GESTÃO DO CONHECIMENTO: FATORES RELEVANTES À TRANSFERÊNCIA DO CONHECIMENTO TÁCITO NUMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PRIVADA

MÁRIO nogueira EUSTÁQUIO NOGUEIRA GOMES

Resumo


RESUMO

O tema deste projeto de dissertação trata da relação existente entre conhecimento tácito e os fatores relevantes à transferência desse conhecimento dentro de uma instituição particular de ensino. Segundo Nonaka e Takeuchi (2008), uma organização deve tornar o conhecimento pessoal disponível para todos os seus membros, esse processo deve ser contínuo e abranger toda estrutura organizacional. Sengue (1990) afirma que a maioria das organizações tem dificuldades de aprendizagem, isto  deve-se a alguns fatores: estrutura organizacional, gerenciamento, etc. Como em qualquer organização, uma instituição de ensino também necessita gerenciar o seu conhecimento e a forma como a sua transferência está ocorrendo. No caso específico deste trabalho a instituição analisada será uma empresa de ensino pré-vestibular, situada no estado de Minas Gerais, doravante será denominada por empresa de ensino Alpha.  Em meio a esse cenário, surge o problema dessa pesquisa: Quais os fatores que são considerados relevantes para a transferência do conhecimento tácito numa instituição de ensino particular?  Para responder essa questão, foi elaborado um objetivo geral, que pretende pesquisar e analisar os fatores percebidos como relevantes para a transferência conhecimento tácito presentes numa instituição de ensino particular. A partir deste objetivo, foram criados três objetivos específicos: A) Identificar possíveis facilitadores à transferência do conhecimento tácito na organização em questão. B) Identificar possíveis barreiras à transferência do conhecimento tácito na organização em questão. C) Comparar os indicadores facilitadores e inibidores à transferência do conhecimento tácito com modelo de Lemos (2008) e Mendes (2014). Quanto à  pesquisa será de cunho quantitativo, quanto ao método será classificado como comparativo e será  classificado como um estudo de caso contemporâneo. A pesquisa será realizada numa instituição de Ensino Pré-vestibular, fundada em 1998, atualmente está presente em sete cidades de Minas Gerais-Brasil. A população da pesquisa, será composta pelos professores e secretárias da instituição em foco. A coleta de dados será feita por meio de questionário estruturado e para acessar a amostra usaremos o critério de acessibilidade. Ao final do trabalho pretende-se além de determinar quais os fatores do modelo heurístico proposto que são considerados relevantes à transferência do conhecimento tácito na organização em questão.

 

Palavras-chave: Transferência do Conhecimento Tácito, Modelo Organizacional, Fatores Idiossincráticos, Estrutura Organizacional, Estratégia de Gestão do Conhecimento


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALONSO, Katia Morosov et al. Aprender e ensinar em tempos de cultura digital. Revista Em Rede, v. 1, n. 1, p. 152-168, 2014.Acesso em 18 de agosto de 2016.

ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, v. 7, 1999.

BALBINO, José Nivaldo. O estágio de desenvolvimento da gestão do conhecimento nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. 2015.

BALOD, Grayce Guglielmi. O significado do curso pré-vestibular para o aluno indeciso quanto à profissão., Acesso em 25 de Agosto de 2016.

BOFF, Luiz Henrique. Gestão de conhecimento. In: Global. 2001. p. 7.< http://ojs.fsg.br/index.php/global/article/viewFile/449/388#page=7> Acesso em 26 de Agosto de 2016.

CASTRO, M. de; BULGACOV, Sergio; HOFFMANN, Valmir Emil. Relacionamentos interorganizacionais e resultados: estudo em uma rede de cooperação horizontal da região central do Paraná. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 1, p. 25-46, 2011.

CAPURRO, Raphael. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 4-14, jan./jun. 2011. ISSN: 2236-417X. . Acesso em 09 de setembro de 2016.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas. Elsevier Brasil, 2008.

DA SILVA, Júlio César Bastos; FERREIRA, Victor Cláudio Paradela; COSTA, Débora Vargas Ferreira. Estudo sobre estresse em uma instituição bancária.Essa, 2011, vol. 2012, no 2013, p. 2014.

DAVENPORT, Thomas H; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: Como as organizações gerenciam o seu capital intelectual, Editora Elsevier, 14ª edição, 1998.

DE SOUZA ROCHA, Adilson Castro. Fatores facilitadores e inibidores na implementação de gestão do conhecimento em uma associação de profissionais: o caso SAE Brasil. 2007. Tese de Doutorado.

DRUKER, Peter Ferdinand. Sociedade Pós-Capitalista. tradução de Nivaldo Montingelli Jr. São Paulo: Pioneira, 1993.

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. In: Estudos. Perspectiva, 2014.

EYNG, Ivanilde Scussiatto et al. As sete dimensões da Gestão do Conhecimento na prática gerencial: um estudo de caso na Gecor SA.Biblioteca Digital de la Asociación Latino-Iberoamericana de Gestión Tecnológica, v. 1, n. 1, 2005.

FILIPPIM, Eliane Salete; DE LIMA, Adriana Antunes. Conhecimento tácito em organizações: Estudo de caso no setor metalúrgico. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, n. 1, p. 80-97, 2014.

