A GESTÃO DA INOVAÇÃO NO SETOR TERCIÁRIO: UM ESTUDO DE CASO DO GRAU DE MATURIDADE DO GRUPO CARREFOUR

FLÁVIO EDUARDO BARCELOS BASTOS

Resumo


A inovação aponta para um processo alicerçado em uma cadeia interconectada da informação e os seus quatro tipos clássicos classificados – inovação de processo, de produto, de posição e de paradigma –, podem ser provenientes, de maneira sistemática e coordenada, dos centros de pesquisa e desenvolvimento (P&D), de uma demanda das organizações aos seus clientes e consumidores, convocando-os a uma participação funcional de cocriação de produtos e serviços, ou mesmo de um movimento democrático, fundamentalmente social e imune às pressões e pretensões organizacionais. Esta pesquisa apresenta duas etapas em seu desenvolvimento. A primeira etapa objetivou aprofundar o entendimento de quais desses tipos classificados de inovações asseveram a diferenciação e garantem vantagens competitivas para as organizações do setor de serviços e quais são os constructos mais aderentes e representativos para a mensuração e auditagem da gestão da inovação nesse setor. Na segunda etapa, foi realizado um estudo de caso de natureza descritiva e aplicada, no qual se apresentou, por meio das abordagens qualitativas de pesquisa, o grau de maturidade da hierarquia do Grupo Carrefour. A coleta dos dados foi realizada por meio do método de autoavaliação sugerido por Tidd, Bessant e Pavitt (2008), aplicado separadamente nas classes de colaboradores dos gerentes e diretores do Grupo Carrefour no estado de Minas Gerais (Carrefour e Carrefour Bairro). Para a análise dos dados utilizou-se o método de comparação e triangulação das informações produzidas pela autoavaliação das classes supracitadas. Assim, no diagrama de classificação da maturidade proposto por Tidd, Bessant e Pavitt (2008) que contém quatro graus de maturidade, o Grupo Carrefour foi posicionado no segundo grau como uma empresa pouco inovadora.

 

Palavras-chave: Gestão da Inovação. Serviços. Grau de Maturidade da Inovação.


Texto completo:

PDF

Referências


ALAM, I. An exploratory investigation of user involvement in new service development. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 30, n. 3, p. 250- 261, 2002.

ANDERSON, C. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro, Campus Elsevier, 2006.

AZEVEDO, C. E. F.; OLIVEIRA, L. G. L.; GONZALEZ, R. K.; ABDALLA M. M.; A estratégia de triangulação: objetivos, possibilidades, limitações e proximidades com o pragmatismo. V Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e contabilidade (ANPAD). Brasília, 2013.

BACHMANN, D. L.; DESTEFANI, J. H.; Metodologia para estimar o grau das inovações nas MPE’s. Curitba, 2008.

BARRAS, R. Towards a theory of innovation in services. Research Policy, v.15, n. 4, p. 161-173, Aug, 1986.

BECKER, J; KNACKSTEDT, R. Developing maturity models for IT management a procedure model and its applications. Munster: Westfalische Wihelms Universitat Munster. Business & informationn systems engineering. v. 3, p. 213-222, 2009.

BENKLER, Y. Coase´s Peguin or Linux and the Nature of the Firm. In: Yale Law, 2002.

BERNARDES, R.; BESSA, V.; KALUP A. Serviços na Paep 2001: Reconfigurando a agenda de pesquisas estatísticas de inovação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 115-134, abr./jun. 2005.

BERRY, L.; PARASURAMAN, A. Serviços de Marketing: competindo através da qualidade. São Paulo: Maltese, 1992.

BLANK, S.; DORF, B. The startup owner’s manual: the step-by-step for building a great company. California, K&S Ranch Press, 2012.

BON, A. T.; MUSTAFA, E. M. A. Impact of Total Quality Management on Innovation in Service Organizations: Literature review and New Conceptual Framework. University Malaysia Perlis. Malasyan Technical Universities Conference on Enginnering e Technology, MUCET, 2012, v. 53, p. 516-529, 2013.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. OMC/MDIC. Classificação dos Setores de Serviços. 2014. Disponível em: ,. Acesso em: 18 mai 2014.

