AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ERA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: um novo modelo de relacionamento com a sociedade

Thais Helen Helen Rocha

Resumo


O avanço tecnológico na indústria bancária, proporcionou um novo conceito de relacionamento entre instituições financeiras e sociedade. Dentre várias mudanças, pode-se citar fatores como o crescente uso do Mobile e Internet Banking como dois dos principais canais de atendimento nesta relação; a contratação de produtos por meio de chat e a orientação de diversificação financeira por algoritmos. O objetivo desta pesquisa foi analisar um novo modelo de relacionamento entre instituições financeiras e sociedade, na era da tecnologia de informação e comunicação. A partir de três estratégias de pesquisa foi possível levantar a história e influência da tecnologia no mercado financeiro, avaliar as tecnologias e desafios envolvidos na automação bancária e projetar o tipo de relacionamento que norteará esta relação no futuro. A primeira estratégia foi uma pesquisa bibliográfica, para o levantamento da história do Sistema Financeiro Nacional em seu aspecto tecnológico e a evolução da automação bancária no Brasil. A segunda estratégia foi uma revisão sistemática da literatura que levantou doze tecnologias utilizadas em um relacionamento digital entre instituições financeiras e sociedade e seis fatores de desafios para a automação bancária, que podem prejudicar ou adiar a evolução do crescimento exponencial da automação. A terceira e última estratégia foi a aplicação de um painel Delphi a partir dos resultados da pesquisa bibliográfica, para projetar o modelo de relacionamento com instituição financeira no futuro.  Como resultados tem-se uma história que começa com a aquisição de um computador por uma instituição financeira e chega a um futuro de uma sociedade hiperconectada. A revisão sistemática da literatura apresenta dez pesquisas onde a tecnologia está relacionada nas diferentes esferas da automação bancária como segurança cibernética, cultura brasileira, tecnologias disruptivas e outras. Conforme os vinte respondentes do painel Delphi, composto por quinze especialistas de mercado e cinco acadêmicos, em relação as tecnologias e desafios levantados da literatura, nos próximo dez anos o relacionamento entre instituições financeiras e sociedade tende a ser unicamente digital. Tecnologias como business intelligence, identificação digital, uso das redes sociais e fim da formalização de processo com o uso de papel, tendem a nortear este relacionamento; relacionamento que deverá passar por alguns desafios, como a cultura brasileira, segurança cibernética e a população não bancarizada.

Referências


Accorsi, A. (2014). O banco do futuro: perspectivas e desafios. Revista Administração, São Paulo, SP, 49(1), 205-216. Recuperado de: https://www.revistas.usp.br/rausp/article/download/86379/89051

Albergoni, L. & Pereira, C. (2009). Automação bancária x atendimento pessoal: a preferência dos clientes em Curitiba. Revista FAE, Curitiba, PR, 2(2), 73-87. Recuperado de: https://revistafae.fae.edu/revistafae/article/download/300/205

Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais [ANBIMA] (2016, junho). Melhores práticas de segurança cibernética. Cultura digital transformando a sociedade. Ciab/Febraban, São Paulo, SP, Brasil, 63. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/magazines/ciab-magazine-63.pdf

Andrade, L (2016, junho). Evolução dos serviços tradicionais para o digital. Cultura digital transformando a sociedade. Ciab/Febraban, São Paulo, SP, Brasil, 63. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/magazines/ciab-magazine-63.pdf

Andrezo, A. F., & Lima, I. S. (2002). Conceitos básicos e função do mercado financeiro Mercado Financeiro, aspectos históricos e conceituais. (2a ed., pp.1-21). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Araripe, S. (2007, outubro). Corrida para o futuro. Tecnologia e Inovação. Revista Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 61 (10) 30-40. Recuperado de: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rce/article/view/27102/25971

Bahia, E. M. S.; Fachin, J., & Freitas, E. O. (2011, dezembro). Selo Digital: Autenticidade virtual? Revista PerCursos, Florianópolis, SC, Brasil. 12 (02) 120 - 135. Recuperado de: http://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/2308/1812

Barbosa, C. (1990). O projeto de pesquisa. Anhembi. Aula 6.

