MATURIDADE DE PROJETOS: Estudo de caso em uma empresa desenvolvedora de software para o setor de saúde

Gustavo Teixeira Silva

Resumo


A busca das empresas pela alta competitividade no mercado moderno trouxe consigo muitos elementos que se tornaram centrais nesta evolução, como a otimização dos recursos e a busca pela excelência no gerenciamento de projetos. Diante disso, este estudo pretende elucidar quais são as habilidades em gerenciamento de projetos que uma empresa do setor de tecnologia em saúde necessita possuir para alcançar a maturidade na gestão de seus projetos, por meio da identificação dos níveis de maturidade em gerenciamento de projetos dos setores de uma empresa desenvolvedora de software para o mercado de saúde. Para o alcance deste resultado, foi realizado um estudo de caso com 15 líderes da empresa, sendo representantes de suas áreas mais críticas, conforme indicação executiva da empresa. O instrumento de pesquisa selecionado foi o modelo Prado-MMGP, o qual é amplamente utilizado no mercado para apuração do nível de maturidade setorial, possibilitando o apontamento também do nível global em que a organização se encontra. Foi realizada ainda uma análise qualitativa com as respostas obtidas, apontando o nível de maturidade setorial e geral da empresa. Os resultados apontaram componentes a serem melhorados em cada setor e na empresa como um todo, além disso, permitiram a indicação de 10 ações, as quais a empresa poderá considerar para evoluir sua maturidade, conforme sugeridos pelo modelo desenvolvido pelo Doutor Darci Prado.

Texto completo:

PDF

Referências


AKABANE, G. Gestão estratégica da tecnologia da informação. São Paulo: Atlas, 2012.

AMARAL, D. C. Gerenciamento ágil de projetos: aplicação em produtos inovadores. São Paulo: Saraiva, 2011.

ARCHIBALD, R. Managing High Tecnology Programs and Projects. 3ed. New York: John Wiley & Sons, 2003.

AZEVEDO, C.S. Gerência hospitalar: a visão dos diretores de hospitais públicos do município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1993. Dissertação de mestrado. Instituto de Medicina Social, Universidade Federal do Rio Janeiro.

BARNARD, A.; SANDELOWSKI, M. Technology and humane nursing care: (in)reconcilable or invented difference? Journal of Advanced Nursing. v.34, n.3, p.367-375, 2001.

BERRY, L.; SELTMAN, K. Lições de Gestão da Clínica Mayo. São Paulo: Bookman, 2008.

BOEHM, B.; TURNER, R. Balancing Agility and Discipline: A Guide for the Perplexed. Reading: Adisson-Wesley, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. CID 10- Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à saúde – 10ª Revisão. DATASUS, Brasília, DF, 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2015.

CLELAND, D.; IRELAND, L. Gerenciamento de Projetos. 2. ed. Rio de Janeiro:

LTC, 2012.

CORDEIRO, A. G. Priorização de requisitos e avaliação da qualidade de software segundo a percepção dos usuários. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual do Norte Fluminense. Engenharia de Produção, 2010.

DONALDSON, M.; LOHR, K. Helth data in the information age. Washington: National Academy Press, 1994.

GIL, A. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

KERZNER, H. Gestão de projetos: as melhores práticas. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

KERZNER, H. Entrevista, Revista PM-Network, Fevereiro 2006, p.32.

KERZNER, H. Strategic Planning for Project Management using a project management Maturity Model. New York: John Wiley & Sons, 2001.

KERZNER, H.; SALADIS, F. Gerenciamento de projetos orientado por valor. New York: Bookman, 2009.

LEFFINGWELL, D. Scaling Software Agility. Reading: Addison Wesley, 2006.

LEHMAN, J. F. & MEHRENS, W. A. Educational research; readings in focus. New York, Holt, Rineart & Winston, 1971.

MALIK, Ana Maria and TELES, João Pedro. Hospitais e programas de qualidade no estado de São Paulo. Rev. adm. empres. [online]. 2001, vol.41, n.3, pp. 51-59. ISSN 0034-7590. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902001000300006.

MANSUR, R. TI habilitando negócios. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., 2011.

