A TV Universitária como Ferramenta de Gestão do Conhecimento em Instituições de Ensino Superior

ANA PAULA DAMASCENO TORRES

Resumo


O objetivo principal deste projeto foi mostrar a contribuição de práticas de Gestão do Conhecimento em TVs Universitárias que são recursos competitivos para a gestão de uma IES. Os objetivos específicos foram atingidos e se basearam em apresentar um diagnóstico de práticas de GC em TVs Universitárias a partir do modelo da Espiral do Conhecimento de Nonaka e Takeuchi; apontar os principais fatores de produção de informação e de conhecimento pelas TVs Universitárias que podem favorecer a competitividade às Instituições de Ensino Superior; analisar as práticas de produção e de geração de conhecimento de TVs Universitárias de Belo Horizonte, que exibem seu conteúdo no Canal Universitário (12 NET), o que foi feito por meio de entrevistas aplicadas aos coordenadores de TVs Universitárias; e, apresentar uma proposta de elaboração e de programação de TV Universitária à luz da Espiral do Conhecimento de Nonaka e Takeuchi. A metodologia foi por meio de um estudo de caso múltiplo, com investigação aprofundada de um universo de produção de conteúdo por TVs Universitárias da Região Metropolitana de Belo Horizonte, exibidoras de conteúdo no Canal Universitário de Belo Horizonte (12 Net) e a apresentação de uma proposta de elaboração de programação de TV Universitária à luz da Espiral do Conhecimento de Nonaka e Takeuchi. O tipo de pesquisa foi o descritivo com abordagem qualitativa, cuja técnica de coleta de dados foi por meio de entrevistas. Utilizou-se ainda de pesquisa exploratória e bibliográfica. Com o resultado da pesquisa foi possível responder a pergunta norteadora, em que os resultados encontrados apontam para a possibilidade de a TV Universitária auxiliar a IES na ampliação de sua missão educativa a partir da divulgação em mídias diversas e da retenção e identificação do conhecimento retido no público acadêmico. A gestão do conhecimento é apresentada no projeto como processo articulado capaz de incrementar a habilidade dos gestores. Trata-se de uma ferramenta de socialização e disseminação da informação nas IES, como vantagem competitiva.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TELEVISÃO UNIVERSITÁRIA – ABTU. A Televisão Universitária no Brasil: os meios de comunicações nas instituições universitárias da América Latina e Caribe. Unesco, 2004.

BACCEGA, Maria Aparecida. Comunicação/educação: aproximações. In: BUCCI, Eugenio. A TV aos 50 anos: criticando a televisão brasileira no seu cinquentenário. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

BERLO, D. K. O Processo da Comunicação: introdução à teoria e à prática. São Paulo: Martins Fontes, 1985.

BOBEDA, Alexandre. Tácito e Explícito na Gestão do Conhecimento. Disponível em . Acesso em 10 mar. 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei n. 8.977, de 6 de Janeiro de 1995. Dispõe sobre o serviço de TV a Cabo e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 20 mar. 2015.

BUCCI, Eugênio. O Peixe Morre pela Boca. São Paulo: Página Aberta, 1993.

CARRATO, Ângela. A TV Pública e seus Inimigos. Disponível em: . Acesso em 9 abr. 2015.

CARVALHO, L. da S. Os Modos de Endereçamento e Formação do telespectador na Televisão Universitária. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação e Cultura). Universidade Estácio de Sá.

CHOO, Chun Wei. A Organização do Conhecimento. São Paulo: SENAC São Paulo, 2003.

COBRA, Marcos Henrique Nogueira. Administração de Marketing. São Paulo: Atlas, 1992.

COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração: um guia prático para

alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento Empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DRUCKER, P. Admirável Mundo do Conhecimento. Barueri: HSM Management, 1997.

DRUMMOND, Rivadávia C. O Conhecimento e o Cubo Mágico. Disponível em: . Acesso em 18 mar. 2015.

ECO, U. Como Se Faz uma Tese. São Paulo: Perspectiva, 2000.

EVERS, H. Knowledge Society and the Knowledge Gap. International Conference: Globalisation, Culture and Inequalities, p. 19-21, 2002. University Kebansaan, Malaysia.

FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

GARVIN, David. et al. Aprender a Aprender. São Paulo: HSM Management, 1998.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GRIFFITHS, D. Redefining KM: New Principles for Better Practice. Ark Publications: London, 2011.

HALL, Stuart, Cultural studies and its theoretical legacies. In: MORLEY, David, KUAN-HSING, C., (eds). Stuart Hall - critical dialogues in cultural studies. London; New York: Routledge, 1996.

