, p. 2-20, 2016.

HENSELER, J.; RINGLE, C. M.; SINKOVICS, R. R. The use of Partial Least Squares Path Modeling in International Marketing. Advances in International Marketing, v. 20, n. 1, p. 277-319, 2009.

HOMMERDING, Nádia; VERGUEIRO, Waldomiro. Profissionais da informação e o mapeamento do conhecimento nas organizações: o caso da KPMG Brasil. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 2, n. 1, 2004.

HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

HULLAND, J. Use of partial least squares (PLS) in strategic management research: a review of four recent studies. Strategic Management Journal, v. 20, n. 2, p. 195-204, 1999.

HUUSKONEN V. Yrittäjäksi Ryhtyminen, TEOREETTINEN Viitekehys ja sen Koet-telu, Series A-2, Publications of Turku School of Economics and Business Administration, Turku, 1992.

IBM. IBM SPSS Statistics 24 Core System User's Guide. 24. ed. Armonk: IBM Corporation, 2016.

INTERNATIONAL FINANCE CORPORATION - IFC. Family Business Governance Handbook. Washington, USA: IFC, 2007.

Istituto nazionale di statistica - ISTAT. Compendio Statistico Italiano. Istat, Roma, 1996.

ITAMI, H. Mobilizing Invisible Assets. Harvard Uni. Press, Cambridge Mass, 1987.

KOGUT, B., & Zander, U. Knowledge of the firm, combinative capabilities, and the replication of technology. Organization science, 3(3), 383-397, 1992.

KROGH, Georg Von; ICHIJO, Kazuo; NONAKA, Ikujiro. Facilitando a criação de conhecimento: Reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Rio de Janeiro: Campos, 2001.

LAMBRECHT, Johan. Multigenerational transition in family businesses: A new explanatory model. Family business review, v. 18, n. 4, p. 267-282, 2005.

LANK, Aden G. Determinants of Longevity of the Family Enterprise. Apresentação, 2003.

LEACH, Peter. La empresa familiar. Barcelona: Ediciones Granica, 1993.

LEITE, Gleucir. Processo de sucessão e desafios da profissionalização: estudo em quatro empresas familiares na região metropolitana de Belo Horizonte/MG. 2012. 100 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte, 2012.

LEONE, Nilda. A sucessão em PME comercial na região de João Pessoa. Revista de Administração, São Paulo, v.27, n.3, p.84-91, jul./set.1992.

LEONE, Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra. Sucessão na Empresa Familiar: preparando as mudanças para garantir sobrevivência no mercado globalizado. São Paulo: Atlas, 2005.

LESCURA, C.; MOREIRA, L. B.; BORGES, C. L. P./ CAPELLE, M. C. A. Contradições da

herança: reflexões teóricas acerca do conatus nas organizações familiares. In. Encontro da

Associação Nacional de Pós- Graduação em Administração, 34º ; 2010, Rio de Janeiro. Anais

Enanpad 2008, Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pós-Graduação, 2010. 1CD-ROM.

LIMA, Maria José de Oliveira. As empresas familiares na cidade de Franca: um estudo sob a visão do serviço social. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

LIMA, Daniel. Governo quer tributação sobre herança para compensar reajuste na tabela do IR. EBC - Agência Brasil, Brasília, 06 maio. 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 out.2017.

LISSONI, Juliano; PEREIRA, Maurício Fernandes; ALMEIDA, Martinho Isnard Ribeiro; SERRA, Fernando Ribeiro. Family business: how family and ownership shapes business professionalization. Revista Brasileira de Gestão de Negócios – RBGN, São Paulo, v. 12, n. 37, p. 464-479, out./dez. 2010.

LITZ, Reginald A. The family business: Toward definitional clarity. Family Business Review, v. 8, n. 2, p. 71-81, 1995.

LODI, João Bosco. A empresa familiar. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1998.

LOPES, Doniali Elaine. A sobrevivência da pequena empresa familiar a partir da administração estratégica: um estudo de caso em uma pequena empresa do ramo de serviços alimentares na cidade de Outro Branco – MG. 2007. Dissertação (Mestrado profissional em Administração) – Fundação Educacional Antônio Dadalto – FEAD, Belo Horizonte, 2007.

MACHADO, Roberta Magalhães da Cruz; WETZEL, Ursula; RODRIGUES, Monica Esteves. A experiência de sucessão para herdeiras de empresas familiares do Rio de Janeiro. CADERNOS EBAPE, FGV, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 1-24, set. 2008.