BRYNJOLFSSON, E.; JEFFREY, Y. H.; SMITH, M. D. From Niches to riches: The anatomy of the long tail. Sloan Management Review, Summer, 2006, v. 47, n. 4, p. 67-71, 2006.

CASARIN, H. C. S; CASARIN S. Pesquisa científica: da teoria à prática. Curitiba, InterSaberes, 2012.

CARREFOUR. RDS. Relatório de Desenvolvimento Sustentável, 2010. Disponível em: . Acesso em 28 set. 2014.

CERVO A. L., BERVIAN P. A., SILVA R., Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo, Pearson Pretince Hall, 2007.

CHESBROUGH, H. Inovação aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2012.

CHRISTENSEN, C.; TEDLOW, R.S. Patterns of disruption in retailing. Harvard Business Review , v. 78, n. 1, p. 42-45, Jan./Feb, 2000.

COBRA, M. Marketing de serviços: conceitos e estratégias. São Paulo: MCGraw-Hill do Brasil, 1986.

COSTA, P. R.; PORTO, G. S.; SILVA, A. T. B. O processo decisório de desenvolver interna ou externamente P&D: um estudo multicaso sobre multinacionais brasileiras. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 7, n. 4, art. 2, p. 266-286, 2010.

CRONBACH, L. Coefficient alpha and the internal structure of tests.Psychometrika, 16, 1951

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DAVIS, S. The future perfect: exploding the limits of managerial mind-set. Massachusetts: Addison-Wesley, 1987.

DILLON, W. R.; Goldstein, M. Multivariate Analysis: Methods applications. New York: Wiley, 1984.

DYER, J.; GREGERSEN, H.; CHRISTENSEN M. C. Dominando as 5 habilidades dos inovadores de ruptura. São Paulo: HSM Editora, 2012.

EFRON, B.; Tibshirani, R. An Introduction to the Bootstrap. Chapman & Hall, 1993.

FACHINNI, C. O Carrefour abandona o Champion no Brasil. Valor Econômico, 2006. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2014.

FALCONI, V. TQC – Controle Total da Qualidade, 2. ed. Minas Gerais: INDG, 2004.

FORNELL, C.; LARCKER, D. Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, p. 39-50, 1981.

FREITAS, H.; OLIVEIRA M.; SACCOL, A.; MOSCAROLA, J.; O Método de Pesquisa Survey. Revista de Administração, São Paulo v. 35, n. 3, p. 105-112, julho / setembro, 2000.

GALLOUJ, F. Économie de l’innovation dans les services. Paris: L’Harmattan, Logiques Économiques, 1994.

GALVÃO, A. P.; CRUZ, F. N.; FALCÃO, J. A. Satisfação dos clientes quanto à qualidade dos serviços do Terminal Rodoviário de Natal (RN).Turismo em Análise, v. 25, n. 1, p. 185-202, 2014.

GARCEZ, M. P.; SBRAGIA, R.; KRUGLIANSKAS, I. Factors for selecting partners in innovation projects – Evidences from alliances in the Brazilian petrochemical leader. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 2, p. 241-272, 2014.

GARCIA, I. Uma visão antropológica das redes sociais. Havard Business Review Brasil, 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 set., 2014.

GIBSON, R.; SKARZYNSKI P. Inovação prioridade n° 1: o caminho para as transformações nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

GIMENES, G. Inovação em serviços ao cliente – logística reversa: um estudo de caso dos correios. In: RODRIGUEZ, M. V. R. Ed. Gestão do conhecimento e inovação nas empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora, p. 257-271,2013.

GOSLING, M.; SOUZA, B. B. P.; ARAÚJO, G. C. D. Dimensões da qualidade de serviços, satisfação e lealdade: um modelo teórico. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 26. 2006, Fortaleza. Anais... Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia de Produção, 2006.

