CRIAÇÃO DE VALOR EM ORGANIZAÇÕES FINANCEIRAS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO ALINHAMENTO ENTRE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, GESTÃO DO CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

ELAINE DRUMOND PIRES E SILVA

Resumo


Na era digital, as informações são facilmente disseminadas nas redes de comunicação. Novas formas de pensar, agir e vivenciar vão surgindo a todo instante no mundo da comunicação e tecnologia. Todos os setores industriais estão sendo atingidos pela transformação digital. Surgem novos modelos de negócios baseados em uma nova plataforma global, a Internet. Com as Instituições Financeiras a situação não é diferente, elas precisam se reinventar, para competir entre si, e enfrentar as ameaças dos novos concorrentes que já nasceram digitais Nas instituições financeiras, a forma de oferecer os produtos e serviços ao cliente é de suma importância para  o seu sucesso, e a partir dessa perspectiva, o surgimento das fintechs, startups financeiras altamente tecnológicas, desafiam as instituições financeiras. As fintechs facilitam o acesso aos serviços financeiros, e trazem conveniências ao cliente por meio da inovação tecnológica. Diante desse cenário, o objetivo deste estudo é analisar a relação entre a tecnologia da informação, gestão do conhecimento e inovação na criação de valor nas instituições financeiras. A pesquisa aborda temas como web 2.0, tecnologia da informação, modelo de negócio, gestão do conhecimento e inovação, apresentando a tecnologia da informação como catalisadora da inovação e criação de valor nas organizações financeiras. Para analisar impacto da tecnologia da informação, web 2.0 gestão do conhecimento e modelo de negócio com relação à inovação, será realizada uma pesquisa de abordagem quantitativa e descritiva. Os dados da pesquisa serão coletados por meio de um questionário (e-survey), definido a partir do marco teórico da pesquisa. A escala de coleta será Likert 5 pontos e o público da pesquisa serão os profissionais de TI que atuam em instituições financeiras. A técnica de análise será multivariada, para a análise dos dados será utilizado o pacote estatístico R (open source) e o software para modelagem de equações estruturais PLS (Partial Least Squares-Path Modeling).


Texto completo:

PDF

Referências


ACEVEDO, C. R.; NOHARA, J. J. Monografia no curso de administração: guia completo de conteúdo e forma. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

AKHISAR, İ.; TUNAY, K. B.; TUNAY, N. The Effects of Innovations on Bank Performance: The Case of Electronic Banking Services. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 195, p. 369–375. doi: 10.1016/j.sbspro.2015.06.336, 2015.

ALBERTIN, A. L. O comércio eletrônico evolui e consolida-se no mercado brasileiro. Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 4, p. 94–102, 2000.

ALMEIDA, A.M.P.; MOTTA, F.M.V. O desenvolvimento de competências gerenciais como fator de vantagem competitiva: um estudo de caso em uma empresa estatal de telecomunicações. In: VIII ENANGRAD, 1997. Anais Eletrônicos… Rio de Janeiro - RJ, 1997.

APAK, S.; TUNCER, G.; ATAY, E.; KOŞAN, N. İ. Insights From Knowledge Management to Radical Innovation: “Internet Banking Applications in the European Union”. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 41, p. 45–50. doi: 10.1016/j.sbspro.2012.04.006, 2012.

ARGENTI, P. Comunicação Empresarial. O ambiente em constante mudança no mundo dos negócios. São Paulo: Elsevier Editora Ltda, 2014.

BAGHDADI, Y. From E-commerce to Social Commerce: A Framework to Guide Enabling Cloud Computing. Journal of theoretical and applied electronic commerce research, v. 8, n. 3, p. 5–6. doi: 10.4067/S0718-18762013000300003, 2013.

BESSANT, J; TIDD, J. Inovação e Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BONSÓN, E; FLORES, F. Are big banks engaging their stakeholders in a dialogue? A Sophistication Index (SI) of multinational banks shows the extent of social media and Web 2.0 adoption in their corporate reporting ". Strategic Direction, V. 28, n. 6, p. 7-10, 2012.