MAIA, Tatiane Silva Tavares. Ação empreendedora, sucessão e governança em empresas familiares: em direção a formação de capital. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 13., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: SEMEAD, 2010.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Tradução de Lene Belon Ribeiro; Monica Stefani. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003.

MATTELART, Armand. L'âge de l'information: genèse d'une appellation non contrôlée. Réseaux, v. 18, n. 101, p. 19-52, 2000.

MATTELART, Armand. A era da informação: gênese de uma denominação descontrolada. Revista FAMECOS, v. 8, n. 15, p. 07-23, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2016.

MICROSOFT. Knowledge Management: Produtividade Organizacional. 319. ed. São Paulo: IGG, 2000.

MIRANDA, Roberto Campos da Rocha (org.). Informação e conhecimento no Legislativo. Brasília: Câmara dos Deputados, 2012.

MITCHELL, R. K.; ANGLE, B. R.; WOOD, D. J. Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 853-886, 1997.

NAHAPIET, Janine; GHOSHAL, Sumantra. Social capital, intellectual capital, and the organizational advantage. Academy of management review, v. 23, n. 2, p. 242-266, 1998.

NONAKA, L. A dynamic theory of organizational knowledge creation. Organization Science, 5, pp. 14-37, 1994.

NONAKA, I. and H. TAKEUCHI. The Knowledge Creating Company. Oxford University Press, New York, 1995.

NONAKA, Ikujiro, TAKEUCHI, Hirokata. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Tradução de Ana Beatriz Rodrigues e Priscilla Martins Celeste. 9 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONAKA, Ikujiro, TOYAMA, Ryoko, KONNO, Noburu. SECI, Ba and leadership: a unified model of dynamic knowledge creation. Long Range Planning. v. 33, n. 1, p. 5-34, 2000.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Empresa familiar: como fortalecer o empreendimento e otimizar o processo sucessório. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

OLIVEIRA, Janete Lara de; CAMPOS, Elismar Álvares da Silva; PINHEIRO, Alexandre Santos; PIMENTEL, Thiago Duarte. A governança corporativa como elemento mediador na empresa familiar. Revista de Administração FACES - Universidade FUMEC, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 105-122, jul./set. 2011.

OLSON, Patrícia d.; ZUIKER, Virginia S.; DANES, Sharon M.; STAFFORD, Kathryn; HECK, Ramona K. Z.; DUNCAN, Karen A. The impact of the family and the business on family business sustainability. Journal of Business Venturing, v. 18, n. 5, p. 639-666, Sept.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Survey on Knowledge Management Practices for Ministries/Departments/Agencies of Central Government in OECD Member Countries. Paris: OECD, 2002. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2006

PAPA, Adriana Cassia; LUZ, T. R. O papel do fundador na cultura de uma empresa familiar: um estudo de caso em João Monlevade-MG. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Pesquisa e Administração, 2008.

PARRINI, L. La finanza straordinaria per pianificare la successione. Amministrazione & Finanza, v. 14, n. 1, p. 63-66, 2000.

PASSOS, Édio et al. Família, família, negócios à parte: como fortalecer laços e desatar nós na empresa familiar. São Paulo: Editora Gente, 2006.

PEREIRA, Marcelo Henrique Neves. Fatores críticos de sucesso em empresas familiares: uma abordagem competitiva. 2008. 93 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

PEREIRA, R. D.; OLIVEIRA, J. L. A estruturação do processo sucessório ea influência ddos valores familiares em uma empresa têxtil mineira. Anais Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, v. 34, p. 1-16, 2010.

PERRY, Stephen C. The relationship between written business plans and the failure of small businesses in the US. Journal of small business management, v. 39, n. 3, p. 201-208, 2001.

PETERAF, Margaret A. The cornerstones of competitive advantage: a resource‐based view. Strategic management journal, v. 14, n. 3, p. 179-191, 1993.

PETRY, Luiz Inácio; NASCIMENTO, Auster Moreira. Um estudo sobre o modelo de gestão e o processo sucessório em empresas familiares. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, v. 20, n. 49, p. 109-125, jan./abr. 2009.

PORTER, M. On Competition. Boston: Harvard Business School Press, 1998.

PRAJAPATI, B.; DUNNE, M.; ARMSTRONG, R. Sample size estimation and statistical power analyses. Ot PeerReviewed, 16 jul. 2010.

PRIEM, Richard L.; BUTLER, John E. Is the resource-based “view” a useful perspective for strategic management research? Academy of management review, v. 26, n. 1, p. 22-40, 2001.

