A Gestão do Conhecimento aplicada ao Setor de Tecnologia da Informação

FÁBIO CORRÊA

Resumo


O aumento do número de sistemas de informação nas organizações, influenciado pelos avanços tecnológicos e mudanças mercadológicas, promove a necessidade de integrações entre os sistemas de informação, elevando a complexidade do parque tecnológico organizacional. Visto que os processos organizacionais são atividades coordenadas que envolvem pessoas, procedimentos e tecnologia, e que as organizações são compostas por pessoas que desempenham atividades por meio de processos definidos e suporte da tecnologia da informação, torna-se relevante identificar quais processos organizacionais são suportados pelos sistemas de informação, suas integrações, e quais pessoas detêm o conhecimento a cerca dos mesmos para uma melhor gestão da TI. A gestão do conhecimento, por meio da criação, organização e disseminação do conhecimento organizacional, pode ser útil no apoio ao processo de gestão tecnológica através da identificação e relação dos elementos pessoas, processos organizacionais e sistemas de informação, objetivando gerir e prover o conhecimento necessário para o setor de TI das organizações. Neste contexto, o presente estudo tem por objetivo analisar as práticas de gestão do conhecimento na percepção dos profissionais de tecnologia da informação. Para isto foi proposto um instrumento de pesquisa para identificar a percepção dos profissionais de tecnologia da informação, posteriormente os elementos pessoas, processos organizacionais e sistemas de informação foram correlacionados e validados. A pesquisa é caracterizada como descritiva, de abordagem quantitativa. A coleta de dados utiliza instrumento do tipo e-survey, com escala likert de cinco pontos, onde o público-alvo foram profissionais de tecnologia da informação, atuantes na cidade de Belo Horizonte - MG. As técnicas de análise constituem em regressões marginais lineares, e análise fatorial. Como resultado conclui-se que os respondentes tendem em concordar com 78% das práticas propostas e, o percentual restante de 22%, os participantes não concordam e nem discordam das fases, sendo importante destacar que nenhuma fase apresenta tendência de discordância pelos respondentes. A percepção dos respondentes, sendo estes pessoas atuantes no setor de TI, fortalece a coesão das práticas propostas, haja vista que a proposição foi fundamentada em base teórica conceitual e percebida por indivíduos que vivenciam a realidade do setor de TI.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Mário de Souza. Gestão do conhecimento e data whareshouse: alavancagem no processo decisório. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

ARAÚJO, Carlos Alberto. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, v. 12, n. 1, p. 11-32, jan./jun. 2006.

BABBIE, Earl. Métodos de Pesquisa de Survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

BEHR, Ariel. Mapeamento de competências na pequena empresa de software: o caso da ABC Ltda. Rio Grande do Sul, 2010. Dissertação (Mestrado em Administração). Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2014.

BENETT, Gordon. Intranets: como implantar com sucesso na sua empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

BOCK, Geoffrey; MARCA, David. Designing Groupware. Nova Iorque: McGraw-Hill, 1995.

BUKOWITZ, Wendi R.; WILLIAMS, Ruth L. Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Porto Alegre, Editora Bookman, 2002.

CANDOTTI, Clarissa Tarragô; HOPPEN, Norberto. Reunião virtual e o uso de groupware - uma nova possibilidade de realizar trabalho em grupo. XXIII ENCONTRO DA ANPAD, 1999.

CARUSO, Ricardo. Caminhos para integração da automação com sistemas de ti. InTech. Disponível em: . Acesso em: 18 jan 2014.

CARVALHO, Rodrigo Baroni de. Aplicações de Softwares de Gestão do Conhecimento: Tipologia e Usos. Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação, UFMG. Disponível em: . Acesso em: 1 jan 2014.

CARVALHO, Rodrigo Baroni de. Tecnologia da informação aplicada à gestão do conhecimento. Belo Horizonte: FACE-FUMEC, C/ Arte, 2003

CAVALCANTI, Marcos C. B., GOMES, Elisabeth B. P.; PEREIRA, André F. Gestão de empresas na sociedade do conhecimento: um roteiro para a ação. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

CAVALCANTI, Marcos do Couto Bezerra; BALCEIRO, Raquel Borba; GOMES, Elisabeth Braz Pereira. A Prática da Gestão de Conhecimento nas Empresas Públicas. Rio de Janeiro: E-papers. 2002.

