ANÁLISE DA ADOÇÃO DO LEAN MANUFACTURING NA GESTÃO DE PROJETOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM UMA MULTINACIONAL DESSE SEGMENTO

JOÃO PAULO CARNEIRO ARAMUNI

Resumo


Esta pesquisa apresenta um estudo sobre gestão ágil de projetos por meio do modelo Lean Manufacturing da Toyota. Serão apresentados aqui métodos, programas, sistemas e divergências entre modelos de gestão de projetos, selecionados com base nos casos de sucesso e aceitação dentro do mercado de Tecnologia da Informação (TI). A difusão de conhecimento ocasionada pela evolução tecnológica e a crescente importância da informação como ativo organizacional têm levado os profissionais de TI de todo mundo a buscar novas abordagens e novos métodos de trabalho. A demanda gradativa por qualidade, velocidade e desempenho tem forçado equipes a planejar novos modelos de gestão com foco em pessoas, comunicação e produtividade, abrindo espaço para a ascendente área de conhecimento denominada Gestão Ágil de Projetos. Dessa forma, faz-se necessário entender as diferenças, reconhecer padrões e os desafios da gestão de forma ágil e as mudanças organizacionais provocadas por ela. A resistência conservadora que visa à utilização de modelos tradicionais de gestão cria uma barreira psicológica que impede a proliferação da filosofia ágil e a mudança cultural dentro da organização. Devido à visão única e à fácil absorção de conhecimento por parte dos profissionais de tecnologia, os modelos ágeis ganharam espaço e encontraram um habitat natural de crescimento no mercado de TI. Em especial, destaca-se a metodologia de gestão ágil do Lean Manufacturing que há mais de quinze anos está transformando a maneira como indústrias e empresas trabalham pelo mundo, tornando-as mais competitivas, flexíveis e estruturadas. A pesquisa examina os efeitos da utilização do modelo Lean na gestão de projetos de tecnologia da informação. O desenvolvimento desse estudo se dá por meio da análise estatística dos dados coletados via questionário e entrevistas que foram realizadas em uma filial brasileira de uma multinacional francesa do ramo de tecnologia que, neste estudo, será tratada como Empresa ALPHA. O modelo Lean, hoje amplamente utilizado no setor da manufatura, tem se apresentado como uma excelente alternativa para a melhoria da competitividade das organizações ao reduzir ou eliminar desperdícios. Gradativamente, a filosofia do Lean está expandindo-se mundialmente para novos cenários de negócio em diversos setores da economia. A cultura Ágil apresenta uma importante contribuição para a difusão do conhecimento, a evolução tecnológica, o crescimento econômico e o desenvolvimento cultural da sociedade.


Texto completo:

PDF

Referências


AAKER, D. et al. Marketing research. (7th ed.), New York: John Wiley, 2001.

ALVES, J. M. O sistema Just in Time reduz os custos do processo produtivo. In: IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE CUSTOS. 1995, Campinas. Anais…Campinas: UNICAMP, 1995.

AMARAL, D. et al. Gerenciamento ágil de projetos: aplicação em produtos inovadores. São Paulo: Saraiva, 2011.

AMUNDSEN, O, M. Kanban and Scrum, combined! 2010. Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2015.

AUGUSTINE, S. Managing agile projects. Virginia: Prentice Hall, 2005.

BASSI, D. L. Experiência com desenvolvimento ágil. 2008, 170p. Dissertação (Mestrado em Matemática. ─ Instituto de Matemática e Estatística da USP São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2014.

BECK, K. et al. Manifesto for ágile software development, 2001. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2014.

BIRKNSHAW, J; HAMEL, G; MOL, M.J. Management innovation. Academy of management review, v.33, n.4, p.825-45, 2008.

BROOKS, F. No silver bullet: essence and accidents of software engineering. Proc. IFIP, IEEE CS Press, p. 1.069-76; reprinted in IEEE Computer, p. 10-19, Apr. 1987.