BRETERNITZ, V. J.;ALMEIDA, M. I. R; GALHARDI, A. C.; MACCARI, E. A. Dinheiro digital – uma implementação de micropagamentos. Revista Gerenciais, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 139-146, 2008.

BRYNJOLFSSON, E.; McAFEE A. A segunda era das máquinas. Rio de Janeiro: Alta Books Editora, 2015.

CALLAWAY, S. K. Strategic Context for Internet Banking: How Traditional Banks Manage e-Commerce to Build IT Capabilities and Improve Performance. Journal of Internet Banking and Commerce, v. 20, n. 1. Recuperado agosto 22, 2016, de http://search.proquest.com/openview/fbabbf88670f9a9e7cd4e02a347041e3/1?pq-origsite=gscholar, 2015.

CAMISÓN, C.; VILLAR-LÓPEZ, A. Organizational innovation as an enabler of technological innovation capabilities and firm performance. Journal of Business Research, v. 67, n. 1, p. 2891–2902. doi: 10.1016/j.jbusres.2012.06.004, 2014.

CHOO, C. W. A Organização do Conhecimento. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

COLLIS, J; HUSSEY R. Pesquisa em administração. Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre: São Paulo, 2005.

DALKIR, K. Knowledge Management in Theory and Practice. Cambridge, London: The MIT Press, 2011.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As Regras da Inovação. São Paulo: Bookman, 2007.

DE PAULA, E. W.; BIGNETTI, L. P. Estudo sobre as práticas de inovação e as estratégias adotadas por empreendedores de alta tecnologia. E & G Economia e Gestão, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 42-57, dez. 2003.

DIMITRIU, O.; MATEI, M. A New Paradigm for Accounting through Cloud Computing. Procedia Economics and Finance, v. 15, p. 840–846. doi: 10.1016/S2212-5671(14)00541-3, 2014.

DIMITRIU, O.; MATEI, M. Cloud Accounting: A New Business Model in a Challenging Context. Procedia Economics and Finance, v. 32, p. 665–671. doi: 10.1016/S2212-5671(15)01447-1, 2015.

DOZ, Y. L.; KOSONEN, M. The dynamics of strategic agility: Nokia’s rollercoaster experience. California Management Review, v. 50, n. 3, p. 95-118, 2008.

DOZ, Y. L.; KOSONEN, M. Embedding Strategic Agility. Long Range Planning, v. 43, n. 2–3, p. 370–382. doi: 10.1016/j.lrp.2009.07.006, 2010.

EBERT, C; GALLARDO G; HERNANTES, J; SERRANO, N. DevOps. IEEE Computer Society. 2016. Disponível em: https://www.computer.org/csdl/mags/so/2016/03/mso2016030094.pdf 2016 Acesso em 24 set. 2016.

FITZGERALD, B.; STOL, K.-J. Continuous software engineering: A roadmap and agenda. Journal of Systems and Software. doi: 10.1016/j.jss.2015.06.063, 2015.

GARTEN, J. E. The Mind of CEO. New York: Basic Books, 2002.

GHANI, A. T. A.; ZAKARIA, M. S. Business-IT Models Drive Businesses Towards Better Value Delivery and Profits Making. Procedia Technology, v. 11, p. 602–607. doi: 10.1016/j.protcy.2013.12.234, 2013.

GLOVA, J.; SABOL, T.; VADJA, V. Business Models for the Internet of Things Environment. Procedia Economics e Finance, v.15, p. 1122-1129, 2014.

GOREVAYA, E.; KHAYRULLINA, M. Evolution of Business Models: Past and Present Trends. Procedia Economics and Finance, v. 27, p. 344–350. doi: 10.1016/S2212-5671(15)01005-9, 2015.

