PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE ARQUÉTIPOS DO REGISTRO ELETRÔNICO EM SAÚDE EM MINAS GERAIS: ESTUDO DE CASO

THAIS ABREU MAIA

Resumo


O Sistema Único de Saúde (SUS) é uma rede de serviços responsável pela promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde.  A redução da carga de doenças crônicas, responsáveis pelos anos de vida perdido, envolve a organização de redes de saúde para superar a fragmentação e o preencher os vazios assistenciais garantindo atenção integral e contínua à saúde, bem como utilização racional de serviços e equipamentos de alta densidade tecnológica. O Registro Eletrônico em Saúde (RES) é um sistema de apoio às redes de atenção à saúde que visa a reduzir a fragmentação e a viabilizar o cuidado continuado. O estudo objetiva definir as etapas, papéis e artefatos do processo de desenvolvimento de arquétipos utilizados no RES do SUS no Estado de Minas Gerais, Brasil. É um estudo de caso com análise qualitativa, de natureza aplicada com fins exploratórios metodológicos que foi realizado em quatro etapas. A primeira etapa foi um procedimento bibliográfico, de natureza exploratória sobre processo de desenvolvimento de arquétipo; a segunda etapa foi um procedimento descritivo em pesquisa documental por técnica de comparação dos estudos identificados na primeira etapa; a terceira etapa foi um procedimento descritivo de estudo de caso de natureza aplicada por meio da proposição de um processo de desenvolvimento de arquétipo e na quarta etapa de abordagem qualitativa com objetivo descritivo foi realizada prova de conceito do processo proposto na etapa 3. A prova de conceito realizada demonstrou que o processo de desenvolvimento de arquétipo proposto é adequado ao SUS. Identificou-se a necessidade de estudos adicionais para identificar qual é a melhor forma de os profissionais de saúde serem inseridos e participarem do processo de desenvolvimento de arquétipo, bem como a necessidade de estipular tempo para os participantes do processo se manifestarem com o objetivo de evitar que o processo seja moroso e não atenda à dinamicidade da evolução do conhecimento na área de saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERGARIA, Elisa Tuler de et al. Criação de um modelo de interface extensível para sistemas de registro eletrônico de saúde. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 13., 2012, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2012.

ALAVI, M. & LEIDNER, D.E. Review: knowledge management and knowledge management systems: conceptual foundations and research issues. MIS Quarterly, v. 25, n.1 p. 107-136, 2001.

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE. BVS - DeCS. Descritores em Ciências da Saúde. Disponivel em: < http://decs.bvs.br/cgi-bin/wxis1660.exe/decsserver/>. Acesso em 30 de mar. 2014.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, da organização e funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 set. 1990a.

BRASIL. Lei nº 8.142, de 28 dez. 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, 28 dez. 1990b.

BRASIL. SUS. BMdSDdId. A construção da política nacional de informação e informática em saúde: proposta versão 2.0 (inclui deliberações da 12. Conferência Nacional de Saúde): Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Departamento de Informática do SUS; 2005.

BRASIL. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. In: Saúde RIdIpa, editor. 2 ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2008. p. 349.

BRASIL. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de

setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Brasília: 28 jun. 2011a.

BRASIL. Ministério da Saúde: Portaria Nº 2.073, de 31 de agosto de 2011. Regulamenta o uso de padrões de interoperabilidade e informação em saúde para SIS no âmbito do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 31 ago. 2011b.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde: Aperfeiçoamento em Gestão da Atenção Primária à Saúde: Projeto AGAP/Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2011c.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos - Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011d.

BRASIL. Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores : 2013 – 2015. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Gestao Estrategica e Participativa. Departamento de Articulacao Interfederativa, 2013.

BRASIL. Estratégia e-Saúde para o Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, Secretária de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Informática do SUS, 2014.

BUCK, Jasmin. et al. Towards a comprehensive electronic patient record to support an innovative individual care concept for premature infants using the openEHR approach. Int. J. Med. Inf., Shannon, v. 78, n. 8, p. 521–531, Ago. 2009. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2013.

CFM. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 1.639, de 10 de julho de 2002. Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios para certificação dos sistemas de informação e dá outras providências. Brasília: CFM, 10 jul. 2002.

