Avaliação da maturidade de processos: contribuição para a melhoria contínua da cadeia de valor em um hospital público de Minas Gerais

LEILA RIBEIRO DE OLIVEIRA

Resumo


RESUMO

 

A busca pela melhoria contínua na condução de atividades tem feito com que as organizações adotem cada vez mais modelos de gestão por processos e, consequentemente, modelos para avaliar a maturidade organizacional. O intuito desse movimento é o de se destacar em competitividade e sustentabilidade em sua forma de trabalho, na qualidade de seus produtos e na produtividade da prestação de seus serviços, buscando adaptar-se, permanente e efetiva, às demandas de suas partes interessadas. Em hospitais, a busca pela melhoria em seus processos não é diferente, pois nestes a busca pela melhoria contínua é fundamental quando se trata do binômio ação-informação. Este estudo analisa referenciais teórico-conceituais e as formas de aplicação dos principais modelos de maturidade em gestão por processos. Como referência, foi considerada a integração do modelo PEMM (Process and Enterprise Maturity Model), proposto por Hammer (2007), com o recorte PMM (Process Maturity Model), proposto por Figueiredo (2016), além de indicações de referência do critério processos e de escalas de medição do Modelo de Excelência em Gestão (MEG). Com referência ao MEG, foram introduzidos no modelo da pesquisa os elementos que se referem aos critérios de avaliação que tratam de requisitos e fatores de enfoque estruturado de aplicação controlada abrangente. Assim, esta pesquisa, com base em um estudo de caso descritivo de natureza qualitativa, mediante a utilização de oficinas temáticas e a aplicação de questionário de avaliação da maturidade, procurou responder à questão: “Em que extensão os macroprocessos integrados denominados suprimentos e farmácia hospitalar apresentam maturidade, contribuindo para a melhoria contínua do desempenho funcional e a agregação de valor às partes interessadas?” Os resultados obtidos apontaram que os macroprocessos do hospital estudado encontram-se no nível inicial de maturidade P1 tanto para os viabializadores requisitos, quanto para desenho, executores, proprietário/responsável, infraestrutura e indicadores. O novo modelo da pesquisa, denominado como Process Maturity Model Extended (PMME) mostrou-se válido e aplicável à avaliação de macroprocessos de uma cadeia de valor, com externalização do conhecimento de processos, realizada pelos próprios executores e responsáveis

 

Palavras-chave: Gestão por processos. Maturidade. Modelos de maturidade. Gestão hospitalar. Excelência na gestão.


Texto completo:

PDF

Referências


APPOLINÁRIO, Fabio. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistema de gestão da qualidade: fundamentos e vocabulário. Rio de Janeiro: ABNT, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistemas de gestão da qualidade – requisitos: NBR ISO 9001. Rio de Janeiro, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Gestão para o sucesso sustentado de uma organização: uma abordagem para a gestão da qualidade. Rio de Janeiro: ABNT, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistemas de gestão da qualidade – diretrizes para melhorias de desempenho: NBR ISO 9004. Rio de Janeiro, 2010.

ASSOCIATION OF BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROFESSIONALS. ABPMP. Guide to the business process management common body of knowledge (BPM CBOK®). Chicago, III: Association of Business Process Management Professionails, 2013. 234p.

BELL, J. Doing your research project: a guide for the first-time researchers in education and social science. 2. reimp. Milton Keynes, England: Open University Press, 1989. 145p.

BENNER, Mary J.; TUSHMAN, Michael L. Exploitation, exploration, and process management: the productivity dilemma revisited. Academy of Management Review, v. 28, n. 2, p. 238-256, 2003.

BERNARDES, Jaime Gil; GASPARIN, Francieli Montanari; MALAFAIA, Guilherme Cunha. Cadeia de valor de um hospital filantrópico: um estudo de caso. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 14, 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ABEPRO, 2010.

BITTAR, O. J. N. V. Gestão de processos e certificação para qualidade em saúde. Revista Assoc. Med. Bras. v. 46, n. 1, p. 70-76, 2000.

BURMESTER, H.; PEREIRA, J.; SCARPI, M. J. Modelo de gestão para organizações de saúde. Revista de Administração em Saúde, São Paulo, v. 9, n. 37, p. 125-32, out./dez. 2007.

BURNS, L. R. et al. The Wharton School study of the health care value chain. In: BURNS, L. R. (Ed.). The health care value chain: producers, purchasers and providers. San Francisco: Jossey-Bass, 2002. p. 3-26.

CAMILO, Ronaldo Darwich. Modelagem dinâmica da gestão: passos das organizações para a excelência e resultados superiores. Minas Gerais: Jurua, 2010. 174 p.

CARDOSO, Evellin Cristine Souza; GUIZZARDI, Renata S. S. Alinhando análise de objetivos e modelagem de processos: uma experiência em um ambiente de saúde. The Acm Digital Library, [s.l.], p. 215-224, out. 2008.

