IMPLANTAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM DE CÓDIGO LIVRE: Um estudo da aceitação da tecnologia no PRONATEC da Cidade de Pará de Minas- MG

CÉSAR AUGUSTO DE OLIVEIRA SOARES

Resumo


Os objetivos deste estudo foram desenvolver, parametrizar, implantar e avaliar a aceitabilidade de um ambiente virtual de aprendizagem (AVA), em um curso técnico em informática ofertado pelo Pronatec em uma escola estadual na cidade de Pará de Minas MG. O presente trabalho foi fundamentado na Teoria Unificada de Aceitação e Utilização de Tecnologia (UTAUT) - Unified Theory of Acceptance and Use of Technology, desenvolvida por Venkatesh et al. (2003). O ambiente virtual em questão foi desenvolvido utilizando a plataforma Moodle ‘Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment’ distribuído sob a licença General Public Licence – GPL. Para coleta de dados, utilizou-se o questionário do tipo “survey” proposto pelo modelo UTAUT, composto por vinte e nove questões fechadas com aplicação individual que teve seus resultados analisados em escala Likert de cinco posições. O questionário foi enviado para 44 indivíduos e respondido de forma satisfatória por 30 dos indivíduos envolvidos no processo educacional. Para realizar a analise dos dados foram criados indicadores utilizando a técnica estatística de  Análise Fatorial e em seguida aplicada a  técnica Regressão Linear Múltipla, afim de identificar qual a relação existente entre as variáveis independentes, as variáveis dependentes  os moderadores e os construtos propostos pelo modelo UTAUT. Desta forma foi possível identificar que: 1) Somente para os indivíduos com menos de 20 anos, do sexo masculino e com experiência de 5 anos ou menos, houve uma influência positiva e significativa da expectativa de desempenho sobre a intenção de uso do ambiente virtual; 2) que não houve influência significativa da expectativa de esforço e influência social sobre a intenção de uso do ambiente virtual, 3) que houve uma influência positiva e significativa da intenção de uso sobre o uso real do ambiente virtual e 4) que não houve influência significativa das condições facilitadoras sobre o uso real do ambiente virtual.

 

Palavras-chaves: Informática. Tecnologia. Educação à distância. Moodle. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Pronatec.


Texto completo:

PDF

Referências


AL-GAHTANI, S. The applicability of TAM outside North America: An empirical test in the United Kingdom. Information Resources Management Journal, 2001.

ALMEIDA, M. E. B de. Educação à distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. In. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 29, n 2., jul/dez 2003. Disponível em: Acesso em 02 de ago/14.

ANGELONI, M. T.; DAZZI, M. C. S. A Era do Conhecimento. (2003) In. SILVA, R. V. da; NEVES, Ana. Gestão de empresas na era do conhecimento. Lisboa: Edições Sílabo, 2003.

BARRETO, A. V. P., HONORATO, C. F. Manual de sobrevivência na selva acadêmica. Rio de Janeiro: Objeto Direto, 1998.

BRASIL. Lei 12513 de 26 out. 2011. Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec); altera as Leis no 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial e institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), no 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a organização da Seguridade Social e institui Plano de Custeio, no 10.260, de 12 de julho de 2001, que dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior, e no 11.129, de 30 de junho de 2005, que institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (ProJovem); e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Congresso Nacional, 2011.

BRUYNE, P.; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os polos da prática metodológica. Tradução de Ruth Joffily, prefácio de Jean Ladrière. Rio de Janeiro: F.Alvez, 1991.

CENFETELLI, R. T. Inhibitors and Enablers as Dual Factor Concepts InTechnology Usage. Journal of the Association of Information Systems, v. 5, n. 12, p. 472-492, 2004.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P.A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CHAVES, S. N. A construção coletiva de uma prática de formação de professores de ciências: tensões entre o pensar e o agir. 2000. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2000.

CHIU, C.-M.; WANG, E. T. G. Understanding Web-based learning continuance intention: the role of subjective task value. Information and Management, 2008.

COLE, J.; FOSTER, R. Using Moodle: teaching with the popular open source course management system. [Paperback] O´Reilly. 2.ed. Estados Unidos, 2008.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookmann, 2003.

COSTA FILHO, B. A; PIRES, P. J; HERNANDEZ, J. M. C. Modelo Technology acceptance model - TAM aplicado aos automated teller machines - ATM’s. RAI. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 40-56, 2007.

CRESWELL, J. Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativo e misto. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2007.

CRONBACH L.J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika, 1951.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Trad. Lenke Peres. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DAVIS, F.D.; Bagozzi, R. P.; Warshaw P.R. User acceptance of computer technology: A Comparison of two Theoretical Models. Management Science, v. 35, n. 8, p. 982-1003, 1989.

