PERCEPÇÕES DE ALINHAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE BASE TECNOLOGICA

ERIC DE PAULA FERREIRA

Resumo


São numerosos os benefícios que a tecnologia da informação traz para o desenvolvimento das organizações, assim a utilização adequada da TI pode direcionar a organização para o sucesso. A TI atuando não mais apenas no âmbito operacional, mas também no tácito e no estratégico das organizações, a importância do alinhamento estratégico entre PEN e PETI, ou seja, a tecnologia da informação estar alinhado estrategicamente com os negócios da organização se tornou fator critico de sucesso para as empresas.  Com isso muitos questionamentos sobre como a TI pode ajudar as organizações surgiram ao longo do tempo, assim foi visto que: olhar estrategicamente para TI, planejar o seu uso, adequa lá aos princípios de governança corporativa e alinha lá estrategicamente a organização são ações que elevam as chances de sucesso da organização no mercado competitivo.  Tomando como cenário as empresas brasileiras de base tecnológicas, a presente pesquisa pretende responder qual a percepção de alinhamento estratégico em empresas de base tecnológica por parte de seu executivo de negócio e executivo de TI? Para isso será realizada uma pesquisa descritiva de natureza quantitativa, com utilização de um questionário estruturado (survey) como instrumento de coleta de dados. Esse questionário foi desenvolvimento tendo como base um modelo de alinhamento estratégico que é resultado da união do modelo de maturidade de Luftman (2000) com os modelos de Teo e King (1997) e Kearns e Sabherwal (2006). Esse modelo é composto de trinta práticas de alinhamento estratégico dividas em oito critérios (construtos) de alinhamento estratégico: Comunicação, Medidas de Valor e Competência, Governança, Parcerias, Escopo e Arquitetura, Habilidades, Importância do Conhecimento dos Negócios pelo Executivo de TI, e Importância do Conhecimento da TI pelo Executivo de Negócios. Assim serão utilizadas as técnicas de distribuição das frequências (para identificar a percepção dos CIOs e CEOs sobre as praticas de alinhamento estratégico) e a de modelagem de equações estruturais (para analisar as influencias entre os construtos do modelo).


Texto completo:

PDF

Referências


ACKOFF, R. L. THE MEANING OF STRATEGIC PLANNING. MICKINSEY QUATERLY, P.48-61, SUMMER 1966.

ANDREWS, K. THE CONCEPT OF CORPORATE STRATEGY, DOW JONES-IRWIN, HOMEWOOD, ILL., 1971.

AMARAL, S. C.; ZIVIANI, F.; MUYLDER, C. F.; PARREIRAS, F. S.; NEVES, J. T. R;

KILIMNIK, Z. M. DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: RELAÇÃO ENTRE GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DE PROCESSOS EM PROJETOS, XXXVIII ENCONTRO DA ANPAD, RIO DE JANEIRO – RJ, 13 A 17 DE SETEMBRO DE 2014.

AKABANE, G. K. GESTÃO ESTRATÉGICA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: CONCEITOS, METODOLOGIAS, PLANEJAMENTO E AVALIAÇÕES. EDITORA ATLAS S.A. 2012.

ARAZY, O.;GELLATLY, I. R. CORPORATE WIKIS: THE EFFECTS OF OWNERS' MOTIVATION AND BEHAVIOR ON GROUP MAMBERS' ENGAGEMENT. JOURNAL OF MANAGEMENT INFORMATION SYSTEM, V. 29, N. 3, P. 87–116, 1 JAN. 2012.

ANSOFF, H. I. CORPORATE STRATEGY. NEW YORK: MCGRAW-HILL, 1965.

ANSOFF, H. I.; DECLERCK, R. P.; HAYES, R. L. DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO À ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA. SÃO PAULO: ATLAS, 1981.

ANSOFF, H. I. IMPLANTING STRATEGIC MANAGEMENT, 2ND EDN, PRENTICE HALL, NEW YORK, 1990.

AVRICHIR, I. HISTÓRIA E COMPARAÇÃO DE INSTRUMENTOS PARA MEDIDA DE SATISFAÇÃO DE USUÁRIOS DE INFORMAÇÃO. IN: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 25., 2001, CAMPINAS. ANAIS… CAMPINAS: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 2001.

BERMEJO, H. DE S. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COM ÊNFASE EM CONHECIMENTO. 2009. TESE (DOUTORADO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO) – PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, FLORIANÓPOLIS, 2009

BHALIA, S.K. THE EFFECTIVE MANAGEMENT OF TECHNOLOGY: A CHALLENGE FOR CORPORATIONS. BATTELLE PRESS, 1987.

