O IMPACTO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO EM EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA

Érik Paixão Amarante

Resumo


As grandes mudanças nos cenários de atuação das empresas, tanto públicas quanto privadas, na era da informação e conhecimento permite imaginar que uma fonte de vantagem no desempenho organizacional é seu ativo intangível, ou seja, o conhecimento, e também a efetiva gestão e aplicação deste ativo na expectativa de sua conversão em resultados. Para que a gestão do conhecimento cause impactos relevantes na organização é necessário integrá-la à sua estratégia, o que pode causar uma melhora significativa no desempenho da organização. Embora, no campo teórico, o conhecimento e sua gestão já tenham sido relacionados com o desempenho organizacional e a estratégia, isso ainda não ocorre na prática. Assim, este trabalho objetiva analisar, empiricamente, o impacto das práticas de gestão do conhecimento no desempenho organizacional. Este estudo trata-se de uma pesquisa quantitativa com a aplicação de um questionário survey em empresas de base tecnológica. Será utilizado um modelo empírico que correlacione à gestão do conhecimento e o desempenho organizacional e a validação deste modelo dentro das empresas pesquisadas será a partir da técnica de modelagem de equações estruturais.

Referências


APO, Asian Productivity Organization. Knowledge Management: Facilitators Guide. Tokyo ISBN: 92-833-7087-2. 2009. Disponível em < http://goo.gl/Q4p6CN >. Acesso em: 20 mar 2015.

APO Asian Productivity Organization. Knowledge Management Tools and Techniques Manual. Tokyo, ISBN: 92-833-7093-7 2010. Disponível em < http://goo.gl/tNQdk3 >. Acesso em: 20 mar 2015.

BASKERVILLE, R.; DULIPOVICI, A. The theoretical foundations of knowledge management. Knowledge Management Research & Practice, v. 4, n. 2, p. 83–105, 2006.

BATISTA, F. F. Governo que aprende: Gestão do conhecimento em organizações do executivo federal, 2004. Disponível em: Acesso em: 20 mar 2015.

BARCLAY, D.; HIGGINS, C. e THOMPSON, R. The partial least squares (PLS) approach to causal modeling: Personal computer adoption and use as an illustration. Technology studies, v2, n2, p. 285-309, 1995.

BARON, R. M. e KENNY, D. A. The moderator–mediator variable distinction in social psychological research: Conceptual, strategic, and statistical considerations. Journal of personality and social psychology, 1986.

BECERRA-FERNANDEZ, I.; SABHERWAL, R. Organizational knowledge management: a contingency perspective, Journal of Management Information Systems. v. 18, p. 23-55, 2001.

BRANDÃO, H.P.; GUIMARÃES, T.A. Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo constructo? Revista de Administração de Empresas (RAE), São Paulo, v.41, n.1, p.08-15, jan./mar. 2001.

BOOMSMA, A. e HOOGLAND, J. J. The robustness of LISREL modeling revisited. Structural equation models: Present and future. A Festschrift in honor of Karl Jöreskog, p. 139-168, 2001.

CARBONE, P.P.; BRANDÃO, H.P.; LEITE, J.B.; VILHENA, R.M. Gestão por competências e gestão do conhecimento. 3.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

CEN. European Guide to Good Practice in Knowledge Management. Part 1: Knowledge Management Framework: European Committee for Standardization 2004.

COHEN, Jacob. A power primer. Psychological bulletin, v. 112, n. 1, p. 155, 1992.

CHIN W. W. How to write up and report PLS analyses. In ‘Handbook of Partial Least Squares’. (Eds VV Esposito, WW Chin, J Henseler and H Wang) pp. 655–690. 2010.

CHORLEY, R.; e HAGGETT, P. Modelos, paradigmas e a nova geografia. In: CHORLEY, R. e HAGGETT, P. Modelos sócios-econômicos em geografia. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos/USP, p.1-22, 1975.

CHUA, A. Y. K.; GOH, D. H. Untying the knot of knowledge management measurement: a study of six public service agencies in Singapore. Journal of Information Science, v. 34, n. 3, p. 259–274, 21 jan. 2008. Disponível em: < http://goo.gl/lZUO4S >. Acesso em: 13 mar 2014.

COOMBS, R.; HULL, R.; PELTU, M. Knowledge Management Practices for Innovation: an audit tool for improvement. International Journal of Technology Management, v. 20, n. 5-8, p. 633-656, 2000.

DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da informação: porque só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DAVENPORT, T. (1999). Knowledge management and the broader firm: strategy, advantage, and performance in Liebowitz. J. (Ed.), Knowledge Management Handbook, CRC Press, Boca Raton, FL, 1-11.

DAVENPORT, Thomas H; PRUSAK, L. Conhecimento Empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1999. 237 p.

DAVENPORT; PRUSAK, P. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DRUCKER, R. Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira, 1993.

EFRON, B. e TIBSHIRANI, R. J. An Introduction to the Bootstrap. Chapman & Hall, 1993.