GRONUM, S.; STEEN, J.; VERREYNNE, M.-L. Business model design and innovation: Unlocking the performance benefits of innovation. Australian Journal of Management, p. 312896215587315, 2015.

HAIR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HANASHIRO, D. M. M.; TCHEMRA, Â. H.; CUSTÓDIO, I. Mudança na organização do trabalho da área de informática: desafios e oportunidades para uma atuação estratégica. Revista de Administração Mackenzie, v. 1, n. 1. Recuperado setembro 11, 2016, de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/RAM/article/view/3, 2009.

JANSON, N. The development of eletronic money: toward the privatization of money issue? Journal of Internet Banking and Commerce, Ottawa, v. 9, n. 2, jul. 2004.

JIMÉNEZ-JIMÉNEZ, D.; SANZ-VALLE, R. Innovation, organizational learning, and performance. Journal of Business Research, v. 64, n. 4, p. 408–417. doi: 10.1016/j.jbusres.2010.09.010, 2011.

MARTINS Jr, S. L. Efetividade do gerenciamento de projetos utilizando ferramentas da web 2.0 e gestão do conhecimento. Projetos e Dissertações em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento, v. 4, n. 2. Recuperado agosto 25, 2016, de http://www.fumec.br/revistas/sigc/article/download/3443/1902, 2016.

LASTRES, H. M. M.; ALBAGLI, S. Informatização e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1999.

LINS, A. G.; SILVA, W. V. DA; QUANDT, C. O. Criação de Inteligência Competitiva a Partir de Regressão Logística: Estudo no Setor de Telecomunicações. Revista ADM. MADE, v. 13, n. 1, p. 38–56, 2009.

LIU, D.; CHEN, S.; CHOU, T. Resource fit in digital transformation: Lessons learned from the CBC Bank global e‐banking project. Management Decision, v. 49, n. 10, p. 1728–1742. doi: 10.1108/00251741111183852, 2011.

LONDON, Manuel. Generative team learning in Web 2.0 environments. Journal of Management Development, v. 32, n. 1, p. 73-95, 2013.

LUCIANO, E. M. Consolidação de componentes de modelos de negócios para o comércio eletrônico de produtos virtuais. 2004. 254 f. Tese (Doutorado em Administração) – UFRGS, Porto Alegre, 2004.

MACDORMAN, J; ARON, D. New CIO Responsibilities in a Digital Business World. mai. 2015. Disponível em: Acesso em 24 dez. 2015

Manual de Oslo. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação, 3ª edição. Disponível em: < http://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf>. Acesso em 14 ago. 2016.

MARZULLO, F. P. SOA na Prática. Inovando seu negócio por meio de soluções orientadas a serviços. São Paulo: Novatec, 2009.

MATTOS, J. R. L.; GUIMARÃES, L. S. Gestão da Tecnologia e Inovação. São Paulo: Editora Saraiva, 2012.

MAZZALI, L. The dynamics of the innovation process and the forms of organization between companies: an analysis on the basis of the contributions of Gaffard, Foray, Amendola and Bruno. BASE-Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 2, n. 2, p. 109–116, 2005.

McAFEE, A. Empresa 2.0. Rio de Janeiro: Elsevier Editora, 2010.

MELLO, Carlos (Org.). Métodos quantitativos: pesquisa, levantamento ou survey. Aula 09 da disciplina de metodologia de pesquisa na UNIFEI. Disponível em: < http://goo.gl/JOWkls >. Acesso em: 20 out. 2014.

MORESI, E. A. D. (Org). Manual de Metodologia da Pesquisa. Brasília-DF: Universidade Católica de Brasília – UCB, mar., 2003.

MUYLDER, C. F.; SILVA, R.; SOARES, F. C.; et al. Práticas de Gestão do Conhecimento e Indicadores de Geração da Inovação. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), v. 3, n. 7, p. 153–170, 2014.

