A INTERAÇÃO NO GERENCIADOR DE CONTEÚDO WORDPRESS SOB A PERSPECTIVA DA SEMIÓTICA

DEMERVAL GOMES SANDIM JUNIOR

Resumo


Na contemporaneidade vivemos experiências sociais mediadas pela interação ocorrida por meio de dispositivos tecnológicos que realizam a metacomunicação entre designers e usuários. Ferramentas inovadoras, como o Wordpress, permitiram a gestão de informação e trouxeram para o cenário tecnológico milhões de novos usuários capazes de criar seus próprios sites e entregar conteúdo a uma audiência ilimitada. Mesmo sem conhecimento de linguagens de programação, esses usuários intermediários podem tornar-se potencialmente capazes de criar e gerenciar seus próprios projetos e disponibilizá-los a outros usuários num processo de auto expressão. Essa pesquisa apresenta estes novos atores do cenário tecnológico, capazes de implementar tecnologia sem necessariamente serem especialistas em informática ou áreas afins. A experiência de uso dos gerenciadores de conteúdo por parte deste grupo de usuários denominados de usuários-designers é mediada por processos de significação que podem ser entendidos e estudados sob o olhar da Semiótica, especificamente a partir da análise dos processos de metacomunicação ocorridos nestes ambientes virtuais, fazendo-se uso de métodos de análise como a Inspeção Semiótica. A pesquisa buscará compreender como os signos operam sobre a experiência e a interação ocorrida entre usuários e artefatos durante o uso de gerenciadores de conteúdo, seja na implementação, gestão ou criação, a partir do uso do CMS Wordpress num processo denominado de auto expressão em que o usuário final assume o papel de usuário-designer na interação com a interface.


Texto completo:

PDF

Referências


OSCMSMarketShareReport (1). FUTURE TRENDS OF CONTENT MANAGEMENT SYSTEMS (CMS) White-Paper-The-Future-Of-CMS. Disponível em: Acesso em 25 de set de 2015.

Andersen, P.B.(1990, 1997) A Theoy of Computer Semiotics. Semiotic Approaches to Construction and Assessment of Computer Sustems. Cambridge: Cambridge University Press.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9241-210: Ergonomia da interação humano-sistema. Parte 210; projeto centrado no ser humano para sistemas interativos. Rio de Janeiro: Abnt, 2011.

About W3C Future, 2005. Disponível em: . Acesso em 08 fev. 2015.

ADLIN, Tamara. The Persona Lifecycle: Keeping People in Mind Throughout Product

Design. The Morgan Kaufmann Series in Interactive Technologies. Elsevier Science &

Technology, v. 1, n. 1, 2006, 722p.

ALMEIDA, C. C. Semiótica, Internet e interatividade: a interatividade dos portais BOL e UOL. Londrina: UEL, 2003. 204p.

ALMEIDA, C.C de. Peirce e a Organização da Informação: contribuição teórica da Semiótica e do Pragmatismo. Tese de Doutorado. Marília: Universidade Estadual Paulista – UNESP. Campus de Marília – Faculdade de Filosofia e Ciências. 2009.

As 10 heurísticas de Jakob Nielsen. Disponível em: . Acesso em 08 fev. 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977.

BAX, Marcello Peixoto. Design science: filosofia da pesquisa em ciência da informação e tecnologia. Ciência da Informação, v. 42, n. 2, 2015. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2015.

BARBOSA, S. D. J.; DA SILVA, B. S. Interação humano-computador. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

BENEVOLO, Clara; NEGRI, Serena. Evaluation of content management systems (CMS): a supply analysis. The Electronic Journal Information Systems Evaluation, v. 10, n. 1, p. 9–22, 2007.

Content Management Systems Market Share. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2016.

COSTA, Luciana Ferreira da; RAMALHO, Francisca Arruda. A usabilidade nos estudos de uso da informação: em cena usuários e sistemas interativos de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 15, n. 1, p. 92–117, 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2015.

CRESWELL, J. W. Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. 3rd. ed. ed. Thousand Oaks, CA: SAGE, 2009.

DE ALMEIDA, Carlos Cândido. Novas Tecnologias e Interatividade: além das interações mediadas. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2016.

DE ASSIS, Juliana; MOURA, Maria Aparecida. A Qualidade da Informação na Web: uma abordagem semiótica; La Calidad de la Información en la Web: un enfoque semiótico. Informação & Informação, v. 16, n. 3, 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2015.

De Souza, C.S. “The Semiotic Engineering of User Interface Languages”. International Journal of Man-Machine Studies 39. Academic Press. 1993. pp. 753-773.

DE SOUZA, Clarisse Sieckenius. The semiotic engineering of human-computer interaction. Cambridge, Mass: MIT Press, 2005. (Acting with technology).

De Souza, C. S., Leitão, C. F., Prates, R. O., da Silva, E. J. (2006) The Semiotic Inspection Method, in: Proceedings of the 7th Brazilian Symposium of Human Factors on Computer Systems (IHC'2006). Porto Alegre, SBC, 1, 148-157.

