UTILIZAÇÃO DO DESIGN INSTRUCIONAL EM CURSO EAD:

Daniela Pereira de Moura Amarante

Resumo


A disseminação do uso da tecnologia de informação e comunicação, associada à necessidade de for-mação dos indivíduos da sociedade do conhecimento, vem provocando o incremento da utilização da educação a distância (EaD). A tecnologia tem permitido inovações relevantes na educação e, cada vez mais, o conteúdo digitalizado tem facilitado novas formas de ensino. Os materiais educacionais, nessa modalidade de ensino, crescentemente utilizam recursos multimídia e conteúdos digitais para com-plementar e até substituir os produtos tradicionais impressos. Os cursos oferecidos na modalidade de Educação a Distância (EaD) possuem, como especificidade, o fato de exigirem diferentes formas para materializar suas ações. Uma dessas formas é o trabalho em Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA), que depende da integração com algumas áreas do conhecimento para existir. Dentre essas áreas, destaca-se o design instrucional, que é a área responsável por pensar e propor metodologias e técnicas adequadas ao desenvolvimento da aprendizagem. Diante disso, essa pesquisa objetiva analisar o design instrucional de um curso a distância, buscando, no ambiente virtual de aprendizagem, ele-mentos que contribuam para evidenciar suas potencialidades pedagógicas. Utilizou-se a metodologia do estudo de caso, por meio de entrevista, questionário e análise documental, para coleta das informa-ções entre a equipe da EaD e discentes, para uma abordagem quali e quantitativa na análise e interpre-tação dos dados. O resultado da aplicação do questionário demonstrou que os alunos percebem que há uma relação favorável entre os recursos instrucionais do AVA do curso e a aprendizagem. O resultado quantitativo da questão dissertativa proposta aos alunos também demonstrou que a grande maioria dos alunos acreditam que o AVA do curso contribui de maneira significativa para a aprendizagem. Porém, os resultados dos demais procedimentos metodológicos (pesquisa in loco, entrevista com Coordenador e, principalmente, a análise qualitativa da questão dissertativa) demonstraram algumas carências na gestão do curso e algumas insatisfações dos alunos.


Texto completo:

PDF

Referências


AAKER, David; KUMAR, V.; DAY, G. Marketing research. New York: John Wiley & Sons, Inc. 1995.

ALMEIDA, M. E. B. Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambi-entes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa, [S. l.], v. 29, n. 2, jul./dez. 2003.

ALMEIDA, N. A. et al. Tecnologia na Escola: abordagem pedagógica e abordagem técnica. São Paulo: Cengage Learning, 2014.

ALONSO, K. M. Educação a distância e formação de professores na sociedade tecnológica. In: MARTINS, O. B.; POLAK, Y. N. de S. Disciplina de formação em educação a distân-cia: fundamentos e políticas de educação e seus reflexos na educação a distância. Curitiba: MEC/SEED, 2000.

ALVES, L. BARROS, D. OKADA, A. (Org.). Moodle: estratégias pedagógicas e estudos de caso. Salvador: EDUNEB, 2009, 394p. Disponível em: http://www.moodle.ufba.br/file.php/1/Moodle_1911_web.pdf. Acesso em: 15 ago. 2014.

ALVES, João Roberto. A história do EAD no Brasil. In: LITTO, Fredric; FORMIGA, Marcos (Org.). Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson, 2009.

ANDERSON, T.; DRON, J. Three generations of distance education pedagogy. Internatio-nal Review of Research in Open and Distance Learning, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 80-97, 2011.

ARAGÃO, C. Trabalho colaborativo na web. Salvador: UNEB/ EAD, 2009. Módulo da Disciplina Trabalho colaborativo na web - Curso de Especialização em EAD.

BARGUIL, Paulo Meireles. O homem e a conquista dos espaços – o que os alunos e os pro-fessores fazem, sentem e aprendem na escola. Fortaleza: Gráfica e Editora LCR, 2006.

BARRETO, R. G. et al. As tecnologias da informação e comunicação na formação de profes-sores. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 31, p. 31-42, jan./abr. 2006.