Barros, O. S. R.; Gomes, U. M., & Freitas, W. L. (2011). In L. Whitney (Orgs.) Desafios estratégicos para segurança e defesa cibernética. Brasília: Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 216. Recuperado de: http://livroaberto.ibict.br/handle/1/612

Bastos, J. S. Y.; Silva, A. B. O.; Parreiras, F. S.; & Brandão, W. C. (2004, dezembro). Monitoração ambiental em contextos dinâmicos: busca e uso de informação por gerentes bancários. Revista Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, MG, Brasil. 9 (2) 218-229. Recuperado de: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/362

Becker, J. L.; Lunardi, G.L., & Maçada, A.C.G. (2003). Análise de eficiência dos Bancos Brasileiros: um enfoque nos investimentos realizados em Tecnologia de Informação (TI). Revista Produção 13 (2) 70-81. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/prod/v13n2/v13n2a07.pdf

Bitner, M. J.; Stephen W. B., & Matthew L. M. (2000, july). Technology infusion in service encounters. Journal of the Academy of marketing Science. 64 (3) 50-64. Retrieved from: http://journals.ama.org/doi/abs/10.1509/jmkg.64.3.50.18024?code=amma-site

Blum, R. O. (2016, junho). Cloud Computing: Aspectos juridicos e legais na computação em nuvem. Cultura digital transformando a sociedade. Ciab/Febraban, São Paulo, SP, Brasil, 63. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/magazines/ciab-magazine-63.pdf

Bolsoni, E. P.; Cardoso, C., & Souza, C. H. M. (2009, novembro). Computação Ubíqua, Cloud Computing e PLC para Continuidade Comunicacional diante de Desastres. V Seminário Internacional de Defesa Civil - DEFENCIL. São Paulo, SP, Brasil.

Bombonatti F°, O.; Gaspar, M. A.; Silveira, M. A. P. & Moraes, E. A. (2013, abril). Estratégia de investimentos em tecnologia da informação e comunicação e a evolução da indústria bancária brasileira: Análise dos indicadores do setor e dos maiores bancos privados. Revista Gestão & Tecnologia. Pedro Leopoldo, MG, Brasil. 13 (1) 151-176. Recuperado em: http://revistagt.fpl.emnuvens.com.br/get/article/view/461/448

Brandão, S.S. & Lima, N. I. (2012). Técnicas de segurança em Internet banking. Pós em Administração.

Breternitz, V. J. (2009). Contribuições ao processo de construção estratégica para a bancarização da população de baixa renda com o uso de dispositivos móveis. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-06022010-221703/en.php

Breternitz, V.J. Galhardi, A. C. & Almeida, M. I. R. (2011, fevereiro). Bancarização da população de baixa renda através do uso de telefones celulares: operações financeiras básicas e remittances. Revista Eletrônica de Tecnologia e Cultura. 2 (4) 12-23. Recuperado em: http://www.fatecjd.edu.br/lib/RETC_Edicao_05.pdf#page=16

Calliari, A. (2010). Penteado S. (Coord.) Tecnologia bancária no Brasil: uma história de conquistas, uma visão de futuro. FGV/RAE: São Paulo. Recuperado em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/13532/tecnologia-bancaria-no-brasil-uma-historia-de-conquistas-uma-visao-de-futuro.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Calmon, E. (2003). Sistema Financeiro da Habitação. Brasilia, DF, Brasil. Recuperado de: http://bdjur.stj.br//dspace/handle/2011/379.

Camargo, P. O. (2009). A evolução recente do setor bancário no Brasil. São Paulo: Ed. UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica. 322 p. Recuperado de: http://books.scielo.org/id/hn9cv

Caparelli, Y. L.; Benevenutti, V. & Bittencourt, E. (2015, outubro). Análise da utilização dos serviços de mobilidade pelos clientes de uma instituição financeira bancária em Joinville, SC, Brasil. XII Seget - Simpósio de excelência em gestão e tecnologia.

