CIDADANIA E TECNOLOGIA: Promovendo a interação política Belo Horizontina a partir dos estudos da Engenharia Semiótica e o desenvolvimento de um aplicativo para smartphones

Guilherme Moreira Gomes de Amorim

Resumo


Apesar do regime político brasileiro permitir a real participação da população na formação da vontade pública, historicamente constatamos um desinteresse da população para com os assuntos políticos. Esse desinteresse para com a política no Brasil transcende diferenças sociais e raciais uma vez que, mesmo os considerados mais politizados raramente se interessam por algum tipo de participação política. No entanto, vemos no ano de 2013 uma quebra desse desinteresse político. Nesse ano, uma série de manifestações, que se seguem até os dias atuais, foram mobilizadas através da atuação de cidadãos por meio das Redes Sociais. Com a recente mobilização da população para com os assuntos políticos, acredita-se que as mesmas abrem uma possibilidade de trazer os assuntos políticos para o dia a dia do cidadão e, para isso, busca-se na disciplina da Semiótica e na Engenharia Semiótica maneiras de informar e interagir com a sociedade sobre temas de cunho político. Para atingir esse objetivo, o presente trabalho propõe o desenvolvimento de um conceito de aplicativo que utilize as informações veiculadas no site da Câmara dos Vereadores de Belo Horizonte. No conceito de aplicativo desenvolvido, os cidadãos poderão opinar sobre as notícias veiculadas no site, ter acesso às informações dos vereadores atualmente eleitos, aprovar ou rejeitar projetos de lei em tramitação e comentar essas informações. Para validar o conceito de aplicativo desenvolvido, será aplicado um questionário estruturado que se baseia no System Usability Scale afim de avaliar a usabilidade do conceito proposto esperando que esse, de fato, facilite a interlocução da sociedade sobre temas públicos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALZAMORA, Geane. Fluxos de informação no ciberespaço – conexões emergentes. Revista Galáxia, São Paulo, n. 13, p. 75–88, jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 4 jun. 2016.

AMARAL, Roberto. A grande rede e a explosão das ruas. Jornadas de Junho: Repercusões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 8–12. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

AVRITZER, Leonardo; WAMPLER, Brian. Públicos participativos: sociedade civil e novas instituições no Brasil democrático. In: Coelho, Vera Schattan; Nobre, Marcos (Orgs.). Participação e deliberação: teoria democrática e experiências institucionais no Brasil contemporâneo. São Paulo: Editora 34, 2004, p.210-238.

BARRETO, Fernando et al. Votenaweb. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

BANGOR, Aaron; KORTUM, Philip; MILLER, James. Determining What Individual SUS Scores Mean: Adding an Adjective Rating Scale. Journal of Usability Studies, v. 4, n. 3, p. 114–123, maio 2009. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

BROOKE, John. SUS - A quick and dirty usability scale. Usability Evaluation In Industry. Grã-Bretanha: Taylor & Francis, 1996. p. 189–194.

CAPELAS, Bruno; MANS, Matheus. Redes sociais ajudam a formar “bolhas políticas”. Exame, São Paulo, 27 mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2016.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil. O longo Caminho. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CASARIN, H. C. S.; CASARIN, S. J. C. Pesquisa Científica: da teoria à prática. [S.l.]: IBPEX, 2012.

COSTA, SÉRGIO. Esfera pública e as mediações entre cultura e política no Brasil. Fórum ideias, Viseu, n. 1, 1999. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2016.

DAHLBERG, Lincoln. THE INTERNET AND DEMOCRATIC DISCOURSE: Exploring the prospects of online deliberative forums extending the public sphere. Information, Communication & Society, v. 4, n. 4, p. 615–633, 2001. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

FERREIRA, Gil Baptista. Novos media e vida cívica: Estudos sobre deliberação, internet e jornalismo. Covilhã: Labcom, 2012. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2016.

FRASER, N. Rethinking the Public Sphere: A Contribution to the Critique of Actually Existing Democracy. Social Text. n. 25/26, p. 56–80, 1990. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/466240?seq=1#page_scan_tab_contents. Acesso em: 19 mar, 2016.

GAMFIG CORP. Monitora, Brasil. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016. , [S.d.]

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. In: Como elaborar projetos de pesquisa. [S.l.]: Atlas, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro, 2003a.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Vol II. 2ª ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003b.