GOVINDARAJAN, V.; TRIMBLE, C. Inovação reversa: descubra as oportunidades ocultas nos mercados emergentes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

GROFF D., LOH S. Avaliação de maturidade de gestão da inovação: proposta de um modelo de pesquisa com empresas de TI. Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 abr 2014.

GRÖNROSS, C. Marketing: gerenciamento e serviços. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2009.

GUMMESSON, Evert. Quality management in service organizations: an interpretation of the service quality phenomenon and a synthesis of international research. New York: International Service Quality Association, 1993.

GWINNER, K. P.; BITNER, M. J.; BROWN, S. W.; KUMAR, A. Service customization through employee adaptiveness. Journal of Service Research, v. 8, n. 2, p. 131-148, nov. 2005.

HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.;TATHAN, R. L. . Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HENSELER, J.; RINGLE, C.; SINKOVINCS, R.. The Use of Partial Least Squares Path Modeling International Marketing. Advances in International Marketing , 277-319, 2009.

HOFFMAN, D. K.; BATESON, J. E. G. Services Marketing: concepts, strategies, & cases. 4. ed. Mason: Cengage Learning, 2008.

HOLLANDER, M., WOLFE, D. A. Nonparametric Statistical Methods. New York: John Wiley & Sons, 1999.

HORN, J. L. A rationale for the number of factors in factor analysis. Psychometrika, 30, 1965.

HOWE, J. The rise of crowdsourcing. Wired Magazine, v. 14, n. 6, June, 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2014.

HOWELLS, J. Innovation & Services: new conceptual frameworks. CRIC Discussion Paper, 38. The University of Manchester & Umist. Aug/ 2000.

IBGE CNAE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Classificação nacional das atividades econômicas. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2014.

IBGE PAC. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Anual de Comércio. Disponível em: . Acesso em: 22 mai. 2014.

INNOSCIENCE; INSTITUTO EUVALDO LODI/RS. A evolução da gestão da inovação nas empresas brasileiras, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2014.

INPI. Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Classificação Nacional de Produtos e Serviços. 1981. Disponível em http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/marcas/classificacao/arquivos/nacional.pdf. Acesso em 09 ago 2014.

JOBS, S. The Three Faces of Steve: interview, New York: Fortune Magazine, Interview granted the Brent Schlender, november 9 1998. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2014.

JURAN, J. M. Quality control handbook. New York: McGraw-Hill, 1974.

KENNEDY, N. K.; LASSK, F. G.; GOOLSBY, J. R. Customer mind-set of employees throughout the organization. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 30, n. 2, p. 159-171, 2002.

KLEMENT, C. F. F. Inovação em Serviços: Estudo de caso em uma organização da indústria hoteleira brasileira. 2007. 130f. (Tese Doutorado em Economia) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, 2007.

KOTLER, P. Administração de Marketing: análises, planejamento, implementação e controle. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

KOTLER, P. Administração de Marketing. São Paulo: Pretince Hall, 2000.

KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

KOTLER, P.; BES, F. T. A Bíblia da Inovação. São Paulo: Lua de Papel, 2011.

KOTLER, P.; HAYES, S.; BLOOM, P. Marketing de Serviços Profissionais – Estratégias inovadoras para impulsionar sua atividade, sua imagem e seus lucros. 2. ed. São Paulo: Manole, 2002.

KOTLER, P.; KARTAJAYA, H.; SETIAWAN, I. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Campus, 2010.

KON, A. Sobre a atividade de serviços: revendo conceitos e tipologias. Revista de Economia Política, v.19. n. 2. p. 64 - 83, Abr/Jun. 1999.

LEE, J.; KAO, H.; YANG, S. Service innovation and smart analytics for industry 4.0 and big data environment. University of Cincinnati: The 6th CIRP conference on industrial product-service systems,v. 16, p. 3-8, 2014.

LEVITT, T. Marketing Myopia. Harvard Business Review, Boston, Ma., v. 38, p. 24-47, Jul/Aug. 1960.

LEVITT, T. Métodos de linha de produção aplicados ao fornecimento de serviços, 1972. In: As ideias que revolucionaram a Administração. Prêmio McKinsey Biblioteca de Administração de Empresas, São Paulo: Ed. Abril, p. 57-66. 1972.