BOWER, MARVIN. THE WILL TO MANAGE. NEW YORK : MACGRAW-HILL, 1966.

BRODBECK, A. F.; HOPPEN, N. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO ENTRE OS PLANOS DE NEGOCIO E DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO: UM MODELO OPERACIONAL PARA IMPLANTAÇÃO. REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA, PARANÁ, V. 7, N. 3, P. 9-33, JUL./SET. 2003.

BRODBECK, A. F. ET AL. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO: ANALISE DA OCORRÊNCIA DAS PRATICAS FREQUENTES. IN: CONGRESSO ANUAL DE TECNOLOGIA DA INFORMACAO, 2005, SÃO PAULO. ANAIS... SÃO PAULO, 2005.

CAMPBELL, B. ALIGNMENT: RESOLVING AMBIGUITY WITHIN BOUNDED CHOICE. PACIS, BANGKOG, 2005.

CANEPÁ, P. C. V.; RIGONE, E. H.; BRODBECK, A. F. PRATICAS DE ALINHAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO EM ORGANIZAÇÕES INDUSTRIAIS E DE SERVIÇOS. IN: RAM. REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO MACKENZIE, V. 9, N. 1, P. 107-129, 2008.

CARVALHO, T. C. M. B.; SORTICA, E. A.; CLEMENTI, S. GOVERNANÇA DE TI: COMPARATIVO ENTRE COBIT E ITIL, ANAIS DO CONGRESSO ANUAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – CATI. 2004.

CARVALHO, M. M.; LAURINDO, F. J. B. ESTRATÉGIA COMPETITIVA: DOS CONCEITOS À IMPLEMENTAÇÃO. 2. ED. SÃO PAULO: ATLAS, 2007.

CHAN, Y. E. BUSINESS STRATEGY, INFORMATION SYSTEMS STRATEGY AND STRATEGIC FIT:MEASUREMENT AND PERFORMANCE IMPACTS. KINGSTON, ONTARIO, 1993.

CHAN, Y. E. ET AL. BUSINESS STRATEGIC ORIENTATION, INFORMATION SYSTEM STRATEGIC ORIENTATION, AND STRATEGIC ALIGNMENT. INFORMATION SYSTEMS RESEARCH, V. 8, N. 2, P. 125-150, JUNE 1997.

CHANDLER, A. D. STRATEGY AND STRUCTURE: CHAPTERS IN THE HISTORY OF THE AMERICAN INDUSTRIAL ENTERPRISE. CAMBRIDGE, MA: THE MIT PRESS, 1962.

CIBORRA, C. DE PROFUNDIS? DECONSTRUCTING THE CONCEPT OF STRATEGIC ALIGNMENT. SCANDINAVIAM JOURNAL OF INFORMATION SYSTEMS, V. 9, N. 1, P. 67-82, 1997.

COLEMAN, PRESTON; PAPP, RAYMOND. STRATEGIC ALIGNMENT: ANALYSIS OF PERSPECTIVES. IN: SOUTHERN ASSOCIATION FOR INFORMATION SYSTEMS. 2006. ATLANTA.

FARIAS, S. A.; SANTOS, R. C. MODELAGEM DE EQUAÇÕES ESTRUTURAIS E SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR: UMA INVESTIGAÇÃO TEÓRICA E PRÁTICA. ENANAPAD, 1999.

FISCHMANN. A. A.; ALMEIDA, M. I. R. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PRÁTICA. SÃO PAULO: ATLAS, 1991.

FONTANILLAS, CARLOS NAVARRO; CRUZ, EDUARDO PICANÇO; GONÇALVES, JAQUELINE PIMENTEL DE SOUZA. A GESTÃO DO CONHECIMENTO E OS PROCESSOS DE INFORMAÇÕES NAS ORGANIZAÇÕES: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA OFF SHORE. SUSTAINABLE BUSINESS INTERNATIONAL JOURNAL, N. 18, P. 1–28, 2012.

FUMEC, UNIVERSIDADE FUMEC. DISPONÍVEL EM: . BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS, BRASIL. ACESSADO EM: 01 DE JUNHO DE 2014.

GIL, A. C.. COMO ELABORAR PROJETOS DE PESQUISA. 5.ED. SÃO PAULO: ATLAS, 2010.