FERNANDES, Caroline Brito. Aprendizagem Organizacional como um processo para alavancar o conhecimento nas organizações. In: ANGELONI, M. T. (Coord.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologias. São Paulo: Saraiva, 2003.

FERNANDES, B.H.; FLEURY, M.T.; MILLS, J. Construindo o diálogo entre competência, recursos e desempenho organizacional. Revista de Administração de Empresas (RAE), São Paulo, v.46, n.4, p.48-65, out./dez. 2006.

FONELL, C. e LARCKER, D. F. Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of marketing research, p. 39-50, 1981.

FUGATE, S.B; STANK, P.T; MENTZER, T.J. Linking improved knowledge management to operational and organizational performance. Journal of Operations Management 27 (2009) 247–264. Disponível em: < http://goo.gl/0MAOFp >. Acesso em: 20 fev 2015.

FLEURY, Maria Tereza Leme; OLIVEIRA Jr., Moacir de Miranda. Aprendizagem e gestão do conhecimento. In: FLEURY, M. T. L. (Coord.). As pessoas na organização. São Paulo: Gente, 2002.

FREITAS, Henrique et al. O método de pesquisa survey. Revista de Administração, São Paulo, v. 35, n. 3, p.105-112, jul. 2000. Trimestral. Disponível em: < http://goo.gl/imK9a8 >. Acesso em: 20 out 2014.

GUIMARÃES, T.A. Gestão do desempenho em organizações públicas descentralizadas. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DO CLAD, 3., 1998, Madri. Anais... Madri: Clad, 1998.

GROTTO, Daniela. O compartilhamento do conhecimento nas organizações. In: ANGELONI, M. T. (Coord.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologias. São Paulo: Saraiva, 2003.

HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; Anderson, R. E. E Tatham, R. L. Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman. 2009.

HENSELER, J.; RINGLE, C. M. e SINKOVICS, R. R. The use of partial least squares path modeling in international marketing. Advances in international marketing, v. 20, n. 1, p. 277-319, 2009.

HERNANDES, C. A. M.; CRUZ, C. S.; FALCÃO, S. D. (2000) - Combinando o Balanced Scorecard com a gestão do conhecimento. Caderno de Pesquisas em Administração. 2º trim. São Paulo.

HOLLANDER, M. e WOLFE, D. A. Nonparametric Statistical Methods. New York: John Wiley & Sons, 1999.

HOX, J. J; BECHGER, T. M. (1998). An introduction to structural equation modeling. Family Science Review, 11, 354-373

HOURNEAUX Jr., F.; RUIZ, F. M; CORRÊA, H. L. (2005). A Evolução dos Métodos de Mensuração e Avaliação de Desempenho das Organizações. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Brasília, DF, 29.

KAISER, H. F. The varimax criterion for analytic rotation in factor analysis. Psychometrika, v. 23, n. 3, p. 187-200, 1958.

KAPLAN, R.; NORTON, D.P. A estratégia em ação: balanced scorecard. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

KEELE, S. Guidelines for performing systematic literature reviews in software

engineering. [S.l.], 2007.

KITCHENHAM, B. Procedures for performing systematic reviews. Keele, UK, KeeleUniversity, v. 33, 2004

KLEM, L. (2002). Structural equation modeling. Em L. G. Grimm & P. R. Yarnold (Orgs.), Reading and understanding more multivariate statistics (pp. 227-260). Washington: American Psychological Association.

KRUGER, C. J.; JOHNSON, R. D. Assessment of knowledge management growth: a South Africa perspective. Aslib Proceedings, v. 61, n. 6, p. 542–564, 2009. Disponível em: Acesso em: 02 out. 2014.

KRUGER, C. J.; JOHNSON, R. D. Knowledge Management Maturity according to Organizational Size: A South African Perspective.18th European Conference on Information Systems. Anais. Pretoria: 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2014.

KURIAKOSE, K.K.; RAJ, Baldev; MURTY, S.A.V. Satya; SWAMINATHAN, P. Knowledge Management Maturity Models – A Morphological Analysis. Journal of Knowledge Management Practice, v. 11, n. 3, p. 1-10, 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2014.

LEE, H; CHOI, B. Knowledge management enablers, processes, and organizational performance: an integrative view and empirical examination. Journal of Management Information Systems, Vol. 20 No. 1, pp. 179-228, 2003. Disponível em: < http://goo.gl/LzyahK >. Acesso em: 15 fev. 2015.

MACKINNON, D.P., LOCKWOOD, C.M., HOFFMAN, J.M., West, S.G. e SHEETS, V.A. A comparison of methods to test mediation and other intervening variable effects. Psychological methods , 2002.

MACIAS-CHAPULA, Cesar A. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e international. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n.2, p. 134-140, 1998.

MILLS, M.A; SMITH, A.T. Knowledge management and organizational performance: a decomposed view. Journal of Knowledge Management Vol. 15 Iss 1 pp. 156 – 171. Disponível em: < http://goo.gl/jCJh1t>. Acesso em: 15 fev. 2015.