CELESTINO, P. Nó de normas. Notícias hospitalares. Gestão de Saúde em Debate, v. 4, n. 39, out./nov. 2002.

CHRISTENSEN, C. M.; GROSSMAN, J. H.; HWANG, J. Inovação na gestão da saúde: a receita para reduzir custos e aumentar qualidade. Porto Alegre: Bookman, 2009.

CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégias para a redução de custos e melhoria dos serviços. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001.

CLEVEN, Anne Katharina et al. Process management in hospitals: an empirically grounded maturity model. Business Research, p. 191-216, 1 out. 2014.

DAVENPORT, H. T. Reengenharia de processos. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

DEMING, W. E. (). The New Economics For Industry, Government, Education. Cambridge, Ma: MIT, 1993.

DEUS, G. H. D. de. Maturidade de processos organizacionais: um estudo em uma empresa de consultoria do setor de tecnologia da informação. 2013. 212 f. Dissertação (Mestrado em sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento) – Universidade FUMEC, Belo Horizonte, 2013.

ERIKSSON, H.; PENKER, M. Business modeling with UML: business patterns at work. Canada: John Wiley & Sons Inc., 2000.

FIDEL, R. The case study method: a case study. In: GLAZIER, Jack D.; POWELL, Ronald R. Qualitative research in information management. Englewood, CO: Libraries Unlimited, 1992. p. 37-50.

FIGUEIREDO, Valquiria Mendes. Análise da aplicabilidade de um modelo de maturidade para avaliar os processos tributários: estudo de caso em uma empresa geradora de energia elétrica. 102 f. 2016. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento) – Universidade FUMEC, Belo Horizonte, 2016.

FISHER, D. M. The Business process maturity model – a practical approach for identifying opportunities for optimization. BP Trends, 2004.

FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE – FNQ (Brasil). Modelo de excelência da gestão. 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2015.

FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE – FNQ (Brasil). Critérios rumo à excelência. 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2015.

GALBRAITH, J. R. Competing with flexible lateral organizations. Reading: Addison-Wesley, 1994. 152 p.

GALBRAITH, J. R. Designing matrix organizations that actually work: how IBM, Procter & Gamble, and others design for success. San Francisco: Jossey-Bass, 2009. 258 p.

GARVIN, D. A. Leveraging processes for strategic advantage. Harward Business Review, 69(6), 88-93, 1995.

GARVIN, D. A. The processes of organization and management. Sloan Management Review, 39(4): 33-50, 1998.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HAMMER, Michael. A empresa voltada para processos. HSM Management, Jul./Ago. 1998. (Entrevista).

HAMMER, Michael. The process audit. Harvard Business Review, v. 85, n. 4, p. 111, 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2015.

HAMMER, Michael; CHAMPY, James. Reengenharia: revolucionando a empresa em função dos clientes, da concorrência e das grandes mudanças da gerência. Rio de Janeiro: Campos, 1994.

HAMMER, Michael; HERSHMAN, Lsa W. Mais rápido barato e melhor. Rio de Janeiro: editora, 2011.

HAMMER, M.; STANTON, S. How process enterprises really work. Harvard Business Review, v. 77, n. 6, p. 108-118, 1999.

HUMPHREY, W. S. Characterizing the software process: a maturity framework. Software Engineering Institute, CMU/SEI-87-TR-11, ADA182895, June, 1987.

HUMPHREY, W. Characterizing the software process: a maturity framework. Pittsburgh: Software Engineering Institute, 1987. 24 p.

ISHIKAWA, K. What is total quality control? The japanese way. Englewood Cliffs, NJ.: Prentice Hall, 1985.

JOHNSTON, Robert; CLARK, Graham. Administração de operações de serviços. São Paulo: Atlas, 2002.

JURAN, J. Juran on leadership for quality. New York: Free Press. 1989.

KAUARK, F; MAGALHAES, F. C.; MEDEIROS, C. H. Metodologia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Via Letterarum, 2010. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2015.

KLIMAS, Darius. Business process maturity level determination: a methodological outline. Ekonomika, v. 90, p. 114-127, 2011.

LAMBERT, D. M. Strategic logistics management. Homewood: R. D. Irwin, 1993.

MACPHERSON, M. Performance excellence principles – drivers of innovation in public sector organizations. National Conference of the New Zealand Organization for Quality, Christchurch Convention Centre, Thursday 31 May, 2001.

MALAGON-LODONO, G.; MORERA, R.G.; LAVERDE, G.P. Administração hospitalar. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 282 p.

MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. São Paulo: Atlas, 1995.