BUCK, J. A. Lean manufacturing: ferramentas e aplicações em processos produtivos e transacionais. Semana LIAG. Unicamp. 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2015.

BOEHM, B. Balancing agility and discipline. Boston: Pearson Education, 2003.

BOEHM, B; TURNER, R. Integrating agile and plan driven methods. In: 26Th INTERNATIONAL CONFERENCE ON SOFTWARE ENGINEERING, ICSE. Proceedings. 2004. p. 718-9.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; GRAU, N. C. O público não-estatal na reforma do Estado. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

BRIEF, Consultoria. Lean manufacturing, 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2015.

CARDOSO, P. A.; JÓ, M. Y. A prática do Milk Run no fornecimento a indústria automobilística do Brasil. In: IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO. Anais... Niterói – RJ, 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2015.

CARLZON, J. A hora da verdade. Rio de Janeiro: COP, 1994.

CASELLA, D. M. A. Administração pública. Webartigos, 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2015.

CHIN, G. Agile project management: how to succeed in the face of changing project requirements. New York: Amacon, 2004.

CHOPRA, SUNIL; MEINDL, PETER. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operação. São Paulo: Pearson - Prentice Hall, 2008.

COCKBURN, A. Selecting a project’s methodology. IEEE Software, v.17, n.4, p. 64-71, Jul./Ago. 2000.

COCKBURN, A. e Highsmith, J. Agile software development. The Business of Innovation. IEEE Computer, v. 34, n. 9, p. 120-2, set. , 2001.

COHN, M. Agile estimating and planning. New York: Prentice Hall, 2005.

CONFORTO, E. C. Gerenciamento ágil de projetos: proposta e avaliação de método para o gerenciamento de escopo e tempo. São Carlos, 2009. Dissertação (Mestrado em Engenharia) ─ Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. São Carlos

CORTINA, J. M. What is coefficient alpha? An examination of theory and applications. Journal of Applied Psychology. Washington, D.C., v. 78, n. 1, p. 98-104, fev. , 1993.

CRONBACH, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika. Champaign, v. 16, n. 3, p. 1-38, set. , 1951.

DEMING, W. E. Qualidade: a revolução na administração. Rio de Janeiro: Saraiva, 1990.

DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 2005.

DIAS, F.R; FERNANDES, F.C.F. e GODINHO FILHO, M. Uma metodologia baseada em indicadores de desempenho para avaliação dos princípios relativos à manufatura enxuta: Estudo de Caso em uma Empresa do Setor Médico-hospitalar. In: XXIV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 24, 2004, Florianópolis. Anais… Florianópolis, 2004.

DOGS, C e KLIMMER, T. An evaluation of the usage of agile core practices. 2004, 98p. Master’s thesis.─ Blekinge Institute of Technology, Ronneby.

DRUCKER, P. Managing in the next society. Forbes Magazine, 5 out. 1998, ed. Englewood Cliffs. New Jersey: Prentice Hall, 1993.

ELIAS, S.J.B.; REBOUÇAS, T.V. e XEREX, J.C. Implantação da Produção Enxuta em uma Indústria de Transformadores – o Caso CEMEC. 2004, Florianópolis. In: XXIV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Anais… Florianópolis, 2004.

FADEL, Aline Cristine; SILVEIRA, Henrique da Mota. Metodologias ágeis no contexto de desenvolvimento de software: XP, Scrum e Lean. Limeira, 2010. Disponível em . Acesso em: 01 mai. 2015.

FERREIRA, C.F. e SAURIN, T.A. Diretrizes para estruturação de um método para avaliar os impactos da produção enxuta sobre as condições de trabalho. 2005, Porto Alegre. In: V SEMANA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES. Anais... Porto Alegre, 2005.

FRANÇA, A. O programa 5S sem segredos: um roteiro para implementar o programa 5S em sua organização. CD - Falando de Qualidade. São Paulo: EPSE, 2003.

