A GESTÃO DA INOVAÇÃO NO SETOR TERCIÁRIO: UM ESTUDO DE CASO DO GRAU DE MATURIDADE DO GRUPO CARREFOUR

FLÁVIO EDUARDO BARCELOS BASTOS

Resumo


A inovação aponta para um processo que está alicerçado em uma cadeia interconectada da informação em que os seus quatro tipos clássicos classificados, inovação de processo, de produto, de posição e de paradigma, podem provir de maneira sistemática e coordenada pelos centros de pesquisa e desenvolvimento (P&D), por uma demanda das organizações aos seus clientes e consumidores, convocando-os à uma participação funcional de co-criação de produtos e serviços, ou mesmo a partir de um movimento democrático, fundamentalmente social e imune às pressões e pretensões organizacionais. Esta pesquisa apresentará duas etapas em seu desenvolvimento. A primeira etapa tem o objetivo de aprofundar o entendimento de quais destes tipos classificados de inovações asseveram a diferenciação e garantem vantagens competitivas para as organizações do setor de serviços e quais são os constructos mais aderentes e representativos para a mensuração e auditagem da gestão da inovação neste setor. Já a proposta da segunda etapa é realizar um estudo de caso de natureza descritiva e aplicada, onde se pretende apresentar, por meio das abordagens qualitativas de pesquisa, o grau de maturidade da hierarquia do Grupo Carrefour. A coleta dos dados será realizada através do método de auto-avaliação proposto por Tidd, Bessant e Pavitt (2008) que será aplicado separadamente nas classes de colaboradores, executivos, gerentes e diretores do Grupo Carrefour no estado de Minas Gerais (Carrefour e Carrefour Bairro). A análise dos dados utilizará o método de comparação e triangulação das informações produzidas pela auto- avaliação das classes supracitadas.

Palavras-Chave: Gestão da inovação; Serviços, Grau de maturidade da inovação. 


Texto completo:

PDF

Referências


ALAM, I. An exploratory investigation of user involvement in new service development. Journal of the Academy of Marketing Science , v.30, n.3, p.250- 261, 2002.

ANDERSON, C. A Cauda longa: Do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro, Campus Elsevier, 2006.

AZEVEDO, C. E. F.; OLIVEIRA, L. G. L.; GONZALEZ, R. K.; ABDALLA M. M.; A estratégia de triangulação: objetivos, possibilidades, limitações e proximidades com o pragmatismo. V Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e contabilidade (ANPAD). Brasília, 2013.

BARRAS, R. Towards a theory of innovation in services. Research Policy, v.15, n.4, p. 161-173, Aug, 1986.

BECKER, J; KNACKSTEDT, R . Developing maturity models for IT management a procedure model and its applications. Munster: Westfalische Wihelms Universitat Munster. Business & informationn systems engineering. v.3, p. 213-222, 2009.

BENKLER, Y. Coase´s Peguin or Linux and the Nature of the Firm. In: Yale Law, 2002.

BERNARDES, R.; BESSA, V.; KALUP A. Serviços na Paep 2001: Reconfigurando a agenda de pesquisas estatísticas de inovação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 115-134, abr./jun. 2005.

BERRY, L.; PARASURAMAN, A. Serviços de Marketing: Competindo Através da Qualidade. São Paulo: Maltese, 1992.

BLANK, S.; DORF, B. The startup owner’s manual: the step-by-step for building a great company. 1. ed. California, K&S Ranch Press, 2012.

BON, A. T.; MUSTAFA, E. M. A. Impact of Total Quality Management on Innovation in Service Organizations: Literature review and New Conceptual Framework. University Malaysia Perlis. Malasyan Technical Universities Conference on Enginnering e Technology, MUCET 2012, v. 53, p.516-529, 2013.

BRYNJOLFSSON, E.; JEFFREY, Y. H.; SMITH, M. D. From Niches to riches: The anatomy of the long tail. Sloan Management Review, Summer 2006, v. 47, n. 4, p. 67-71, 2006.

CASARIN, H. C. S; CASARIN S. Pesquisa científica: da teoria à prática. 1. ed. Curitiba, InterSaberes, 2012.