CAMARGO, A. A. B. et al. O Uso de Sistemas Colaborativos na Gestão de Projetos: Fatores Relevantes para o Sucesso. Trabalho de Conclusão de Curso. Fundação Instituto de Administração – FIA, 2005.

CAMPARA, M. et al. Implantação do Prontuário Eletrônico do Paciente. Revista de Administração Hospitalar, v. 10, n. 3, p. 61-74, set./dez. 2013.

CAPES. Tabelas de Áreas de Conhecimento. Disponível em: . Acesso em 30 de mar. de 2014.

CASTELLS, M. - A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, v. 1, 4. ed., 2000.

CONDE, Alberto Moreno. Towards best practice in the Archetype Development Process. 96 f. Dissertação (Mestrado em Informática em Saúde). Dublin: Departamento de Ciência da Informação, Universidade de Dublin, 2010.

DIAS, J. L. A Utilização do Prontuário Eletrônico do Paciente pelos hospitais de Belo Horizonte. 111f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Belo Horizonte: ECI/UFMG, 2007.

DOGAC, A. et al. Key issues of technical interoperability solutions in eHealth and the RIDE project. Software R&D Center, Dept. of Computer Eng., Middle East Technical University, Ankara 6531; 2007. Disponível em: . Acesso em 05 ago. 2014.

EICHELBERG, Marco. et al. A Survey and Analysis of Electronic Healthcare Record Standards. ACM Computing Surveys, New York, v. 37, n. 4, p. 277-315, Dez. 2005. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2013.

ENSP/Fiocruz. Relatório Final do Projeto: Carga Global de Doença do Estado de Minas Gerais, 2005. Belo Horizonte, Junho de 2011.

EUROPEAN COMMISSION. Semantic interoperability for better health and safer

healthcare. Deployment and research roadmap for Europe. ISBN-13: 978-92-79-11139-6; 2009. Disponível em: . Acesso em 05 ago. 2014.

FUMEC. Mestrado: sistemas de informação e gestão do conhecimento – pesquisa – linhas de pesquisa. Disponível em: . Acesso em 09 mar. 2014.

FURLANETTO, A.; OLIVEIRA, M. Fatores Estratégicos para Gestão do Conhecimento em uma Empresa Desenvolvedora de Software. Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração – EnANPAD, 31, 22 a 26 set. 2007. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

GARDE, S., HOVENGA, E. J. S., GRAENZ, J., FOOZONKHAH, S. & HEARD, S. Year. Towards a repository for managing archetypes for electronic health records. In: Brunswick, Vic., 2006. [S. l.]: Health Informatics Society Australia (HISA), 2006.

GONÇALVES, S.F.R; VASCONCELOS, M.C.R.L. Práticas e Ferramentas de Gestão do Conhecimento no Âmbito da Administração Tributária de Minas Gerais: Oportunidade para uma Política Institucional. Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração – EnANPAD, 35, 4 a 7 set. 2011. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2011.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION – ISO. ISO/TR 20514:2005: Health informatics — Electronic health record — Definition, scope, and context, 2005.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION – ISO. ISO 13606-1:2008: Health informatics, Electronic health record communication, Part 1: Reference model, 2008a.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION – ISO. ISO 13606-2:2008: Health informatics, Electronic health record communication, Part 2: Archetype interchange specification. 2008b.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION – ISO. ISO/TS 18308:2004: Requirements for an Electronic Health Record Reference Architecture, 2004.

GRIMSON, J. Delivering the electronic healthcare record for the 21st century. Int. J. Med. Inform, v. 64, p. 111–127, 2001.

KALRA, Dipak. Clinical Foundations and Information Architecture for the Implementation of a Federated Health Record Service. 2002. 369 f. Thesis (Doctor of Philosophy) – University College London, London, 2002. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2013.

LESLIE, H. Archetype authoring, review and publication. OpenEHR foundation, 2008. Disponível em:

. Acesso em 11 ago. 2014.

MELHORAMENTOS. Michaelis moderno dicionário da língua portuguesa. Disponível em: . Acesso em 09 mar. 2014.

MENÁRGUEZ-TORTOSA, M.; FERNÁNDEZ-BREIS, J.T. OWL-based reasoning methods for validating archetypes. Journal of Biomedical Informatics, v 46, n 2, p. 304-317, abr. 2013.