FRANCO, Eduardo Ferreira. Um modelo de gerenciamento de projeto baseado nas metodologias ágeis de desenvolvimento de software e nos princípios da produção enxuta. São Paulo, 2007. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2015.

FRANSSON, O e KLERCKER, P. Agile software development in Sweden: a quantitative study of developers’ satisfaction and their attitude towards agile thinking. 2005, 91p. Master’s thesis. Jönköping University, Jönköping.

FREITAS, A. L. P.e RODRIGUES, S. G. A avaliação da confiabilidade de questionário: uma análise utilizando o coeficiente alfa de cronbach. 2005, Bauru. In:: XII SIMPEP, 2005. Anais... Disponível em: . Acesso em: 11 jun.2015.

FURINI, G; SAURIN, T. Proposta de um método de análise da cultura Lean em uma empresa que está implantando práticas do sistema de produção enxuta. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 set.14.

GHINATO, P. Produção & competitividade: aplicações e inovações. Ed.: ALMEIDA, Adiel T. de e SOUZA, Fernando M. C., (Eds). , Recife: UFPE, 2000.

GHINATO, P. Sistema Toyota de produção: mais que simplesmente Just-in-Time. Caxias do Sul: Editora da Universidade de Caxias do Sul, 1996.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GILB, T. Principles of software engineering management. Boston. Addison-Wesley, 1988.

GINIGE; MURUGESAN, S. Web Engineering: introduction and perspectives. In: SUH, W. (Eds) Web Engineering: principles and techniques. London: IDEA Group, London, 2005.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. 1995. Disponível em: . Acesso em: 03 out.14.

GOLDACKER, Fabiano; OLIVEIRA, Hélio Jerônimo. Set-up: ferramenta para a produção enxuta. FAE, Curitiba. v. 11, n. 2, p. 127-39, jul./dez. 2008.

GÓMEZ, M. N. G. de. Metodologia de pesquisa no campo da ciência da informação. v. 1,

n. 6, 2000. Disponível em: < http://goo.gl/XoTcDx>. Acesso em: 15 jul. 2015.

GÜNTHER, Hartmut. Como elaborar um questionário. Laboratório de Psicologia Ambiental. Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, 2003, n.1. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2015.

HAIR, JR e JOSEPH F. et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAYES, B. E. Medindo a satisfação do cliente. [S.l.: s.n.], 1996.

HIGHSMITH, J. Agile project management: creating innovative products. Boston: Addison-Wesley, 2004.

JOHNSON, J. ROI, it’s your job. 2002, Alghero. In: KEYNOTE SPEECH AT 3RD INTERNATIONAL CONFERENCE ON EXTREME PROGRAMMING AND AGILE PROCESSES IN SOFTWARE ENGINEERING (XP’2002). Anais... Cagliari, Itália, 2002.

JONES, D. Gerenciando visualmente. Lean Institute Brasil. Artigo disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2015.

JUNQUEIRA, R.P.; SANTA-EULALIA, L.A.de e OLIVEIRA, R.M.de. Estudo comparativo sobre experiências de implantação da manufatura enxuta em três empresas do setor metal-mecânico brasileiro. In: XI SIMPEP 2004, Bauru. Anais... Bauru, 2004.

KALERMO, J. e RISSANEN, J. Agile software development in theory and practice. 2002, 188p. Master’s thesis ─ University of Jyvaskyla, Jyväskylä.

KARLSSON, C e AHLSTROM. P. The difficult path to lean product development. Journal of Product Innovation Management. Hoboken, v.,13, n. 4, p. 283-95, jul. 1996.

KERZNER, H. Project management: a system approach to planning. Scheduling and controlling. New York: Van Nostrand Reinhoid Company, 1984.

LATHIN, D. e MITCHELL, R. Lean Manufacturing: techniques, people and culture. 2008. Disponível em: . Acesso em 09 fev. 2015.

