CIDADANIA E TECNOLOGIA: favorecendo a comunicabilidade entre a população belo-horizontina e o seu legislativo tendo por base estudos de Engenharia Semiótica e desenvolvimento de um protótipo de aplicativo para smartphones

Guilherme Moreira Gomes

Resumo


A recente mobilização da população para com os assuntos políticos, que são atualmente organizadas nas redes sociais, contrasta com um histórico desinteresse da nossa sociedade para com a política. Entende-se que as redes sociais, com o seu objetivo de conectar as pessoas, favoreçam a criação de um espaço de discussões que permite o exercício da prática política, integrando os cidadãos em torno de um mesmo ideal, facilitando sua articulação de modo a lutar por seus interesses. Em função dessas recentes mobilizações, acredita-se que elas abram uma possibilidade de trazer os assuntos políticos para o dia a dia do cidadão e, para isso, busca-se apoio nas disciplinas da Semiótica e na Engenharia Semiótica o entendimento de como se dá a forma de interação entre os usuários nas redes sociais de modo a tentar aplicar e otimizar esse entendimento em maneiras de informar e interagir com a sociedade sobre temas de cunho político. Para atingir esse objetivo, este trabalho promove uma análise semiótica do site da câmara municipal de Belo Horizonte e também no aplicativo da rede social Facebook de modo a identificar falhas de comunicabilidade existentes no site que possam ser corrigidas e melhoradas por experiências de utilização existentes no aplicativo. Considerando essa análise, foi desenvolvido um protótipo de aplicativo para smartphones, denominado de Mude a Nossa BH, que, posteriormente, foi submetido à aplicação do método de inspeção semiótica a fim de verificar a qualidade da comunicação entre o designer e o usuário por meio da interface do protótipo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALZAMORA, Geane. Fluxos de informação no ciberespaço – conexões emergentes. Revista Galáxia, São Paulo, n. 13, p. 75–88, jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 4 jun. 2016.

AMARAL, Roberto. A grande rede e a explosão das ruas. Jornadas de Junho: Repercussões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 8–12. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

AVRITZER, Leonardo; WAMPLER, Brian. Públicos participativos: sociedade civil e novas instituições no Brasil democrático. In: Coelho, Vera Schattan; Nobre, Marcos (Orgs.). Participação e deliberação: teoria democrática e experiências institucionais no Brasil contemporâneo. São Paulo: Editora 34, 2004, p.210-238.

BARRETO, Fernando et al. Votenaweb. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

BELO HORIZONTE. CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. . Câmara Municipal de Belo Horizonte. 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2016.

BELO HORIZONTE. Disciplina O Procedimento Para Atendimento A Pedido de Informação Apresentado nos Termos da Lei Federal Nº 12.527, de 18 de Novembro de 2011.. Belo Horizonte, MG, 30 jun. 2012

BRASIL. Constituição (2011). Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula O Acesso A Informações Previsto no Inciso Xxxiii do Art. 5o, no Inciso Ii do § 3o do Art. 37 e no § 2o do Art. 216 da Constituição Federal; Altera A Lei no 8.112, de 11 de Dezembro de 1990; Revoga A Lei no 11.111, de 5 de Maio de 2005, e Dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de Janeiro de 1991; e Dá Outras Providências.. Brasília, DF

BRASIL. GOVERNO ELETRÔNICO. Governo Eletrônico. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2016

CAPELAS, Bruno; MANS, Matheus. Redes sociais ajudam a formar “bolhas políticas”. Exame, São Paulo, 27 mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2016.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil. O longo Caminho. 3.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CASARIN, H. C. S.; CASARIN, S. J. C. Pesquisa Científica: da teoria à prática. [S.l.]: IBPEX, 2012.

COHEN, Nicole S.. The Valorization of Surveillance: Towards a Political Economy of Facebook. Democratic Communiqué,Hamilton, v. 22, n. 1, p.5-22, nov. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2016.

COSTA, Sérgio. Esfera pública e as mediações entre cultura e política no Brasil. Fórum ideias, Viseu, n. 1, 1999. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2016.

DAHLBERG, Lincoln. THE INTERNET AND DEMOCRATIC DISCOURSE: Exploring the prospects of online deliberative forums extending the public sphere. Information, Communication & Society, v. 4, n. 4, p. 615–633, 2001. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

DA SILVA, Nelson Aleixo. Junho 2013: a juventude nas ruas para balançar as estruturas. Jornadas de Junho: Repercussões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 98–106. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

DA SILVA, Otacílio. Brasil, 2013: reflexões e metáforas. Jornadas de Junho: Repercussões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 22–29. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

DEKKER, Rianne; BEKKERS, Victor. The contingency of governments responsiveness to the virtual public sphere: A systematic literature review and meta-synthesis. Government Information Quarterly, Rotterdam, v. 32, p. 496–505, 10 set. 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2016.

DE SOUZA, C. S. The semiotic Engeneering of Human-Computer Interaction. Cambridge, MA: The MIT Press, 2005.

FACEBOOK. 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2016.

FERREIRA, Gil Baptista. Novos media e vida cívica: Estudos sobre deliberação, internet e jornalismo. Covilhã: Labcom, 2012. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2016.

FRASER, N. Rethinking the Public Sphere: A Contribution to the Critique of Actually Existing Democracy. Social Text. n. 25/26, p. 56–80, 1990. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/466240?seq=1#page_scan_tab_contents. Acesso em: 19 mar, 2016.

