EFETIVIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS UTILIZANDO FERRAMENTAS DA WEB 2.0 E GESTÃO DO CONHECIMENTO

SEBASTIÃO LOPES MARTINS JÚNIOR

Resumo


A importância do gerenciamento de projeto é cada vez mais reconhecida pelas organizações como fator de sucesso nos empreendimentos. Elas passaram a perceber, após a utilização dos processos de gestão de projetos, aspectos positivos que precisam ser aprimorados e aspectos negativos que podem ocasionar problemas ao projeto e que também precisam ser tratados. Nesse sentido, o presente trabalho propôs a utilização dos conceitos de gestão do conhecimento e ferramentas da web 2.0 como apoio ao gerenciamento de projeto nos processos de comunicação, integração e tomada de decisões, cuja interação entre essas áreas foi estudada por meio de um modelo teórico que visou responder à questão: quais os efeitos da utilização dos conceitos de gestão do conhecimento e ferramentas da web 2.0 no gerenciamento de projetos? O objetivo foi analisar os efeitos da utilização dos conceitos de gestão do conhecimento e ferramentas da web 2.0 no gerenciamento de projetos sob a óptica dos gerentes de projetos, com o uso de survey e dados coletados a partir da aplicação de um questionário on-line. A pesquisa, portanto, foi quantitativa, descritiva, com amostra não probabilística por conveniência, pois o questionário foi enviado aos contatos do pesquisador e membros das redes sociais no LinkedIn, totalizando 151 questionários respondidos e válidos. A análise dos dados coletados foi feita com uso de modelagem de equações estruturais por meio do software SmartPLS, na qual o resultado obtido indicou que as ferramentas da web 2.0 produzem grande efeito na gestão do conhecimento e conseguem explicar ≈36% de sua variação; em outra parte do modelo, as ferramentas da web 2.0 e gestão do conhecimento juntas produzem grande efeito na efetividade do gerenciamento de projetos e conseguem explicar ≈54% de sua variação. Essa análise possibilitou a confirmação e a aceitação das hipóteses e comprovação da validade do modelo. Quanto ao produto final, será elaborado um relatório técnico com base no resultado da pesquisa descrevendo as características da relação entre os construtos do modelo, aspectos da aceitação ou não das hipóteses estabelecidas e conclusão sobre a contribuição do modelo proposto para a efetividade do gerenciamento de projetos nas organizações.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, I. A. de et al. Inteligência Coletiva e Ferramentas web 2.0: A Busca da Gestão da Informação e do Conhecimento em Organizações. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 1, p. 27-43, out. 2011. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/pgc/article/view/10385/6101. Acesso em: 01 set. 2014.

BEBENSEE, T.; HELMS, R.; SPRUIT, M. Exploring web 2.0 applications as a mean of bolstering up knowledge management. Electronic Journal of Knowledge Management, Netherlands, v. 9, n. 1, p.1-9, 2011. Disponível em: www.ejkm.com/issue/download.html?id

Article=269. Acesso em: 01 set. 2014.

BRESNEN, M. et al. Social practices and the management of knowledge in project environments. International Journal of Project Management, Lille, v.21, p.157-166, 2003.

CANDIDO, R. et al. Método Delphi – uma ferramenta para uso em Microempresas de Base Tecnológica, Rev. FAE, Curitiba, v.10, n.2, p.157-164, jul./dez. 2007.

CARNEVAL, P; NASCIMENTO, W; PEREIRA, Y. Gestão do Conhecimento aplicada ao gerenciamento de projetos. TCC (MBA em Gerenciamento de Projetos) – Universidade Federal Fluminense: Niterói, 2005. 81f.

CARVALHO, R. B. Intranets, portais corporativos e gestão do conhecimento: análise das experiências de organizações brasileiras e portuguesas. 2006, 280f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) ‒ Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

CHAVES, M. S. et al. Tecnologias da informação da web 2.0 em empresas e na gestão de projetos: análise e uma agenda de pesquisa. Iberoamerican Journal of Project Management, Buenos Aires, v.6, n.1, A.R.B., p.23-46, 2015.

CHIN, W. W. The Partial Least Squares Approach to Structural Equation Modeling. In: MARCOULIDES, G. A. Modern Methods for Business Research. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 1998. p. 295-336.

CHO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. Tradução Eliana Rocha. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2003.

CLELAND, D. I.; IRELAND, L. R. Gerenciamento de Projetos. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

COHEN, J. A Power Primer. Psychological Bulletin, New York, v.112, n.1, p. 155-159, 1992.

COSTA, J. F. D. Mensuração e desenvolvimento de escalas: aplicações em administração. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2011.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Tradução de Lenke Peres. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

FILEV, A. Project Management 2.0: The Ultimate Benefits of the New Approach to Project Management. PM World Today, Texas, v.10, n.11, p.01-12, nov. 2008.