MOREIRA, Maria José Belém Martins. Contribuições aos modelos de maturidadeem gestão por processos e de excelência na gestão utilizando o PEM e o MEG. 112 f. Dissertação (Mestrado Profissional de Sistemas de Gestão) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

MOREIRA, M. J. B. M.; GUTIERREZ, R. H. Contribuições aos Modelos de Maturidade em Gestão por Processos e de Excelência na Gestão Utilizando o PEMM e o MEG. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 6., 2010, Niteroi. Anais... Niteroi: CNEG, 2010. p. 2-20.

NASCIMENTO, Adelson Pereira do; ZANQUETTO FILHO, Hélio; OLIVEIRA, Marcos Paulo Valadares de. Um breve relato sobre a evolução e maturidade da gestão da qualidade: contribuições e críticas. 2011. Thesis, São Paulo, p. 18-40, jan. 2011.

NONAKA, I., TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa – Como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

OBJECT MANAGEMENT GROUP – OMG. Business Process Maturity Model (BPMM). 2008. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2015.

PAULK, M. C. Surviving the quagmire of process models, integrated models, and standards. Presented at the ASQ Annu. Qual. Congr., Toronto, Canada, p. 24-27, May. 2004.

PAVIANI, J. Epistemologia prática – ensino e conhecimento científico. Caxias do Sul: EDUCS, 2009.

PEDROSO, M. C.; MALIK, A. M. Cadeia de valor da saúde: um modelo para o sistema de saúde brasileiro. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 10, p. 2757-2772, Oct. 2012.

PERISTERAS, V.; TARABANIS, K. Towards an enterprise architecture for public administration using a top-down approach. European Journal of Information Systems, 9(4), p. 252-260, 2000.

PERISTERAS, V.; TARABANIS, K. The Governance Enterprise Architecture (GEA) High-Level Object Model. M.A. Wimmer (Ed.). KMGov, 2004, LNAI 3035, p. 101-110, 2004. IFIP International Federation for Information Processing. 2004.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

PORTER, M. E. What Is value in health care? The New England Journal of Medicine, p. 2477-2481, 23 dez. 2010.

PORTER, Michael E.; MILLAR, Victor A. How Information Gives You Competitive Advantage. Harvard Business Review, 63, n. 4, p. 149-160, July./Aug. 1985.

PORTER, M. E.; TEISBERG, E. O. Repensando a saúde: estratégias para melhorar a qualidade e reduzir os custos. Porto Alegre: Bookman, 2007.

PROFORMA. Enterprise application modeling: vision and strategy for the ongoing development of the provision modeling suite, 2003. Disponível em: . Acesso em: jul. 2015.

REICHHELD, F.; SASSER Jr., W. E. Zero defections: quality comes to service. Harvard Business Review, p. 105-111, sep./oct. 1990.

ROSEMANN, Michael; BRUIN, Tonia de. Application of a holistic model for determining BPM maturity. BPTrends, feb. 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2015.

SANDRONI, Paulo. Dicionário de administração e finanças. São Paulo: Best Seller. 1996.

SANTOS, Marcio Bambirra et al. Information and knowledge management contributions to organizational results in a context of management maturity. Business and Management Review. [s.l.], p. 133-144, jan. 2015.

SANTOS, Marco Antônio Pires Camargos. Maturidade de processos organizacionais: um estudo em uma indústria multinacional do setor de soldagem. 98 f. 2009. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade FUMEC, Belo Horizonte, 2009.

SILVA, Jersone Tasso Moreira et al. Does an innovation process improve organizational performance? A practical approach for identifying opportunities. Global Journal of Management and Business Research Administration and Management. (USA), p. 43-52. out. 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2015.

SIMCHI-LEVI, D.; KAMINSKY, P.; SIMCHI-LEVI, E. Designing and managing the supply chain. New York: McGraw-Hill, 2000.

STAIR, R. M. Princípios de sistema de informação: uma abordagem gerencial. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1998.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 1997.

TODOROVA, G., DURISIN, B. Absorptive capacity: valuing a reconceptualization, Academy of Management Review, 32(3), 774-786, 2007.

WATTS, S. H. Characterizing the software process: a maturity framework. IEEE Softw. Pittsburgh, p. 73-79, mar. 1988.

WOMACK, J.; JONES, D. Lean thinking: banish waste and create wealth in your corporation. New York: Simone Shuster, 1996.

XAVIER, A. C. R. et al. Implantando a gestão da qualidade em hospitais: a experiência da santa casa de misericórdia de porto alegre – RS. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Texto para discussão nº 486. Jun. 1997.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ZAHRA, S. A.; George, G. Absorptive capacity: A review, reconceptualization and extension. Academy of management Review, 27(2), 185-203, 2002.

ZOLLO, Maurizio; WINTER, Sidney G. Deliberate learning and the evolution of dynamic capabilities. Organization science, v. 13, n. 3, p. 339-351, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)