Carcanholo, A. R. (2002, dezembro). Sobre a Natureza do dinheiro em Marx. Revista Sociedade Brasileira de Economia Política, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11, 33-37.

Carrion, A.P. & Werner, C. (2012). Software Embarcado e para WEB - Tendencia de mercado para alta tecnologia. UNIPAR Paranavaí, PR, Brasil. Recuperado de: http://ftp.unipar.br/~seinpar/2013/artigos/Ana%20Paula%20Carrion%203.pdf

Carvalheiro, N. (2002). Política monetária no Brasil pós Real. Revista Pesquisa & Debate, São Paulo, SP, Brasil. 1(21), 5-29. Recuperado de: https://revistas.pucsp.br/index.php/rpe/article/view/12028/8708

Cavalcanti, E. P. (1995). Revolução da Informação: algumas reflexões. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, SP, Brasil. 1 (1). Recuperado em: http://www.ancibe.com.br/artigos%20de%20si/artigo%20-%20Revolu%C3%A7%C3%A3o%20da%20informa%C3%A7%C3%A3o%20-%20algumas%20reflex%C3%B5es.pdf

Cernev, A., Diniz, E. H., & Jayo, M. (2009). Emergência da quinta onda de inovação bancária. Americas Conference on Information Systems - AMCIS. AIS Eletronic Library. Retrieved from: http://aisel.aisnet.org/cgi/viewcontent.cgi?article=1079&context=amcis2009

Coelho, G. I. (2013). Impactos da inovação bancária na função gerencial: percepção de gerentes intermediários de bancos privados. Faculdade Novos Horizontes/MG.

Comer, D. (2013). Interligação de redes com TCP/IP - princípios, protocolos e arquitetura. Vol. 1, Ed. Elsevier.

Corazza, G. (2006, junho). O Banco Central do Brasil: evolução histórica e institucional. revista Perspectiva Econômica 2 (1) 1 - 23. Recuperado de: http://revistas.unisinos.br/index.php/perspectiva_economica/article/view/4372

Costa, N. F. (2010). Brasil dos Bancos. Banco do Brasil.

Cunha, J. V. A. (2007, junho). Doutores em Ciências Contábeis da FEA/USP: análise sob a óptica da teoria do Capital Humano. Revista de Administração Contemporânea. Curitiba, PR, Brasil. 14 (3) 532-557. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/rac/v14n3/v14n3a09

Curran, J. M., & Matthew L. M. (2005). Self-service technology adaption: comparing three technologies. Journal of Services Marketing. 19 (2) 103-113. Recuperado de: http://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/08876040510591411

Dantas, M. M. & Souza, U. E. L. (2007). Proposição de ações para melhoria da produtividade da concretagem em edifícios verticais por meio da utilização do método Delphi. (Dissertação de mestrado) . Universidade de São Paulo - USP. São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3146/tde-22042007-150027/en.php

Delabrida, S. (2013). Redes de Computadores. Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação. Ouro Preto, MG, Brasil. Recuperado de: http://www.decom.ufop.br/sauldelabrida/wp-content/uploads/2013/10/Parte1_Introducao_Resumida1.pdf

Deloitte (2016). Banking reimagined How disruptive forces will radically transform the industry in the decade ahead. Deloitte Center for Financial Services. Recuperado de: https://www2.deloitte.com/content/dam/Deloitte/au/Documents/financial-services/deloitte-au-fs-banking-industry-outlook-future-of-banking-250316.pdf.

Dupont, B. (2011, novembro). A coevolução do “roubo de identidade” e dos sistemas de pagamento. Revista Rua. Campinas, São paulo, Brasil. 17 (2). Recuperado de: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/download/8638322/5939

Evolis. (2017). Recuperado de: http://br.evolis.com/mercados/pranchetas-assinatura-eletronica-bancos/pranchetas-assinatura-digital-instituicoes-financeiras.

Febraban. (2015). Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2015. Deloitte, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/researches/research-2015.pdf.