CBO. Classificação Brasileira de Ocupações. 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2014.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; DA SILVA, Roberto. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Ed. do Senac, 2003

CLEMES, Sandro. Intuir e conhecer: uma perspectiva ampliada da gestão dos saberes organizacionais. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

COOPER, Donald. R.; SCHINDLER, Pamela. S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

COSTA, Paulo Eduardo de Carvalho; GOUVINHAS, Reidson Pereira. Gestão do conhecimento: quebrando o paradigma cultural para motivar o compartilhamento do conhecimento dentro das organizações. In: XXIV Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004. Disponível em: Acesso em: 28 de jul. 2014.

CRONBACH, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika, 1951.

CRUZ, Tadeu. Workflow: A Tecnologia que vai Revolucionar Processos. São Paulo: Atlas, 1998.

DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da informação: porque só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DAVENPORT, Thomas H; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 11. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DAVIS, Stanley M. Managing Corporate Culture. Massachussets: Ballinger Publishing Company, 1984.

DE SORDI, José Osvaldo; MARINHO, Bernadete de Lourdes. Análise dos ambientes para integração entre sistemas de informação segundo especialistas. Revista de Ciências da Administração, v.8, n.15, jan/jun 2006. Disponível em: . Acesso em: 18 nov 2013.

DE SORDI, José Osvaldo; DE LOURDES MARINHO, Bernadete. Integração entre Sistemas: análise das Abordagens Praticadas pelas Corporações Brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 9, n. 23, p. 78-93, jan./abr., 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 set 2013.

DRUCKER, Peter. Administrando em tempos de grandes mudanças. 4.ed. São Paulo: Pioneira, 1992.

DRUCKER, P. F. O surgimento da nova organização. In: CHAMPY, J.; NOHRIA, N. (Orgs.). Avanço rápido: as melhores idéias sobre o gerenciamento de mudança nos negócios. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

DRUCKER, Peter. Melhor de Peter Drucker: homem, sociedade, administração. São Paulo, Nobel: 1998.

DRUCKER, Peter. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira, 1999.

DUTRA, Joel Souza. Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas, 2008.

EDENIUS, Mats; BORGERSON, Janet. To manage knowledge by intranet. Journal of Knowledge Management, v.7, n.5, p. 124-136, 2003. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2014.

EDVINSSON, Leif; MALONE, Michael S. Capital Intelectual: Descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron Books, 1998.

ELIAS, Ezmir Dippe. Gerenciamento eletrônico de documentos (GED): aplicação na Universidade Federal de Santa Catarina. ÁGORA, v. 22, n. 45, p. 15-30, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2014.

FALSARELLA, Orandi Mina; JANNUZZI, Celeste Aída Sirotheau Corrêa; BERAQUET, Vera Silvia Marão. Informação empresarial: dos sistemas transacionais a tolerância zero. Transinformação, Campinas, Ed. 15, p.141-152, set./dez., 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2014.

FARIA PEREIRA, Rita de Cássia. As redes como tecnologia de apoio a gestão do conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

FERNANDES, Caroline Brito. Aprendizagem organizacional como um processo para alavancar o conhecimento nas organizações. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

FITZMAURICE, Garrett M.; LAIRD, Nan M.; WARE, James H. Applied longitudinal analysis. John Wiley & Sons, 2012.

FLEURY, Maria Tereza Leme. O desvendar a cultura de uma organização. In: FLEURY, Maria Tereza Leme; FISCHER, Rosa Maria. Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1995.

FLEURY, Afonso Carlos Corrêa; FLEURY, Maria Teresa Leme. Aprendizagem e Inovação Organizacional: As experiências de Japão, Coréia e Brasil. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

FONSECA, Ana Flávia. Organizational Knowledge Assessment Methodology. Washington: World Bank institute, 2006.

FONTANILLAS, Carlos Navarro; CRUZ, Eduardo Picanço; GONÇALVES, Jaqueline Pimentel de Souza. A gestão do conhecimento e os processos de informações nas organizações: estudo de caso em uma empresa off shore. Sustainable Business International Journal, n. 18, p. 1-28, 2012. Disponível em:. Acesso em: 13 jan. 2014.

GELMAN, Andrew; HILL, Jennifer. Data Analysis Using Regression and Multilevel/Hierarchical Models. New York: Cambridge University Press, 2007.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GONÇALVES, José Ernesto Lima. As empresas são grandes coleções de processo. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 1, p. 6-19, jan/mar 2000a. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2013.

GONÇALVES, José Ernesto Lima. Processo, que processo?. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 4, p. 8-19, out/dez 2000b. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2013.

GORDON, Anna Lui e Ian. Integração Baseada em Serviços. Intercâmbio de Integração. The Architeture Journal, p. 20, 2005. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2014.