BARROS, Maria das Graças. A contribuição da interatividade nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem Colaborativa. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

BELLONI, Maria L. Educação a distância. Campinas, São Paulo: Associados, 2005.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Decreto nº 2.494, de 10 de fevereiro de 1998. Regulamenta o art. 80 da LDB (Lei n.º 9.394/96).

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Decreto n.º 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da LDB (Lei n.º 9.394/96). DOU, Brasília, 20 dez. 2005.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Decreto nº 6.303, de 12 de dezembro de 2007. Altera dispositivos dos Decretos nos 5.622 e 5.773. DOU, Brasília, 13 dez. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Insti-tui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológia. Brasília, MEC, 2008.

BRASIL. MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação brasileira de ocupações. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2014.

CASTILHO, R. Ensino a distância: interatividade e método. São Paulo: Atlas, 2011.

CENSO EAD.BR: Relatório Analítico da Aprendizagem a Distância no Brasil 2013.Curitiba: Ibpex, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 14.

CERVELIN, S. Design Instrucional à educação profissional on-line. 2013. 168 f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – UFSC, Florianópolis, 2013.

CHAQUIME, L. P.; FIGUEIREDO, A. P. S. O papel do designer instrucional na elabora-ção de cursos de educação a distância: exercitando conhecimentos e relatando a experiên-cia. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA, 10., 2013, Belém. UNIREDE... Belém: 2013.

DALE, E. Audio-visual methods in teaching. 3st. ed. New York: Dryden Press, 1969.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações ge-renciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DELGADO, L. M. M. Uso da plataforma Moodle como apoio ao ensino presencial: um estudo de caso. 2009. 134 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – UFRJ, Rio de Janeiro, 2009.

DORNELES, D. M. A formação do professor para o uso das TICs em sala de aula: uma dis-cussão a partir do projeto piloto UCA no Acre. Texto Livre, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, 2012

FILATRO, Andréa. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008.

FILATRO, A. C.; PICONEZ, S. C. B. Design instrucional contextualizado. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 11., 2004, Salvador. Anais... Salva-dor: ABED, 2004.

FUKS, H.; RAPOSO, A. B.; GEROSA, M.A. Do modelo de colaboração 3c à engenharia de groupware. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS MULTIMÍDIA E WEB - WEB-MIDIA 2003, 9., 2003. Anais... [S. l.: s. n.], 2003. p. 445-452. (2003)

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOMES, H. M.; MARINS, H. O. A ação docente na educação profissional. São Paulo: SENAC, 2004.

GONÇALVES, D. S. O professor na blogosfera: blogs como instrumento de ensino. Educa-ção e Tecnologia, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, p. 37-46, maio/ago. 2012. GONÇALVES, J. B. Amostragem: conceitos básicos. 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2014.

JONASSEN, D. O uso das tecnologias na educação a distância e a aprendizagem construtivis-ta. Em aberto, Brasília, v. 16, n. 70, abr./jun. 1996.

JONASSEN, D. Computadores, ferramentas cognitivas: desenvolvendo o pensamento crí-tico nas escolas. Porto: Porto Editora, 2007. (Coleção Ciências da Educação Século XXI).

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2007.

KOSLOSKY, M. A. N. e-ESCOLA: um modelo de comunidade virtual de aprendizagem. Florianópolis. 2004. 297f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis, 2004.

LACERDA, A. L. de. Contribuições do design instrucional ao ensino presencial de física apoiado por ambiente virtual de aprendizagem. Florianópolis. 2013. 244 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Programa de Pós-Graduação em Educa-ção Científica e Tecnológica, UFSC, Florianópolis, 2013.

LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de informação gerenciais. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

LEFÈVRE F.; LEFÈVRE A. M. C.; TEIXEIRA J. J. V. O discurso do sujeito coletivo. Uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: Educs, 2000.

LEFÈVRE F.; LEFEVRE A. M. C. O discurso do sujeito coletivo. Um novo enfoque em pesquisa qualitativa. Desdobramentos. Caxias do Sul: Educs, 2003.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 2. ed. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 2007.