Febraban. (2017). Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2017. Deloitte, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/researches/research-2017.pdf

Febraban (2017). Em 2013, o País atingiu o número de 103 milhões de contas correntes. Recuperado de: http://www.ciab.com.br/pt/noticia/2014/04/numero-de-contas-correntes-no-brasil-cresce-6.

Freire, K. (2009, junho). Reflexões sobre o conceito de design de experiências. Strategic Design Research Journal, 2(1) 37-44. Recuperado de: www.revistas.unisinos.br/index.php/sdrj/article/view/5159/2407.

Fons, R. A. (2016). Using technology to meet the financial needs of the digital generation. Global Head, Financial Services Sector. Havai. 21, jun.

Fonseca, C. E. C. da, Meirelles, F. de S. & Diniz, E. H. (2010). Tecnologia bancária no Brasil: uma história de conquistas, uma visão de futuro. FGV/RAE: São Paulo. Recuperado em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/13532/tecnologia-bancaria-no-brasil-uma-historia-de-conquistas-uma-visao-de-futuro.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Fontes, P.; Macedo, F. (2014). 90 Anos Fortalecendo a Democracia. Bancários de São Paulo 1923-2013. Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de: http://www.spbancarios.com.br/Pagina.aspx?id=341.

Fortuna, E. (1999). Mercado Financeiro - produtos e serviços. Sistema Financeiro Nacional (13a ed., Cap. 3, pp. 11-33. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Fortuna, E. (2008). Mercado Financeiro - produtos e serviços. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Fosse, G. & Baptista, P. P. (2015). Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária. São Paulo: Deloitte. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/researches/research-2015.pdf

Ganski, G. Madureira, J. & Oliveira, A. F. (2013). Cédula de Crédito Bancário. JICEX - Revista da Jornada de Iniciação Científica e de Extensão Universitária. Curso de Direito das Faculdades Integradas, Santa Cruz de Curitiba. Recuperado de: http://www.santacruz.br/ojs/index.php/JICEX/article/view/98

Gouveia, F. (2016, junho) Inovações tecnológicas priorizam mobilidade e segurança ao cliente. Cultura digital transformando a sociedade. Ciab/Febraban, São Paulo, SP, Brasil, 63. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/magazines/ciab-magazine-63.pdf

Gruman, G. & Knorr, E. (2008). What cloud computing really means. InfoWorld. Recuperado de: http://www.infoworld.com/article/2683784/cloud-computing/what-cloud-computing-really-means.html.

Henrique, J. L. (2001). Satisfação do usuário com as tecnologias da informação nos serviços bancários. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, Brasil. Recuperado de: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/1794

IBGE (2013). Acesso a Internet e a televisão e posse de telefone movel celular para uso pessoal. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio. Recuperado de: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv93373.pdf.

Isoni, M. F°. (2012). I Capacitação em Metodologia da Pesquisa Científica: Revisão Sistemática da Literatura. João Pessoa - PB.

Jung, C. R.; Osório, F. S.; Kelber, C. R. & Heinen, F. J. (2005, julho). Computação Embarcada: Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes. XXV Congresso da Sociedade Brasileira de computação. UNISINOS - São Leopoldo, RS, Brasil. Recuperado de: https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/39620034/jai05-veiculos-inteligentes.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1512052551&Signature=V81%2BFInxbBy5J7RI2JZqjituCH4%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DComputacao_embarcada_Projeto_e_implement.pdf

Kappel, L. B. (2014, junho). Gestão de Serviços Bancários : os motivos da não utilização do Internet banking e do autoatendimento no interior do Brasil Central. Revista Eletrônica de administração. 13 (1) 1–15. Recuperado de: http://periodicos.unifacef.com.br/index.php/rea/article/view/719

Kitchenham, B. (2004, july). Procedures for performing systematic reviews. Technical Report TR/SE-0401. Retrieved from: http://www.ifs.tuwien.ac.at/~weippl/systemicReviewsSoftwareEngineering.pdf

King, B. (2010). Bank 2.0: how customer behavior and technology will change the future of financial services. Marshall Cavendish International Ásia; (15 de abril de 2010).