CAMARGOS, D. O.; O Carrefour deu o troco. São Paulo, Exame, v. 41, n. 892, p. 48-51, 2007. Disponível em http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/0892/noticias/o-carrefour-deu-o-troco-m0127985 Acessado em 27 de Setembro de 2014.

CARREFOUR, Relatório de Desenvolvimento Sustentável 2010. Disponível em http://www.carrefour.com.br/sustentabilidade_old/relatorio-de-desenvolvimento-sustentavel/ Acesso em 28 de Setembro de 2014.

CERVO A. L., BERVIAN P. A., SILVA R., Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo, Pearson Pretince Hall, 2007.

CHASE, R. B. Where does the customer fit in a service operation? Harvard Business Review, Boston, Ma., v.56, n. 2, p. 137-142, nov./dec.1978.

CHESBROUGH, H. Inovação aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2012.

CHRISTENSEN, C.; TEDLOW, R.S. Patterns of disruption in retailing. Harvard Business Review , v. 78, n. 1, p. 42-45, Jan./Feb, 2000.

COBRA, M. Marketing de serviços: conceitos e estratégias. São Paulo: MCGraw-Hill do Brasil, 1986.

COSTA, P. R.; PORTO, G. S.; SILVA, A. T. B. O processo decisório de desenvolver interna ou externamente P&D: um estudo multicaso sobre multinacionais brasileiras. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 7, n. 4, art. 2, p. 266-286, 2010.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DAVIS, S. The future perfect: exploding the limits of managerial mind-set. Massachusetts: Addison-Wesley, 1987.

DYER, J.; GREGERSEN, H.; CHRISTENSEN M. C. Dominando as 5 habilidades dos inovadores de ruptura. 1. ed. São Paulo: HSM Editora, 2012.

FACHINNI, C.; O Carrefour abandona o Champion no Brasil. Valor Econômico, 2006. Disponível em http://www.valor.com.br/arquivo/496149/carrefour-abandona-champion-no-brasil Acesso em 28 de Setembro de 2014.

FALCONI, V. TQC – Controle Total da Qualidade, 2. ed. Minas Gerais: INDG, 2004.

GALLOUJ, F. Économie de l’innovation dans les services. Paris: L’Harmattan, Logiques Économiques, 1994.

GALLOUJ F., SAVONA M.; Towards a theory of innovation in services : a state os the art. In. Gallouj, F e Djellal, F. The handbook of innovation services: A multi-disciplinary perspective. Aldershot: Edward Elgar Publishing, 2010.

GALVÃO, A. P.; CRUZ, F. N.; FALCÃO, J. A. Satisfação dos clientes quanto à qualidade dos serviços do Terminal Rodoviário de Natal (RN). Turismo em Análise, v. 25, n. 1, p. 185-202, 2014.

GARCEZ, M. P.; SBRAGIA, R.; KRUGLIANSKAS, I. Factors for selecting partners in innovation projects – Evidences from alliances in the Brazilian petrochemical leader. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 2, p. 241-272, 2014.

GARCIA, I. Uma visão atropológica das redes sociais. Havard Business Review Brasil, 2012. Disponível em: http://www.hbrbr.com.br/matéria/uma-visão-antropológica-das-redes-sociais - Acessado em 02 de Setembro de 2014.

GIBSON, R.; SKARZYNSKI P. Inovação Prioridade N° 1: o caminho para as transformações nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

GIMENES, G. Inovação em serviços ao cliente – logística reversa: um estudo de caso dos correios. In: RODRIGUEZ, M. V. R. Ed. Gestão do conhecimento e inovação nas empresas. 1. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora, 2013. 257-271 p.

GOSLING, M.; SOUZA, B. B. P.; ARAÚJO, G. C. D. Dimensões da qualidade de serviços, satisfação e lealdade: um modelo teórico. In. ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 26. 2006, Fortaleza. Anais. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia de Produção, 2006.

GOVINDARAJAN, V.; TRIMBLE, C. Inovação reversa: descubra as oportunidades ocultas nos mercados emergentes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

GROFF D., LOH S. Avaliação de maturidade de gestão da inovação: proposta de um modelo de pesquisa com empresas de TI. Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2013. Disponível em http://miningtext.blogspot.com.br/2013/07/modelo-para-avaliacao-da-maturidade-da.html Acessado em 13 de Abril de 2014.

