A RELAÇÃO ENTRE INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DO CONHECIMENTOSOB A PERSPECTIVA DO RESULTADO ORGANIZACIONAL DAS STARTUPS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

KLEBER NETTO FONSECA

Resumo


A sustentabilidade das startups é muito frágil, temos hoje um percentual elevado dessas empresas, que são descontinuadas em um curto prazo de tempo, sendo que as práticas tradicionais de administração não conseguem minimizar esta mortalidade. Assim pensando, destacam-se as startups da área de tecnologia de informação com alto grau de descontinuidade. Por isso, a proposta deste projeto analisar a relação entre os constructos inovação, empreendedorismo e gestão do conhecimento que possam a vir contribuir com a melhoria dos resultados organizacionais das startups brasileiras da área de tecnologia da informação. Os autores Geraldes (2013), Arruda et al (2012), Stefanovic, Prokic e Rankovic (2010), Helm e Mauroner (2007) e Cressy (2006) apontam indícios de que a morte prematura das startups é uma tendência mundial e enfatizam a necessidade do estudo sobre o tema como forma de potencializar a taxa de sobrevivência dessas empresas. Bessant, Tidd, e Pavitt (2008) assinalam que a sobrevivência das empresas no mercado vem a partir da capacidade em inovar e de ser dinâmica em sua adaptação ao ambiente. Por conseguinte, levanta-se a seguinte pergunta problema: Qual a relação entre inovação, empreendedorismo e gestão do conhecimento, segundo parâmetro do resultado organizacional das startups brasileiras da área de tecnologia da informação? A metodologia dessa pesquisa é caracterizada como qualitativa, estudo de caso múltiplo, utilizando-se técnica descritiva.

Palavras-chave: Inovação. Empreendedorismo. Gestão do conhecimento. Startup.


Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, Carlos; NOGUEIRA, Vanessa; COZZI, Afonso; COSTA, Vinícius (2012). Causas Da Mortalidade De Startups Brasileiras. O que fazer para aumentar as chances de sobrevivência no mercado? Fundação Dom Cabral – Belo Horizonte – MG.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda., 1977.

BENSABAT, I.; GOLDSTEIN, D.; MEAD, M. The case research in studies of information systems. MIS Quarterly, Minneapolis, v.11, n.3, p. 369-387, 1987.

BESSANT, J; TIDD, J. Inovação e Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BESSANT, J; TIDD, J; PAVITT, K. Gestão da Inovação. 3ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

BLANK, Steve; DORF, Bob. Startup: manual do empreendedor o guia passao a passo para construir uma grande companhia. Rio de Janeiro: Alta Books, 2014.

BOM ANGELO, Eduardo. Empreendedor corporativo: a nova postura de quem faz a diferença. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

CHOO, ChunWei. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. 2ª ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CRESSY, Robert Clive. Why do most firms die young? Small Business Economics, Londres, p. 103-116, mar/2006. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2015.

DAVENPORT, Elisabeth; CRONIN, Blaise. Knowledge management: semantic drift or conceptual shift?.Journal of Education for Library and Information Science. Vol. 41, no. 4, fall 2000, p. 294-306.

DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK, Laurence. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As regras da inovação: como gerenciar, como medir e como lucrar. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DOLABELA, Fernando. Oficina do empreendedor: a metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovador e se diferenciar na sua empresa. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Pioneira, 1986.

DRUCKER, Peter F. Sociedade Pós-Capitalista.1993.

GERALDES, João M. A. Avaliação e mensuração do grau de sobrevivência em startups: proposta de um modelo integrado. ISG Business & Economics School – Instituto Superior de Gestão. Dissertação de mestrado. Lisboa, 2013.

FILION, Louis Jacques. O Planejamento do seu sistema de aprendizagem empresarial: identifique uma visão eavalie o seu sistema de relações. RAE – Revista de Administração de Empresas. São Paulo, p. 63-71, jul/set /1991.

__________. Empreendedorismo: Empreendedores e Proprietários-Gerentes de Pequenos Negócios. RAUSP – Revista de Administração da Universidade de São Paulo. São Paulo, vol. 34, abr-jun/1999.

__________. Entendendo os intraempreendedores como visionistas. Revista de Negócios, v. 9, n. 2, p. 65-79, abr./jun. 2004.

FUMEC – Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento da Universidade FUMEC. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed., São Paulo: Atlas, 2002.

GODOY, A. S. Introdução á pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE, São Paulo, v. 25, n. 2, 1995.

HELM, Roland; MAURONER, Oliver. Success of research-based spin-offs. State-of-the-art and guidelines for further research. Review of Managerial Science. Jena, Alemanhã, v. 1, p. 237-270, jul. 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2015.

HISRICH, Robert D. e PETERS, Michael P. Empreendedorismo. 5ª. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

KOTLER, P., TRIAS DE BES, F. Winning at Innovation: The A-to-F Model. Great Britain: Pelgrave Macmillan, 2011.

LOPES, Bruna Freire. A compreensão do termo inovação na perspectiva dos profissionais que trabalham em uma empresa de tecnologia da informação – um estudo de caso. Dissertação de mestrado. Fundação Pedro Leopoldo. 2012.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.

ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

MONTANA, P. J.; CHARNOV, B. H. Administração. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

MORESI, Eduardo A. D. Delineando o valor do sistema de informação de uma organização. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, no. 1, p. 14-24, jan./abr. 2000.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

OSTERWALDER, Alexander. PIGNEUR, Yves. Business Model Generation: Inovação em Modelos de Negócios. Rio de Janeiro: Alta Books, 2011.

PEREIRA, Frederico C. M.; BARBOSA, Ricardo R. Uso de fonte informação por consultores empresariais um estudo junto ao mercado consultoria. Perspectiva em Ciência da Informação, v. 13, n.1,p.95-111, jan./abr. 2007.

PESCE, Bel. A menina do vale: como o empreendedorismo pode mudar sua vida. Rio de Janeiro: Cor da Palavra, 2012.

__________. Procuram-se super-hérois: multiplique seus poderes e desenvolva habilidades. Rio de Janeiro: LeYa, 2013.

PINCHOT, G. III. Intrapreneuring: why you don´t have to leave the corporation to become na entrepreneur. New York: Harper & Row, 1985.

RIES, Eric. A Startup Enxuta: como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas. São Paulo: Lua de Papel, 2012.

SCHUMPETER, Joseph A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. 3ª. ed. São Paulo:Nova Cultural, 1988.

____________________.Capitalismo, socialismo e democracia. 3. Ed. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

SETZER V. W. Dado, Informação, Conhecimento e Competência. Depto. de Ciência da Computação, Universidade de São Paulo. Diponível em: . Acesso em: 25 maio 2015.

SILVA, E. L; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. Ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

STEFANOVIC, Ivan; PROKIC, Sloboda; RANKOVIC, Ljubodrag. Motivational and success factors of entrepreneurs: the evidence from a developing country. Journal of Economicsand Business, Belgrado, Sérvia, v. 28, n. 2, p. 251-269. 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2015.

TERRA, José Cláudio, organizador. 10 dimensões da gestão da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1998.

VERGARA, S. C. Métodos de coleta de dados de campo. São Paulo: Atlas, 2009.

VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)