A RELAÇÃO DA INOVAÇÃO, DO EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO E DA GESTÃO DO CONHECIMENTO COM O DESEMPENHO ORGANIZACIONAL SOB A PERCEPÇÃO DOS EMPREENDEDORES DAS STARTUPS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

KLEBER NETTO FONSECA

Resumo


A velocidade das mudanças tecnológicas está aumentando a cada dia. Em um pequeno espaço de tempo, surgem novos produtos tecnológicos e novas demandas de mercado. Nesse cenário, verifica-se percentual elevado de startups da área de tecnologia de informação com alto grau de descontinuidade, sendo que as práticas tradicionais de administração não conseguem minimizar esta mortalidade. Assim pensando, nesta pesquisa, objetiva-se analisar a relação da inovação, do empreendedorismo corporativo e da gestão do conhecimento com o desempenho organizacional das startups brasileiras da área de tecnologia da informação sob a percepção dos seus empreendedores. Apresenta-se como objetivos específicos, conceituar e identificar inovação, empreendedorismo corporativo, gestão do conhecimento, startup de base tecnológica e desempenho organizacional; explicitar as concepções de empreendedores de startups brasileiras, em estágio inicial, da área de tecnologia da informação sobre inovação, empreendedorismo corporativo e gestão do conhecimento; demonstrar as concepções de empreendedores de startups brasileiras da área de tecnologia da informação sobre inovação, empreendedorismo corporativo, gestão do conhecimento, startup de base tecnológica e desempenho organizacional; descrever a relação da inovação, do empreendedorismo corporativo e da gestão do conhecimento com o desempenho organizacional sob a percepção de empreendedores de startups brasileiras da área de tecnologia da informação e apontar os indícios de avanço do desempenho organizacional de startups brasileiras da área de tecnologia da informação, em estágio inicial, por meio da inovação, empreendedorismo corporativo, gestão do conhecimento. A relevância da pesquisa nessa área se justifica pela importância econômica, no Brasil, das Micro e Pequenas Empresas (MPE) cuja sobrevivência decorre da capacidade de inovar e ser dinâmica em sua adaptação ao ambiente. Esta pesquisa é caracterizada como qualitativa, descritiva, estudo de caso único com unidades múltiplas de análise. Os critérios adotados para seleção das unidades de análise foram a acessibilidade e a tipicidade. A coleta de dados foi realizada por meio da criação do roteiro de entrevista. Na análise dos dados aplicaram-se os procedimentos da análise de conteúdo. Os sujeitos de pesquisa foram selecionados, pelo critério de tipicidade, sujeito empreendedor, e acessibilidade, facilidade de acesso à amostra e seleção de elementos considerados representativos pelo pesquisador, enfatiza-se que se trata de pesquisa realizada sem interferência do pesquisador, por meio da observação, registro, análise e interpretação da realidade dos sujeitos de pesquisa, em seu habitat natural, empresas startups pré-selecionadas. Os resultados da pesquisa apontam que os constructos inovação, empreendedorismo corporativo e gestão do conhecimento criam valor para o cliente e tem impacto positivo no desempenho da organização. A inovação gera integração das equipes, o empreendedorismo corporativo auxilia os colaboradores no processo de tomada de decisão e a gestão do conhecimento é condição de sustentabilidade da organização.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, David J. Kanban: Mudança Evolucionário de Sucesso para seu negócio de tecnologia. Hole Press. Sequim, Washington. 2011.

ANTONCIC, Jasna A.; ANTONCIC, Bostjan. Employee satisfaction, intrapreneurship and firm growth: a model. Industrial Management & Data Systems. Vol. 111 No. 4, p. 589-607, 2011

ARRUDA, Carlos; NOGUEIRA, Vanessa; COZZI, Afonso; COSTA, Vinícius. Causas Da Mortalidade De Startups Brasileiras. O que fazer para aumentar as chances de sobrevivência no mercado? 2012. Belo Horizonte: Fundação Dom Cabral.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

_________. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda., 1977. (Título original: L'Analyse de Contenu. PUF, 1977).

BARBOSA, Allan Claudius Queiroz; CINTRA, Leandro Pinheiro. Inovação, competências e desempenho organizacional: articulando construtos e sua operacionalidade. Future Studies Research Journal. São Paulo, v. 4, n. 1, p. 31 – 60, Jan./Jun. 2012

BESSANT, J; TIDD, J. Inovação e Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BESSANT, J; TIDD, J; PAVITT, K. Gestão da Inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

BLANK, Steve; DORF, Bob. Startup: manual do empreendedor o guia passao a passo para construir uma grande companhia. Rio de Janeiro: Alta Books, 2014.