GRÖNROSS, C. Marketing: gerenciamento e serviços. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2009.

GUMMESSON, Evert. Quality management in service organizations: an interpretation of the service quality phenomenon and a synthesis of international research. 1. ed. New York: International Service Quality Association, 1993.

GWINNER, K. P.; BITNER, M. J.; BROWN, S. W.; KUMAR, A. Service Customization Through Employee Adaptiveness. Journal of Service Research, v.8, n. 2, p. 131-148, nov. 2005.

HOFFMAN, D. K.; BATESON, J. E. G. Services Marketing: Concepts, Strategies, & Cases. 4. ed. Mason: Cengage Learning, 2008.

HOWE, J. The rise of crowdsourcing. Wired Magazine, v. 14, n. 6, June, 2006. Disponível em: http://www.wired.com/wired/archive/14.06/crowds.html. - Acessado em 02 de abril de 2014.

HOWELLS, J. Innovation & Services: new conceptual frameworks. CRIC Discussion Paper, 38. The University of Manchester & Umist. Aug/ 2000.

INNOSCIENCE; INSTITUTO EUVALDO LODI/RS. A evolução da gestão da inovação nas empresas brasileiras, 2012. Disponível em: http://www.innoscience.com.br/?pg=PublicacoesPesquisas# - Acessado em 20 de Maio de 2014.

IBGE CNAE. Classificação nacional das atividades econômicas. Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/classificacoes/cnae2.0/cnae2.0.pdf - Acessado em 18 de Maio de 2014.

IBGE PAC. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Comercio_e_Servicos/Pesquisa_Anual_de_Comercio/2011/comentarios_2011.pdf - Acessado em 22 de Maio de 2014.

JOBS, S. The Three Faces of Steve: interview. November 9, 1998. New York: Fortune Magazine. Interview granted the Brent Schlender. Disponível em http://archive.fortune.com/magazines/fortune/fortune_archive/1998/11/09/250880/index.htm Acessado em 15 de Agosto de 2014.

JURAN, J. M. Quality control handbook. New York: McGraw-Hill, 1974.

KENNEDY, N. K.; LASSK, F. G.; GOOLSBY, J. R. Customer Mind-Set of Employees throughout the Organization. Journal of the Academy of Marketing Science, v.30, n. 2, p. 159-171, 2002.

KLEMENT, C. F. F. Inovação em Serviços: Estudo de caso em uma organização da indústria hoteleira brasileira. 2007. 130f. Tese Doutorado em Economia – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. 2007

KOTLER, P. Administração de Marketing: análises, planejamento, implementação e controle. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

____________. Administração de Marketing. São Paulo: Pretince Hall, 2000.

KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

KOTLER, P.; BES, F. T.; A Bíblia da Inovação. São Paulo: Lua de Papel, 2011.

KOTLER, P.; HAYES, S.; BLOOM, P. Marketing de Serviços Profissionais – Estratégias inovadoras para impulsionar sua atividade, sua imagem e seus lucros. 2. ed. São Paulo: Manole, 2002.

KOTLER, P. KARTAJAYA, H. SETIAWAN, I. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Campus, 2010.

KON, A. Sobre a atividade de serviços: revendo conceitos e tipologias. Revista de Economia Política, v.19. n.2. p. 64 - 83, Abr/Jun. 1999.

LEE, J.; KAO, H.; YANG S. Service innovation and smart analytics for industry 4.0 and big data environment. University of Cincinnati: The 6th CIRP conference on industrial product-service systems, v. 16, p.3-8, 2014.

LEVITT, T. Marketing Myopia. Harvard Business Review, Boston, Ma., v.38, p. 24 - 47, Jul/Aug. 1960.

LEVITT, T. Métodos de linha de produção aplicados ao fornecimento de serviços, 1972. in: As ideias que revolucionaram a Administração. Prêmio McKinsey Biblioteca de Administração de Empresas, Ed. Abril, São Paulo, p. 57-66. 1972.

LEVITT, T. A imaginação de marketing. Atlas, São Paulo, 1985. Listagem de classificação de serviços http://www.mdic.gov.br/sitio/interna/interna.php?area=5&menu=2283 Acessado em 30 de julho de 2014

LINDEGAARD, S. A revolução da inovação aberta: princípios básicos, obstáculos e habilidades de liderança. São Paulo: Évora, 2011.