LEVITT, T. A imaginação de marketing. São Paulo: Atlas, 1985. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2014.

LINDEGAARD, S. A revolução da inovação aberta: princípios básicos, obstáculos e habilidades de liderança. São Paulo: Évora, 2011.

LOVELOCK, C; Serviços: marketing e gestão. São Paulo: Saraiva, 2001.

LOVELOCK, C.; WRIGHT, L. Serviços: marketing e gestão. São Paulo: Saraiva, 2003.

MACHADO, R.; REIS, D. R.; PILATTI, L. A. A intangibilidade dos serviços. In: SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 8. 2006, Bauru. Anais... Bauru: Universidade Estadual Paulista, 2006.

MACKINNON, L. A. K. The 7 dimensions of innovation. Think Differently, 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 set. 2014.

MILES, I. Innovation in Services. The Oxford Handbook of Innovation, Oxford University Press, chapter 16, p. 433-434, 2005.

MINA, A.; MOREAU, E. B.; HUGHES, A. Open service innovation and the firm’s search for external knowledge. Cambridge: University of Cambridge, Business Research and UKIRC, v. 43, p. 853-866, 2014.

MINADEO, R. Inovações no varejo alimentar: uma análise das estratégias de entrada e de crescimento do Carrefour e Walmart no mercado brasileiro. Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 119-166, jan/jun 2010.

MINADEO, R.; CAMARGOS; M. A. Fusões e aquisições no varejo alimentar: uma análise das estratégias de entrada e de crescimento do Carrefour e Wal-Mart no mercado brasileiro. Santa Catarina, Revista de Ciências da Administração, v. 11, n. 24, mai/ago, p. 102-135, 2009.

MOORE, G. A. Crossing the chasm: marketing and selling high-tech products to mainstream customers. Revised Edition, v.1, 2002.Harper Collins Publishers Inc.

MUYLDER, C. F.; SOUZA, F. I.; MORIGUCHI, S. N. Redes Sociais e os impactos dessa inovação nas organizações – Um estudo de caso da Rede Corporativa “Comunidade de Negócios” da área comercial das empresas do Grupo Algar. Revista Gestão & Tecnologia, v. 14, n. 1, p. 223-242, 2014.

NASCIMENTO, A.; EHEBER, F.; LUFT, M. C. O uso do crowdsourcing como ferramenta de inovação aberta: uma categorização à luz da teoria de redes interorganizacionais. Revista Gestão Organizacional, v. 6, n. 2, p. 85-94, 2013.

NEVES, J. T. R.; SILVA, B. E.; VASCONCELOS, M. C. R. L.; ARAÚJO, C. A. . Contribuições da Inovação Aberta para uma empresa de comunicação. Revista Gestão & Tecnologia, v. 13, n. 2, p. 222-246, 2013.

NOGUEIRA, N. Comparação de percepções de clientes e de gestores na área de serviços: uma aplicação da escala Servqual. 2002.115 p. (Dissertação de Mestrado) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2002.

NUNNALY, J., BERNSTEIN, I. H. Psychometric Theory. New York, 1994.

OECD - ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. OECD, 1997. (Traduzido pela FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos, 2005).

OMC/MIDC; Classificações dos Setores de Serviços. 2014. Disponível em http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/interna/interna.php?area=5&menu=2283. Acesso em: 20 ago. 2014.

PARASURAMAN, A., ZEITHAML, V. A., BERRY, L. L. A conceptual model of service quality and its implications for future research. Journal of Marketing, v. 49,n.4, p. 41-50, 1985.

PARASURAMAN, A., ZEITHAML, V. A., BERRY, L. L. SERVQUAL: a multiple-item scale for measuring consumer perception of service quality. Journal of Retailing, v. 64, n. 1, p. 12-40, 1988.

PETERS, L., SAIDIN, H. IT and the mass customization of services: the challenge of implementation. International Journal of Information Management, v. 20, p. 103-119, 2000.

