GESTÃO DE PROJETOS PROMOVENDO AS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO APLICADO NO CONTEXTO DE INOVAÇÃO: estudo de caso da empresa SEVA

Flávio Ferreira de Melo

Resumo


A velocidade das mudanças aplicadas à tecnologia, processos e pessoas está alterando o nosso comportamento social, econômico e empresarial. A tendência deste comportamento força as empresas a entender o significado das informações que influenciam as tomadas de decisões, rumo ao novo e inesperado cenário da inovação. Este cuidado é importante, pois rapidamente os produtos e serviços podem assumir um novo significado com conceitos totalmente diferentes, alterando toda a sua cadeia de valor. Estas mudanças reforçam a necessidade de um processo continuo de inter-relacionamento das práticas e processos de gestão de projetos, gestão do conhecimento e gestão da inovação no contexto das empresas inovadoras que potencialize os processos de transformação do conhecimento em inovação. A presente pesquisa tem por objetivo identificar, por meio de um estudo de caso, de abordagem qualitativa e natureza aplicada, quais são as práticas de gestão de projetos, gestão do conhecimento e inovação utilizadas por uma empresa orientada à inovação. A coleta de dados foi realizada utilizando múltiplas fontes de informações, tais como observação direta, consulta a registros e documentos e aplicação de questionários, conforme Kerzner (2006). Foi aplicado um questionário para avaliar a maturidade em gestão de projetos com a participação de 44 respondentes, e outro para avaliar as práticas e processos de gestão do conhecimento e gestão da inovação, com a participação de 33 respondentes junto aos profissionais da área de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) da SEVA Engenharia Eletrônica S.A, localizada na grande Belo Horizonte - MG. A análise dos dados utilizou o método de comparação das informações levantadas dos questionários, observação direta, registros e documentos. Os resultados encontrados apontam que a SEVA está próxima de sua consolidação da maturidade no que diz respeito ao nível dos processos comuns em gestão de projetos, comprovando que a SEVA utiliza as práticas apresentadas nesta pesquisa contribuindo, assim, para o resultado reconhecido pelos colaboradores referente às práticas de gestão da inovação realizada pela empresa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA NETO, R. C. D. Gestão do conhecimento em organizações: proposta de mapeamento conceitual integrativo. 2006. 400f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, 2006. Disponível em . Acesso em: 20 set 2014.

ALVARENGA NETO, R. C. D.; NEVES, Jorge Tadeu de Ramos. Gestão da informação e do conhecimento nas organizações: análise de casos relatados em organizações públicas e privadas. 2012. Disponível em . Acesso em: 20 jun 2015.

ANPEI - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS INOVADORAS. Os novos instrumentos de apoio à inovação: uma avaliação inicial. Brasília: CCGEANPEI, 2009.

ATKINSON, R. Project management: cost, time and quality, two best guesses and a phenomenon, it’s time to accept other success criteria. International Journal of Project Management, v. 17, n. 6, p. 337-342, 1999.

ARANHA, José Alberto Sampaio. Incubadoras. In: PAROLIN, Sonia Regina Hierro; VOLPATO, Marcilia (Orgs.). Faces do empreendedorismo inovador. Curitiba: FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná, 2008. p. 37-68.

BARROSO, Antonio Carlos de Oliveira; GOMES, Elisabeth Braz Pereira. Tentando entender a gestão do conhecimento. Revista de Administração Pública, v. 33, n. 2, p. 147-170, 2013.

BERNARDES, Bartos; LUCIAN, Rafael. Comportamento de consumidores brasileiros e portugueses em plataformas de crowdfunding. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 14, n. 1, p. 26-36, 2015.

BESSANT, John; TIDD, Joe. Inovação e empreendedorismo: administração. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BESNER, Claude; HOBBS, Brian. Project management practice, generic or contextual: a reality check. Project Management Journal, v. 39, n. 1, p. 16-33, 2008.