King. B. (2012). Bank 3.0: Why Banking Is No Longer Somewhere You Go But Something You Do. John Wiley & Sons; (26 de dezembro de 2012).

King, B. (2014). Breaking Banks: The Innovators, Rogues, and Strategists Rebooting Banking. Wiley; (3 de abril de 2014).

Kondo, E. K.; Matsumoto, A. S.; Oliveira, J. M. & Sousa, M. S. (2009, setembro). Marketing de relacionamento e estratégias de fidelização de clientes pessoas físicas. Revista ANGRAD, 10 (3). Recuperado em: https://raep.emnuvens.com.br/raep/article/view/189

Leão, L. (2005). Administração de Sistemas de Informação - Aplicações de Sistemas de Apoio às decisões. Faculdade Estácio.

Leite, F. L. C.; Diniz, E. H. & Jayo, M. (2009, junho). Utilização de Business Intelligence para Gestão Operacional de Agências Bancárias: um Estudo de Caso. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação. Recife, PE, Brasil. Recuperado de: http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/reinfo/article/view/576

Levy, P. (1998). As tecnologias da inteligência. O futuro do pensamento na era da informática. Tradução: Carlos Irineu da Costa. ed. 34. Recuperado de: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=BqB9h-W8AeUC&oi=fnd&pg=PA7&dq=Levy,+P.+(1998).+As+tecnologias+da+intelig%C3%AAncia.+O+futuro+do+pensamento+na+era+da+inform%C3%A1tica.+Tradu%C3%A7%C3%A3o:+Carlos+Irineu+da+Costa.+Editora+34.&ots=JxNwTJ8nov&sig=w9qcG8Z_WByFhOEsQyIFor0Q6DE#v=onepage&q&f=false

Lima, A. C. (2016, outubro). Análise Prospectiva da Indústria Bancária no Brasil: Regulação, Concentração e Tecnologia. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 20 (5) 546-567. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/rac/v20n5/1415-6555-rac-20-05-00546.pdf

Lima, A. C. (2014). Uma análise do ambiente competitivo dos bancos comerciais no Brasil. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo - USP. Recuperado de: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-26052014-175045/

Lima, M. O.; Pinsky, D. & Ikeda, A. A. (2008). A Utilização do Delphi em Pesquisas Acadêmicas em Administração: um Estudo nos Anais do EnAnpad. ResearchGate. Recuperado de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1307622/mod_resource/content/1/IKEDA_DELHPI.pdf

Lopes, C. A. (2007, agosto). Exclusão Digital e a Política de Inclusão Digital no Brasil – o que temos feito? Revista de Economia Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación IX (2). Recuperado de: https://seer.ufs.br/index.php/eptic/article/download/235/230

Lorando, M. (2015). Recuperado de: http://litterisconsulting.com.br/historia-do-sistema-financeiro-nacional/.

The London School of Economics and Political Science. LSE Report. (2010). The Future of Finance. Recuperado de: https://harr123et.files.wordpress.com/2010/07/futureoffinance5.pdf

Mainetti S. Jr.; Gramani, M. C. N. & Barros, H. M. (2013). Tecnologia da Informação e Eficiência Bancária no Brasil. Insper Working Paper. Recuperado de: https://www.insper.edu.br/en/wp-content/uploads/2013/12/2013_wpe329.pdf

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. (5a ed.) São Paulo: Ed. Atlas. Recuperado de: http://197.249.65.74:8080/biblioteca/handle/123456789/717

Mendes, A. TIC (2008, março). Muita gente está comentando, mas você sabe o que é? Portal iMaster. Recuperado de: https://imasters.com.br/artigo/8278/gerencia-de-ti/tic-muita-gente-esta-comentando-mas-voce-sabe-o-que-e/?trace=1519021197&source=single

Miranda, M. (2001). Comissão de valores mobiliários. Alterações feitas pela Lei nº 10.303 de 31 de outubro de 2001.

