Relação espaço e tempo na prática pedagógica na Educação a Distância do IFMG Campus Ouro Preto

Marilicia Brandao Mol Goncalves

Resumo


Este projeto investiga se a ausência do espaço presencial e a falta de formalização do tempo em horários fixos facilitam a prática pedagógica e a interação aluno/professor na educação à distância (EAD). A partir de conceitos e categorias de análise da Ciência da Informação e de Sistemas de Informação, pretende-se abordar questões relacionadas à educação a distância, espaço e tempo, sistemas de ensino-aprendizagem e práticas pedagógicas na EAD. Com abordagem qualiquantitativa, serão realizados entrevistas e questionários semi-estruturados com alunos, professores e tutores. Ao término da investigação e como produto final será elaborado um relatório técnico a partir dos dados coletados e das informações analisadas e interpretadas para uso dos cursos a distância dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L; BARROS, D; OKADA, A. (Org.). Moodle: estratégias pedagógicas e estudos de caso. Salvador: Eduneb, 2009.

ALVES, N. “Currículos em ‘espaçostempos’ não escolares isso existe? – redes educativas como o outro em currículo”. In: SANTOS, L.L.C.P; FAVACHO, A.M.P. (Orgs). Políticas e práticas curriculares: desafios contemporâneos. Curitiba: CRV, 2012, pp. 223-236.

AMORIM, M.F. “A importância do ensino a distância na educação profissional”. In: Revista Aprendizagem em EAD. Taguatinga: ano 2012, vol. 1, outubro de 2012.

ARAUJO, V.M.R.H. Sistemas de informação: nova abordagem teórico-conceitual. In: Ciência da Informação, Rio de Janeiro, vol. 24, nº 1, 1995.

ARRUDA, E.; GONÇALVES, I.A. “Educação a distância: uma inovação do fazer pedagógico?”. In: Paidéia, Revista do curso de Pedagogia da Universidade FUMEC. Belo Horizonte: ano IV, nº 3, 2005, pp. 179-196. Disponível em http://www.fumec.br/revistas/paideia/article/view/915/691. Acesso em 1 de fevereiro de 2015.

BARRETO, A.A. “A questão da informação”. In: São Paulo em perspectiva, Fundação Seade, vol. 8, nº 4, outubro/dezembro 1994, pp. 1-11. Disponível em http://bogliolo.eci.ufmg.br/downloads/BARRETO%20A%20Questao%20da%20Informacao.pdf. Acesso em 2 de fevereiro de 2015.

BARROS, D.M. Guia didático sobre as tecnologias de comunicação e informação. Rio de Janeiro: Vieira &Len, 2009.

BAX, M. P. Design Science: Filosofia da pesquisa em Ciência da Informação e Tecnologia. In: XV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2014), Belo Horizonte, 2014.

BEHAR, P. A. Modelos pedagógicos em educação a distância. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BELLONI, M.L. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados, 2009, 5ª ed.

BRASIL. Decreto nº 6.301, de 12 de dezembro de 2007. Institui o Sistema Escola Técnica Aberta do Brasil – e-Tec Brasil. Brasília: Casa Civil da Presidência da República Federativa do Brasil/ Subsecretaria para Assuntos Jurídicos, 2007. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6301.htm. Acesso em 28 de janeiro de 2015.

BRASIL. Decreto nº 7.589, de 26 de outubro de 2011. Institui a Rede e-Tec Brasil. Brasília: Casa Civil da Presidência da República Federativa do Brasil/ Subsecretaria para Assuntos Jurídicos, 2011. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7589.htm. Acesso em 28 de janeiro de 2015.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Casa Civil da Presidência da República Federativa do Brasil/ Subsecretaria para Assuntos Jurídicos, 1996. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 2 de fevereiro de 2015.

BRASIL. Lei Ordinária nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, Cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2008c.

CALMI, F. E. (Org). Formação de professores: um diálogo entre teoria e prática. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo, 2004.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

CENSO EAD.BR. Relatório Analítico da Aprendizagem a Distância no Brasil 2012. Curitiba: Ibpex, 2012. Disponível em http://www.abed.org.br/censoead/censoEAD.BR_2012_pt.pdf. Acesso em 28 de janeiro de 2015.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. Tradução: Bruno Magne.

CONFORTO, D. Ambientes informatizados na proposta político-pedagógico da Escola Cidadã: que tempos e espaços estão sendo construídos na periferia de Porto Alegre? Porto Alegre: UFRGS, 2001. Proposta de Tese (doutorado em educação).

CURY, C. R. J. “Políticas inclusiva e compensatória na educação básica”. In: Cadernos de Pesquisa, vol. 35, nº 124, janeiro/abril de 2005, pp. 11-32.