ECO, Umberto. Tratado geral de semiótica. 4ª ed. São Paulo. Perspectiva. 2007.

FIDALGO, António; GRADIM, Anabela. Manual de semiótica. 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

Future Friendly Thinking. Frost, Brad. Disponível em: Acesso em 25 de set de 2014.

GOMES, Gracielle Mendonça Rodrigues; CENDÓN, Beatriz Valadares. Análise da integração da recuperação da informação, information search behaviour e interação humano-computador para avaliação de sistemas de recuperação da informação. Transinformação, v. 27, n. 3, p. 277–284, 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2015.

Hewett, T.; Baecker, R.; Card, S.; Carey, T.; Gasen, J.; Mantei, M.; Perlman, G.; Strong, G.; Verplank, W. (1992) “ACM SIGCHI Curricula for Human-Computer Interaction”. ACM SIGCHI Report, ACM, NY. Disponível online em http://old.sigchi.org/cdg/index.html. Acesso em: 19 set. 2016

Historical trends in the usage of content management systems for websites. Disponível em: Acesso em 25 de set de 2014.

INAZAWA, Fernandez Kenji; BAPTISTA, Sofia Galvão. Modelo conceitual de comunicação da informação para estudos de interação informacional baseado em competências conversacionais em serviço de referência. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 17, n. 1, p. 169–184, 2012.

KUROSU, Masaaki (Org.). Human-Computer Interaction. Theories, Methods, and Tools. Cham: Springer International Publishing, 2014. (Lecture Notes in Computer Science). Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

LAZAR, J.; FENG, J. H.; HOCHHEISER, H. Research methods in human-computer interaction. New York: Wiley, 2010.

LEITE, L. L. Colaboração entre pares para melhor compreensão da mensagem do designer via sistema de ajuda. Tese de Doutorado. Porto Alegre:[s.n], 2012.

NIEMEYER, Lucy. Elementos de semiótica aplicados ao design. Rio de Janeiro (RJ): 2AB, 2007.

MACHADO, Irene; ROMANINI, Vinícius. Semiótica da comunicação: da semiose da natureza à cultura/Semiotics of communication: from semiosis of nature to culture. Revista Famecos, v. 17, n. 2, p. 89, 2010.

Market share trends for content management systems for websites. Disponível em: Acesso em 25 de set de 2014.

MCGRANE, Karen. BDConf: Karen McGrane presents Adapting Ourselves to Adaptive Content: In Adapting Ourselves to Adaptive Content, 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2016.

MCGRANE, Karen. Don’t Let Paper Paradigms Drive Your Digital Strategy, 2013. Disponível em: Acesso em: 08 fev. 2016.

MCGRANE, KAREN. The Rise of the Mobile-Only User. Disponível em: Acesso em 25 de set de 2014.

Monteiro, I.T., de Souza, C.S., Leitão, C.F.: Metacommunication and semiotic engineering:

Insights from a study with mediated HCI. In: Marcus, A. (ed.) DUXU 2013, Part I. LNCS, vol. 8012, pp. 115–124. Springer, Heidelberg (2013)

Monteiro, Ingrid Teixeira. Autoexpressão e engenharia semiótica do usuário-designer. PUC-Rio, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

MONTEIRO, Silvana Drumond; FIDENCIO, Marcos Vinicius. As dobras semióticas do ciberespaço: da web visível à invisível. TransInformação, Campinas, v. 25, n. 1, p. 35–46, 2013. Disponível em: < http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1786> Acesso em: 08 nov. 2015.

Moran, T. (1981) “The Command Language Grammars: a representation for the user interface of interactive computer systems. Em International Journal of Man-Machine Studies 15:3-50, Academic Press.

MOURA, Maria Aparecida. Interoperabilidade semântica e ontologia semiótica: a construção e o compartilhamento de conceitos científicos em ambientes colaborativos online. Informação & Informação, Londrina, v. 16, n. supl, p. 165–179, 2011. Disponível em: . Acesso em: 8 dez. 2015.

MOZZATO, Anelise R.; GRZYBOVSKI, Denize. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 4, p. 731–747, 2011.

NADIN, M. (1988). Interface design: a semiotic paradigm. Semiotica 69, 3/4, 269-302.

NIELSEN, J.; LORANGER, H. Usabilidade na web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

NORMAN, Donald A. The invisible computer: why good products can fail, the personal computer is so complex, and information appliances are the solution. Cambridge, Mass: MIT Press, 1998.

Oliveira OL. e Baranauskas M.C.C. (1999) Communicating Entities: a Semiotic- Based Methodology for Interface Design. Em Human-Computer Interaction – Ergonomics and User Interface, H.J. Bullinger e J. Ziegler (eds) vol.1. London: Lawrence Erlbaum Associates Publishers.

Oliveira, O L (2000) Design da Interação em Ambientes Virtuais: uma abordagem semiótica. Tese de Doutorado. Instituto de Computação – Unicamp.