PINTEC/IBGE. Pesquisa de Inovação. 2011. Disponível em http://www.pintec.ibge.gov.br/downloads/pintec2011%20publicacao%20completa.pdfAcesso: jun. 2014.

PRAHALAD, C.K; KRISHMAN M. S. A nova era da inovação: impulsionando a co-criação de valor ao longo das redes globais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

PRAHALAD, C. K; RAMASWAMY, V.; Co-opting Customer Competence, Havard Business Review, 79-87, January-February, 2000.

PONTES, A. C. F. Obtenção dos níveis de significância para os testes de Kruskal-Wallis, Friedman e comparações múltiplas não-paramétricas. Piracicaba, 2000. 140p. (Dissertação - M. S.) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, 2000.

PORTAL AGOS - ABRAS divulga o ranking dos 20 maiores supermercados do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2014.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1986.

RATHMELL, J. M. Marketing in the service sector. Cambridge, Mass: Winthrop, 1978.

REIS, L. F. S. Gestão da excelência na atividade bancária. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998

RICYT/OEA/CYTED. Manual de Bogotá. 2001. Disponível em:

http://www.uis.unesco.org/Library/Documents/Bogota%20Manual_Spa.pdf. Acesso em: 28 mai. 2014/

ROCHA, T. V.; SILVA, S. C. The adaptation versus standardization dilemma: the case of an american company in Brazil. Internext – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, São Paulo, v. 6, n.1, 63-83, jan./jun. 2011.

RODRIGUES, L. C.; SILVEIRA, A.; KONO, C. M.; LENZI, F. C. Inovação e modelo de negócio – um estudo de caso no setor vitivinicultor. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 12, n. 2, p. 250-273, 2013.

SAWHNEY M.; WOLCOTT R.C. Seven Innovation Myths. Londres: Financial Times, set. 2004.

SCHUMPETER, A. S. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

SILVA, F. G.; HARTMANN, A; REIS, D. R. Avaliação do nível de inovação tecnológica: desenvolvimento e teste de uma metodologia. Revista Produção. UFSC. v. 3, n. IV, 2008.

SOLALINDE, G.; PIZZUTTI, C. O efeito da sinalização de qualidade no contexto de serviços. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 3, p. 261-284, 2014.

SUNDBO, J.; GALLOUJ, F. Innovation Services. Lille: IFRESI-University of Lille. Synthes is paper, 1998.

STAL, E.; NOHARA, J. J.; CHAGAS JR., M. F. Os conceitos da inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 2, p. 295-320, 2014.

STOECKICHT, I. P; SOARES C. A. P. Modelos e estratégias de gestão de inovação e o mercado brasileiro. In: RODRIGUEZ, M. V. R. Ed. Gestão do conhecimento e inovação nas empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora, 2013. p. 238-256

TAKEUSHI, H.; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TERRA, J. C. 10 dimensões da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

TENEHAUS, M., VINZI, V., CHATELIN, Y., LAURO, C.. PLS path modeling. Computacional statistics & Data Analysis, 2005

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIDD, J.; HULL, F. M. Service innovation: organizational responses to technological opportunities & market imperatives. London: Imperial College Press, 2003.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil.2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

TODHUNTER, J. How fit is your innovation practice. Innovating to win, Observation from the front line on building the Hugh performance innovation organization, abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2014.

TOFLER, A; A Terceira Onda. 16. Ed. Rio de Janeiro: Record, 1980.

VARGO, S.; LUSCH, R. Evolving to a new dominant logic for marketing. Journal of Marketing, v. 68, p.1-17, 2004.

VERMEULEN, P.; WIETZE V. D. A. Organizing innovation in services. In: TIDD, J.; HULL, F. M. Eds. Service innovation: organizational responses to technological opportunities & market imperatives. London: Imperial College Press, p. 35-53, 2003.

VON HIPPEL, E. The democratization of innovation. Cambridge, Mass.: MIT Press, 2005.

ZIVIANI, F.; FERREIRA, M. A. T. Barreiras e obstáculos à inovação no setor elétrico brasileiro: desafios e oportunidades. Revista Gestão & Tecnologia, v. 13, n. 3, p. 209-234, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)