GILLEY, J.W.; MAYCUNICH, A. STRATEGICALLY INTEGRATED HRD: PARTNERING TO MAXIMIZE ORGANIZATIONAL PERFORMANCE. MA: ADDISON-WESLEY, 1998.

GRAEML, A. R. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES: O ALINHAMENTO DE ESTRATÉGIA DE TI COM A ESTRATÉGIA CORPORATIVA. SÃO PAULO: ATLAS, 2000.

GLUECK, W. F. BUSINESS POLICY AND STRATEGIC MANAGEMENT(3RD ED.) NEW YORK, 1980.

HAIR JR., J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS. 5.ED. PORTO ALEGRE: BOOKMAN, 2006.

HARMOR, P. BUSINESS PROCESS CHANGE: A GUIDE FOR BUSINESS MANAGERS AND BPM AND SIX SIGMA PROFESSIONAL (2. ED.) AMSTERDAM; BOSTON: ELSEVIER/MORGAN KAUFMANN PUBLISHERS, 2007.

HENDERSON, J. C.; VENKATRAMAN, N. STRATEGIC ALIGNMENT: LEVERAGING INFORMATION TECHNOLOGY FOR TRANSFORMING ORGANIZATIONS. IBM SYSTEMS JOURNAL, V. 32, N. 1, 1993.

HIRSCHHEIM, R.; SABHERWAL, R. DETOURS IN THE PATH TOWARD STRATEGIC INFORMATION SYSTEMS ALIGNMENT. CALIFORNIA MANAGEMENT REVIEW, V.44, N.1, P.87-108, 2001.

JOIA, L. A.; SOUZA, J. G. A. ARTICULANDO MODELOS DE ALINHAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, CADERNOS EBAPE.BR, 2009.

KATZ, R. L. CASES AND CONCEPTS IN CORPORATE STRATEGY. ENGLEWOOD CLIFFS, NJ: PRENTICE-HALL, 1970.

KEARNS, G. S.; SABHERWAL, R. STRATEGIC ALIGNMENT BETWEEN BUSINESS AND INFORMATION TECHNOLOGY: A KNOWLEDGE-BASED VIEW OF BEHAVIORS, OUTCOME, AND CONSEQUENCES. JOURNAL OF MANAGEMENT INFORMATION SYSTEMS, V.23, N.3, P.129-162, 2006.

KING, W. R. HOW EFFECTIVE IS YOUR IS PLANNING? LONG RANGE PLANNING, V. 21, N. 5, P. 103-112, OCT. 1988.

KOTLER, P. MARKETING MANAGEMENT. ANALYSIS, PLANNING AND CONTROL ENGLEWOOD CLIFFS: PRENTICE HALL, 1994.

ISACA. IS AUDITING GUIDELINE, IT GOVERNANCE. DOCUMENT G18, 2002.

ITGI, BOARD BRIEFING ON IT GOVERNANCE. IT GOVERNANCE INSTITUTE, 2. ED., 2003.

JAEGER-NETO J.I.; BECKER C.A.; LUCIANO E.M.; TESTA M.G. A PERCEPÇÃO DOS GESTORES DE TI EM RELAÇÃO ÀS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA DE TI ADOTADAS EM EMPRESAS DO RIO GRANDE DO SUL, 2009.

JUNIOR S.S; FREITAS H.; LUCIANO E.M. DIFICULDADES PARA O USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, RAE-ELETRÔNICA, V. 4, N. 2, ART. 20, 2005.

LAZONICK W.; O'SULLIVAN M. MAXIMIZING SHAREHOLDER VALUE: A NEW IDEOLOGY FOR CORPORATE GOVERNANCE, ECONOMY AND SOCIETY, V. 29, N° 1, 2000.

LUFTMAN, J.; LEWIS, P., OLDACH, S. TRANSFORMING THE ENTERPRISE: THE ALIGNMENT OF BUSINESS AND INFORMATION TECHNOLOGY STRATEGIES. IBM SYSTEMS JOURNAL ARMONK, 32(1), 198-224, 1993.

LUFTMAN, J. N. COMPETING IN INFORMATION AGE: STRATEGIC ALIGNMENT IN PRACTICE. OXFORD UNIVERSITY, 1996.

LUFTMAN, J. ASSESSING BUSINESS - IT ALIGNMENT MATURITY. COMMUNICATIONS OF THE ASSOCIATION OF INFORMATION SYSTEMS, V. 4, DEC. 2000.