MICHELS, E., FERREIRA, M.. Gerenciamento Ágil no Processo de Desenvolvimento de Produtos Inovadores: Uma Análise Bibliográfica Sistemática. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, 4, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 07 Jun. 2015.

MOROZ, M.; GIANFALDONI, M. O processo de pesquisa: iniciação. 2. ed. Brasília: Líber Livro, 2006.

NEGREIROS, L. A.; THAHIRA, R.; PINTO, A. Como estabelecer e gerenciar indicadores de desempenho para um PMO. Mundo Project Management, Curitiba-PR, n. 43, p. 10-13, 01 fev. 2012. Bimestral.

NEVES, J. L. Pesquisa Qualitativa – Características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em Administração, v. 1, n. 3, p. 1-5, 1996. Disponível em: Acesso em: 02 jul. 2015.

PETERS, T. Você é o Seu Projeto. Revista Você S.A., agosto 1999, p.34-49.

PICCHIAI, D. Mudança em instituições hospitalares: análise do processo e estudo da ação do administrador hospitalar. São Paulo: FGV-EAESP, 1998. NPP,Relatório n. 4.

PMI - PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Organizational Project Management Maturity Model, OPM3 Knowledge Foundation. Newton Square, Pennsylvania, United States, 2003.

PMI - PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBOK®: a guide to Project management body of knowledge. 5 ed. Newton Square, PA: Project Management Institute, 2013.

PMI - PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Pulse of the profession. Navegando a complexidade. Newton Square, Pennsylvania, United States, 2013. Disponível em:. Acesso em: 28 Jun. 2015.

PRADO, D. Gerenciamento de portfólios, programas e projetos nas organizações. 5. ed. Nova Lima: INDG, 2012.

PRADO, D; ARCHIBALD, R. Gerenciamento de projetos para executivos. Nova Lima: INDG, 2004.

PRESMAN, R. S. Engenharia de Software. 5.ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2002.

RABECHINI JUNIOR, R. Competências e maturidade em gestão de projetos: uma perspectiva estruturada. São Paulo, Annablume: Fapesp, 2005.

RODRIGUES FILHO, J.; XAVIER, J.;ADRIANO, A. A tecnologia da informação na área hospitalar: um caso de implementação de um sistema de registro de pacientes. Rev. adm. contemp. [online]. 2001, vol.5, n.1, pp. 105-120. ISSN 1982-7849. . Acesso em: 19 jul. 2015.

ROSEMBERG, Peter Arnold. A Organização Hospitalar com a Introdução da Informática. São Paulo: Prohasa. 1987.

ROSSETTI, A. G.; MORALES, A. B. T. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciência da Informação, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 124–135, 2007. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2015.

SABBATINI, R. M. E. Tecnologias de Informação e o Hospital Moderno. 1998. Disponível em:

> Acesso em: 19 jul. 2015.

SHENHAR, A.; DVIR, D. Reinventando Gerenciamento de Projetos: A Abordagem Diamante ao Crescimento e Inovação Bem-sucedidos. M. Books, 2010.

SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software. Addison-Wesley, 2003.

STANDISH GROUP. The Chaos Manifest. 2013. Disponível em: http://versionone.com/assets/img/files/CHAOSManifesto2013.pdf Acesso em: 18/04/2013.

TAN, J. E-Health Care Information Systems : An Introduction for students and professionals. USA. Jossey-Bass, 2005.

TARABOUSSI, Fadi Antoine. Administração de hotelaria hospitalar: serviços aos clientes, humanização do atendimento, departamentalização, gerenciamento, saúde e turismo, hospitalidade, tecnologia da informação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

THIRY-CHERQUES, H. Modelagem de Projetos. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

VENTURA, Magda Maria. O estudo de caso como modalidade de pesquisa. Revista SoCERJ, v. 20, n. 5, p. 383–386, 2007.

WILL, D. Metodologia da pesquisa científica. 2. ed. Palhoça: UnisulVirtual, 2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: Planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ZIEMER, S. Managing Chance in Software Development. Central and East European Conference on Software Engineering Techniques, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)