Mompean, A. (2016, outubro). A próxima fronteira, São Paulo, SP, Brasil, 65. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/magazines/ciab-magazine-65.pdf

Moreno, L. A. (2006). Challenges to expand access to credit and banking services. 41st Banking Convention, Cartagena de Indias, Colombia. Recuperado de: http://www.iadb.org/en/news/speeches/2006-08-10/challenges-to-expand-access-to-credit-and-banking-services,3227.html.

Moreira, A. & Maia, L. C. G. (2013, abril). Tecnologias da informação, mudança e administração pública. DataGramaZero - Revista de Informação. 14 (2). Recuperado de: http://www.luizmaia.com.br/docs/tecnologias_da_informacao_mudanca_e_administracao_publica.pdf

Nakamura, C. (2016, outubro). Inovação em Meios de Pagamento- Banco Bradesco Cartões. São Paulo, SP, Brasil, 65. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/magazines/ciab-magazine-65.pdf

Nanni, H. C. & Canete, K. V. S. (2009). A Importância das Redes Sociais como Vantagem Competitiva nos Negócios Corporativos. VII Convibra Administração – Congresso Virtual Brasileiro de Administração. Recuperado de: http://www.convibra.com.br/upload/paper/adm/adm_982.pdf

Oliveira, J. S. P.; Costa, M. M. &Wille, M. F. C. (2008). Introdução ao Método Delphi. Curitiba: Mundo Material. Recuperado de: http://eprints.rclis.org/12888/1/cartilha_delphi_digital.pdf

Oliveira, R. A. C.(2000). O Internet Banking e os hábitos de uso entre os clientes pessoa física - atributos e resistências. (Dissertação de mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRS. Recuperado em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/3614

Oreiro, J. L. C.; Paula, L. F.; Silva, G. J. C. & Ono, F. H. (2006, dezembro). Determinantes macroeconômicos do spread bancário no Brasil: teoria e evidência recente. Revista Economia Aplicada, São Paulo, 10 (4) 609-634. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-80502006000400007&script=sci_arttext&tlng=pt

Pressman, R. S. & Maxim, B. R. (2016). Engenharia de Software, uma abordagem profissional. (8a ed.) São Paulo: Ed. AMGH. Recuperado de: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=wexzCwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PR1&dq=Pressman,+R.+S.+%26+Maxim,+B.+R.+(2016).+Engenharia+de+Software,+uma+abordagem+profissional.+8.+Ed.+S%C3%A3o+Paulo.+AMGH+Editora+Ltda.+&ots=0NWGkGOy-U&sig=_5QtLuoWy2uMbHYmD09jNoulsT4#v=onepage&q&f=false

Quintella, H. M. & Peliccione, F. (2006). Análise dos fatores críticos de sucesso no lançamento do multi-protocol label switching (MPLS) no mercado de telecomunicações para serviços aéreos brasileiros. Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção da UFF, Niterói, R 6()10 1-20. Recuperado de: http://producao.uff.br

Rappaport, A. (2016, outubro). Consumidor - Experiencia do Usuário. São Paulo, SP, Brasil, 65. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/magazines/ciab-magazine-65.pdf

Rattner, H. (1979). Avaliação de tecnologia (technology assessment) - um instrumento auxiliar no processo decisório. Revista Administração de Empresa 19 (4) São Paulo, SP. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-75901979000400007&script=sci_arttext

Rodrigues, O. (2012). Digitalização de documentos e a preservação documental na era digital. EDOC - Consultoria e capacitação. Curitiba - PR. Recuperado de: http://pt.slideshare.net/Index3i/digitalizao-de-documentos-e-a-preservacao-documental-na-era-digital.

