GESTÃO DO CONHECIMENTO: FATORES RELEVANTES À TRANSFERÊNCIA DO CONHECIMENTO TÁCITO NUMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PRIVADA

MÁRIO EUSTÁQUIO NOGUEIRA GOMES

Resumo


Resumo

 

Esta dissertação trata como tema a relação existente entre conhecimento tácito e os fatores relevantes à transferência desse conhecimento dentro de uma instituição de ensino pré-vestibular. Uma organização deve tornar o conhecimento pessoal disponível para todos os seus membros, devendo esse processo ser contínuo e abranger toda a estrutura organizacional. A maioria delas tem dificuldades de aprendizagem, devido a alguns fatores: estrutura organizacional, gerenciamento, etc. Como em qualquer organização, uma instituição de ensino também necessita gerenciar o seu conhecimento e a forma como a sua transferência está ocorrendo. A instituição analisada neste trabalho é de ensino pré-vestibular, situada no estado de Minas Gerais. Em meio a esse cenário, surge o problema desta pesquisa: quais os fatores que são considerados relevantes para a transferência do conhecimento tácito numa instituição de ensino pré-vestibular? Para responder essa questão, foi estabelecido o objetivo geral, que foi pesquisar e analisar os fatores percebidos como relevantes para a transferência de conhecimento tácito, presentes numa instituição de ensino pré-vestibular. A partir desse objetivo, foram criados três objetivos específicos: a) identificar possíveis facilitadores à transferência do conhecimento tácito na organização em questão; b) identificar possíveis barreiras à transferência do conhecimento tácito na organização em questão; c) comparar os indicadores facilitadores e inibidores à transferência do conhecimento tácito com os modelos de Lemos (2008) e Mendes (2014). Para atingir esses objetivos, partiu-se da seguinte hipótese de pesquisa Ho: o construto “transferência do conhecimento tácito” é composto de fatores idiossincráticos, modelo organizacional, estratégia de gestão do conhecimento e estrutura organizacional. Para isso, foi elaborado um modelo de diagrama heurístico de transferência do conhecimento tácito, o qual visa identificar quais dos construtos - fatores idiossincráticos, Modelo organizacional, estrutura organizacional e estratégia de gestão são considerados relevantes à transferência do conhecimento tácito. A esses construtos foram associados 12 indicadores: tempo, linguagem, confiança, conhecimento valorizado, poder, ambiente favorável, rede de relacionamento, hierarquia, mídia, reconhecimento e recompensa, treinamento e transmissão e armazenamento do conhecimento. Metodologicamente, a pesquisa foi classificada como um estudo de caso contemporâneo e comparativo, com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada numa instituição de ensino pré-vestibular, fundada em 1998, presente em sete cidades de Minas Gerais, Brasil. A população da pesquisa foi composta pelos professores e secretárias da instituição em foco. A coleta de dados foi feita por meio de questionário estruturado e para acessar a amostra usou-se o critério de acessibilidade. Os resultados das análises  descritiva e fatorial confirmaram que dos 12 indicadores apenas oito estavam diretamente associados aos construtos e que nenhum dos construtos analisados foi considerado relevante à transferência do conhecimento tácito na organização em questão. Portanto, concluiu-se que a hipótese de pesquisa não foi confirmada. Pesquisas futuras poderiam ser aplicadas em outros tipos de instituição de ensino, bem como verificar quais outros fatores poderiam ser considerados relevantes à transferência do conhecimento tácito.

Palavras-chave: Transferência do Conhecimento Tácito. Modelo Organizacional. Fatores Idiossincráticos. Estrutura Organizacional. Estratégia de Gestão do Conhecimento.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Alonso, K., Aragon, R., Silva, D. G., & Bicca, . M. (2014). Aprender e ensinar em tempos de cultura digital. Revista Em Rede, 1(1), 152-168.

Andrade, M. M. (2007). Introdução à metodologia do trabalho científico. (v. 7). São Paulo: Atlas.

Balbino, J. N. (2015). O estágio de desenvolvimento da gestão do conhecimento nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Dissertação (Mestrado em Administracão) – Unniversidade Federal do Paraná, Curitiba.

Balod, G. G. (2004). O significado do curso pré-vestibular para o aluno indeciso quanto à profissão. Recuperado de: ,

Barbosa, Vandelei Lopes. Gestão do conhecimento em empresa prestadorea de serviços de tecnologia. Belo horizonte, 2011. Dissertação de mestrado em administração – Programa de Pós-Graduação em administração profissional da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2011.

Barclay, D. W., Higgins, C., & Thompson, R. (1995). The partial least squares approach to causal modeling: Personal computer adoption and use as illustration. Technology Studies, 2(2), 285-309.

Bem, R. M,, & Ribeiro Júnior, D. I. (2006). A gestão do conhecimento dentro das organizações: a participação do bibliotecário The knowledge management inside organizations: the librarian participation p. 75-82. Revista ACB, 11(1), 75-82

Bianchetti, L. (1996). Angústia no vestibular: indicações para pais e professores. Passo Fundo: Ediupf.