MACEDO, C. M. S. de. Diretrizes para criação de objetos de aprendizagem acessíveis. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

MACHADO JUNIOR, F. S. Interatividade e interface em um ambiente virtual de apren-dizagem. Passo Fundo: IMED, 2008.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MASETTO, M. T. et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000. p. 133-173.

MERGEL, B. Instructional design and learning theory. 1998. Disponível em: Acesso em: 01 set. 2014.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Cam-pinas: Papirus, 2007.

MOORE, Michael; KEARSLEY, Greg. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

MORESI, E. A. D. (Org.). Manual de Metodologia da Pesquisa. Brasília-DF: Universidade Católica de Brasília – UCB, mar. 2003.

MOYSÉS, G. L. R.; MOORI, R. G. Coleta de dados para a pesquisa acadêmica: um estudo sobre a elaboração, a validação e a aplicação eletrônica de questionário. 2007. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2015.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OLIVEIRA, C. L. A. P.; LIMA, J. G. O.; MERCADO, L. P. L. Tutoria online no Programa de Formação Continuada de professores em Mídias na Educação. In: MERCADO, L. P. L.

(Org.). Práticas de formação de professores na educação a distância. Maceió: EDUFAL, 2008.

ONRUBIA, J.; COLOMINA, R.; ENGEL, A. Os ambientes virtuais de aprendizagem basea-dos no trabalho em grupo e na aprendizagem colaborativa. In: COLL, C.; MONEREO, C. Psicologia da Educação Virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e co-municação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

PALLOFF, R. M.; PRATT, K. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes onli-ne. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PEREIRA, Alice T. Cybis (Org.). AVA – Ambientes Virtuais de Aprendizagem em dife-rentes contextos. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2007.

PRETI, O. Produção de material didático impresso: orientações técnicas e pedagógicas. Cuiabá: UAB/UFMT, 2010.

RAMAL, A. C. Educação com tecnologias digitais: uma revolução epistemológica em mãos do desenho instrucional. In: SILVA, M. (Org). Educação on-line. 2. ed. São Paulo: Edição Loyola, 2006.

REISER, R.A. A History of Instructional Design and Technology: Part II: A History of In-structional Design. ETR&D, v. 49, n. 2, p. 57-67, 2001. Disponível em . Acesso em: 06 set. 2014.

ROMISZOWSKI, H. P. Avaliação no design e desenvolvimento de multimídia educativa: estratégia de apoio ou parte do processo? In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDU-CAÇÃO A DISTÂNCIA, 7., 2010. Anais on-line… São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2014.

SABBATINI, R. M. E. Ambiente de ensino e aprendizagem via Internet: a Plataforma Moodle. Campinas: Instituto Edumed, (2007).

SANTOS, Ednéa O. Articulação de saberes na EaD on-line. In SILVA, Marco (Org.). Educa-ção on-line: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Loyola, 2003.

SANTOS, Júlio César F. Aprendizagem significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2007.

SILVA, A. R. L. da; SPANHOL, J. F. Design Instrucional e Construção do Conhecimento na EAD. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

SILVA, M. Sala de aula interativa: educação, comunicação, mídia clássica, internet, tecno-logias digitais, arte, mercado, sociedade, cidadania. 5. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

SILVEIRA et al. Aplicação de aspectos de Design Instrucional na elaboração de materiais didáticos digitais para Educação a distância. Revista D.: Design, Educação, Sociedade e Sustentabilidade, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 77-96, 2011.

TORI, R. Educação sem distância: as tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino e aprendizagem. São Paulo: Senac, 2010.

TRACTENBERG, Régis. Curso teoria e prática do design instrucional. 2007. (Mimeogra-fado).

VALENTE, J. A.; MORAN, J. M. Pontuando e contrapondo. In: ARANTES, V. A. (Org.). Educação a distância: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2011.

VALENTE, V. R. de M. A formação de professores para o uso das tecnologias da infor-mação e comunicação no processo pedagógico: caminhos percorridos pelo núcleo de edu-cação e tecnologias da rede municipal de ensino de Salvador. 2005. Dissertação (Mestrado) - UNEB, Salvador, 2005.

VERGARA, Sylvia C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 15.ed. São Pau-lo: Atlas, 2014.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)