GAMFIG CORP. Monitora, Brasil. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016. , [S.d.]

Ghode, R. (2015). Understanding Face book popularity through Semiotic Analysis. In Metamorphosis of New Media and Digital Culture (pp. 239-252). Delhi: Lenin Media Delhi And Department of Communication Studies, SPPU. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. In: Como elaborar projetos de pesquisa. [S.l.]: Atlas, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Vol II. 2.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

JUSTIÇA ELEITORAL BRASILEIRA. Candidaturas. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

LANGLOIS, Ganaele. MEANING, SEMIOTECHNOLOGIES AND PARTICIPATORY MEDIA. CULTURE MACHINE, v. 12, 2011. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2016.

LOBO, Flávio. A Era da Ignorância. São Paulo, Carta Capital, n. 137, p. 20-24, 5 de novembro de 2000.

LOSEKANN, C. A ESFERA PÚBLICA HABERMASIANA, SEUS PRINCIPAIS CRÍTICOS E AS POSSIBILIDADES DO USO DESTE CONCEITO NO CONTEXTO BRASILEIRO, Pensamento Plural. p.37–57, junho 2009. Disponível em: . Acesso em: 19 mar, 2016.

MALINI, Fábio. Facebook. 16 mar 2015a. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2015.

______. ______. 9 mar 2015b. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2015.

MARQUES, Francisco Paulo Jamil Almeida. “Muro baixo, o povo pula”: iniciativas institucionais de participação digital e seus desafios fundamentais. Opinião Pública, Campinas, v. 16, n. 1, p.117-142, junho 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 set. 2016.

MOREIRA, Orlandil; SANTIAGO, Idalina. Vem prá rua: os protestos de junho. Jornadas de Junho: Repercusões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p.13–21. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

NEGT, O.; KLUGE, A. Public Sphere and Experience Toward an Analysis of the Bourgeois and Proletarian Public Sphere., v.85, p.299, 1993. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1993.

NETTO, Teixeira Coelho. Semiótica, informação e comunicação. 5.ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.

NICOLAU, Marcos et al.Comunicação e Semiótica: visão geral e introdutória à Semiótica de Peirce. Temática, João Pessoa, n.4, agosto 2010. Disponível em: . Acesso em: 4 fev. 2016.

PAPACHARISSI, Zizi. The virtual sphere: the internet as a public sphere. New Media & Society, Philadelphia, v. 4, 2002. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2016.

PEIRCE, Charles Sanders. SEMIÓTICA. 4.ed. São Paulo: PERSPECTIVA, 2015.

PERLATTO, Fernando. Habermas, a esfera pública e o Brasil. Revista Estudos Políticos, n. 4, p. 17, jan. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2016.

PINHO, José Antonio Gomes de. Investigando portais de governo eletrônico de estados no Brasil: muita tecnologia, pouca democracia. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 3, n. 42, p.471-493, jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 26 set. 2016.

PRATES, R. O.; BARBOSA, S. D. J. (2003) Avaliação de Interfaces de Usuário - Conceitos e Métodos In: Anais do XXIII Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de Computação. XXII Jornadas de Atualização em Informática (JAI). SBC 2003. Agosto 2003.

PREECE, Jenifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. PortoAlegre: Bookman, 2005.

SALGADO, Luciana Cardoso de Castro; BIM, Sílvia Amélia; SOUZA, Clarisse Sieckenius de. Comparação entre os Métodos de Avaliação de Base Cognitiva e Semiótica In: Anais do Ihc 2006, Natal, Rn, p.158-167, 19 nov. 2006. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2016.

SANTAELLA, Lucia. Potenciais e desafios para a comunicação e inovação. Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 8, n. 4, 2007. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2016.

______. As três categorias peircianas e os três registros lacanianos. Psicologia USP, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 81–91, 1999. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2016.

SILVA, Bruno Santana da; BARBOSA, Simone Diniz Junqueira. Interação Humano-Computador. Rio de Janeiro: Campus, 2010.

SOARES, Murilo. Representações. jornalismo e a esfera pública democrática. [S.l.]: Cultura Acadêmica, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2016.

SOUZA, Clarisse. Semiotic engineering: bringing designers and users together at interaction time. Interacting with Computers, v. 17, n. 3, p. 317–341, maio 2005. Disponível em: . Acesso em: 4 jun. 2016.

SOUZA, Clarisse Sieckenius de; BARBOSA, Simone Diniz Junqueira; PRATES, Raquel de Oliveira. A semiotic engineering approach to user interface design. Knowledge-Based Systems, v. 14, p. 461–465, 2001. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: Uma teoria social da mídia. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

TRIBUNAL REGIONAL DE MINAS GERAIS. Eleitorado. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016; 16 set. 2016.

TUCKER, Catherine. The Economics of Advertising and Privacy. International Journal Of Industrial Organization. Cambridge, Ma, p. 326-329. 19 nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2016.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração, 3.ed. São Paulo: Editora Atlas, 2000.

VIANNA, Hermano. As Tribos da Internet. Imagens, Campinas, p.47-49, 4 abr. 1995. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2016.

VOTO X VETO. Voto x Veto. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

YOUNG, Iris. Inclusion and Democracy. New York: Oxford University Press Inc, 2000. Acesso em: 25 mar. 2016.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. São Paulo. Martins Fontes, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)