LEAN ENTERPRISE INSTITUTE. Lean lexicon, a graphical glossary for lean thinkers. Cambridge:, Lean Enterprise Institute, 2008.

LEAN ENTERPRISE INSTITUTE. The Lean Post. 2008 Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2015.

LEAN INSTITUTE BRASIL. Comunidade Lean. 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2015.

LEAN TI. Lean TI: Integrando pessoas, processos e tecnologia, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2015.

LIKER, J. O modelo Toyota: 14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. Porto Alegre: Bookman, 2005.

LOIOLA, E.; TEIXEIRA, J.C. de A.; NERIS, J.S. e RIOS, M.C. Padrões de adoção de práticas inovadoras de produção e organização no Brasil. Revista de Práticas Administrativas, Maringá, v. 1, n. 1, p. 85-93, jul/ago 2004.

LOPES, Carlos Roberto. Lean manufacturing - O segredo da melhoria continua. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2015.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MANN, D. Creating a Lean culture: tools to sustain Lean conversions. New York: Productivity Press, 2005.

MAROCO, J. e GARCIA-MARQUES, T. Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas? Laboratório Psicologia, Lisboa, v. 4, n. 1, p. 65-90, maio 2006.

MONTGOMERY, D. C. Design and analysis of experiments. 7th ed. Hoboken: J. Wiley, 2008.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa – características, uso e possibilidades. v. 1, n. 3, 1996.

Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2015.

NOGUEIRA, M. da G.S. e SAURIN, T.A. Avaliação do nível de implementação de práticas enxutas com base nas percepções dos gerentes. 2006, Fortaleza. In: XXVI ENEGEP. Anais... Fortaleza, 2006.

OCDE – Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. Os princípios da OCDE sobre o governo das sociedades, 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 jul.2015.

OHNO, T. O sistema Toyota de produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, 1997.

OSÓRIO, F. M. Novos rumos da gestão pública brasileira: dificuldades teóricas ou operacionais? Revista Eletrônica sobre a Reforma do Estado, Salvador, v. 1, n. 1, p. 1-17, 2005.

PAES DE PAULA, A. P. Por uma nova gestão pública. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

PEREIRA, Guilherme V. Metodologia Lean de desenvolvimento de software: uma visão geral. Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2015.

POPPENDIECK, M. e POPPENDIECK, T. Implementando o desenvolvimento Lean de Software: do conceito ao dinheiro. Porto Alegre: Bookman, 2011.

POPPENDIECK, M. e POPPENDIECK, T. Lean software development - An agile toolkit. Upper Saddle River (EUA): Addison-Wesley, 2003.

PPGSIGC – Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento. Universidade FUMEC. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2015.

PRESSMAN, R. Engenharia de software. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2001.

RODRIGUES, I.A. Implementação de técnicas da produção enxuta numa empresa de manufatura contratada do setor eletroeletrônico. 2006, 111p. Dissertação (Mestrado em Administração ─ UFMG. Belo Horizonte.

RODRIGUES, M.V. Entendendo, aprendendo e desenvolvendo sistemas de produção Lean Manufacturing. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ROTHER, M; SHOOK, J. Aprendendo a enxergar: mapeando o fluxo de valor para agregar valor e eliminar o desperdício. São Paulo: Lean Institute Brasil. 2003.

ROYCE, W.W. Managing the development of large software systems: concepts and techniques. Los Angeles: IEEE Westcon, 1970.

SANTOS, A.C.; SANTOS, M.J. Utilização do indicador de eficácia global de equipamentos (OEE) na gestão de melhoria contínua do sistema de manufatura – um estudo de Caso. São Paulo, 2007. In: XXVII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 2007, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu, 2007.

SATO, D; BASSI, D; BRAVO, M; GOLDMAN, A; KON, F. Experiences tracking agile projects: an empirical study. Journal of the Brazilian Computer Society, Special Issue on Experimental Software Engineering, São Paulo, v. 12,3, p. 45-64, Dec. 2006.