DIAS, M. C.; ZWICKER, R.; VICENTIN, I. C. Análise do modelo de aceitação de tecnologia de Davis. Revista SPEI, Curitiba, v. 4, n. 2, p. 15-23, jul./dez. 2003.

DILON, W. R; GOLDSTEIN, M. Multivariate Analysis: Methods applications. New York : Wiley, 1984.

DOUGIAMAS, M.; TAYLOR, P. C.. Moodle: usando comunidades de aprendizes para criar um sistema de fonte aberta para gerenciamento de curso. In. BARROS, D.; OKADA, A.Moodle: estratégias pedagógicas e estudo de caso. Salvador: EDUNEB, 2009.

ESCOTT, Clarice Monteiro; MORAES, Márcia Amaral Correa de. História da educação profissional no Brasil: as políticas públicas e o novo cenário de formação de professores nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia. IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil”, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2012.

FISHBEIN, M.; AJZEN, I. Belief, attitude, intention and behavior: an introduction to theory and research: Addison- Wesley, 1975, 578 p.

FORNELL, C.; LARCKER DF. Evaluating structural equation models with unobservablevariables and measurement error. Journal of Marketing Research, p. 39-50, 1981.

FRANCISCATO, F. T.; RIBEIRO, P. da C.; MOZZAQUATRO, P. M.; MEDINA, R.D. (2008). Avaliação dos ambientes virtuais de aprendizagem Moodle, TelEduc e Tidia – Ae: um estudo comparativo. Disponível em: . Acesso em 23 de set. 2014.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GODOY, A . S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, mai/jun, 1995.

GOULD, J. D., BOIES, S. J. and LEWIS, C. Making Usable, Useful, Productivity-Enhancing Computer Applications. Communications of the ACM, v. 34, n. 1, p. 74-85, Jan., 1991.

HAIR JOSEPH, F. et al. Análise Multivariada de Dados. Porto alegre: Bookman, 2009.

HENSELER, J; RINGLE, C.M.; SINKOVICS, R.R. The Use of Partial Least Squares Path Modeling International Marketing. Advances in International Marketing, p. 277-319, 2009.

HORN, J. L. A rationale for the number of factors in factor analysis. Psychometrika, v. 30, 1965.

KAUARK, F. S.; MANHÃES, F. C.; MEDEIROS, C. H.. Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum Editora, 2010.

KAUFMANN, S. M. A. Tecnologia da informação em uma instituição de ensino superior: fatores que influenciam sua utilização. 117 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

LASTRES, H. H.. Informação e conhecimento na nova ordem mundial. Ciência da informação. Brasília, v. 28, n.1, p. 72-78. Disponível em: . Acesso em: 10 de jul. 2014.

LAVILLE, E.; DIONNE J. (Adap. SIMAN, L.M.) A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Art med, 1999.340p.

LEVIN, J. Estatística aplicada a ciências humanas. São Paulo: Harbra, 1985.

LI, J. P.; KISHORE, R. How robust is the UTAUT instrument? a multigroup invariance analysis in the context of acceptance and use of online community weblog systems. In: 2006. ACM sigmis CPR conference on computer personnel research: forty four years of computer personnel research: achievements, challenges & the future, Claremont. Proceedings. New York: ACM, 2006.

LÖBLER, M. L. et al. A aceitação do correio eletrônico explicada pelos modelos TAM e TTF combinados. In: Encontro da associação nacional de pós-graduação e pesquisa em administração (ENANPAD). Salvador, BA. Disponível em: <. Acesso em: 10 out. 2014.

MANFREDI, S. M. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MARCONI, M. DE A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração análise e interpretação de dados. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1996..

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MELO, L. E. V. de. Gestão do conhecimento: conceitos e aplicações. São Paulo: Érica, 2003.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

MONTGOMERY, D.G.; PECK, E. A.; VINING, G. G. Introduction to Linear Regression Analysis. New Jersey: John Wiley & Sons, 2006.

MORAES, C. Bassan de; FADEL, B. Perspectivas metodologicas para o estudo da gestão da informacao em ambientes informacionais das organizacoes. IBERSID, p. 33-41, 2008.

MORETTO, V. P. Construtivismo: a produção do conhecimento em aula. Rio de Janeiro, RJ: DP & A, 2003.

NICKERSON, NICKERSON, R.S. Using Computers: The Human Factors of Information Systems. Cambridge, Massachusetts, MIT Press, 1986.

NONAKA, Ikujiro e TAKEUCHI, Hirotaka. Criação do Conhecimento na Empresa: como as empresas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus,1997.

NUNNALY, J.C.; BERNSTEIN, I. H. Psychometric Theory. New York, 1994.

