O USO DE SOFTWARES COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DO ENSINO MÉDIO/TÉCNICO NO INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS

BRUNO DE SOUZA TOLEDO

Resumo


Este estudo teve como tema o uso de softwares como ferramenta de ensino-aprendizagem na educação do ensino médio/técnico no Instituto Federal de Minas Gerais. Seu objetivo principal é a realização de uma pesquisa para analisar os resultados da utilização dos softwares educacionais no processo ensino-aprendizagem, e na melhoria do trabalho docente de ensino médio/técnico, do Instituto Federal de Minas Gerais, no campus São João Evangelista. Pretende estreitar a relação teoria-prática e, assim, identificar as necessidades dos docentes para a adoção de softwares educacionais, voltados para o ensino médio/técnico. Em seguida, verificar sua adequação ao conteúdo ministrado, para indicar os mais eficientes no processo ensino-aprendizagem, e, por fim, discutir os resultados da utilização de softwares educacionais. Como metodologia aplicada foram utilizados trinta softwares, para as dez disciplinas que fizeram parte da pesquisa. A amostra do trabalho consistiu em 50% da população dos docentes do ensino médio, que foram entrevistados de forma semiestruturada pelo pesquisador, contando com a aplicação de um questionário elaborado para avaliação qualitativa da experiência do uso dos softwares e como foi empregado em sala de aula. Em seguida, aplicou-se um questionário para os alunos, com perguntas fechadas para avaliação quantitativa, que serviu de instrumento básico para a coleta de dados, visando à obtenção de resultados uniformes, mediante observação direta dos alunos com o uso dos softwares nas disciplinas, por meio da análise fatorial estatística. Como resultado, percebeu-se que professores e alunos aceitam o emprego dos softwares, cujo conteúdo fornece apoio pedagógico para todas as disciplinas submetidas à análise. Isso possibilita afirmar que o uso dos softwares educacionais traz avanços pedagógicos para os alunos, estimulando-os no desenvolvimento da aprendizagem, uma vez que permite maior interação do conteúdo ministrado pelos professores. Podem surgir novos estudos propostos a partir deste, como o de aplicar a pesquisa em uma escola estadual ou municipal, visto que o perfil de um aluno de uma instituição federal pode ser diferente do perfil de alunos dessas instituições de ensino; o de difundir os resultados obtidos, nesta pesquisa, para outros docentes da instituição, com a apresentação e a discussão da metodologia e dos resultados, como forma de analisar o papel do professor frente à utilização das novas tecnologias; o de implantar uma pesquisa longitudinal, com o acompanhamento do trabalho desenvolvido por professores e dos resultados apresentados pelos alunos.

 

Palavras-chave: Ferramentas educacionais. Educação. Softwares educacionais. Tecnologia de aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, A. C. B. Avaliação de usabilidade em softwares educativos. 2010. 109 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências e Tecnologia, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2014.

AGUIAR, Eliane Vigneron Barreto. Goytacazes, 2008. As novas tecnologias e o ensino-aprendizagem. Disponível em:

. Acesso em: 10 maio 2015.

BERNARDI, Solange Teresinha. Utilização de softwares educacionais nos processos de alfabetização, de ensino e aprendizagem com uma visão psicopedagógica. Revista REI, Getúlio Vargas, v. 5, n. 10, jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2014.

BEUREN, I. M. Metodologia da pesquisa aplicável às Ciências Sociais. In: COLAUTO, R. D.; LONGARAY, A. A.; PORTON, R. A. de B.; RAUPP, F. M.; SOUSA, M. A. B. de (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em Contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2008. p. 46-97.

BISOL Claudia Alquati. Ciberespaço: terceiro elemento na relação ensinante/aprendente. In: VALENTINI, Carla Beatris; SOARES, Eliana Maria do Sacramento (Org.). Aprendizagem em ambientes virtuais: compartilhando ideias e construindo cenários. Caxias do Sul: Educs, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

BORBA et al. Softwares educativos e objetos de aprendizagem: um olhar sobre a análise combinatória. In: ENCONTRO GAÚCHO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 10., 2009, Ijuí. Anais eletrônicos... Ijuí: UNIJUÍ / DeFEM, 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Banco Internacional de Objetos Educacionais. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto nº 6.300, de 12 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o Programa Nacional de Tecnologia Educacional - Proinfo. Diário Oficial da União, Brasília - DF, 12 dez. 2007.

CAMPOS, F. C. A.; CAMPOS, G. H. B. Qualidade de Software Educacional. In: ROCHA, A. R. C. da; MALDONADO, J. C.; WEBER, K.C. (Org.). Qualidade de Software: teoria e prática. Campinas: Makron, 2001.

COSTA, Rosimeire Cabral Romeiro; CARVALHO, Mário Augusto Andreta. A tecnologia do ensino médio: uma ferramenta didático-pedagógico. In: ETIC - ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 5., 2009, Presidente Prudente. Anais eletrônicos... Presidente Prudente: Toledo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2014.

DIEHL, A. A. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

EMYDIO, M. M.; ROCHA, R. F. Gestão do Conhecimento na Área Educacional: a Tecnologia como Instrumento Facilitador. In. SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 9., 2012. Resende. Anais eletrônicos... Resende: AEDB, 2012. Disponível em:

. Acesso em: 20 jun. 2015.