HALL, Stuart. Identidades Culturais na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&ª, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2009. PNAD, v. 30, Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

KROGH, Georg Von. ICHIJO, Kazuo. NONAKA, Ikujiro. Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

LIMA, Venício A. de. Mídia: teoria e política. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

MALDONADO, Alberto Efendy. Práxis teórico/metodológica na pesquisa em comunicação: fundamentos, trilhas e saberes. In: MALDONADO, Alberto Efendy et al. Metodologias de pesquisa em comunicação: olhares, trilhas e processos. Porto Alegre: Sulina, 2006. p. 21-39.

MARTELLI, Flávia Cortese. TV Universitária, um modelo de gestão em construção: TV Unaerp de Ribeirão Preto. Bauru, 2012.

MATTOS, Sérgio. História da Televisão Brasileira: uma visão econômica, social e política. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

MATTELART, Armand. História da Sociedade da Informação. São Paulo: Loyola, 2002.

MENDES, Eliandra C. FIDALGO, Fernando Selmar R. Tecnologias da informação e da comunicação na educação: reflexões acerca da formação de licenciados em pedagogia. Disponível em: . Acesso em 17 mar. 2015.

NAKANO, D. N.; FLEURY, A. C. C. Conhecimento Organizacional: uma revisão conceitual de modelos e quadros de referência. Produto & Produção, v. 8, n. 2, p. 11-23, 2005.

NEVES, Jorge Tadeu. La gestion de la communication dans les pratiques du changement technologique: réflexions à partir de trois études de cãs. Dissertação de Doutorado CNPq, 1992.

NISEMBAUM, Hugo. Gestão do Conhecimento. In: BOOG, Gustavo G. Manual de Treinamento e Desenvolvimento: um guia de operações. São Paulo: Makron Books, 2001. p. 185-203.

NONAKA, Ikujiro. A empresa criadora do conhecimento. In: Gestão do Conhecimento. Harvard Business Review. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

NONAKA, Ikujiro. TAKEUCHI, Hironaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONAKA, Ikujiro. TAKEUCHI, Hironaka. Criação de Conhecimento na Empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 11. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

POLISTCHUK, Ilana. TRINTA, Aluízio Ramos. Teorias da Comunicação: o pensamento e a prática da Comunicação Social. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

PORCELLO, Flávio. Limites e Possibilidades da Televisão Universitária. 2000. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Comunicação Social). Faculdade de Comunicação Social. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

RAMALHO, Alzimar R. A TV universitária como ponte entre a produção científica e as massas: a TV FEMA em Assis (SP). 2005. Dissertação de Mestrado em Comunicação: Mídia e Cultura - Universidade de Marília, Marília, 2005.

RAMALHO, Alzimar R. O perfil da TV universitária e uma proposta de programação interativa. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, 2010

ROSA, Alexandre Machado. Programação esportiva na TV Brasil: a influência da ideologia e indústria cultural (Dissertação). Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

SANTAELLA, L. Cultura das Mídias. São Paulo: Razão Social, 1992.

SANTAELLA, L. Imagem: cognição, semiótica, mídia. São Paulo: Iluminuras, 2008.

SANTOS, Paloma Maria. TV Pública no Brasil: proposta de expansão através da multiprogramação e da parceria com as emissoras comercias. Revista de Economia Política de Ias Tecnologias de La Información y Comunucación, Universidade Federal de Santa Catarina, Vol. XII, n. 1, Enero, abril, 2010.

SARTORI, Giovanni. Homo Videns: televisão e pós-pensamento. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

SGUISSARDI, V. A Universidade Neoprofissional, Heterônoma e Competitiva. In: MANCEBO, D.; FÁVERO, M. L. A. Universidade: políticas, avaliação e trabalho docente. S. Paulo: Cortez, 2004. p. 33-53.

SOARES, Sérgio Arreguy. Poder, Comunicação e História. Mediação, Belo Horizonte, n. 3, jun., p. 80-84, 2003. Disponível em: . Acesso em 20 mar. 2015.

STEINBERG, Charles S. Meios de Comunicação de Massa. São Paulo: Cultrix, 1966.

TERRA, J. C. C. Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial: uma abordagem baseada no aprendizado e na criatividade. São Paulo: Negócios, 2000.

Toffler, A. A Terceira Onda. Rio de Janeiro: Record, 1980.

TRINDADE, Hélgio. Universidade em perspectiva. Sociedade, conhecimento e poder. Trabalho apresentado na 21ª Reunião Anual da ANPED, no GT: Política de Educação Superior. Anais... Brasil, RJ, Caxambu, set./1998.

WOLF, Mauro. Teorias das Comunicações de Massa. São Paulo: Martins Fontes, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)