Rosa, F. M. (2008). Canais alternativos: importante para os clientes, indispensável para o banco. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade São Francisco. Itatiba, SP. Recuperado de: http://lyceumonline.usf.edu.br/salavirtual/documentos/1634.pdf

Santos, C. M. C.; Pimenta, C. A. M.; Nobre, M. R. C. (2007, junho). A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidencia. Revista Latino Americana de Enfermagem. 15 (3). Recuperado de: http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/2463

Santos, L. D. & Amaral, L. (2004). Estudos Delphi com Q-Sort sobre a web : a sua utilização em sistemas de informação. Conferência da associação portuguesa de sistemas de informação, 5, Lisboa. Recuperado de: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/2280/1/ArtigoCAPSI2004Delphi.pdf

Saracevic, T. (1996, junho). Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação. Belo Horizonte, MG, Brasil. 1 (1) 41-62. Recuperado de: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/235

Seabra, L. (2015). A morte anunciada da agência bancária. Valor Econômico. Recuperado de: http://www.valor.com.br/financas/4112096/morte-anunciada-da-agência-bancaria.

Silva, G. A. (2013). Impacto da virtualização nos sistemas de informação das Instituições Financeiras. (Dissertação de mestrado). Universidade de Évora - Escola de Ciência e Tecnologia. Recuperado em: http://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/10746

Silva, L. N. (2003, junho). Regulação, concorrência e o setor bancário Reflexões. Brasília, Brasil. 40 (180) 171-193. Recuperado de: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/852

Silva, M. C.; Souza, F. J. V.; Araújo, F. R.; Silva, J. D. G. (2015). Metodologia científica para as ciências sociais aplicadas: análises críticas sobre métodos e tipologias de pesquisas e destaque de contribuições de Marx, Weber e Durkheim. Revista Científica Hermes 13 159-179. Recuperado de: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2829321

Silva, P. M. & Dias, G. A. (2007, dezembro). Teorias sobre aceitação de tecnologia: por que os usuários aceitam ou rejeitam as tecnologias de informação? Brazilian Journal of Information Science. BJIS. 1 (2) 69-91. Recuperado de: https://www.researchgate.net/profile/Patricia_Silva61/publication/240626803_teorias_sobre_aceitacao_de_tecnologia_por_que_os_usuarios_aceitam_ou_rejeitam_as_tecnologias_de_informacao/links/55dd860c08ae3ab722b1ca48.pdf

Tiago, E. (2016, outubro). Ritmo Acelerado, Crescem o interesse e os investimentos globais em sistemas de contabilidade distribuída. São Paulo, SP, Brasil, 65. Recuperado de: http://www.ciab.org.br/download/magazines/ciab-magazine-65.pdf

UOL Economia. Santander e Itau usam humor e travam disputa de rimas pelo twitter. Recuperado de: http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/09/20/santan-der-e-itau-usam-humor-e-travam-disputa-de-rimas-pelo-twitter.htm.

Vergara, S. C. (1990, junho). Tipos de pesquisa em administração. FGV/EBAP. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 52. Recuperado de: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/12861/000055299_52.pdf?sequence=1

Viane, F. F. R.; Pinto, V. A. & Parreiras, F. S. (2015). Inteligência Analítica em Processos de Negócios: Uma Revisão da Literatura. Recuperado de: https://lasp.unb.br/

Vieira, J.A.G., Pereira, H.F.S. & Pereira, W.N.A. (2012). Histórico do Sistema Financeiro Nacional. Revista Científica da FAEX, 1 (2). Recuperado de: http://periodicos.faex.edu.br/index.php/e-locucao/article/view/21

Vignatti, A. L.; Netto, F. S. & Bittencourt, L. F. (2004). Uma Introdução à Computação Quântica. Departamento de Informática. Universidade Federal do Paraná, PR. Recuperado de: https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/3469630/tg.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1512056513&Signature=pRGot%2F1%2BLSm1B8oIkLr6yhtoYP4%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DUma_Introducaoa_Computacao_Quantica.pdf

Visa (2017). Pulseira Bradesco Visa. Recuperado de: https://www.visa.com.br/posso-mais/pulseira-bradesco.html.

Xavier, C. O.; Viana, V. F. & Maia, L. C. G. (2012, abril). As tecnologias e sua atuação na comunicação e nos processos educativos. SynThesis Revista Digital. FAPAM, Pará de Minas, 3 77-85. Recuperado de: http://fapam.web797.kinghost.net/periodicos/index.php/synthesis/article/view/52


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)