LEARNED, EDMUND P., CHRISTENSEN, C. ROLAND, ANDREWS, KENNETH R., GUTH, WILLIAM D. BUSINESS POLICY. HOMEWOOD, IL: RICHARD D. IRWIN, 1965.

MAES, R. ET AL. REDEFINING BUSINESS – IT ALIGNMENT THROUGH A UNIFIED FRAMEWORK. UNIVERSITEIT VAN AMSTERDAN. WHITE PAPER, MAY 2000.

MAGALHÃES, I. L.; PINHEIRO, W. B. GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI NA PRÁTICA: UMA ABORDAGEM COM BASE NA ITIL. SÃO PAULO: NOVATEC, 2007.

MALHOTRA, N. K. PESQUISA DE MARKETING: UMA ORIENTAÇÃO APLICADA. 3. ED. PORTO ALEGRE: BOOKMAN, 2006.

MAROCO, J. ANÁLISE DE EQUAÇÕES ESTRUTURAIS – FUNDAMENTOS TEÓRICOS, SOFTWARE E APLICAÇÕES. PERO PINHEIRO: REPORT NUMBER, 2010.

MARTINS, G. A.; THEÓFILO, C. R. METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PARA CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS. 2 ED. SÃO PAULO: ATLAS, 2009.

MCGINNIS, S.; PUMPHREY, L.; TRIMMER, K.; WIGGINS, C. SUSTAINING AND EXTENDING ORGANIZATIONAL STRATEGY VIA INFORMATION TECHNOLOGY GOVERNANCE. PROCEEDINGS OF THE HAWAII INTERNACIONAL CONFERENCE ON SYSTEM SCIENCES, HAWAII, 2004.

MILLER, D. RELATING PORTER’S BUSINESS STRATEGIES TO ENVIRONMENT AND STRUCTURE: ANALYSIS AND PERFORMANCE IMPLICATIONS. ACADEMY OF MANAGEMENT JOURNAL, V. 31, N. 2, P. 208-308, 1998.

MINTZBERG, H. STRATEGY-MAKING IN THREE MODES. IN: MINTZBERG, H.; QUINN, JAMES BRIAN; JAMES R. M. (ED.). THE STRATEGY PROCESS: CONCEPTS AND CONTEXTS, AND CASES. ENGLEWOOD CLIFFS, NJ: PRENTICE HALL, 1988

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. SAFARÍ DE ESTRATÉGIA. PORTO ALEGRE: BOOKMAN, 2000.

OECD. USING THE OECD PRINCIPLES OF CORPORATE GOVERNANCE: A BOARDROOM PERSPECTIVE. PARIS: ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT, 2008.

OHMAE, K. TRIAD POWER: THE COMING SHAPE OF GLOBAL COMPETITION. NEW YORK: THE FREE

PRESS, 1985.

OLIVEIRA, SILVIO LUIZ DE. TRATADO DE METODOLOGIA CIENTÍFICA: PROJETOS DE PESQUISAS, TGI, TCC, MONOGRAFIAS, DISSERTAÇÕES E TESES. 2. ED. SÃO PAULO: PIONEIRA THOMSON LEARNING, 2002.

OLIVEIRA, D. P. R. GOVERNANÇA CORPORATIVA NA PRÁTICA: INTEGRAÇÃO ACIONISTAS, CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DIRETORIA EXECUTIVA NA GERAÇÃO DE RESULTADOS. SÃO PAULO: ATLAS, 2006.

OLIVEIRA, MÍRIAN. MODELOS DE MATURIDADE DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: QUANTIDADE OU QUALIDADE? IN: CONFERÊNCIA DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, 11, 2011, LISBOA. ANAIS... LISBOA: [S.N.] 2011.

PALMER, J. W.; MARKUS, M. L. THE PERFORMANCE IMPACTS OF QUICK RESPONSE AND STRATEGIC ALIGNMENT IN SPECIALTY RETAILING, INFORMATION SYSTEMS RESEARCH, 2000.

PAPP, R. BUSINESS-IT ALIGNMENT: PRODUCTIVITY PARADOX PAYOFF? INDUSTRIAL MANAGEMENT & DATA SYSTEMS, N° 99, 1999.

PASCALE, R. T. ; ATHOS, A.G. THE ART OF JAPANESE MANAGEMENT. LONDON: ALLEN LANE, 1982.