Boff, L. H. (2001). Gestão de conhecimento. Global, (p. 7). Recuperado de: http://ojs.fsg.br/index.php/global/article/viewFile/449/388#page=7.

Boosma, A., & Hoogland, J. J. (2001). The robustness of LISREL modeling revisited. In: R. Cudeck, S. du Toit and D. Sorbom (Eds). Structural equation modeling: Presentand future (pp. 139-168). Chicago,IL: Scientific Software International.

Capurro, R. (2011 jan/jun). Gestão do conhecimento cético. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, 1(1), 4-14. ISSN: 2236-417X. Recuperado de: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc.

Carvalho, D de; Araújo, D. O.; Rocha, S. Gestão da informação e Gestão do conhecimento como fonte de vantagem competitiva nas organizações. Marília, 2008. Trabalho de curso apresentado ao Curso de Administração de Empresas da Fundação de Ensino Eurípedes Soares da Rocha. Marília, 2008.

Castro, M., Bulgacov, S., & Hoffmann, V. E. (2011). Relacionamentos interorganizacionais e resultados: estudo em uma rede de cooperação horizontal da região central do Paraná. Revista de Administração Contemporânea, 15(1), 25-46.

Chaves, Marianna; Carneiro Arnaud Neto, Raphael. Direito e Arte: uma simbiose necessária para uma construção mais humanista e crítica dos juristas. Direito UNIFACS-Debate Virtual, n.191, 2016.

Chiavenato, I. (2008). Gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Chin, W. W. (1998). The partial least squares approach for structural equation modeling. In: G. A. Maroulides (ed.). Modern mehods for business research., (p. 295-236), University of Houston: George A. Marcoulides.

Cohen, J. (1992). A power primer. Psychological Bulletin, 112(1), 155-159.

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. (14. ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

D'Avila, G. T., Krawulski, E., Veriguine, N. R., & Soares, D. H. P. (2006). O ensino superior como projeto profissional para "ser alguém": repercussões de um cursinho pré-vestibular popular na vida dos estudantes. Psicologia & Sociedade, Florianópolis, 23(2).

Drucker, P. F. (1993). Sociedade pós-capitalista. Tradução de Nivaldo Montingelli Jr. São Paulo: Pioneira.

Eco, U. (1997). Como se faz uma tese. Tradução de Ana Falcão Bastos e Luiz Leitão. Editorial Presença, Barbacena.

Efron, B., & Tibshirani, R. (1993). An Introduction to the Bootstrap. Chapman & Hall.

Eyng, I. S., Reis, D., Machado, L. C., & Carvalho, H. G. (2005). As sete dimensões da Gestão do Conhecimento na prática gerencial: um estudo de caso na Gecor SA. Biblioteca Digital de la Asociación Latino-Iberoamericana de Gestión Tecnológica, 1(1).

Filippim, E. S., & Lima, A. A. (2014). Conhecimento tácito em organizações: Estudo de caso no setor metalúrgico. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(1), 80-97.

Fornelll, C., & Larcker, D. (1981). Evaluating structural equation models with unobservablevariables and measurement error. Journal of Marketing Research, 39-50.

Francini, W. S. (2002). A gestão do conhecimento: conectando estratégia e valor para a empresa. RAE-eletrônica, 1(2), 1-16.

Giddens, A. (1978). Novas regras do método sociológico. Rio de Janeiro: Zahar.

Guerreiro, D. (2012). O conhecimento é em si mesmo um poder. Recuperado de: http://pt.slideshare.net/filosofiaparatodosourique/o-conhecimento-em-si-mesmo-um-poder-daniela-guerreiro.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (61 p.). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6. ed., 207 p.). São Paulo: Atlas.

Goldoni, V., & Oliveira, M. (2007). Indicadores para a gestão do conhecimento na visão de especialistas. Revista Eletrônica de Administração, 13(3), 478-501.

Gomes, A. D. (2000). Cultura organizacional: comunicação e identidade. Coimbra: Quarteto..

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Henseler, J., Ringle, C., & Sinkovics, R. (2009). The use of partial least squares path modeling international marketing. Advances in International Marketing, 277-319.

leiteInstituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. INEP. (2016). Portal. Recuperado de: http://portal.inep.gov.br/web/enem/sobre-o-enem#topoPagina.

Jóia, L. A. (2001 abr.-jun.). Medindo o capital intelectual. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 41(2), 54-63.

Kaiser, H. F. (1958). The varimax criterion for analytic rotation in factor analysis. Psychometrika, 23(3), 187-200.

Kenski, V. M. (2008). O conhecimento tácito e as decisões organizacionais com o apoio de mapas cognitivos. Anais do XXXII Enanpad, Rio de Janeiro.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (1991). Metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Leite, E. D.; Holanda, L. F.; Gonçalves, L. L.; da Conceição Teixeira, R., & Cohen, V. S. (2001). O SERPRO e a educação corporativa. SANTOS, AR et al, 81-102.

Leite, P. A. R., & Loft, T. C. C. (2013). Treinamento e desenvolvimento organizacional, uma ferramenta nas empresas atuais. Recuperado de: .

