AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO SCRATCH VOLTADA PARA CRIANÇAS SOB A PERSPECTIVA DA ENGENHARIA SEMIÓTICA

RODRIGO DE MATOS VARGAS

Resumo


Neste atual cenário mundial, em que as mudanças acontecem em uma velocidade espantosa, novos desafios, novas tecnologias e novos atores aparecem e participam ativamente dessas mudanças. Esta pesquisa apresenta exatamente um desses novos atores, as crianças, as quais interagem cada vez mais cedo com essa diversidade tecnológica. A participação das crianças nesse cenário passa a ser mais ativa quando as mesmas começam a aprender linguagem de programação através de ambientes computacionais. Esses ambientes são avaliados através de sua metacomunicação com aplicação de métodos da Engenharia Semiótica. Assim, a pesquisa tenta compreender e avaliar o processo de metacomunicação usuário-sistema e a contribuição do mesmo no processo de aprendizagem infantil. Com o objetivo de verificarmos essas ocorrências de rupturas entre o ambiente de programação Scratch e seu público-alvo específico, aplicamos a metodologia denominada MAC – Método de Avaliação da Comunicabilidade –, uma técnica conhecida pela Engenharia Semiótica desde 1999. Diversos resultados foram percebidos, porém um merece destaque especial, em que percebemos que as mensagens foram, em sua maioria, identificadas e interpretadas pelos usuários finais. Por outro lado, ocorreram rupturas de comunicação em todos os voluntários, mesmo para aqueles que concluíram todas as tarefas.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. C de. Peirce e a Organização da Informação: contribuição teórica da Semiótica e do Pragmatismo. 2009. 418f. Tese (Doutorado). Marília: Universidade Estadual Paulista – UNESP. Campus de Marília. Faculdade de Filosofia e Ciências, São Paulo.

D’ALVIELLA, C. G. A migração dos símbolos. Tradução de Hebe Way Ramos e Newton Roberval Eichenberg. São Paulo: Pensamento, 1995.

DALL’AGNOL, C. M.; TRENCH, M. H. Grupos focais como estratégia metodológicas em pesquisa na enfermagem. Rev. Gaúcha Enf, Porto Alegre, V. 20, n. 1, p. 5-25, 1999.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DEBUS M. Manual para excelência en la investigación mediante grupos focales. Washington: Academy for Educational Development, 1997.

DERVIN, B. User as research invetions: how research categories perpetuate inequities. Journal of Comunincation, v. 39, n. 3, p. 216-32, 1989.

DE SOUZA, Clarisse Sieckenius. The Semiotic Enginnering of Human-Computer Interaction. Cambridge: The MIT Press, 2005.

DE SOUZA, C. S. de; LEITÃO, C. F. The Semiotic Engineering Methods for Scientific Research in HCI. Califórnia: Morgan and Claypool Publishers, 2009.

DIAS, Claúdia Augusto. Portal corporativo: conceitos e características. Revista Ciência da Informação, v. 30, n. 1, p. 5060, jan./abr. 2001.

DOHERTY, N. F., COOMBS, C. R.; LOAN-CLARKE, J. A re-conceptualization of the interpretive flexibility of information technologies: redressing the balance between the social and technical. European Journal of Information Systems, vol. 15(6), p. 569-582, 2006.

EBOLI, Marisa. Coletânea Universidades Corporativas: educação para as empresas do século XXI. São Paulo: Schumkler Editores, 1999.

ECO, U. A theory of semiotics. Bloomington: Indiana University Press, 1976.

ECO, Umberto. Conceito de Texto. São Paulo: Editora Edusp, 1984.

ECO, Umberto. Tratado Geral de Semiótica. São Paulo: Editora Perspectiva, 1997.

FARRER, H. Pascal estruturado. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

HUIZINGA, J. Homo Ludens – vom Unprung der Kultur im Spiel. Tradução: João Paulo Monteiro. Revisão Mary Amazonas Leite de Barros. Produção: Ricardo W. Neves e Adriana Garcia. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.

IERVOLINO, S. A.; PELICIONE, M. C. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Rev. Esc. Enf. USP. São Paulo, v. 35, n. 2,

p. 115-121, jun., 2001.

JAKOBSON, Roman. Lingüistica e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1973.

KLEIN, H. K.; MYERS, M. D. A set of principles for conducting and evaluating interpretive field studies in information systems. MIS quarterly, p. 67-93, 1999.

LAUDON, Kenneth C., LAUDON, Jane Price. Sistemas de informação: com Internet. Tradução de Dalton Conde de Alencar. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

LEITE, L. L. Colaboração entre pares para melhor compreensão da mensagem do designer via sistema de ajuda. 2012. 117f. Tese (Doutorado). Fac. de Informática, PUCRS, Porto Alegre.