BOM ANGELO, Eduardo. Empreendedor corporativo: a nova postura de quem faz a diferença. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

BRAGA, William D, Conhecimento, Educação e Desenvolvimento. Revista Eptic Online. Vol.15 n.1 p.87-102. jan-abri 2013.

CHOO, Chun Wei. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. 2. ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CRESSY, Robert Clive. Why do most firms die young? Small Business Economics, Londres, p. 103-116, mar/2006. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2015.

CUNHA, N. C. V. As práticas gerenciais e suas contribuições para a capacidade de inovação em empresas inovadoras. São Paulo, 2005. Tese de doutorado, Administração, Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.

DAVENPORT, Elisabeth; CRONIN, Blaise. Knowledge management: semantic drift or conceptual shift? Journal of Education for Library and Information Science. Vol. 41, no. 4, fall 2000, p. 294-306.

DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. São Paulo: Campus, 1998.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As regras da inovação: como gerenciar, como medir e como lucrar. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DOLABELA, Fernando. Oficina do empreendedor: a metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovador e se diferenciar na sua empresa. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Pioneira, 1986.

________________. Sociedade Pós-Capitalista. 7. ed. São Paulo: Pioneira, 1999.

EISENHARDT, K. M. Building Theories from Case Study Research. The Academy of Management Review, vol. 14, no. 4, p. 532-550, 1989.

FACÓ, Júlio F. B.; DUARTE, André L. C. M.; CSILLAG, João M. O efeito da TQM e da inovação no crescimento das empresas de manufatura do estado de São Paulo. Revista de Administração e Inovação. São Paulo, v. 6, n. 2, p. 44-57, 2009.

FERRARESI, Alex Antonio. Gestão do conhecimento, orientação para o mercado, inovatividade e resultados organizacionais: um estudo em empresas instaladas no Brasil. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. USP, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010

FILION, Louis Jacques. O Planejamento do seu sistema de aprendizagem empresarial: identifique uma visão e avalie o seu sistema de relações. RAE – Revista de Administração de Empresas. São Paulo, p. 63-71, jul/set /1991.

__________. Empreendedorismo: Empreendedores e Proprietários-Gerentes de Pequenos Negócios. RAUSP – Revista de Administração da Universidade de São Paulo. São Paulo, vol. 34, abr-jun/1999.

__________. Entendendo os intraempreendedores como visionistas. Revista de Negócios, v. 9, n. 2, p. 65-79, abr./jun. 2004.

FUMEC – Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento da Universidade FUMEC. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

GERALDES, João M. A. Avaliação e mensuração do grau de sobrevivência em startups: proposta de um modelo integrado. ISG Business & Economics School – Instituto Superior de Gestão.Dissertação de mestrado. Lisboa, 2013.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed., São

Paulo: Atlas, 2002.

_________________. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR - GEM. Empreendedorismo no Brasil. Relatório Executivo. Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP). [s.l.: s. n.]. 2015.

GODOY, A. S. Introdução á pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE – Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 25, n. 2, 1995.

HASHIMOTO, M. Espírito Empreendedor nas organizações: aumentando a competitividade através do intraempreendedorismo. São Paulo: Saraiva, 2013.

HELM, Roland; MAURONER, Oliver. Success of research-based spin-offs. State-of-the-art and guidelines for further research. Review of Managerial Science. Jena, Alemanhã, v. 1, p. 237-270, jul. 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2015.

HISRICH, Robert D. e PETERS, Michael P. Empreendedorismo. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

HISRICH, Robert D.; PETERS, Michael P.; SHEPHERD, Dean A. Empreendedorismo. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

KOTLER, P., TRIAS DE BES, F. Winning at Innovation: The A-to-F Model. Great Britain: Pelgrave Macmillan, 2011.

KURATKO D. F.; GOLDSBY, M. G. Corporate entrepreneurs or rogue middle managers? A framework for ethical corporate entrepreneurship. Journal of Business Ethics, v. 55: p. 13–30, 2004.

LEBAS, Michel J. Performance measurement and performance management. International journal of production economics, v. 41, p. 23-35. 1995.

LOPES, Bruna Freire. A compreensão do termo inovação na perspectiva dos profissionais que trabalham em uma empresa de tecnologia da informação – um estudo de caso. Dissertação de mestrado. Fundação Pedro Leopoldo. 2012.

MAGALHÃES, Marcos F. In: TERRA, José Cláudio C. Inovação: quebrando paradigmas para vencer. São Paulo: Saraiva, 2007. Cap. 4, p. 41- 54.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

MONTANA, P. J.; CHARNOV, B. H. Administração. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

MORESI, Eduardo A. D. Delineando o valor do sistema de informação de uma organização. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, no. 1, p. 14-24, jan./abr. 2000.