PROSPERARE. Crescimento e longevidade da empresa familiar. Artigo. São Paulo, 2007.

PWC - PRICEWATERHOUSECOOPERS INTERNATIONAL LIMITED. As empresas familiares no Brasil. Pesquisa 2010.

PWC - PRICEWATERHOUSECOOPERS INTERNATIONAL LIMITED. Family firm: a resilient model for the 21st century. Pesquisa 2012.

REED, Kira Kristal; LUBATKIN, Michael; SRINIVASAN, Narasimhan. Proposing and testing an intellectual capital‐based view of the firm. Journal of management studies, v. 43, n. 4, p. 867-893, 2006.

RICCA, Domingos. Sucessão na empresa familiar: conflitos e soluções. São Paulo: CLA, 2007.

RICCA, Domingos. Da empresa familiar à empresa profissional. São Paulo: CLA, 1998.

RINGLE, C. M.; WENDE, S.; BECKER, J.-M. SmartPLS 3. Bönningstedt: SmartPLS GmbH, 2015. Disponivel em: .

ROBBINS, Stephen. O comportamento organizacional. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1999.

ROCHA, Carlos Henrique Maurício da. A profissionalização da gestão das empresas familiares num contexto de mudança: um estudo de caso no setor têxtil. 2001. 183 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, 2001.

ROSSETTI, Adroaldo Guimarães; MORALES, Aran Bey Tcholakian. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciência da Informação, v. 36, n. 1, p. 124-135, 2007.

RUTHERFORD, Matthew W.; KURATKO, Donald F.; HOLT, Daniel T. Examining the link between “familiness” and performance: can the F-PEC untangle the family business theory jungle? Entrepreneurship Theory and Practice, v. 32, n. 6, p. 1089-1109, nov. 2008.

SANTANA, Sílvia Cristina Carvalho Sampaio; SILVA, Willame Carvalho. A empresa familiar. 2005.

SANTOS, N. Introdução à Engenharia e Gestão do Conhecimento. Aula 1º Trim. Curso de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento/UFSC. Florianópolis, 2008.

SHARMA, Pramodita; CHRISMAN, James J.; CHUA, Jess H. Strategic management of the family business: Past research and future challenges. Family business review, v. 10, n. 1, p. 1-35, 1997.

SHARMA, P.; CHRISMAN, J. J. & CHUA, J. H. Succession planning as planned behavior: Some empirical results. Family Business Review, v. 16, n. 1, p. 1-15, 2003.

SILVA, R. G. et. al. Conatus e o processo sucessório: limites e possibilidades à continuidade da empresa familiar. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração, 37º; 2013, Rio de Janeiro. Anais..., Rio de Janeiro: ANPAD, 2013. CD-Rom.

SILVEIRA, Henrique Flávio Rodrigues. Um estudo do poder na sociedade da informação. Ci. Inf, v. 29, n. 3, p. 79-90, 2000.

SOARES PEREIRA, Antonio Carlos et al. Desconstrução do mito e sucessão do fundador em empresas familiares. RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 17, n. 5, 2013.

SONGINI, Lucrezia. The professionalization of family firms: theory and practice. In: POUTZIOURIS, Panikkos Zata; SMYRNIOS, Kosmas X.; KLEIN, Sabrine B. (Org.). Handbook of research on family business. Cheltenham: Edward Elgar Publishers, 2006. p. 269-297.

SOSA, Derocina Alves Campos. As universidades medievais: estudo e formação. BIBLOS, v. 21, n. 2, p. 179-182, 2008.

SPENDER, John-Christopher. Industry recipes: An enquiry into the nature and sources of managerial judgment. Cambridge, MA, Basil-Blackwood Inc, 1989.

SPENDER, J. C.; GRANT, Robert M. Knowledge and the firm: overview. Strategic management journal, v. 17, n. S2, p. 5-9, 1996.

STEIER, Lloyd. Next-generation entrepreneurs and succession: An exploratory study of modes and means of managing social capital. Family Business Review, v. 14, n. 3, p. 259-276, 2001.

STEWART T. A.; Intellectual Capital. Nicholas Brealey Publication, London, 1997.

STEWART, T.A.; A riqueza do conhecimento. O capital intelectual e a organização do século XXI. Rio de Janeiro. Campus, 2002.

SVEIBY, Karl E. A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TERRA, José Cláudio Cyrineu. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. Rio de Janeiro: Elsevier. 2005.

TIRDASARI, Nyayu Lathifah; DHEWANTO, Wawan. Family business succession in Indonesia: A study of hospitality industry. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 57, p. 69-74, 2012.