BOUER, Ruy; CARVALHO, Marly Monteiro de. Metodologia singular de Gestão de Projetos: condição suficiente para maturidade em Gestão de Projetos? Revista Produção. v. 15. n. 3. set./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2015.

BRAGA JÚNIOR, Joaquim; SILVA, Carlos Alberto da; SILVA, Débora Eleonora Pereira da. Auditoria da gestão da inovação no setor bancário: o caso do BANESE. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 5, n. 1, p. 6-21, 2015.

BRAGA, Carlos Ronan de Alvim. Os capacitadores do conhecimento e suas contribuições para a criação do conhecimento numa organização do terceiro setor: estudo de caso da Junior Achievement de Minas Gerais. 2013. 196 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) – Fundação Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo (MG), 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2015.

CARVALHO, Marly Monteiro de; PESSÔA, M. S. P.; LAURINDO, Fernando José Barbin; RABECHINI JR, Roque. Equivalência e completeza: Equivalência e completeza: Análise de dois modelos de maturidade em gestão de projetos. RAUSP - Revista de Administração, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 289-299, 2005.

CARVALHO, Rodrigo Baroni de. Aplicações de softwares de gestão do conhecimento: tipologia e usos. 2000. 144 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, 2000. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2015.

CARVALHO, Marly Monteiro. Avaliação de desempenho em projetos complexos: uma abordagem tridimensional. In: RABECHINI JR., Roque; CARVALHO, Marly Monteiro (Org.). Gerenciamento de projetos na prática 2: casos brasileiros. São Paulo: Atlas, 2009. p. 95-115.

CARVALHO, Marly Monteiro; RABECHINI JR., Roque. Fundamentos em gestão de projetos: construindo competências para gerenciar projetos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

CHESBROUGH, Henry. Inovação aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. Tradução Luís Cláudio de Queiroz Faria. Porto Alegre: Bookman, 2012.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Editora do Senac, 2003.

CAVALCANTI, Marcos C. B.; GOMES, Elisabeth B. P.; PEREIRA, André F. Gestão de empresas na sociedade do conhecimento: um roteiro para a ação. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

CORRÊA, Fábio. A gestão do conhecimento aplicada ao setor de tecnologia da informação. 2014. 175 f. Dissertação (Mestrado em Gestão de Sistemas de Informação e do Conhecimento) – Faculdade de Ciências Empresariais, Universidade FUMEC, Belo Horizonte, 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2015.

CRESWELL, John W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa. Escolhendo entre cinco abordagens. São Paulo: Penso Editora LTDA, 2014.

CRONBACH, Lee J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika, v. 16, n. 3, p. 297-334, Sept. 1951.

DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as empresas gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DAVILA, Tony; EPSTEIN, Mark J.; SHELTON, Robert. As regras da inovação – como gerenciar, como medir e como lucrar. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. The SAGE handbook of qualitative research. Sage, 2011.

DRUCKER, Paul F. The practice of management. New York: Harper & Brothers Publishers, 1964.

EDVINSSON, Leif; MALONE, Michael S. Capital intelectual: descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron Books, 1998.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Análise de conteúdo. Brasília: Liber Livro, 2005.

FREIRE, Patrícia de Sá et al. Ferramentas de avaliação de gestão do conhecimento: um estudo bibliométrico. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), v. 2, n. 3, p. 15-38, 2013.

GERMANO, Américo. O processo de mudança nas organizações. COMICRO - Confederação Nacional de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2010.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOULART, Iris Barbosa. Temas de Psicologia e Administração. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.

GRIFFIN, Abbie; PAGE, Albert L. PDMA success measurement project: recommended measures for development success and failure. Journal Production Innovation Management, v.13, p. 478-496, 1996.

HAIR, Joseph F.; BLACK, Willian C.; BABIN, Barry J.; ANDERSON, Rolph E.; TATHAN, Ronald L. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

ISHIKURA, Yoko. Gestão do conhecimento e concorrência global: a abordagem da Olympus à gestão do conhecimento global na indústria de câmeras fotográficas digitais. In: TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. p. 54-90.