FERNANDES, E. M. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FERREIRA, R. B.A.; SILVA, I.M.M. “Didática” no contexto da Educação a Distância: quais os desafios?”. Disponível em http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2009/DIDATICA_NO_CONTEXTO_DA_EDCUACAO_A_DISTANCIA_QUAIS_OS_DESAFIOSraad2010.pdf. Acesso em 7 de janeiro de 2015.

ENGUITA, M.F. Em busca de sentido na sociedade do conhecimento. In: Pátio: Ensino Profissional e pedagógico. Porto Alegre, ano IV, nº 14, setembro/novembro de 2012, pp. 18-21.

ENSSLIN, L. O design na pesquisa quali-quantitativa em engenharia de produção – questões epistemológicas. In: Revista Produção online. Florianópolis, vol. 8, nº 1/ março de 2008.

FREIRE, P. Educação como prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

_________. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

_________. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

_________. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

GONZÁLEZ REY, F. ComunicaciónPersonalidad y Desarrollo. Havana: Editorial Peblo y Educación, 1995.

GRAMSCI, A. Obras escolhidas. Lisboa: Estampa, 1974, vol II. Tradução: Manuel Bragança da Cruz.

GÓMEZ, M. N. G. “Metodologia de pesquisa no campo da Ciência da Informação”. In: DatagramaZero – Revista de Ciência da Informação, vol. 1, nº 6, dezembro de 2000.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

__________. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

GONÇALVES, M.B.M. Estágio – ação pedagógica: proposta de plano de ação para acompanhamento e avaliação de estágio dos aluno dos cursos técnicos da ETFOP. Ouro Preto, 2002, ETFOP, dissertação de mestrado.

HARVEY, D. A. “A experiência do tempo e do espaço”. In: A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 2008, 17ª ed., pp. 185-290.

HERNÁNDEZ, C.I.M. “Problemas fundamentales de la pedagogia: reflexiones para uma práctica critica – Curso de ActualizaciónPedagogica. Havana: 1996.

IANNI, O. Teorias da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998, 5ª ed.

IIYOSHI, T.; VIJAY KUMAR, M.S. (Org). Educação aberta: o avanço coletivo da educação pela Tecnologia, Conteúdo e Conhecimentos Abertos. Unip Interativa, ABED, 2008.

KERR PINHEIRO, M.M. Inclusão Digital: o Carro-Biblioteca da UFMG como telecentro. In: DUARTE, A.B.S; LOURENÇA, C.A (Org). O carro-biblioteca da ECI/UFMG: 38 anos. Belo Horizonte: Rona Editora, 2012, pp. 91-103.

______________. Processo de transformação das políticas de informação no estado informacional. In: Pesquisa brasileira Ciência da Informação, Brasília, vol.3, n° 1, janeiro/dezembro 2010, pp.113-126.

KUENZER, A.Z. “A reforma do ensino técnico no Brasil e suas consequências”. In: Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação. Rio de Janeiro, vol. 6, nº 20, julho/setembro de 1998, pp. 365-383.

LACERDA, D.P.; DRESCH, A.; PROENÇA, A.; ANTUNES JÚNIOR, J.A.V. Design Science Research: método de pesquisa para a engenharia de produção. In: Gest. Prod., São Carlos, vol. 20, nº 4, 2013,pp. 741-761.

LAGUARDIA, J.; MACHADO, R.; COUTINHO, E. Interação e comunicação em ambientes virtuais de aprendizado. In: DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, vol. 11, nº 4, agosto de 2010.

LEITE, M. T. M. O ambiente virtual de aprendizagem Moodle na prática docente: conteúdos pedagógicos. Disponível em http://www.pucrs.br/famat/viali/ tic_literatura/artigos/ava/textomoodlevvirtual.pdf. Acesso em 10 de março de 2015.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed.34, 1999.

_______. O que é virtual? São Paulo: Ed. 34, 1996.

MACHADO, L.D. Concepções de espaço e tempo nas Teorias de Educação a Distância, 2005. Disponível em http://www.abed.org.br/congresso2005/por/pdf/147tca3.pdf. Acesso em 28 de março de 2015.

MACHADO, L.; FREITAS JUNIOR, J.C.S.; KLEIN, A.Z.; SABINO, A. A Design Research como método de pesquisa de administração: aplicações práticas e lições aprendidas. In:XXXVII Encontro da ANPAD, p.1-16

MAIA, C.; MATTAR, J. ABC da EAD. São Paulo: Pearson Prentice, 2007, 1ª ed.

MANARA, A. S; FREITAS, I. O trabalho docente do professor tutor na educação a distância. Disponível em http://www.unisc.br/portal/upload/com_arquivo/ o_trabalho_docente_do_professor_tutor_na_educaacaao_aa_distaancia.pdf. Acesso em 10 de março de 2015.