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte: Escola de Saúde Pública de Minas Gerais, 2007.

MICHELSEN, L. et. al. Comparing Different Approaches to Two-level Modelling. Stud. Health Tech. Inform. Amsterdam, 2005. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2013.

MINAS GERAIS, 2010. . Acesso em 27 abr. 2013.

MORESI, Eduardo (Org.). Metodologia da pesquisa. Brasília: [s.n.], 2003.

MOSMONDOR, M.; BENC, I.; DESIC, S.; GRGURIC, A. (Ed.). A feasibility study for the integration of a remote patient monitoring solution with electronic health record system. In: Proceedings of the 33rd International Convention, 2010. [S. l.]: MIPRO, 2010.

MOTA,F. R.L. Prontuário eletrônico do paciente e o processo de competência informacional. In: Enc. Bibli, 2006. R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, n. 22, 2º sem. 2006.

NONAKA, I. A dynamic theory of organizational knowledge creation. Organization Science, v.5 p.14-37, 1994.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de Conhecimento na Empresa: Como as Empresas Japonesas Geram a Dinâmica da Inovação. 17. ed., Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD - OPAS - Redes integradas de servicios de salud: conceptos, opciones de politica y hoja de ruta para su implementación en las Américas. Washington, HSS/OPS/OMS, 2008. (Serie La Renovación de la Atención Primaria de Salud en las Américas)

PAIM, J. et al. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. Lancet, v. 377, n. 9779, p.1178-1197, 21 maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2013.

PENICHET, V.M.R. et al. A Classification Method for CSCW Systems. Electronic Notes in Theoretical Computer Science, v. 168, p. 237–247, 2007. Disponíel em: . Acesso em: 15 jun. 2013.

QUEIROGA, R.M. Plano de projeto de implantação do serviço de registro eletrônico em saúde em Minas Gerais. (Documento interno apresentado à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão para iniciar o projeto) Belo Horizonte: [s.n], 2009.

QUEIROGA, R.M.; MAIA, T.A. Atualização do plano de projeto de implantação do serviço de registro eletrônico em saúde em Minas Gerais. (Documento interno apresentado à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão para atualizar o planejamento do projeto e permitir seu acompanhamento) Belo Horizonte: [s.n], 2013.

SANTOS, Marcelo Rodrigues dos. Sistema de registro eletrônico de saúde baseado na norma ISO 13606: aplicações na Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais 2011. 178 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Belo Horizonte: Escola da Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

SES/MG e SMSA-BH – Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais e Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. CEN-EN13606-COMPOSITION.Res_Imunobiologicos.v1. (Arquétipo desenvolvido conjuntamente pelas Secretarias e colaboradores convidados). Belo Horizonte: [s.n], 2013.

SHORTELL, S. M. et al. Remaking health care in America: building organized delivery systems. San Francisco: Jossey-Bass, 1996.

SHORTLIFFE, E. H. Biomedical Informatics: Computer Applications in Health Care and Biomedicine. 3 ed. New York: Springer Science; 2006. 1060 p.

SPÄTH, M.B.; GRIMSON, J. Applying the archetype approach to the database of a biobank information management system. International Journal of Medical Informatics, v. 80, n. 3, p. 205-226, mar. 2011.

TRIGO, J.D. et al. On the seamless, harmonized use of ISO/IEEE11073 and openEHR. IEEE Journal of Biomedical and Health Informatics, v. 18, n. 3, maio 2014.

VENUTO, N.M; DE MUYLDER, C.F. Estudo bibliométrico sobre gestão do conhecimento e instituições de ensino superior. XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção Maturidade e Desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente – ENEGEP, 12 a 15 de out. de 2010. Anais... São Carlos: ENEGEP, 2010.

WHO. Building foundations for eHealth: progress of Member States: report of the WHO Global Observatory for eHealth. Geneva, WHO, 2006.

WHO. Terms of reference for designing the requirements of the health information system of the Maputo Central Hospital and preparation of the tender specifications - Technical Report. WHO, jan. 2007.

WHO REPORT ON THE GLOBAL TOBACCO EPIDEMICS, 2008 - The MPOWER package. Geneva, WHO, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)