Relação entre fatores socioeconômicos e índice de homicídios em Betim: uma modelagem utilizando sistemas de informação geográfica

CLÓVIS LEMOS TAVARES

Resumo


É evidente o aumento da violência e da criminalidade no Brasil, principalmente considerando os grandes centros que tiveram crescimento rápido nos últimos anos, acompanhando o crescimento industrial e econômico do país. Neste cenário, o município de Betim deve ser observado, pois, com a chegada da Fiat e da Petrobrás, em meados dos anos de 1960, houve um crescimento populacional ao redor dessas empresas, trazendo famílias em busca de oportunidade de trabalho. Porém, nem todas as famílias lograram sucesso. Grande parte dos municípios que recebem grandes indústrias não está preparada para os problemas sociais gerados pelo crescimento econômico e populacional. No caso em tela, Betim deixou de ser uma cidade de economia interiorana para tornar-se um polo industrial do estado de Minas Gerais. Corroborando com esse cenário, o crescimento da violência em Betim foi constatado no levantamento realizado em 2011 e, publicado em 2014 pela ONG MAPADAVIOLENCIA, que coloca o município na quarta colocação em percentual de homicídios, sendo a mais violenta entre as cidades com mais de 350 mil habitantes. O objetivo deste trabalho é apresentar correlação entre as taxas de homicídios e os aspectos socioeconômicos, bem como apurar se existe um comportamento espacial desses indicadores, utilizando técnicas de sistemas de informação geográfica e de correlação para verificar a relação entre criminalidade e situação socioeconômica. O problema de pesquisa foi: Quais são as relações entre as variáveis socioeconômicas e os índices de ocorrência de homicídios utilizando sistema de geoprocessamento? A utilização de técnicas de geoprocessamento, em especial os sistemas de informações geográficas, justifica-se em função de sua importância para a construção e organização espacial das informações secundárias da Secretaria de Saúde e da Secretaria de Segurança da Prefeitura de Betim.  Os sistemas de informações geográficas, quando bem contextualizados, podem tornar-se aliados no processo de entendimento da dinâmica dos municípios e das causas dos eventos ocorridos em determinada região. Esta pesquisa caracteriza-se como quantitativa e descritiva, pois tem por objetivo apresentar uma correlação entre fatores socioeconômicos e taxas de homicídios do município de Betim/MG. A pesquisa utilizou dados de homicídios por bairro, gerados no final de 2008, e registros socioeconômicos de 180 mil usuários SUS do município de Betim, também coletados em 2008. Portanto, a base de dados foi secundária, compreendida por indicadores socioeconômicos e de homicídios em Betim. A unidade de análise da pesquisa foi o município de Betim. As técnicas de geoprocessamento foram fundamentais neste trabalho, pois possibilitaram a identificação de padrões de homicídios, a elaboração de mapa de autocorrelação para cada fator socioeconômico pesquisado e a utilização de regressão espacial, para correlacionar os fatores socioeconômicos com homicídios. Ao final do trabalho, pôde-se entender a relação entre homicídios e fatores socioeconômicos para o município de Betim. Contudo essas relações merecem ser pesquisadas e avaliadas em outras cidades.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, E. DE S.; HADDAD, E. A.; HEWINGS, G. J. D. The Spatial Pattern of Crime in Minas Gerais: An Exploratory Analysis. Economia Aplicada, v. 9(1), jan/mar 2005.

ARENDT, A. 1990. As Origens do Totalitarismo. Companhia das Letras, São Paulo, 480pp.

BATELLA, W. B. ; DINIZ, A. M. A.; TEIXEIRA, A. P. Explorando os determinantes da geografia do crime nas cidades médias mineiras. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 8, n.1, 2008.

BHATT, G. D. Knowledge management in organizations: examining the interaction between technologies, techniques, and people. Journal of Knowledge Management, v. 5, n. 5, p. 68-75, 2001.

CÂMARA, Gilberto; MONTEIRO, Antônio Miguel; DAVIS, Clodoveu. INPE. Geoprocessamento: Teoria e Aplicações. São Paulo, 2001. Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/. Acesso em 26/08/2014.

CÂMARA, Gilberto; CARVALHO, Maria; CRUZ, Oswaldo G.; CORRÊA. Virgínia. Análise espacial de áreas. In: DRUCK, Suzana.; CARVALHO, Maria, S.; CÂMARA, Gilberto.; MONTEIRO, Antônio M.C. Análise espacial de dados geográficos. Planaltina: Embrapa, 2004. Capítulo 5 (Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/analise/).

CARVALHO, M. S.; PINA, M. F.; SANTOS, S. M. Conceitos Básicos de Sistemas de Informação Geográfica e Cartográfica Aplicados à Saúde. Brasília: Ed. OPAS-RIPSA, 2000.

DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro : Campus, 1998

DOMENACH, JM. La violencia, p. 33-45. In La Violencia y sus Causas. Unesco, Paris, 1981.

FAJNZYLBER, P.; ARAUJO Junior, A. F. Violência e criminalidade. In Lisboa, M. B. & Menezes Filho, N. A., editors, Microeconomia e Sociedade no Brasil, pages 333{394.Contra Capa, Rio de Janeiro. 2001.

ENGELS, F. Teoria da violência, p. 146-188. In Engels. Ática, São Paulo, 1981.