FRÓES, J. R. M. Educação e Informática: A relação homem/máquina e a questão da cognição. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

FUMEC. Comitê de Ética em Pesquisa. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOERGEN, P. L. Sociedades complexas e formação de professores. Passo Fundo: UPF/CNPq, 2009.

GRZESIUK, D. F. Ferramentas de informática usadas na educação. UTFR - Campus Medianeira, 2008.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

IFMG. Estatuto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2015.

JUCÁ, Sandro César Silveira. A relevância dos softwares educativos na educação profissional. Revista Ciências e Cognição, Fortaleza, n. 8. 2006. Disponível em:

. Acesso em: 20 jun. 2015.

LAKATOS, E.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 68 p.

LÉVY, P.; MORAES, M. C. A conexão planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo: Editora 34, 2001.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2003.

LÉVY, Pierre. A Inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola, 2007.

LOPES, J. J. A Introdução da informática no ambiente escolar. Rio Claro: [s. n.], 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2014.

MAGEDANZ, Adriana. Computador: Ferramenta de trabalho no Ensino (de Matemática). 2004. 14f. Curso de Pós-Graduação Lato Sensu - Especialização em ensino de Matemática - UNIVATES - Centro Universitário, Lajeado. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2015.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MAYER-SCHÖNBERGER, Viktor; CUKIER, Kenneth. Big Data: life, work and think. Nova York, Houghton Mifflin Harcourt, 2013.

MEC. Parecer CNE/CEB Nº 39/2004. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2015.

MESQUITA, J. M. C. de. Estatística Multivariada Aplicada à Administração: guia prático para utilização do SPSS. Curitiba: CRV, 2010.

MCINERNEY, C. Knowledge management and the dynamic nature of knowledge. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 53, n. 12, p. 1009-1018, 2002.

MIRANDA, R. G.; CAMOSSA, J. P. O uso da Informática como recurso pedagógico: um estudo de caso. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2014.

MORO, E. et al. As novas tecnologias da informação e comunicação e a pesquisa escolar. Porto Alegre: [s. n.], 2004.

NETEMEYER, R. G.; BEARDEN, W. O.; SHARMA, S. Scaling procedures: Issues and Applications. Thousand Oaks: Sage, 2003.

NEWELL, S. et al. Managing knowledge work and innovation. 2. ed. London: Palgrave/Macmillan, 2009.

NICÁCIO, Jalves Mendonça. Engenharia de Software. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2015.

NONAKA, I. The knowledge-creating company. Harvard Business Review, v. 85, n. 7-8, 2007.

ORTIZ, A. S. Testing a model of the relationships among organizational performance, it-business alignment, and it governance. 2003. 199 f. Dissertation of PHD (Information Science) - University of North Texas, Texas.

PADOVANI, S.; MOURA, D. Navegação em hipermídia. Rio de Janeiro: Moderna, 2008.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira. Belo Horizonte, 2008. O Uso da Tecnologia no Ensino de Línguas Estrangeira: breve retrospectiva histórica. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015.

PASQUALI, L. Análise fatorial para pesquisadores. Brasília: LabPAM, 2005.

PORTAL SJE. São João Evangelista, 2010. Histórico. Disponível em:

. Acesso em: 10 mar. 2014.

PREECE, Jenifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul: Feevale, 2013.

REVELLE, William. Using the psych package to generate and test structural. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015.

ROCHA, A. C. S. Fatores facilitadores e inibidores na implementação de gestão do conhecimento em uma associação de profissionais: o caso SAE Brasil. 2007, 142f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2015.

ROCHA, Sinara Socorro Duarte. O uso do Computador na Educação: A Informática Educativa. Revista Espaço Acadêmico, Fortaleza, n. 85, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2014.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 41. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

SANCHES, V. J. C. Tecnologia para inovações na didática do ensino: um estudo de caso: Lousa Eletrônica. 2008. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2014.

SILVA, Márcio Batista da; PEREIRA, Renato de Almeida. Software Educativo Livre: seleção e análise para apoio ao processo de ensino e aprendizagem. 2009. 86 f. Monografia (Licenciatura da Computação) - Universidade de Brasília - UNB, Brasília, 2009.

SILVEIRA, S. A. Inclusão Digital, Software Livre e Globalização Contra-Hegemônica. 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2015.

SIMÕES, A. Folha do Alcino: guia para a produção de um hiperdocumento educativo. 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

SOFFA, Marilice Mugnaini; ALCÂNTARA, Paulo Roberto de Carvalho. O uso do software educativo: reflexões da prática docente na sala informatizada. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (EDUCERE), 8., 2008. Curitiba. Anais eletrônicos... Curitiba: PUCPR, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015.

TAJRA, Sanmya Feitosa. Informática na Educação: novas ferramentas pedagógicas para o professor na atualidade. 9. ed. rev. e ampl. São Paulo: Érica, 2012.

TEIXEIRA, N. P. C.; ARAÚJO, A. E. P. Informática e Educação: uma reflexão sobre novas metodologias. Revista Hipertextus, Garanhuns, v. 1, 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2014.

UNESCO. TIC na educação do Brasil. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2015.

ZANELA, Mariluci. O Professor e o “laboratório” de informática: navegando nas suas percepções. 2007. 43f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015.

ZARAGOZA, C. A. R.; SILVA, E. V. N. A informática e a construção do conhecimento: Interfaces Possíveis e Prática Pedagógica. São Paulo: Universidade Taubaté, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)