FRANCINI, William Sampaio. A gestão do conhecimento: conectando estratégia e valor para a empresa. RAE-eletrônica, v. 1, n. 2, p. 1-16, 2002. Acesso em 01 de Agosto de 2016.

GIDDENS, Anthony. Novas regras do método sociológico. Zahar, 1978.

GUERREIRO, Daniela. O conhecimento é em si mesmo um poder. , Acesso em 04 de Agosto de 2016.

GIL, A.C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. Ed. São Paulo: Atlas S.A, 2008. 207p.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paul: 2002. 61 p.

GOLDONI, Vanessa; OLIVEIRA, Mírian. Indicadores para a gestão do conhecimento na visão de especialistas. Revista Eletrônica de Administração, v. 13, n. 3, p. 478-501, 2007.

GOMES, Adelino D. Cultura organizacional. Comunicação e Identidade, 2000.

JÓIA, Luís Antônio; Medindo o Capital Intelectual. RAE - Revista de Administração de Empresas • Abr./Jun. 2001 São Paulo, v. 41 • n. 2 • p. 54-63.

KENSKI, V. M. O Conhecimento Tácito e as Decisões Organizacionais com o Apoio de Mapas Cognitivos. Rio de Janeiro: Anais do XXXII Enanpad, 2008.

LAKATOS, Eva Maria; DE ANDRADE MARCONI, Marina. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1991.

LEITE, Eliana Duarte et al. O SERPRO e a educação corporativa. SANTOS, AR et al, p. 81-102, 2001.

LEITE, Fernando César Lima. Gestão do conhecimento científico no contexto acadêmico: proposta de um modelo conceitual. 2010. Acesso em 15 de Junho de 2016.

LEITE, Paula Almeida Ribeiro; LOFT, Tereza Cristina Carneiro. Treinamento e Desenvolvimento Organizacional, uma ferramenta nas empresas atuais. 2013. Acesso em 05 de outubro de 2016.

LEÓN, Daniela Andrea Droguett. Análise fatorial confirmatória através dos softwares R e Mplus. 2011.

LEMOS, Bernardo; JOIA, Luiz Antônio. Fatores relevantes à transferência de conhecimento tácito em organizações: um estudo exploratório. Gestão & Produção, v. 19, n. 233-246, 2012.

LEMOS, Bernardo Noronha. Fatores relevantes de sucesso à transferência do conhecimento tácito: evidências empírico-exploratórias em uma empresa petrolífera brasileira. 2008.

LEVINE, D. M.; BERENSON, M. L.; STEPHAN, D. Estatística, Teorias e Aplicações, 2000. Rio de Janeiro: LTC.

LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma cibe democracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010. _. Cibercultura. São Paulo: Editora, v. 34, 1999.

MARTINS, Gilberto de Andrade; DOMINGUES, Osmar. Estatística Geral e Aplicada. São Paulo: Atlas, 2011.

MENDES, Celson G. Transferência do conhecimento em empresas de base tecnológica. Projetos e Dissertações em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento, v. 4, n. 1, 2014.

MOREIRA, Herivelto; CALEFFE, Luiz Gonzaga. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. DP & A, 2006.

MUYLDER, Cristiana Fernandes et al. Práticas de Gestão do Conhecimento e Indicadores de Geração da Inovação. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), v. 3, n. 7, p. 153-170, 2014.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro. Campus, v. 16, p. 360, 1997.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Teoria da criação do conhecimento

organizacional. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, p. 54-90, 2008.

NONAKA, Ikujirō; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa. Elsevier Brasil, 2004.

PORTAL INEP. Acesso em 27 de julho de 2016.

RICHARDSON, M. Fundamentos da metodologia cientifica. São Paulo, 1999.

SCHEIN, Edgard H. Liderança e cultura organizacional. Hesselbein, F.; Goldsmith, m.; Beckhard, r. o líder do futuro, v. 11, p. 81-90, 1996.

SENGE, Peter M. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. Best Seller, 2009.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 20ª edição–São Paulo. 1996.

SILVA, M. A. da. Alianças e Redes Organizacionais: bases para construção, formas, interdependências e modelos organizacionais inerentes. Dissertação (Mestrado em Administração) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo: PUC, 1994.

SIMÕES, Jorge Manuel Marques; DUARTE, Carlos Manuel Coelho. TRANSFERÊNCIA DO CONHECIMENTO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO EM PORTUGAL. 2009.

SOARES, D. H. P. Orientação Profissional em ação: formação e prática de orientadores. São Paulo: Summus, 2000.

TERRA, Branca. A transferência de tecnologia em universidades empreendedoras: um caminho para a inovação tecnológica. Qualitymark Editora Ltda, 2001.

TERRA, José Cláudio Cyrineu. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. Negócio Editora Ltda, 2001

TONET, Helena Correa; PAZ, Maria das Graças Torres da. Um modelo para o compartilhamento de conhecimento no trabalho. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 2, p. 75-94, 2006.

ZANON, Lissandra. A Estreita Relação entre o Poder e o Conhecimento.< http://www.webartigos.com/artigos/a-estreita-relacao-entre-o-poder-e-o-conhecimento/83295/#ixzz4GNV5DRbX>, Acesso em 04/08/2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)