JÚNIOR, Nelson. Junho 2013: a juventude nas ruas para balançar as estruturas. Jornadas de Junho: Repercusões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 13–21. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

JUSTIÇA ELEITORAL BRASILEIRA. Candidaturas. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

LANGLOIS, Ganaele. MEANING, SEMIOTECHNOLOGIES AND PARTICIPATORY MEDIA. CULTURE MACHINE, v. 12, 2011. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2016.

LEITE, Jair Cavalcante; SOUZA, Clarisse Sieckenius De. Uma linguagem de especificação para a Engenharia Semiótica de Interfaces de usuário. In: IHC 99, 1999, Campinas. Anais... Campinas: [s.n.], 1999. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

LOSEKANN, C. A ESFERA PÚBLICA HABERMASIANA, SEUS PRINCIPAIS CRÍTICOS E AS POSSIBILIDADES DO USO DESTE CONCEITO NO CONTEXTO BRASILEIRO, Pensamento Plural. p. 37–57, jun. 2009. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/pensamentoplural/article/view/3684/3007. Acesso em: 19 mar, 2016.

MALINI, Fábio. Facebook. 16 mar 2015a. Disponível em: . Acessado em: 02 ago, 2015.

MALINI, Fábio. Facebook. 09 mar 2015b. Disponível em: . Acessado em: 02 ago, 2015.

MOREIRA, Orlandil; SANTIAGO, Idalina. Vem prá rua: os protestos de junho. Jornadas de Junho: Repercusões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 13–21. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

NICOLAU, Marcos et al. Comunicação e Semiótica: visão geral e introdutória à Semiótica de Peirce. Temática, João Pessoa, n. 4, ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 4 fev. 2016.

NEGT, O.; KLUGE, A. Public Sphere and Experience Toward an Analysis of the Bourgeois and Proletarian Public Sphere., v. 85, p. 299, 1993. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1993.

NETO, Otacílio. Brasil, 2013: reflexões e metáforas. Jornadas de Junho: Repercusões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 22–29. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

NETTO, Teixeira Coelho. Semiótica, informação e comunicação. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.

PAPACHARISSI, Zizi. The virtual sphere: the internet as a public sphere. New Media & Society, Philadelphia, v. 4, 2002. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2016.

PEIRCE, Charles Sanders. SEMIÓTICA. 4. ed. São Paulo: PERSPECTIVA, 2015.

PERLATTO, Fernando. Habermas, a esfera pública e o Brasil. Revista Estudos Políticos, n. 4, p. 17, jan. 2012. Disponível em: http://revistaestudospoliticos.com/wp-content/uploads/2012/04/4p78-94.pdf. Acesso em: 12 mar, 2016.

PREECE, Jenifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. PortoAlegre: Bookman, 2005.

SANTAELLA, Lucia. Potenciais e desafios para a comunicação e inovação. Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 8, n. 4, 2007. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2016.

SANTAELLA, Lucia. As três categorias peircianas e os três registros lacanianos. Psicologia USP, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 81–91, 1999. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2016.

SILVA, Bruno Santana Da; BARBOSA, Simone Diniz Junqueira. Interação Humano-Computador. Rio de Janeiro: Campus, 2010.

SOARES, Murilo. Representações. jornalismo e a esfera pública democrática. [S.l.]: Cultura Acadêmica, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2016.

SOUZA, Clarisse. Semiotic engineering: bringing designers and users together at interaction time. Interacting with Computers, v. 17, n. 3, p. 317–341, maio 2005. Disponível em: . Acesso em: 4 jun. 2016.

SOUZA, Clarisse Sieckenius De; BARBOSA, Simone Diniz Junqueira; PRATES, Raquel de Oliveira. A semiotic engineering approach to user interface design. Knowledge-Based Systems, v. 14, p. 461–465, 2001. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: Uma teoria social da mídia. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

TRIBUNAL REGIONAL DE MINAS GERAIS. Eleitorado. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016. , 16 set. 2014

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração, 3. Ed. São Paulo: Editora Atlas, 2000.

VOTO X VETO. Voto x Veto. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2016.

YOUNG, Iris. Inclusion and Democracy. New York: Oxford University Press Inc, 2000. Acesso em: 25 mar. 2016.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. São Paulo. Martins Fontes, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)