LOVELOCK, C.; WRIGHT, L. Serviços: marketing e gestão. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

MACHADO, R.; REIS, D. R.; PILATTI, L. A. A intangibilidade dos serviços. In: SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 8. 2006, Bauru. Anais. Bauru: Universidade Estadual Paulista, 2006.

MACKINNON, L. A. K. The 7 dimensions of innovation. Think Differently, 2007. Disponível em http://www.think-differently.org/2007/05/7-dimensions-of-innovation/ Acessado em 26 de Setembro de 2014.

MATTOS, A. Carrefour diz que só teria sócios no Brasil via IPO. São Paulo, Valor Econômico, 2014. Disponível em http://www.valor.com.br/empresas/3671932/carrefour-diz-que-so-teria-socios-no-brasil-ipo Acessado em 28 de setembro de 2014.

MAITAL, S.; SESHADRI, D.V.R.. Innovation management: strategies, concepts and tools for growth and profit. New Delhi: Response Book, 2007.

MOORE, G. A. Crossing the chasm: marketing and selling high-tech products to mainstream customers. Revised Edition, v.1, oct. 2001. Disponível em http://ynnovate.it/wp-content/uploads/2013/08/Geoffrey-Moore-Crossing-the Chasm.pdf Acessado em 08 de Setembro de 2014.

MILES, I. Innovation in Services. The Oxford Handbook of Innovation, Oxford University Press, chapter 16, p. 433 – 434, 2005.

MINA, A.; MOREAU, E. B.; HUGHES, A. Open service innovation and the firm’s search forexternal knowledge. Cambridge: University of Cambridge, Business Research and UKIRC, v. 43, p.853-866, 2014.

MINADEO R., Inovações no varejo alimentar: uma análise das estratégias de entrada e de crescimento do Carrefour e Walmart no mercado brasileiro. Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v. 9, n.1, p. 119-166, jan/jun 2010.

MINADEO, R.; CAMARGOS M. A. Fusões e aquisições no varejo alimentar: uma análise das estratégias de entrada e de crescimento do Carrefour e Wal-Mart no mercado brasileiro. Santa Catarina, Revista de Ciências da Administração, v. 11, n. 24, mai/ago, p. 102-135, 2009.

MUYLDER, C. F.; SOUZA, F. I.; MORIGUCHI, S. N. Redes Sociais e os impactos dessa inovação nas organizações – Um estudo de caso da Rede Corporativa “Comunidade de Negócios” da área comercial das empresas do Grupo Algar. Revista Gestão & Tecnologia, v. 14, n. 1, p. 223-242, 2014.

NASCIMENTO, A.; EHEBER, F.; LUFT, M. C. O uso do crowdsourcing como ferramenta de inovação aberta: uma categorização à luz da teoria de redes interorganizacionais. Revista Gestão Organizacional, v. 6, n. 2, p. 85-94, 2013.

NEVES, J. T. R. Inovação e Competitividade, Interconexão Brasil, Belo Horizonte: BH News TV, Nov. 2013. Entrevista com Jorge Tadeu dos Ramos Neves Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HDCbOxYVsKs. - Acessado em 2 de Setembro de 2014.

NEVES, J. T. R.; SILVA, B. E.; VASCONCELOS, M. C. R. L.; ARAÚJO, C. A. . Contribuições da Inovação Aberta para uma empresa de comunicação. Revista Gestão & Tecnologia, v. 13, n. 2, p. 222-246, 2013.

NOGUEIRA, N. Comparação de percepções de clientes e de gestores na área de serviços: uma aplicação da escala Servqual. 2002. 115 p. Dissertação de Mestrado. Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2002.

OECD - ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Manual de Oslo: Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. OECD, 1997. Traduzido pela FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos, 2005.

PARASURAMAN, A., ZEITHAML, V. A., BERRY, L. L. (1985). A conceptual model of service quality and its implications for future research. Journal of Marketing, 49(4), 41-50.

PARASURAMAN, A., ZEITHAML, V. A., BERRY, L. L. SERVQUAL: a multiple-item scale for measuring consumer perception of service quality. Journal of Retailing, v. 64, n. 1, p. 12-40, 1988.