FANON, F. The Wretched of the Earth. Grove Press, New York, 1961.

FELIX, S. A. Geografia do Crime. Revista de Geografia, São Paulo, v. 13, p. 145-166, 1996.

FREUD, S. Por que a guerra? Ed. Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. 22: 241-259, Imago, Rio de Janeiro, 1980.

GOMES, Marisa P.; AGUIAR, Marcelo C. de; FERREIRA, Manuel E. Fundamentos de Geoprocessamento. Treinamento SEMARH / SIAD. Goiás: 2005.

KAHN, T. Os custos da violência: Quanto se gasta ou deixa de ganhar por causado crime no Estado de São Paulo. Fórum de Debates, Rio de Janeiro: IPEA, CESeC. 2000.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GUIDUGLI, O. S. Crime Urbano e Geografia Aplicada. Geografia, 10(19), p. 232-233, 1985.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. A. Estratégia em Ação: Balance Scorecard. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M.. Técnicas de pesquisa. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MINAYO M.C.S., SOUZA E.R. É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da saúde pública. Ciência Saúde Coletiva 1999;4:7-32.

NASCIMENTO, Jean S.;CARDOSO, Bárbara F.; BRITO, Marcos A.; CORONEL, Daniel A. Estudo dos determinantes do crime de homicídio no município de Aracaju-SE. E&G - REVISTA ECONOMIA E GESTÃO, 04/02/2011.

ODALIA, Nilo. O que é violência. 4ed. São Paulo: Brasiliense, 1985. 93p. (Primeiros passos)

PEIXOTO, B. T. Determinantes da criminalidade no município de Belo Horizonte Master's thesis, Universidade Federal de Minas Gerais, CEDEPLAR, Belo Horizonte. 2003.

Prefeitura Municipal de Betim. Formação Histórica do Município de Betim. Disponível em: http://www.betim.mg.gov.br/prefeitura_de_betim/falando_de_betim/o_municipio/formacao_historica/39037%3B39312%3B07091202%3B0%3B0.asp. Acesso em 26/08/2014.

QUEIROZ, Gilberto R.; FERREIRA, Karine R. Tutorial sobre Bancos de Dados Geográficos GeoBrasil 2006. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia / Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2006

REHBEIN, R., Airton. Avaliação de sistemas de Informação: Estudo do Sistema de Administração Tributária da Prefeitura de Canoas/RS. 2002. 159 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

REVISTA CIDADE DO BRASIL. Geoprocessamento: tecnologia tem utilização cada vez maior pelas prefeituras e hoje é essencial para a vasta gama de aplicações. 59. ed. mar. 2005. Disponível em . Acesso em: 02 ago. 2014.

RODRIGUES, Marcos. Geoprocessamento. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHEIROS CARTÓGRAFOS, 5., 1988, Presidente Prudente. Anais... Marília; Presidente Prudente: Gráfica da Unesp, 1988. v. 1, p. 144-160.

RODRIGUES, M. Geoprocessamento: Um Retrato Atual. Revista Fator GIS, Ano 1, n.º 2, p. 20-23. Curitiba: Sagres. 1993.

SALIM, Jean Jacques. Palestra gestão do conhecimento e transformação organizacional. In: SEMANA DA EQ/UFRJ, 68., 2001, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2001.

SAMPSON, R. J., GROVES, W. B. Community structure and crime: testing social-disorganization theory. American Journal of Sociology, v. 94, p. 774-802, 1989.

SANTOS, Simone; SANTOS, Reinaldo Souza dos (Org.). Sistemas de informações geográficas e análise espacial na saúde pública. Brasília: Ministério da Saúde , 2007. 148 p. il, mapa. (Série B. Textos Básicos de Saúde; Série Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúde, 2). ISBN 978-85-334-1421-1.

SARTRE JP. Prefácio, p. 3-20. In F Fanon, The Wretched of the Earth. Grove Press, New York, 1961.

SILVA, Edna Lúcia. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação/Edna Lúcia da Silva, Estera Muszkat Menezes. – 4. ed. rev. atual. – Florianópolis: UFSC, 2005.

SOARES, G. A. D.; MUSUMECI, L.; BORGES, D.; RODRIGUES, S. C.; FRAGA, G. Base nacional de estatísticas criminais: Análise e avaliação. Produto 2 Recomendações de detalhamento e aperfeiçoamento da base de dados. Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos de Segurança Pública, 37p. (relatório de consultoria prestada a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça. 2003.

TOUMI, Iikka. From periphery to center: emerging research topics on knowledge society. Technology Review, Helsinki, v. 16, p. 1-63, Aug.2001.

VERGARA, S. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2000.

VERMELHO, L.L.; MELLO JORGE, M.H.P. Mortalidade de jovens: análise do período de 1930 a 1991 (a transição epidemiológica para a violência). Revista de Saúde Pública, v. 30, n. 4, 1996. Apud MELLO JORGE, M.H.P. Como Morrem Nossos Jovens. In: CNPD. Jovens acontecendo na trilha das políticas públicas. Brasília, 1998

VILLAMONTE, G. Proposta metodológica para construção de indicadores para avaliação da rede escolar brasileira. 2001. 167 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2010: anatomia dos homicídios no Brasil. São Paulo-SP: Instituto Sangari, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)