GROTTO, Daniela. O compartilhamento do conhecimento nas organizações. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

HAIR, Joseph F.; BLACK, Willian C.; BABIN, Barry J.; ANDERSON, Rolph E.; TATHAN, Ronald L. Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAMMER, Michael, CHAMPY, James. Reengineering the corporation. New York: HarperBusiness, 1994.

HARRIS, Robert. Creative Thinking Techniques. 2002. Disponível em: .

Acesso em: 18 fev 2014.

IGARASHI, Wagner et al. Investigação no contexto brasileiro sobre gestão do conhecimento/aprendizagem/tecnologia da informação: pesquisa realizada junto a scientific electronic library online. Cadernos EBAPE. BR, v. 6, n. 2, p. 01-18, 2008.

JARRAR, Yasar F. Knowledge management: learning for organizational experience. Managerial Auditing Journal, Melbourne, v. 17, n. 6, p. 322-328, 2002.

KEEN, Peter G. The process edge. Cambridge: Harvard Business School Press, 1997.

LAUDON, Kenneth; LAUDON, Jane P. Sistemas e Informações Gerenciais: administrando a empresa digital. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

LEITE, F. C. L.. Gestão do conhecimento científico no contexto acadêmico: proposta de um modelo conceitual. Brasília. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Universidade de Brasília. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2013.

LIANG, Kung-Yee; ZEGER, Scott L. Longitudinal data analysis using generalized linear models. Biometrika, v. 73, n. 1, p. 13-22, 1986. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2014.

VALENTIM, Marta Ligia Pomim. Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.3., n.4, ago. 2002. Disponível em: < http://www.dgz.org.br/ago02/Art_02.htm>. Acesso em: 12 set. 2013

MACHADO, Rogério Brasiliense. Gerenciamento eletrônico de documentos e sua inter-relação com a gestão o conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

MARTINS, Gilberto de Andrade; THEÓPHILO, Carlos Renato. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MASCARENHAS, Sidnei Augusto. Metodologia Científica. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

MATTAR, Fauze. Pesquisa de Marketing. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

MCCULLAGH, Peter; NELDER, John A. Generalized Linear Models. London: Chapman and Hall, 1989.

MIGUEL, Paulo. A. C. Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. 2. ed. São Paulo: Elsevier, 2012.

MINGOTI, Sueli Aparecida. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Editora UFMG, 2007.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DO EMPREGO. 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2014.

MIRANDA, Roberto Campos da Rocha. Gestão do Conhecimento Estratégico: uma proposta de modelo integrado. Brasília. 2004. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação do Departamento de Ciência da Informação e Documentação, UNB. Disponível em: . Acesso em: 10 set 2013.

MONGEAU, P. A. The Brainstorming Myth. In: Annual meeting of the westem states communication association. Albuquerque, 1993.

MOREIRA, D.; FERREIRA, M. A. T. Teoria e prática em gestão do conhecimento (GC): um olhar exploratório sobre as empresas de consultoria em GC atuantes no Brasil. GT 3: Mediação, Circulação e Uso da informação. In: Encontro Nacional em Pesquisa e Ciência da Informação (ENANCIB), 7., Marília, SP, Brasil, 19 a 22 de nov de 2006. Anais... Marília: ANCIB, 2006. Disponível em: . Acesso em: 28 de jul. 2014.

MULBERT, Ana Luísa; MUSSI, Clarissa Carneiro, ANGELONI, Maria Terezinha. Estrutura: o desenho e o espírito das organizações. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

NEWELL, Sue; SCARBROUGH, Harry; SWAN, Jacky. From global knowledge management to internal electronic fences: contradictory outcomes from intranet development. British Journal of Management, v.12, n.2, p. 97-111, 2001. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2014.

NONAKA, Ikujiro; KONNO, Noboru. The Concept of “BA”: Building a Foundation for Knowledge Creation. Califórnia Management Review, v. 40, n. 3, Spring, 1998.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação do conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. São Paulo: ELSEVIER, 1997.

PEREIRA, Heitor José. Os Novos Modelos de Gestão: Análise e Algumas Práticas em Empresas Brasileiras. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 4, jul-ago, 1995.

PEREIRA, Maurício Fernandes. A gestão organizacional em busca do comportamento holístico. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

POLANYI, Michael. The tacit dimension. London: Routledge e Kegan Paul, 1966.

PETERS, T. Prosperando no caos. São Paulo: Harbra, 1998.

PROBST, Gilbert; RAUB, Steffen, ROMHARDT, Kai. Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre, Editora Bookman, 2002.