OKADA, Saburo. A intermediação pedagógica múltipla no universo das TIC e Moodle. In. BARROS, D.; OKADA, A. Moodle: estratégias pedagógicas e estudo de caso. Salvador: EDUNEB, 2009.

PAIVA, V. M. de O. Ambientes virtuais de aprendizagem aberta: implicações epistemológicas. Educação em revista. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2014.

PALLOF, R.; PRATT, K. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes online. Porto Alegre: Artmed, 2005.

PAULINO FILHO, A. R.. Moodle: um sistema de gerenciamento de cursos. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2014.

REGATTIERI, M.; CASTRO, J. M.. Ensino médio e educação profissional: desafios da integração. Brasília: UNESCO, 2010.

RIBEIRO; E.N.; MENDONÇA, G. A. A.; MENDONÇA, A. F. A importância dos ambientes virtuais de aprendizagem na busca de novos domínios da EAD. (2007). Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

RODRIGUEZ, M. V. R. Gestão Empresarial em organizações aprendizes: a arte de gerir mudanças. Rio de Janeiro: Qualymark, 2007.

SALEH, A. M. Adoção de tecnologia: um estudo sobre a adoção de software livre nas empresa. 2004. 149 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Faculdade de economia, administração e contabilidade, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2004.

SALES, Paula Elizabeth Nogueira; OLIVEIRA, Maria Auxiliadora Monteiro. (2010). Educação profissional e aprendizagem no Brasil: trajetórias, impasses e perspectivas. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2014.

SALVADOR; J. A.; GONÇALVES, J. P. (2006). O Moodle como ferramenta de apoio a uma disciplina presencial de ciências exatas. Disponível em: . Acesso em: 09 out. 2014.

SILVA, A. L. M. R. A influência do treinamento de usuários na aceitação de sistemas ERP em empresas no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005. 118f. Dissertação (Mestrado em Administração). Instituto COPPEAD de Administração. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2005.

SILVA, C.G.; FIGUEIREDO, V. F. Ambiente virtual de aprendizagem: comunicação, interação e afetividade na EAD. (2012). Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2014.

SILVA, R.; SOFFNER, R.; PINHÃO, C.. A Gestão do Conhecimento. In. SILVA, R. V. da; NEVES, Ana. Gestão de empresas na era do conhecimento. Lisboa: Edições Sílabo, 2003.

SILVEIRA, S. A.; CASSINO (Org.). Software Livre e Inclusão Digital. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2003.

SKOVSMOSE, O. Cenários para investigação. Bolema, Rio Claro, v. 13, n. 14, p. 66 -91, 2000.

SOUZA, F. C. de. (2010). Educação profissional: história de ensino de história. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. de 2014.

STAKE, RE. Case studies. In: DENZIN, NK; LINCOLN, YS. Handbook of qualitative research. London: Sage, 2000.

TAVARES, M. G. (2012) Evolução da rede federal de educação profissional e tecnológica: as etapas históricas da educação profissional no Brasil. Disponível em: .Acesso em: 15 de ago. 2014.

TENENHAUS, M. et al. PLS path modeling. Computacional statistics & Data Analysis, 2005.

TERRA, J. C. C.. Implantando a Gestão do Conhecimento. In. SILVA, R. V. da; NEVES, Ana. Gestão de empresas na era do conhecimento. Lisboa: Edições Sílabo, 2003.

TOMÉ, Ana C. de A.. Trabalho e/ou Educação: história da educação profissional no Brasil. (2012). Revista educação e tecnologia, Canoas, v. 1, n. 2, 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2014.

VALENTE, L.; MOREIRA, P.; DIAS, P. Moodle: moda, mania ou inovação na formação? In. BARROS, D.; OKADA, A.Moodle: estratégias pedagógicas e estudo de caso. Salvador: EDUNEB, 2009.

VENKATESH, V.; DAVIS, F. D. Theoretical extension of the technology acceptance model: four longitudinal field studies. Management Science, v. 46, n. 2, p.186-204, fev. 2000.

VENKATESH, V.; MORRIS, M.G.; DAVIS, G.B.; DAVIS, F.D. User Acceptance of Information technology: Toward a Unified View. MIS Quarterly, v. 27, n. 3, p. 425-478, set. 2003.

VENTURA,C.A. O Estudo de Caso como Modalidade de Pesquisa. Revista SOCERJ, n. 20, v. 5, p. 383-386 set./out. 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2015.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2000.

WITTACZIK, L. S. (2007) Educação profissional no Brasil: Histórico. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2014.

YURONG, Y.; MURPHY, L. Remote electronic voting systems: an exploration of voters perceptions and intention to use. European Journal of Information Systems, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)