LIN, A.; SILVA, L. The social and political construction of technological frames. European Journal of Information System, v. 14(1), p. 49-59, 2005.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MANZANO, J. A. N. G.; OLIVEIRA, J. F. Estudo dirigido de algoritmos. 3. ed. São Paulo: Érica, 1997.

MATTOS, B. A. M. Uma Extensão do Método de Avaliação de Comunicabilidade para sistemas colaborativos. 2010. 170f. Dissertação (Mestrado). DCC/UFMG, Belo Horizonte.

MEIER, M. J.; KUDLOWIEZ, S. Grupo Focal: Uma experiência singular. Texto e Contexto Enf, Florianópolis, v. 12, n. 3, p. 394-399, 2003.

MICROSOFT – Kodu. Disponível em: . Acesso em: 09 out. 2014.

MURRAY, P.; MYERS, A. The facts about knowledge, Information Strategy, 2(7),

p. 29-33. Murugesan. S. Boston, MA: Butterworth-Heinemann, 1997.

NANDHAKUMAR, J.; JONES, M: Development gain? Participant observation management information systems research. Qualitative Research, 2(3), p. 323-341, 2002.

NIELSEN, J.; LORANGER, H. Usabilidade na Web: Projetando Websites com qualidade. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2006.

NETTO, J. Teixeira Coelho. Semiótica, informação e comunicação. São Paulo: perspectiva, 2003.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa. 13º reimpressão. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997. 358 p.

NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. The knowledge-creating company. Oxford: Oxford University Press, 1995.

O’BRIEN, James A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da Internet. Tradução de Cid Knipel Moreira. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

OLIVEIRA, V. G. de; PORROZZI, R. Possibilidades e limitações da informática na educação. Revista Práxis, v. 1, n. 1, 1999.

ORLIKOWSKI, W. J.; GASH, D. C. Technological frames: making sense of information technology in organizations. Organization science, v. 11, n. 4, p. 404-428, 2000.

PEIRCE, C. S. Collected papers of Charles S. Peirce. Edited by Hartshorne, Weiss and Burks. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1958, 1974. v. 1-8.

PEIRCE, C. S. Semiótica. Trad. José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 1977.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1995.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 3. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2005.

PEIRCE, C. S. The new elements of mathematics. Edited by Carolyn Eisele. The Hague: Mouton, 1976. v. 1-4.

PRATES, R. O.; BARBOSA, S. D. J. Introdução a teoria e a prática da interação humano computador fundamentada na engenharia semiótica. 2007. Disponível em . Acesso em: 10 ago. 2014.

PRATES, Raquel Oliveira; De SOUZA, Clarisse Sieckenous; BARBOSA, Simone Diniz Junqueira. A method for evaluating the communicability of user interfaces. New York: ACM Interactions, 2000.

PREECE, Jenny; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Interaction Design: Beyoond Human-computer Interaction. New York: John Wiley & Sons, 2002.

PROJETO CODE ORG. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2015.

SALMAZO, P. R. Um estudo em gestão do conhecimento para uma empresa de tecnologia da informação. Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação, 2004.

SALVETTI, D. D.; BARBOSA, L. M. Algoritmos. São Paulo: Pearson Education/Makron Books, 1999.

SANTAELLA, L. O que é Semiótica. Coleção primeiros passos: 103. São Paulo: Editora Brasiliense, 1999.

SCRATCH. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2015.

SILVEIRA, Milene Selbach; DE SOUZA, Clarisse Sieckenius; BARBOSA, Simone. Um Método da Engenharia Semiótica para a Construção de Sistema de Ajuda Online. In: LATIN AMERICAN CONFERENCE ON HUMAN-COMPUTER INTERACTION. Rio de Janeiro, 17 ago. 2003.

SVEIBY, Karl Erik. A Nova Riqueza das Organizações – gerando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Criação e dialética do conhecimento. In: TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. p. 17-38.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração.

ed. São Paulo: Atlas, 2004.

WALSH, J. P. Managerial and organizational cogntion: notes from a trip down memory lane. Organization Science, v. 6, n. 3, p. 280-321, 1995.

WALSHAM, G. Doing interpretive research. European Journal of Information Systems. v. 15, n. 3, p. 320-330, 2006.

WILSON, T. D. Recent Trends in user studies: action research and qualitative methods. Information Research, v. 5, n. 3, s. p., Apr 2000.

W3C. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2015.

YIN, R. K. Case study research: design and methods. London: Thousand Oaks, 2009.

YOUNG, R. Knowledge Management Tools and Techniques Manual. Tokyo: Asian Productivity Organization, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)