PRÁTICAS DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO ENTRE OS PROFISSIONAIS DO ENSINO TÉCNICO INTEGRADO DO IFMG- CAMPUS OURO PRETO

Rita Nogueira dos Santos

Resumo


A pesquisa buscou identificar possíveis práticas de gestão da informação entre os profissionais do Ensino Técnico Integrado do Instituto Federal de Minas Gerais – IFMG – Campus Ouro Preto, por meio de um estudo de caso, utilizando abordagens qualitativas e quantitativas. Objetivou verificar se o modelo de gestão da informação proposto por MARCHAN, KETTINGER E ROLLINS (2001) e as propostas de IMBERNÓN (2002) se fazem presentes nas ações dos profissionais da Instituição, relacionar o tempo de atuação dos professores às práticas de gestão da informação e identificar as práticas de gestão da informação que podem ser melhoradas no Campus Ouro Preto. A investigação foi realizada por meio de uma pesquisa de campo. Primeiramente, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e, na sequência, foi aplicado um questionário, que abordou aspectos didático-pedagógicos e de gestão da informação, como instrumento de coleta de dados. Os resultados obtidos evidenciaram a inexistência de políticas relacionadas à gestão da informação, em geral. Verificou-se, também, que, em relação às perguntas baseadas nas reflexões de Imbernón (2000), os profissionais estão atentos às inovações, às necessidades dos alunos, inclusive, buscam motivá-los para a aprendizagem, por meio de diferentes métodos, mas falta, realmente, é a “gestão coletiva da aprendizagem, para levar em conta os problemas e as soluções para a organização do processo”.  (IMBERNÓN, 2000: p. 90).

 

 

Palavras-chave: Práticas de Gestão da Informação. Profissionais de Ensino Técnico Integrado. IFMG. Campus Ouro Preto. Gestão coletiva da aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, J. M. L. A Educação como política pública. Campinas: Autores associados, 1997.

BARBOSA, R. R. Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: origens, polêmicas e perspectivas. Informação & Informação, v. 13, n. esp., p. 1-25, 2008.

BERANGER, J.A. Fundamentos Antropológicos, Filosóficos y Sociales de La Educación. Assunción: 2009.

BORKO, H. Information Science: What is it? In: American Documentation, v. 19, n. 1, p. 3-

, jan, 1968.

BUNGE, M. Teoria e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 1974.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Ed. do Senac, 2003.

CHOO, C. W. Information Management For The Intelligent Organization: Roles And Implications For The Inforamtion Professions. Digital Libraries Conference, 1995.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as empresas gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1998.

DAVENPORT, E.; CRONIN, B. Knowledge management: semantic drift or conceptual shift? Journal of Education for Library and Information Science, v. 41, n. 4, p. 294-306, 2000.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação. São Paulo: Futura, 2002.

DELORS, J. Os quatro pilares da educação. In Educação: um tesouro a descobrir. UNESCO/MEC. São Paulo: Cortez Editora, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática pedagógica. 3. ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GUNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 22, p. 201-210, 2006.

IMBERNÒN, F. (org.) A educação no século XXI: Os desafios do futuro imediato. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

LAKATOS, M. E.; MARCONI, A. M. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed., São Paulo: Editora Atlas, 2003.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LIMA, N. M.; ZIVIANI, F. Reis, V. M. Estudo das práticas de Gestão do Conhecimento no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 19, n. 41, p. 105-126, set./dez., 2014.

MARCHAND, D.A., KETTINGER, W.J. e ROLLINS, J.D. Information orientation: the link to business performance. New York: Oxford University Press, 2001.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MCGEE, J.; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7. ed. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 2000.

MORESI, E. Metodologia da Pesquisa. 1. ed. Editora UCB, Brasília, 2003.

MORIN, E. A Cabeça bem feita: repensar a reforma – reformar o pensamento. (Trad.: Eloá Jacobina.), 15. ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo/Brasília: Cortez/Unesco, 2000.

NETO, Rivadávia Correa Drummond de Alvarenga. Gestão do Conhecimento em Organizações: Proposta de Mapeamento Conceitual Integrativo. 2005. 400f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). UFMG. Belo Horizonte, 2005.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação do conhecimento na empresa. São Paulo: Elsevier, 1997.

NÓVOA, A. (org.). Vidas de Professores. Porto: Porto Editora, 2000.

PERRENOUD, Ph. 10 Novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000, p. 41-54.

PONJUÁN DANTE, G. Gestión de información: dimensiones e implementación para el éxito organizacional. Gijón: Trea, 2007.

RIOS, T. A. Ética e competência. São Paulo: Cortez, 1997.

RODRIGUEZ, M.V.R. Gestão de Conhecimento e Inovações nas Empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2011.

RODRIGUEZ, M. V. R. Gestão empresarial: organizações que aprendem. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

SANTOS, Rita Nogueira. Fatores que interferem no desempenho acadêmico dos alunos do Ensino Integrado. 2012. 120f. Tese (Doutorado em Ciências da Educação). Universidad Americana, Assunção: 2012.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis (RJ): Vozes, 1991.

TERRA, J.C.C. Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial. 5. ed. São Paulo: Negócio Editora. 2005.

TORRES, S. B. Curso de formação para educadores. São Paulo: Midras, 2002.

TURATO, E. R. Introdução à metodologia da pesquisa clínico-qualitativa – Definição e Principais Características. Revista Portuguesa de Psicossomática, [S. l.], v. 2, n. 1, jan./jun. 2000.

VALENTIM, M. L. P. Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. DatagramaZero, Rio de Janeiro: v. 3, n. 4, agosto, 2002.

VALENTIM, M. L. P. O processo de inteligência competitiva em organizações. DatagramaZero, Rio de Janeiro: agosto, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)