ISO – INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 10006: Quality management – guidelines to quality in Project management. ISO: [s.n.], 1997.

JACOB, Kamila Gabriela; ARAÚJO JUNIOR, Inácio Fernandes de; GOMES, Adriano Provezano; TAHIM, Elda Fontinele. A influência dos investimentos em P&D na eficiência dos setores industriais brasileiro: uma análise para 2011. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE PROJETOS, 2., São Paulo, 2013. Anais... São Paulo, 7 e 8 nov. 2013. p. 1-17. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2015.

JUGEND, Daniel; BARBALHO, S. C. M.; SILVA, Sérgio Luis da (Orgs.). Gestão de projetos: teoria, prática e tendências. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

KAPLAN, Robert S., NORTON, David P. Mapas estratégicos: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de janeiro: Elsevier, 2004.

KERZNER, Harold. Gestão de Projetos. Porto Alegre: Bookman, 2006.

LEOPARDI, Maria Tereza. Metodologia da pesquisa na saúde. Florianópolis: UFSC, 2002.

LOPES, Neyde Vernieri. Gestão estratégica de desempenho. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2009.

MAANEN, John Van. Reclaiming qualitative methods for organizational research: a refase. Administrative Science Quarterly, v. 24, n. 4, p. 520-526, Dec. 1979.

MACHADO NETO, N. R. Gestão de conhecimento como diferencial competitivo. In: SEMINÁRIO GERENCIAMENTO DA INFORMAÇÃO NO SETOR PÚBLICO E PRIVADO, 4., 1998, Brasília. Anais... Brasília: Linker, 1998.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 6. ed.; 2. reimpr. São Paulo: Atlas, 2007.

MARTINS, Gilberto de Andrade; THEÓPHILO, Carlos Renato. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, Paula. Estudo da relevância de inovação: um comparativo universidade-empresa. 2011. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2011.

MASCARENHAS, Sidnei Augusto. Metodologia científica. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

MATTAR, Fauze. Pesquisa de marketing. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, Bruce; LAMPEL, Joseph. Safári de estratégia: um roteiro pela selva no planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

NASCIMENTO, Ademir; HEBER, Florence; LUFT, Maria Conceição. O uso do crowdsourcing como ferramenta de inovação aberta: uma categorização à luz da teoria de redes interorganizacionais. Revista Gestão Organizacional, v. 6, n. 2, p. 85-94, maio/ago. 2014.

NEVES, José Luís. Pesquisa Qualitativa – Características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em Administração, v. 1, n. 3, p. 1-5, 1996. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2015.

NONAKA, Ikujiro; KONNO, Noboru. The Concept of “BA”: Building a Foundation for Knowledge Creation. California Management Review, v. 40, n. 3, p. 40-54, Spring 1998.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação do conhecimento na empresa. São Paulo: Elsevier, 1997.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Teoria da criação do conhecimento organizacional. In: NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. p. 54-90.

NONAKA, Ikujiro. TOYAMA, Ryoko. Criação do conhecimento como processo sintetizador. In: NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. p. 91-117.

PAULK, Mark C. et al. The capability maturity model: guidelines for improving the software process / CMU / SEI. Reading, Addison-Wesley, 1995.

PINTO, Jeffrey K.; SLEVIN, Dennis P. Project success: definitions and measurement techniques. Project Management Journal, v. 19, n. 3, p. 67-73, 1987.

PROBST, Gilbert; RAUB, Steffen; ROMHARDT, Kai. Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman, 2002.

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos - Guia PMBOK. 5. ed. Newtown Square, Pennsylvania, USA: Project Management Institute, 2013.

PRADO, Darci. Gerenciamento de portfólios, programas e projetos nas organizações. Nova Lima (MG): INDG, 2004. (Gerência de Projetos, 1).