GHOLAMI, B.; MURUGESAN, S. Global IT Project Management Using web 2.0. International Journal of Information Technology Project Management, Wadern, v.2, n.3, p.30-52, 2011.

HAIR JR., J. F. et al. A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). Thousand Oaks: Sage, 2013.

HAIR, J. F. et al. A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). Thousand Oaks: Sage, 2014.

HAIR, J. F.; RINGLE, C. M.; SARSTEDT, M. PLS-SEM: Indeed a Silver Bullet. Journal of Marketing Theory and Practice, Winter Park, v.19, n.2, p.139-151, 2011.

HARRIN, E. Social Media for Project Managers. Newton Square: Project Management Institute, Inc, 2010.

HENSELER, J.; RINGLE, C. M.; SARSTEDT, M. A new criterion for assessing discriminant validity in variance-based structural equation modeling. Journal of the Academy of Marketing Science, on-line, v.43, n.1, p.115-135, 2015. Disponível em: http://link.springer.com/article/10.1007/s11747-014-0403-8. Acesso em: 01 set. 2014.

JONES, B. L. WEB 2.0 Heroes. São Paulo: Digerati Books, 2009.

KERZNER, H. Project management 2.0. Hoboken: Wiley, 2015

KERZNER, H. Project management Best Practices. Hoboken: Wiley, 2010.

KERZNER, H. Project management metrics, KPIs and Dashboards: a guide to measuring and monitoring project performance. Hoboken: Wiley, 2011.

KERZNER, H. Strategic Planning for Project Management Using a Project Management Maturity Model. New York: John Wiley & Sons, 2001.

KEYES, J. Enterprise 2.0: social networking tools to transform your organization. Boca Raton: CRC Press, 2012.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 5.ed. São Paulo: Loyola, 2007.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Tradução de Lene Belon Ribeiro e Monica Stefani. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MARCONI, A. M.; LAKATOS. E. M. Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2011.

MCAFEE, A. P. Empresa 2.0: a força das mídias colaborativas para superar grandes desafios empresariais. Tradução Edson Furmankiewicz. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

MCAFEE, A. P. Enterprise 2.0: the dawn of emergent collaboration. MIT Sloan Management Review, Cambridge, v.47, n.3, p.21-28, 2006. Disponível em: http://adamkcarson.files.word

press.com/2006/12/enterprise_20_-_the_dawn_of_emergent_collaboration_by_andrew_mcafe

e.pdf. Acesso em: 03 nov. 2014.

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

O’REILLY, Tim. What is web 2.0. Portal O’Reilly, 2005. Disponível em: http://oreilly.com

/web2/archive/what-is-web-20.html. Acesso em: 01 set. 2014.

OLIVEIRA, R. R. Antecedentes do Desempenho do Escritório de Gerenciamento de Projetos: estratégia, pessoas e operações – uma proposta de modelo conceitual. 2013, 152f. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento) – Faculdade de Ciências Empresariais, Universidade FUMEC, Belo Horizonte, 2013.

PAROUTIS, S.; SALEH, A. A. Determinants of knowledge sharing using web 2.0 technologies. Journal of Knowledge Management, on-line, v.13, n.4, p.52-63, 2009. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/pdfplus/10.1108/13673270910971824. Acesso em: 01 set. 2014.

PMSURVEY.ORG. Relatório Mundial. 2013. 98p. Disponível em: http://www.pmsurvey.org/. Acesso em: 01 set. 2014.

PMBOK – Um guia do conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos. [Project Management Institute]. 5. ed. Newtow Square: PMI, 2013.

POLIT, D.F.; BECK, C.T.; HUNGLER, B.P. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

POZZEBON, R. Qual a diferença entre cargo júnior, pleno, sênior, master e especialista? Oficina da NET, 2015. Disponível em: https://www.oficinadanet.com.br/artigo/carreira/

qual_a_diferenca_entre_cargo_junior_pleno_senior_master_e_especialista. Acesso em: 03 nov. 2014.

REIS, P. N. C. et al. O alcance da harmonia entre as gerações baby boomers, X e Y na busca da competitividade empresarial no século XXI. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 10., 2013, Rio de Janeiro. 11p. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos13/9418322.pdf. Acesso em: 03 nov. 2014.

ROCHA, T.; GOLDSCHMIDT, A. Gestão dos Stakeholders. São Paulo: Saraiva, 2011.

TERRA, J. C. C. Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio Editora, 2001.

URBACH, N.; AHLEMANN, F. Structural Equation Modeling in Information Systems Research Using Partial Least Squares. Journal of Information Technology Theory and Application, v.11, n.2, p.5-40, jun. 2010.

WRIGHT, J. T. C.; GIOVINAZZO, R. A. DELPHI - uma ferramenta de apoio ao planejamento prospectivo. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v.1, n.12, p.54-65, 2 trim. 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)