NEELY, Andy. The performance measurement revolution: why now and what next? International Journal of Operations & Production Management, v. 19 n. 2, p. 205-288. 1999.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

___________________________________. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

NORTH, K.; REINHARDT, R. e SCHMIDT, A. The Benefits of Knowledge Management: Some empirical evidence. 2004. The Fifth European Conference on Organizational Knowledge, Learning and Capabilities. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2016.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO – OCDE. Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. [S. l.], 2006. 184 p.

OSTERWALDER, Alexander. PIGNEUR, Yves. Business Model Generation: Inovação em Modelos de Negócios. Rio de Janeiro: Alta Books, 2011.

PEREIRA, Frederico C. M.; BARBOSA, Ricardo R. Uso de fonte informação por consultores empresariais um estudo junto ao mercado consultoria. Perspectiva em Ciência da Informação, v. 13, n.1,p.95-111, jan./abr. 2007.

PESCE, Bel. A menina do vale: como o empreendedorismo pode mudar sua vida. Rio de Janeiro: Cor da Palavra, 2012.

__________. Procuram-se super-hérois: multiplique seus poderes e desenvolva habilidades. Rio de Janeiro: LeYa, 2013.

PINCHOT, G. III. Intrapreneuring: why you don´t have to leave the corporation to become an entrepreneur. New York: Harper & Row, 1985.

PINCHOT, G.; PELLMAN,Ron. Intra Empreendedorismo na Prática: um guia de inovação nos negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

RIBEIRO, Antônio J. M.; NASCIMENTO, Gabriela R.; SANTOS, Luciano. B. Gestão do conhecimento: estudo de caso da Wilson, Sons. XII SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Rio de Janeiro: 2015.

RICHARD, P. J. et al. Measuring organizational performance: towards methodological best practice. Journal of management, v. 35, n. 3, p. 718-804. 2009.

RIES, Eric. A Startup Enxuta: como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas. São Paulo: Lua de Papel, 2012.

ROSSETTI, Adroaldo G.; MORALES, Aran B. T. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 36, n. 1, p. 124-135, jan./abr. 2007

SANTOS, M. Gestão de metas: Como implementar a metodologia OKR? Endeavor Brasil. 2014. Disponível em:. Acesso em: 22 nov. 2016.

SCHUMPETER, Joseph A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

____________________. Capitalismo, socialismo e democracia. 3. Ed. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

SEBRAE- Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Entenda a diferença entre incubadora e aceleradora. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2016.

SEBRAE- Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Brasília/DF. Julho, 2014.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Doze anos de monitoramento da sobrevivência e mortalidade de empresas. São Paulo – SP. Agosto, 2010.

SELLTIZ, C., WRIGHTSMAN, L. S., COOK, S. W. Métodos de Pesquisa nas Relações Sociais. 2. ed. V. 1. São Paulo: E. P. U, 1987

SETZER V. W. Dado, Informação, Conhecimento e Competência. Depto. de Ciência da Computação, Universidade de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2015.

SHELTON Rob; PERCIVAL David. Inovação revolucionária e crescimento. PwC – PricewaterhouseCoopers Brasil Ltda. Set. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

SILVA, E. L; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. Ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

SINK, D. S. The role of measurement in achieving world class quality and productivity management. Industrial Engineering, v. 23, n.6, p. 23-70. 1991.

SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. 9. ed. São Paulo: Pearson, 2011.

STEFANOVIC, Ivan; PROKIC, Sloboda; RANKOVIC, Ljubodrag. Motivational and success factors of entrepreneurs: the evidence from a developing country. Journal of Economics and Business, Belgrado, Sérvia, v. 28, n. 2, p. 251-269. 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2015.

SZCZUR, Samantha. Innovation through Diversity: We Aren't Post-Politics. In: ERBE, Nancy D. Approaches to Managing Organizational Diversity and Innovation. California State University, USA, 2014. Capítulo2, p.24-41.

TERRA, José Cláudio, organizador. 10 dimensões da gestão da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

TERRA, José Cláudio Cyrineu, organizador. Inovação: quebrando paradigmas para vencer. São Paulo: Saraiva, 2007.

TERRA, José Cláudio C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio, 2000.

VENKATRAMAN N; RAMANUJAM, Vasudevan. Measurement of business performance in strategy research: a comparasion os approaches. Academy of Management Review, v. 11, n. 4, p. 801-814. 1986.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

______________. Métodos de coleta de dados de campo. São Paulo:

Atlas, 2009.

VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

________. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)