PRADO, Darci. Maturidade em gerenciamento de projetos. Nova Lima (MG): INDG, 2008. (Gerência de projetos, 7).

RABAGLIO, Maria Odete. Gestão por competências: ferramentas para atração e captação de talentos humanos. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2008.

ROCKART, John F. Chief executives define their own data needs. Harvard Business Review, v. 57, n. 2, p. 81-92, Mar./Apr. 1979.

RODRIGUES, Adriano; PAULO, Edilson. Introdução à análise multivariada. In: CORRAR, Luiz J.; PAULO, Edilson; DIAS FILHO, José Maria (Orgs.) Análise multivariada para os cursos de administração, ciência contábeis e economia. São Paulo: Atlas, 2007. p. 280-323.

RODRIGUEZ, Martius Vicente Rodriguez y. Gestão de conhecimento e inovações nas empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2011.

SANVIDO, Victor; GROBLES, François; PARFITT, Kevin; GUVENIS, Moris; COYLE, Michael. Critical success factors for construction projects. Journal of Construction Engineering and Management, v. 118, n. 1, p. 94-111, 1992.

SCHERER, Felipe Ost.; CARLOMAGNO, Maximiliano Selistre. Gestão da inovação na prática - como aplicar: conceitos e ferramentas para alavancar a inovação. São Paulo: Atlas, 2009.

SCHUMPETER, Joseph. Capitalism, socialism and democracy. New York: Harper & Row, 1975.

SILVA, Maurício José Vianna; VIANNA, Ysmar; ADLER, Isabel K.; LUCENA, Brenda; RUSSO, Beatriz. Design thinking: inovação em negócios. Rio de Janeiro: MJV Press, 2012.

SOUZA, Vera Lúcia de. Gestão de desempenho: julgamento ou diálogo? Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

STREINER, David L. Being inconsistent about consistency: when coefficient alpha does and doesn´t matter. Journal of Personality Assessment, v. 80, p. 217-222, 2003.

TAKEUCHI, Hirotaka; NONAKA, Ikujiro. Criação e dialética do conhecimento. In: TAKEUCHI, Hirotaka; NONAKA, Ikujiro. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. p. 17-38.

TEIXEIRA FILHO, Jayme. Gerenciando conhecimento. 2. ed. Rio de Janeiro: SENAC, 2001.

TERRA, José Cláudio Cyrineu. 10 Dimensões da gestão da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

TERRA, José Cláudio Cyrineu. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial: uma abordagem baseada no aprendizado e na criatividade. São Paulo: Negócio, 2000.

TIDD, Joe; BESSANT, John; PAVITT, Keith. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIDD, Joe; BESSANT, John. Gestão da inovação. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

TIGRE, Paulo. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

TORNATZKY, Louis G.; FLEISCHER, Mitchell. The processes of technological innovation. Lexington: Lexington Books, 1990.

TUMAN, G. J. Development and implementation of effective project management information and control system. In: CLELAND, D. I; KING, W. R. Project management handbook. New York: Var Norstrand Reinhold, 1983. p. x-y.

TURETA, César; ALCADIPANI, Rafael. Entre o observador e o integrante da escola de samba: os não-humanos e as transformações durante uma pesquisa de campo. RAC, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 209-227, mar./abr. 2011. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2015.

VARGAS, Ricardo V. Maturity models. 5” PM Podcast. 6 out. 2008. Podcast. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2015.

VENTURA, Magda Maria. O estudo de caso como modalidade de pesquisa. Revista So-CERJ, [S. l.], v. 20, n. 5, p. 383-386, 2007.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

YOUNG, Ronald. Knowledge management: tools and techniques manual. Tokyo: Asian Productivity Organization, 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2015.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

WERKEMA, Cristina. Métodos PDCA e DMAIC e suas ferramentas analíticas. Rio de Janeiro: Campus, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)