MINGOTI, S. A. Análise de Dados Através de Métodos de Estatística Multivariada: Uma Abordagem Aplicada. Belo Horizonte: UFMG. 2007.

MELLO, Carlos (Org.). Métodos quantitativos: pesquisa, levantamento ou survey. Aula 09 da disciplina de metodologia de pesquisa na UNIFEI. Disponível em: < http://goo.gl/JOWkls >. Acesso em: 20 out. 2014.

MONECKE, A. e LEISCH, F. semPLS: Structural Equation Modeling Using Partial Least Squares. Journal of Statistical Software, 2012.

MORESI, E. A. D. (Org). Manual de Metodologia da Pesquisa. Brasília-DF: Universidade Católica de Brasília – UCB, mar., 2003.

NEELY, A.; GREGORY, M; PLATTS, K. Performance measurement system design – A literature review and research agenda. Internacional Journal of operations & Production Managemant, 25(12), 1226-1263. (2005).

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NUNNALY, J. e BERNSTEIN, I. H. Psychometric Theory. McGraw-Hill: New York. 1994.

OLIVEIRA, Mírian. Modelos de maturidade de gestão do conhecimento: quantidade ou qualidade?. In: CONFERÊNCIA DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, 11, 2011, Lisboa. Anais... Lisboa: [s.n.] 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2014.

OECD. Measuring Knowledge Management in the Business Sector: First Steps. Paris: Organisation for Economic Cooperation and Development, 2003.

PEE, L G; KANKANHALLI, A. A Model of Organizational Knowledge Management Maturity based on People, Process, and Technology. Journal of Information & Knowledge Management, v. 8, n. 2, p. 79-99, 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2014.

PORTER, M. E. Vantagens Competitivas: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

PROBST, Gilbert.; RAUB, Steffen.; ROMHARDT, Kai. Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman, 2002.

QUINN, James B. Intelligent Enterprise. New York: The Free Press, 1992.

RAPPAPORT, Alfred. Creating shareholder value. NewYork: Free Press, 1998.

ROBBINS, Stephen. O comportamento organizacional. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1999.

SABBAG, P. Y. Espirais do conhecimento: ativando indivíduos, grupos e organizações. São Paulo: Saraiva, 2007.

SANCHEZ, G. PLS Path Modeling with R. Berkeley: Trowchez Editions. 2013.

SAYÃO, L. F. Modelos teóricos em ciência da informação: abstração e método científico. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p. 82-91, jan./abr. 2001.

SLATER, S. F.; OLSON, E. M.; HULT, G. T. M. Worried about strategy implementation? Don’t overlook marketing’s role. Busines Horizons, v. 53, n. 5, p. 469 – 479, 2010.

SINHA, R. A Comparative Analysis of Knowledge Management Process Maturity Models. International Journal of Innovative Research and Studies, v. 2, n. 5, p. 221–234, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2014.

SCORNAVACCA Jr. E; BECKER J.L; BARNES; S.J.; Developing automated e-survey and control tools: na application in industrial mangement. Industrial mangement & data system, V.104, N. 3,2004.

TAGUE-SUTCLIFFE, Jean. An introduction to informetrics. Information Processing & Management, Lugano, v. 28, n. 1, p. 1-3, 1992.

TENENHAUS, M.; VINIZI, V.; CHATELIN, Y. e LAURO, C. PLS path modeling. Computacional statistics & Data Analysis, 2005.

TERRA, José C. C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

THOMPSON, B. Ten commandments of structural equation modeling. Em L. G. Grimm & P. R. Yarnold (Orgs.), Reading and understanding more multivariate statistics (pp. 261-283 2002). Washington: American Psychological Associatio

ULLMAN, J. B. (2007). Structural Equation Modeling. Em B. G. Tabachnick & L. S. Fidell (Orgs.), Using multivariate statistics (5ª ed.). Boston: Pearson Education.

VINZI, V. E.; CHIN, W. W.; HENSELER; J. e WANG; H. Handbook of Partial Least Squares. Springer, 2010.

ZACK, M; MCKEEN, J; SINGH, S. Knowledge management and organizational performance: an exploratory analysis", Journal of Knowledge Management, Vol. 13 Iss 6 pp. 392 - 409, 2009.

WERNER, W.; WERNER, A. I. Gestão do conhecimento: ferramentas tecnológicas e portais do conhecimento para empresas desenvolvedoras de tecnologias de médio e pequenos portes. Terra e cultura, Londrina, n. 38, p. 182-240, jan./jun. 2004.

WU, Ing-Long; CHEN, Jian-Liang.Knowledge management driven firm performance: the roles of business process capabilities and organizational learning, Journal of Knowledge Management, Vol. 18 Iss 6 pp. 1141 - 1164, 2014. Disponível em: < http://goo.gl/ztxrQK>. Acesso em: 15 fev. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)