TOSO JÚNIOR, Reinaldo; EZAKI, Hitskô Albano; OLIVEIRA, Jéssica Melissa de; CARDOSO, Kátia; SANTOS, Letícia Aparecida dos; MANZATTO, Lílian; OTAGURO, Rodrigo de Mello; VINCEZI, Rodrigo Eugênio; BERENGUEL, Paulo Leandro; JACINTO, Stefano Missorelli Perez; SILVA, Tamires Freire; BRAVIN, Thais Fernanda Cantero. Alguns aspectos da administração familiar no Brasil. Revista Reverte, Faculdade de Tecnologia de 233 Indaiatuba – FATEC, 8. ed., ano 8, n. 8, Artigo 1, dez. 2010.

TOFLER, A. A Terceira Onda. 5a ed. São Paulo: Record, 1980.

THIVES JR, Juarez Jonas. Workflow–uma tecnologia para transformação do conhecimento nas organizações. Florianópolis: Insular, 2000.

THOMPSON, James D. Organizations in action: Social science bases of administrative theory. Transaction publishers, 1967.

TSOUKAS, Haridimos. The firm as a distributed knowledge system: a constructionist approach. Strategic management journal, v. 17, n. S2, p. 11-25, 1996.

URBACH, N.; AHLEMANN, F. Structural Equation Modeling in Information Systems Research Using Partial Least Squares. Journal of Information Technology Theory and Application, v. 11, n. 2, p. 5-40, 2010.

USSMAN, A. M. Empresas Familiares: entender a estrutura, os valores e as dinámicas da empresa familiar. Lisboa: Sílabo, 2004.

VANCIL, Richard F. Passing the baton: Managing the process of CEO succession. Harvard Business School Pr, 1987.

VANDENBOS, G. R. APA Dictionary of Psychology. 2 ed. New York: American Psychological Association. 2015.

VASCONCELOS, M C R L de. Cooperação universidade/empresa na pós-graduação: contribuição para a aprendizagem, a gestão do conhecimento e a inovação na indústria mineira - Tese de doutorado - Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação – 2000.

VIDA, Laércio José. Papéis gerenciais numa empresa familiar segundo a avaliação dos gestores: um estudo de caso. 2007. 90 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Fundação Educacional Antônio Dadalto – FEAD, Belo Horizonte, 2007.

VIDIGAL, Antônio Carlos. Viva a empresa familiar. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

VIEIRA, Adriane; DE SOUSA NETO, José Antônio; ROSCOE, Maria Teresa. 3. The influence of culture on governance, innovativeness and knowledge generation in Brazilian family businesses. Understanding Entrepreneurial Family Businesses in Uncertain Environments: Opportunities and Research in Latin America, p. 66, 2011.

WARD, J. L. Keeping the Family Business Healthy: How to Plan for Continuing Growth, Profitability, and Family Leadership. San Francisco: Jossey-Bass, 1987.

WEGGEMAN, Mathieu. Knowledge management. Shiedam: Scriptum, 1997.

WIIG, Karl M. Knowledge management in public administration. Journal of knowledge management, v. 6, n. 3, p. 224-239, 2002.

WILSON, J.W., EMERE, G.T.G. Some Factors Affecting Strata Control In The Orange Free State Mines Of The Anglo American Corporation. In: Assoc Mines Managers S Afr Pap Discuss, 1976, Elsevier B.V., pp. 521-564

WITTKUHN, Franziska. Professionalization of top management teams in family business: the influence on strategic decision-making processes. 2009. 98 f. Dissertação (Mestrado em negócios internacionais, empreendedorismo e gestão de pequenas e médias empresas) – Universidade de Maastricht, Maastrich-Holanda, 2009.

WONG, W. L. P.; RADCLIFFE, David F. The tacit nature of design knowledge. Technology Analysis & Strategic Management, v. 12, n. 4, p. 493-512, 2000.

WONG, Kuan; ASPINWALL, Elaine. Characterizing knowledge management in the small business environment. Journal of Knowledge management, v. 8, n. 3, p. 44-61, 2004.

WORTMAN, Max S. Theoretical foundations for family-owned business: A conceptual and research-based paradigm. Family Business Review, v. 7, n. 1, p. 3-27, 1994.

YOUNDT, Mark A.; SUBRAMANIAM, Mohan; SNELL, Scott A. Intellectual capital profiles: An examination of investments and returns. Journal of Management studies, v. 41, n. 2, p. 335-361, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)