SIGGELKOW, N. Evolution toward fit. Administrative Science Quarterly, v. 47, n. 1, p. 125-159, 2002.

NEWMAN, R.; CHANG, V.; WALTERS, R. J.; WILLS, G. B. Web 2.0—The past and the future. International Journal of Information Management, v. 36, n. 4, p. 591–598. doi: 10.1016/j.ijinfomgt.2016.03.010, 2016.

O’REILLY, Tim. What is web 2.0. Portal O’Reilly, 2005. Disponível em: http://oreilly.com /web2/archive/what-is-web-20.html. Acesso em: 11 nov. 2015.

OSTERWALDER A,; PIGNEUR Y. An ebusiness model ontology for modeling eBusiness. In: Proceedings of 15th Bled Electronic Commerce Conference – eReality: Constructing the eEconomy, Bled, Slovenia, 2002 .

ALMEIDA, A.M.P.; MOTTA, F.M.V. O desenvolvimento de competências gerenciais como fator de vantagem competitiva: um estudo de caso em uma empresa estatal de telecomunicações. In: VIII ENANGRAD, 1997. Anais Eletrônicos… Rio de Janeiro - RJ, 1997.

PINHEIRO, A. D. O. M.; TIGRE, P. B. Proposta de investigação sobre o uso de software no suporte à inovação em serviços. Revista de Administração de Empresas, v. 55, n. 5, p. 578–592. doi: 10.1590/S0034-759020150509, 2015.

PROBST, G; RAUB, S; ROMHARDT K. Gestão do Conhecimento. Os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Editora Bookman, 2002.

RAILIENĖ, G. The use of IT in relationship banking. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 156, p. 569–574. doi: 10.1016/j.sbspro.2014.11.242, 2014.

Revista ciab FEBRABAN: Em busca dos clientes 2.0. n. 58, ago. 2015. Disponível em . Acesso em: 28 dez. 2015.

RIBEIRO, H. C. M.; CORRÊA, R. 10 anos de pesquisa da revista brasileira de inovação sob a ótica da bibliometria e da rede social. Administração Ensino e Pesquisa, v. 15, n. 4, p.725-763, out./dez. 2014.

RODRIGUES, L. C.; RECHZIEGEL, W.; ESTEVES, G.; PEREIRA FERNANDES, M. Competitive intelligence as business process innovation. Review of Administration and Innovation - RAI, v. 9, n. 4. doi: 10.5773/rai.v9i4.1113, 2012.

RODRIGUEZ, M. V. R. Gestão do Conhecimento e Inovação nas Empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora, 2010.

SACCHET, Rosana de Oliveira Freitas et al. Comportamento caótico do consumidor na era digital: uma abordagem baseada na teoria do caos. Revista de Administração da UNIMEP, s. l, v. 9, n. 3, p. 87-111, dez. 2011.

SAITO, M. B.; OLIVEIRA, M. R. G.; JÚNIOR, J. L. T. Inovação tecnológica e a flexibilidade gerencial: uma aplicação da teoria das opções reais. Revista de Economia Mackenzie, v. 9, n. 3. Recuperado agosto 26, 2016, de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/rem/article/view/4187, 2012.

SANTOS, D. F. L.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. O recurso inovação e o desempenho financeiro da indústria brasileira. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 11, n. 3. doi: 10.4013/base.2014.113.03, 2014.

SAPIRO, Arão. Inteligência empresarial: a revolução informacional da ação competitiva. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 106-124, mai./jun. 1993.

SCHUMPETER, J. A Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os Economistas), 1981.

SCORNAVACCA Jr. E; BECKER J.L; BARNES; S.J.; Developing automated esurvey and control tools: na application in industrial mangement. Industrial mangement & data system, v.104, n. 3, 2004.

STOLLENWERK, M. F. I. Implantação de sistemas de ingeligência competitiva: abordagem corporativa. Revista de Biblioteconomia de Brasilia, Brasília, v.23-24, n. 4, p.455-472, 1999.