MANFREDI, S. M. Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MARTINS, R.X; SILVA, A.J.C; SILVA, C.R; PEREIRA, C.M; SAHB, W.F. Ambiente virtual de aprendizagem: guia para docentes. Lavras: UFLA, 2011.

MARX, K. O capital. São Paulo: Nova Cultura, 1988, vol. II. Tradução: Regis Barbosa e Flávio R. Kothe.

MASETTO, M. Mediação pedagógica e o ensino da tecnologia. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T; BEHRENS, M. A. Novas Tecnologias e mediaçãopedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do Capital.São Paulo: Boitempo, 2005. Tradução: Isa Tavares.

MILL, D. “Educação virtual e virtualidade digital: trabalho pedagógico na educação a distância na Idade Mídia”. In: SOTO, U.; MEYRINK, M.F.; GREGOLIN, I.V. (Orgs). Linguagem, educação e virtualidade [online]. São Paulo: Editora UNESP, Cultura acadêmica, 2009, pp. 29-51.

MINISTÉRIO da Educação (MEC). Expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. 2012. Disponível em http://redefederal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=52&Itemid=2. Acesso em 10 de março de 2015.

MOORE, M.G. “Teoria da Distância Transacional”. In: Revista de aprendizagem aberta e a distância. São Paulo: agosto de 2002, pp. 1-14.

MOORE, M.G; KEARSLEY, G. A educação a distância:uma visão integrada. São Paulo:Cengage Learning, 2011.

MORAN, J.M. Novas Tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus Editora, 2009.

MOREIRA, A; MAIA, L.C.G. “Tecnologias da informação, mudança e administração pública”. In: DataGramaZero, Revista de Informação, vol. 14, nº 2, abril de 2013.

NEVES, C.A. O Desafio Contemporâneo da Educação a Distância. In: EM aberto, Brasília, ano 16, nº 70, abril/ junho de 1996.

NEVES, S; GONÇALVES, C. Educação a Distância: avanços históricos e legislação brasileira. In: Revista Tecer.Belo Horizonte, vol. 6, n° 10, maio de 2013.

PACHECO, E. (Org). Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. São Paulo: Editora Moderna, 2011.

O’BRIEN, J.A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet. São Paulo: Saraiva, 2003.

PETERS, O. A educação a distância em transição. São Leopoldo: Editora UNISINOS, 2009.

PRADO, G. “Dispositivos interativos: imagem em redes telemáticas”. In: DOMINGUES, D. (Org) A arte no século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997, pp.295-302.

NUNES, P. (Org). Mídias digitais e interatividade. João Pessoa: Edufpb, 2009.

REGATTIERI, M; CASTRO, J. M. (Org). Ensino médio e educação profissional: desafios da integração. Brasília: UNESCO, 2009.

REZENDE, F. As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva construtivista. In: Ensaio Pesquisa em educação em ciência, vol. 2, n° 1, pp. 75-98,2008.

RICARDO, E.J. Educação corporativa e aprendizagem: as práticas pedagógicas na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2009.

ROSETTI, A.G; MORALES, A.B.T. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento.In: Ciência e Informação, Brasília, vol. 36, n° 1, janeiro/ abril, 2007, pp. 124-135.

SANTOS, M. A natureza do espaço – técnica e tempo razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1997.

SAVIANI, D. “Trabalho e educação: fundamentos antológicos e históricos”. In: Revista brasileira de educação. Campinas, vol. 12, nº 34, janeiro/abril de 2007, pp. 152-165.

__________. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 1994, 4ª ed.

SCHLOSSER, R. L. A atuação dos tutores nos cursos de educação a distância. In: Colabor@ - Revista Digital da CVA, vol. 6,n° 22, fevereiro de 2010.

SILVA, L.H (Org). Século XXI: qual conhecimento? Qual currículo? Petrópolis: Vozes, 1999.

SILVA, M. Sala de aula interativa. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

SOUZA, C.A. et al. Tutorial na educação a distância. Disponível em http://www.abed.org.br/congresso2004/por/htm/088-TC-C2.htm. Acesso em 2 de fevereiro de 2015.

TEDESCO, J.C. Educação e novas tecnologias: esperança ou incerteza? São Paulo: Cortez, 2004.

TORRES, C.C. A Educação adistância e o papel do tutor: contribuição da ergonomia. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade de Brasília, 2007. Disponível em http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2319. Acesso em 28 de janeiro de 2015.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987a.

______________. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação: o positivismo, a fenomenologia, o marxismo.São Paulo: Atlas, 1997b.

TRÓPIA, G.; CALDEIRA, D.A. “Vínculos entre a relação com o saber de Bernard Charlot e categorias bachelardianas”. In: Educação. Porto Alegre, vol. 34, nº3, setembro/dezembro de 2011, pp.369-375.

WEISZ, T; SANCHES, A. O diálogo entre ensino e aprendizagem. São Paulo: Ática, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)