RAINER JR., R. Kelly; CEGIELSKY, Casey G. Introdução a Sistemas de Informação. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

REZENDE, Denis Alcides. Engenharia de software e sistemas de informação. 2. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2002.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

RICHTER, Fábio Adreas. Cultura organizacional e gestão do conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

ROMANI, Cláudia e DAZZI, Márcia Cristina Schiavi. Estilo gerencial nas organizações da era do conhecimento. In: ANGELONI, M. T. (Coord.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

ROSSETTI, A. G.; MORALES, A. B. T. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciência da Informação, v. 36, n. 1, p. 124-135, 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 fev 2014.

RUAS, Roberto. Gestão por competências: uma contribuição à estratégia das organizações. In: RUAS, Roberto; ANTONELLO, Claudia Simone; BOFF, Luiz Henrique. (Org.). Os novos horizontes da gestão: aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Bookman, 2005.

RUH, William A.; MAGINNIS, Francis X.; BROWN, William J. Enterprise application integration. Nova York: John Wiley & Sons, 2001.

ORLOWSKA, Wasim Sadiq Maria E. Applying a Generic Conceptual Workflow Modeling Technique to Document Workflow. In: Proc. Australian Document Computing Symposium, 2, Melbourne. 1997.

SANTOS, Jane Lúcia Silva; SOUZA, Leonardo Leocádio Coelho; RADOS, Gregório Jean Varvakis; FIALHO, Francisco Antônio Pereira. Mapeamento da produção acadêmica em gestão do conhecimento no âmbito do EnAnpad: uma análise de 2000 à 2006. ENANPAD, v. 31, 2007.

SARTOR, Vicente de Bona. Modelos mentais e a gestão do conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha (Coord). Organizações do conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2002.

SCHEIN, Edgard. Coming to a New Awareness of Organizational Culture. Sloan Management Review, Winter, 1984.

SEBRAE. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresa. 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2014.

SESSIONS, Roger. Comparison of the top four enterprise architecture methodologies. 2007. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2014

SETZER, Valdemar W. Dado, Informação, Conhecimento e Competência. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação - n. zero, dez/99. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2013.

SINDINFOR. Sindicato das Empresas de Informática do Estado de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2014

SOARES, Delfina Fernanda Moreira Garcês de Sá. Planeamento de sistemas de informação: estudo de variáveis que condicionam a sua estratégia de execução. Braga, Portugal. 1998. Dissertação (Mestrado em Informática). Programa de Pós-graduação em Informática, Universidade do Minho. Disponível em: . Acesso em: 23 fev 2014.

STENMARK, Dick. Information vs. knowledge: the role of intranets in knowledge management. In: Proceedings of Annual Hawaii International Conference. Anais…Hawaii: AHIC, 2002.

STEWART, Thomas A. Capital Intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

STEWART, Thomas A. A riqueza do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

SVEIBY, Karl-Erik. A nova riqueza das organizações: Gerenciando e avaliando patrimônios do conhecimento. 5 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TEIXEIRA FILHO, Jayme. Gerenciando conhecimento. 2 ed. Rio de Janeiro: SENAC, 2001.

TERRA, José C. C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. 2 ed. São Paulo: Negócio Editora, 2001.

TERRA, José Cláudio Cyrineu; GORDON, Cindy. Portais corporativos. São Paulo: Negócio, 2002.

THIVES JR, Juarez Jonas. A tecnologia do workflow e a transformação do conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

WEDDERBURN, Robert WM. Quasi-likelihood functions, generalized linear models, and the Gauss - Newton method. Biometrika, v. 61, n. 3, p. 439-447, 1974. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2014

WIIG, Karl M. Introducing knowledge management into enterprise. In: LIEBOWITZ, J. (Ed.). Knowledge Management Handbook. Boca Ratón, FL: CRC Press, 1999. Cap. 3, p. 3.1-3.41.

YOUNG, Ronald. Knowledge Management: tools and tecniques manual. Asian Productivity Organization. Tókio, 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 jan 2014.

ZANELLA, Liane Carly Hermes. A criatividade nas organizações do conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha. (Org.). Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

ZANINI, Georgia Barreto; PINTO, Marli Dias Souza; FILIPPIM, Eliane Salete. Análise bibliométrica aplicada a gestão do conhecimento. Conhecimento Interativo, v. 6, n. 2, p. 124-140, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2014.

ZIVIANI, Fabrício. A dinâmica do conhecimento e inovação no setor elétrico brasileiro: proposta de um conjunto de indicadores gerenciais. Belo Horizonte. 2012. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação, UFMG. Disponível em: . Acesso em: 19 jan 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)