TAKEUCHI, H; NONAKA I. Gestão do Conhecimento. São Paulo: Editora Bookman, 2008.

TAURION, C. Computação em Nuvem. Transformando o mundo da Tecnologia da Informação. Rio de Janeiro: Brasport, 2009.

TEECE, D. J. Business Models, Business Strategy and Innovation. Long Range Planning, v. 43, n. 2–3, p. 172–194. doi: 10.1016/j.lrp.2009.07.003, 2010.

TERRA, J. C. et al. (Org.). 10 dimensões da gestão da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

THOMPSON, James. D.; MACMILLAN, Ian C. Business Models: Creating New Markets and Societal Wealth. Long Range Planning, v. 43, p. 291-307, 2010.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIGRE, P. B. Gestão da Inovação. A Economia da Tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier Editora, 2006.

TIGRE, P. B.; NORONHA, V. B. Do mainframe à nuvem: inovações, estrutura industrial e modelos de negócios nas tecnologias da informação e da comunicação. Revista de Administração, v. 48, n. 1, p. 114–127. doi: 10.5700/rausp1077, 2013.

TSAI, W.-H.; HUANG, B.-Y.; LIU, J.-Y.; TSAUR, T.-S.; LIN, S.-J. The application of Web ATMs in e-payment industry: A case study. Expert Systems with Applications, v. 37, n. 1, p. 587–597. doi: 10.1016/j.eswa.2009.05.058, 2010.

TURBAN, E.; RAINER Jr., R. K.; POTTER, R. Administração de tecnologia da informação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

VALENTIM, M L. P. Processo de inteligência competitiva organizacional. In: VALENTIM, M. L. P. Informação conhecimento e inteligência organizacional. Marília: Fundepe Editora, 2006, p. 9-24.

VALENTIM, M. L. P. Gestão da Informação e do Conhecimento. São Paulo: Editora Polis, 2008.

VEGA‐VÁZQUEZ, M.; COSSÍO‐SILVA, F. J.; MARTÍN‐RUÍZ, D. Does the firm’s market orientation behaviour influence innovation’s success? Management Decision, v. 50, n. 8, p. 1445–1464. doi: 10.1108/00251741211262024, 2012.

VENKATRAMAN, N.; HENDERSON, J. C. Plataformas de negócio para o século XXI. In: DAVENPORT, Thomas H.; MARCHAND, Donald A.; DICKSON, Tim. Dominando a gestão da informação. Porto Alegre: Bookman, 2004.

VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo-SP: Editora Atlas S.A. 2014.

WESTERMAN, G.; BONNET, D.; MacAFEE A. Liderando na Era Digital. São Paulo: M.Books Editora Ltda, 2016.

WETTINGER, J; BREITENBUCHER, U; KOPP, O; LEYMANN, F. Streamlining DevOps automation for cloud applicantions using TOSCA as standardized metalmodel. Future Generation Computer Systems, v. 56, p. 317-332, 2016.

WIJAYA, S.; SPRUIT, M.; SCHEPER, W.; VERSENDAAL, J. Web 2.0-based webstrategies for three different types of organizations. Computers in Human Behavior, v. 27, n. 4, p. 1399–1407. doi: 10.1016/j.chb.2010.07.041, 2011.

WIRTZ, B. W.; SCHILKE, O.; ULLRICH, S. Strategic development of business model. Implication of the web 2.0 for creating value on the internet. Longe Range Planning, v. 43, p. 272-290, 2010.

ZACKIEWICZ, M. A economia do software e a digitalização da economia. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 14, n. 2, p. 313-336, jul./dez. 2015.

ZILBER, S. N.; DE VASCONCELLOS, E. P. G. Uso de modelo de negócio para a implantação de e-business na indústria automobilística DOI: 10.5585/rai. v2i2. 42. RAI: revista de administração e inovação, v. 2, n. 2, p. 62–76, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)