PETERS, L., SAIDIN, H. IT and the mass customization of services: the challenge of implementation. International Journal of Information Management, v. 20, p. 103-119, 2000.

PRAHALAD, C.K; KRISHMAN M.S. A nova era da inovação: impulsionando a co-criação de valor ao longo das redes globais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

PRAHALAD, C. K.; RAMASWAMY, V. O futuro da competição: como desenvolver diferenciais inovadores em parcerias com clientes. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

Portal Brasil – Pesquisa anual do comércio aponta 2 trilhões de receita Disponível em www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2012/06/pesquisa-anual-de-comercio-2010-movimenta-cerca-de-r-2-trilhoes-de-receita - Acessado em 18 de Maio de 2014.

Portal AGOS - ABRAS divulga o ranking dos 20 maiores supermercados do Brasil. Disponível em http://www.agos.com.br/site/noticias.php?sc=3&id=195 - Acessado em 18 de Maio de 2014.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1986.

RATHMELL, J. M. Marketing in the service sector. Cambridge, Mass: Winthrop, 1978.

REIS, L. F. S. Gestão da excelência na atividade bancária. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998

ROCHA, T. V.; SILVA, S. C. The adaptation versus standardization dilemma: the case of an american company in Brazil. Internext – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, São Paulo, v.6, n.1, 63-83, jan./jun. 2011.

RODRIGUES, L. C.; SILVEIRA, A.; KONO, C. M.; LENZI, F. C. Inovação e modelo de negócio – um estudo de caso no setor vitivinicultor. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 12, n. 2, p. 250-273, 2013.

SAWHNEY M.; WOLCOTT R.C. Seven Innovation Myths. Londres: Financial Times, set. 2004.

SCHUMPETER, A. S. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

SILVA, F. G.; HARTMANN, A; REIS, D. R. Avaliação do nível de inovação tecnológica: desenvolvimento e teste de uma metodologia. XXVI ENEGEP – Fortaleza, out. 2006. Disponível em http://www.pg.cefetpr.br/ppgep/Ebook/e-book2006/Artigos/12.pdf. Acessado em 28 de setembro de 2014.

SOLALINDE, G.; PIZZUTTI, C. O efeito da sinalização de qualidade no contexto de serviços. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 3, p. 261-284, 2014.

SUNDBO, J.; GALLOUJ, F.; Innovation Services. Lille: IFRESI-University of Lille. Synthesis paper, 1998.

STAL, E.; NOHARA, J. J.; CHAGAS JR., M. F. Os conceitos da inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 2, p. 295-320, 2014.

STOECKICHT, I.P; SOARES C.A.P. Modelos e estratégias de gestão de inovação e o mercado brasileiro. In: RODRIGUEZ, M. V. R. Ed. Gestão do conhecimento e inovação nas empresas. 1. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora, 2013. 238-256 p.

TAKEUSHI, H.; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TERRA, J. C. 10 dimensões da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIDD, J.; HULL, F. M. Service innovation: organizational responses to technological opportunities & market imperatives. London: Imperial College Press, 2003.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

TODHUNTER, J. How fit is your innovation practice. Innovating to win, Observation from the front line on building the Hugh performance innovation organization, abr. 2007. Disponível em http://www.innovatingtowin.com/innovating_to_win/2007/04/how_fit_is_your.html Acessado em 08 de Agosto de 2014.

TOFFLER, A. The Third Wave. New York: William Morrow and Company, 1998.

VARGO, S.; LUSCH, R. Evolving to a new dominant logic for marketing. Journal of Marketing, v. 68, p.1–17, 2004.

VERMEULEN, P.; WIETZE V. D. A. Organizing innovation in services. In: TIDD, J.; HULL, F. M. Eds. Service innovation: organizational responses to technological opportunities & market imperatives. London: Imperial College Press, p.35-53, 2003.

VON HIPPEL, E. The democratization of innovation. Cambridge, Mass.: MIT Press, 2005.

ZIVIANI, F.; FERREIRA, M. A. T. Barreiras e obstáculos à inovação no setor elétrico brasileiro: desafios e oportunidades. Revista Gestão & Tecnologia, v. 13, n. 3, p. 209-234, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)