OPEN SOURCE CMS, MARKET SHARE REPORT, AND WHITE ELEPHANTS. Disponível em: Acesso em: 08 nov. 2015.

PAPERT, Seymour. Logo: computadores e educação. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PEREIRA, Vinícius Carvalho. Autoexpressão e engenharia semiótica do usuário-designer. PUC-Rio, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2016.

PEIRCE, Charles S. Semiótica. São Paulo, Perspectiva, 1987.

PEIRCE, C. S. (1931-1958). Collected Papers. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Peirce, C.S. (1974) Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Vols. 1-6. C. Harshorme e P. Weiss (eds). Cambridge:Harvard University Press.

Pimentel, M.; Fuks, H. (2011) “Sistemas Colaborativos”. Rio de Janeiro - RJ: Elsevier-Campus-SBC, 2011.416 p.

PINTO, Júlio. 1, 2, 3 da semiótica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1995.

PRATES, R. O., B. S. D. J. Introdução à Teoria e Prática da Interação Humano Computador

fundamentada na Engenharia Semiótica. In T. Kowaltowski & K. Breitman (orgs.) Jornadas de

Atualização em Informática, JAI 2007, pp. 263-326. 2007

PRATES, R.O.; BARBOSA, S. D. J. Introdução a teoria e a prática da interação humano computador fundamentada na engenharia semiótica. 2007. Disponível em < http://www2.serg.inf.puc-rio.br/docs/JAI2007_PratesBarbosa_EngSem.pdf>. Acesso em: 08 nov. 2015.

PRATES, R., de SOUZA; C.; BARBOSA, S. (2000). A method for evaluating the communicability of User Interfaces, Interactions. 31-38.

PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de Interação: Além da Interação Homem-Computador. Brasil: Bookman, 2005. 348 p.

ROCHA, Décio; DEUSDARÁ, Bruno. Análise de conteúdo e análise do discurso: o linguístico e seu entorno. Delta, v. 22, n. 1, p. 29–52, 2006. Disponível em:

Acesso em: 08 nov. 2015.

ROCHA, H.V.; BARANAUSKAS, M.C.C. Design e avaliação de interfaces humano-computador. Campinas: NIED/UNICAMP, 2003. 244p.

ROMANINI, Vinícius. Design como comunicação: uma abordagem semiótica. In: SEMINÁRIO DO CURSO DE DESIGN DA FAU-USP - DESIGN: QUO VADIS?, 1., 2008, São Paulo. Seminário. São Paulo: Usp, 2008. p. 1 - 5. Disponível em: Acesso em: 08 nov. 2015.

RUBIN, Jeffrey; CHISNELL, Dana. Handbook of usability testing: how to plan, design, and conduct effective tests. 2nd ed. Indianapolis, IN: Wiley Pub, 2008.

SANTAELLA, L. A assinatura das coisas. Rio de Janeiro: Imago, 1992. 216p.

________. O que é semiótica? São Paulo: Brasiliense, 1990. 114p.

________. Semiótica aplicada. São Paulo: Thomson Pioneira, 2002. 186p.

SANTAELLA, Lucia; NÖTH, Winfried. Comunicação e semiótica. São Paulo: Hacker Editores, 2004

Sebeok, T.A. (1994) Signs – An Introduction to Semiotics. Toronto:University of Toronto Press Incorporated.

SEBEOK, T. (1991). A Sign is just a Sign. Bloomington, IN: Indiana University Press.

SHANNON, C. E.; WEAVER, W. The Mathematical Theory of Communication. Urbana: University of Illinois Press, 1949.

SORDI, José Osvaldo De; AZEVEDO, Marcia Carvalho; MEIRLES, Manuel. A Pesquisa Design Science no Brasil segundo as Publicações em Administração da Informação. Journal of Information Systems and Technology Management, v. 12, n. 1, 2015. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2016.

SANTOS, Fernando Chagas; DE CARVALHO, Cedric Luiz. Aplicação da Inteligência Artificial em Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

Souza, C.S.,(1993) The Semiotic Engineering of user interface Languages, International Journal of Man-Machine Studies, n. 39, 753-733

STEPHANIDIS, Constantine (Org.). HCI International 2014 - Posters’ Extended Abstracts. Cham: Springer International Publishing, 2014. (Communications in Computer and Information Science). Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

SINYEGWE, Azwinndini Phillys. Knowledge management and Parliament Content Management System. 2015. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

The Awesome Size of the Internet. Disponível em: Acesso em: 08 nov. 2015.

Usage statistics and market share of WordPress for websites. Disponível em: Acesso em: 08 nov. 2015.

WARSCHAUER, Mark; GRIMES, Douglas. AUDIENCE, AUTHORSHIP, AND ARTIFACT: THE EMERGENT SEMIOTICS OF WEB 2.0. Annual Review of Applied Linguistics, v. 27, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

What is a Content Management System? Disponível em: Acesso em 25 de set de 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)