Lemos, B. N. (2008). Fatores relevantes de sucesso à transferência do conhecimento tácito: evidências empírico-exploratórias em uma empresa petrolífera brasileira.Rio de janeiro: FGV.

Lévy, P. (1999). O futuro da internet: em direção a uma cibe democracia planetária. (v. 34). São Paulo: Cibercultura.

Mendes, C. G. (2014). Transferência do conhecimento em empresas de base tecnológica. Projetos e Dissertações em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento, 4(1).

Mingoti, S. A. (2007). Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: UFMG.

Moreira, H., & Caleffe, L. G. (2006). Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP & A.

Muylder, C. F., Silva, R., Soares, F. C., Parreiras, F., Pardini, D., & Ziviane, F. (2014). Práticas de gestão do conhecimento e indicadores de geração da inovação. Int J Knowledge Eng Manage (IJKEM), 3(7), 153-170.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. (v. 16, p. 360). Rio de Janeiro: Campus.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (2004). Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Elsevier.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (2008). Teoria da criação do conhecimento organizacional: gestão do conhecimento. (p. 54-90). Porto Alegre: Bookman.

Nunnaly, J., & Bernstein, I. H. (1994). Psychometric theory. McGraw-Hill: New York.

Oliveira, L. P. B. A., Melo, C. R., Prado, M. L., Brüggemann, O. M. (2013). Potencialidades e limites das abordagens de pesquisa qualitativa e quantitativa. Anais do 17º. SENPE, Natal.

Richardson, M. (1999). Fundamentos da metodologia científica. (3. ed.). São Paulo: Atlas.

Rocha, A. C. S. (2007). Fatores facilitadores e inibidores na implementação de gestão do conhecimento em uma associação de profissionais: o caso SAE Brasil. 2007. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Escola Politécnica de São Paulo.

Sanchez, G. (2013). PLS Path Modeling with R. Berkeley. Berkeley: Trowchez.

Schein, E. H. (1996). Liderança e cultura organizacional. In: Hesselbein, F., Goldsmith, M., & Beckhard, R. O líder do futuro. (v. 11, p. 81-90). São Paulo: Atlas.

Senge, P M. (2009). A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. Rio de Janeiro: Best Seller.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. (20. ed.). São Paulo: Cortez.

Silva, J. C.B., Ferreira, V. C. P., & Costa, D. V. F. (2011). Estudo sobre estresse em uma instituição bancária. Essa, 2012(2013), 2014.

Silva, M. A. (1994). Alianças e redes organizacionais: bases para construção, formas, interdependências e modelos organizacionais inerentes. Dissertação (Mestrado em Administração) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo: PUC.

Simões, J. M. M., & Duarte, C. M. C. (2009). Transferência do conhecimento nas instituições de ensino superior público em Portugal. Cabo Verde: Redes e Desenvolvimento Regional.

Soares, D. H. P., Krawulski, E., Dias, M. S. L., & D’Ávila, G. T. (2007). Orientação profissional em contexto coletivo: uma experiência em pré-vestibular popular. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(4), 746-759.

Soares, D. H. P. (2002). Orientação profissional em ação: formação e prática de orientadores. São Paulo: Summus.

Teneheus, M., Amato, S., Vinzi, V. E. (2004). A global Goodness–of–Fit index for PLS structural equation modelling. Oral Communication to PLS Club, HEC School of Management.

Terra, B. (2001). A transferência de tecnologia em universidades empreendedoras: um caminho para a inovação tecnológica. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Terra, J. C. C. (2001). Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio.

Terra, J. C. C. (2005). Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio. Biblioteca Terra-Forum. Recuperado de: https://pt.scribd.com/documen/233505728/Biblioteca-terraform-com-Br-BibliotecaArtigo-libdoc00000013v002Understanding-the-Difference-Between-Infor.

Tornet, H. C., & Paz, M. G. T. (2006). Um modelo para o compartilhamento de conhecimento no trabalho. Revista de Administração Contemporânea, 10(2), 75-94.

VALLE, Ione Ribeiro; BARRICHELLO, Fernanda Araujo; TOMASI, Juliane. Seleção meritocrática versus desigualdades sociais: quem são os inscritos e os classificados nos vestibulares da UFSC (1998-2007)?. Linhas críticas, v. 16, n. 31, p. 391-418, 2010.

Vinzi, V. E., Chin, W. W., Henseler; J., & Wang, H. (2010). Handbook of Partial Least Squares. Campo Largo, Fortaleza: Springer.

Whitaker, D. C. A. (2010). Da" invenção" do vestibular aos cursinhos populares: um desafio para a orientação profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 11(2), 289-297.

Whitaker, D. C. A., & Fiamengue, E. C. (2001). Ensino médio: função do estado ou da empresa. Educação & Sociedade, 22(75), 200-232.

Zanon, L. (2012). A estreita relação entre o poder e o conhecimento. Recuperado de:http://www.webartigos.com/artigos/a-estreita-relacao-entre-o-poder-e-o-conhecimento/83295/#ixzz4GNV5DRbX.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)