SATO, D. T. Uso eficaz de métricas em métodos ágeis de desenvolvimento de software. 2007, 155p. Master’s Thesis ─ Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo, São Paulo.

SAURIN, T.A. e FERREIRA, C.F. Avaliação qualitativa da implantação de práticas da produção enxuta: estudo de caso em uma fábrica de máquinas agrícolas. Revista Gestão & Produção, São Carlos, v. 15, n. 3, p. 449-462, set-dez. 2008.

SHENHAR, A.; DVIR, D. Project management research – the challenge and opportunity. Project Management Journal, v. 38, n.2, p. 93-9, jul. 2007.

SHINGO, S. O sistema Toyota de produção do ponto de vista da engenharia de produção. Tradução: Eduardo Schann. Revisão: Amarildo Cruz Fernandes. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 1996.

SHOOK, J. Gerenciando para o aprendizado. São Paulo: Lean Institute Brasil. 2008.

SILVA, V.C.O. e RENTES, A.F. A importância da produção enxuta nas empresas brasileiras do setor agroindustrial. In: XXIV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 2004, Florianópolis, Anais…Florianópolis, 2004.

SMITH, P.G. Flexible product development - building agility for changing markets. San Francisco: Jossey-Bass, 2007.

SOARES, M. S. Comparação entre metodologias ágeis e tradicionais para o desenvolvimento de software. INFOCOMP. Journal of Computer Science, v. 3, n. 2, p.8-13, 2004. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2015.

SOMMERVILLE, I. Engenharia de software. 8th ed. São Paulo: Addison-Wesley, 2007.

SPEAR, S.J. Aprendendo a liderar na Toyota. Harvard Business Review, v. , n. ,p. 54 - 63. Mai. 2004.

SPEAR, S.J. e BOWEN, H.K. Decoding the DNA of the Toyota production system. Harvard Business Review, Massachusetts, v. 77, n. 5, p.96-106, set./ out. 1999.

STANDISH GROUP. CHAOS report, 586 Olde Kings Highway. Dennis, MA 02638, USA, 1995.

STEFFEN, J. B. (2003). Lean para desenvolvimento de software: Afinal, o que é isto? Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2014.

STREINER, D. L. Being inconsistent about consistency: when coefficient alpha does and doesn´t matter. Journal of Personality Assessment, Ontario, v. 80, n. 3, p. 217-22, jun. 2003.

SUTHERLAND, J; VIKTOROV, A; BLOUNT, J; PUNTIKOV, N. Distributed scrum: agile project management with outsourced development teams. In: 40TH ANNUAL HAWAII INTERNATIONAL CONFERENCE ON SYSTEM SCIENCES (HICSS ’07), 2007, Big Island. Proceedings …IEEE Computer Society, 2007.

TERENCE, A. C. F.; FILHO, E. E. Abordagem quantitativa, qualitativa e a utilização da pesquisa-ação nos estudos organizacionais. In: . ENEGEP, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 jul.2015.

WAINER, J. Métodos de pesquisa quantitativa e qualitativa para a ciência da computação. Sociedade Brasileira de Computação, 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 out.2014.

WERKEMA. C. Lean Seis Sigma: introdução às ferramentas do Lean Manufacturing. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

WITZEL, A. The problem-centered interview. Forum: Qualitative Social Research. Berlim, v.. 1, n.. 1, Art. 22, Jan. 2000. Disponível em:. Acesso em: 10 fev.2015.

WOMACK, J. P; JONES, D. T.; ROOS, D. A máquina que mudou o mundo: Baseado no estudo do Massachusetts Institute of Technology. Trad. Ivo Korytowski. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004 – 4ª reimpressão.

ZOGHBI, J. F. G.e MARTINS, J. E. P. Gestão do conhecimento e da informação em ambientes com elevado turnover na alta chefia: um estudo de caso em projetos de governo. In: II CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA. 2009, Brasília (DF). Anais... Brasília: Consad, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)