PEE, L G; KANKANHALLI, A. A MODEL OF ORGANIZATIONAL KNOWLEDGE MANAGEMENT MATURITY BASED ON PEOPLE, PROCESS, AND TECHNOLOGY. JOURNAL OF INFORMATION & KNOWLEDGE MANAGEMENT, V. 8, N. 2, P. 79-99, 2009.

PETERSON, R. INTEGRATION STRATEGIES AND TACTICS FOR INFORMATION TECHNOLOGY GOVERNANCE. IN: VAN GREMBERGEN, W. STRATEGIES FOR INFORMATION TECHNOLOGY GOVERNANCE, HERSHEY: IDEA GROUP PUBLISHING, 2004.

PORTER, M. E. COMPETITIVE ADVANTAGE: CREATING AND SUSTAINING SUPERIOR PERFORMANCE. NEW YORK: THE FREE PRESS, 1985.

PORTER, M. ESTRATÉGIA COMPETITIVA: TÉCNICAS PARA ANÁLISE DE INDÚSTRIAS E DA CONCORRÊNCIA. RIO DE JANEIRO: CAMPUS, 1986.

PORTER, M. VANTAGEM COMPETITIVA: CRIANDO E SUSTENTANDO UM DESEMPENHO SUPERIOR. RIO DE JANEIRO: CAMPUS, 1992. 512 P.

QUINN, J. B. STRATEGIES FOR CHANGE. ENGLEWOOD CLIFFS. NEW JERSEY: PRENTICE-HALL, 1980.

QUINN, D. P. “INTERNATIONAL CAPITAL FLOWS: A TWENTY-ONE COUNTRY STUDY OF FINANCIAL LIBERALIZATION 1950-1988”. PAPER PRESENTED AT THE ANNUAL MEETING OF THE AMERICAN POLITICAL SCIENCE ASSOCIATION, CHICAGO, 1992.

RABELO, F; SILVEIRA, J. M. DA. ESTRUTURAS DE GOVERNANÇA E GOVERNANÇA CORPORATIVA: AVANÇANDO NA DIREÇÃO DA INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES COMPETITIVAS E FINANCEIRAS. TEXTO PARA DISCUSSÃO. IE/UNICAMP, N. 77, JUL. 1999.

REICH, B. H.; BENBASAT, I. MEASURING THE LINKAGE BETWEEN BUSINESS AND INFORMATION TECHNOLOGY OBJECTIVES. MIS QUARTERLY, V. 20, N. 1, P. 55-81, MAR. 1996.

REZENDE, D. A. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO AO BUSINESS PLAN: CONTRIBUIÇÃO PARA A INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL DAS ORGANIZAÇÕES. READ – REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO, PORTO ALEGRE, V. 9, N. 1, P.1-26, FEV. 2003.

RIGONI, E. H.; BRODBECK, A. F.; HOPPEN, N. PERCEPÇÕES DE EXECUTIVOS DE TI E DE NEGÓCIOS EM RELAÇÃO AO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO PROMOVIDO EM INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. IN: ENCONTRO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, SALVADOR. ANAIS... SALVADOR: ANPAD, 2006.

RODRIGUEZ, M. V.; FERRANTE, A. J. A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E MUDANÇA ORGANIZACIONAL. RIO DE JANEIRO: INFOBOOK, 1995.

ROCKART, J. F.; MORTON, M. S. IMPLICATIONS OF CHANGES IN INFORMATION TECHNOLOGY FOR CORPORATE STRATEGY. INTERFACES, V. 14, N. 1, JAN./FEV. 1984, P. 84-95.

ROWLEY, J. STRATEGIC INFORMATION SYSTEMS PLANNING, INFORMATION SERVICES & USE, V.15, 1995.

RUMELT, R.P. STRATEGY STRUCTURE AND ECONOMIC PERFORMANCE OF THE FORTUNE. HARVARD UNIVERSITY PRESS, 1974.

SAMBAMURTHY, V.; ZMUD, R. ARRANGEMENTS FOR INFORMATION TECHNOLOGY GOVERNANCE: A THEORY OF MULTIPLE CONTIGENCIES. MIS QUARTERLY, V. 23, N. 2, P. 261-290, JUNE 1999.

SANTOS, E. R. GOVERNANÇA DE TI: ALINHANDO TECNOLOGIAS AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ARTIGO DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL (ULBRA) NO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO – CANOAS, RS, 2008.

SAVIN, J. M. INFORMATION TECHNOLOGY STRATEGY: MANAGING THE DARK SIDE, HANDBOOK OF BUSINESS STRATEGY, V. 5, N° 1, 2004.

SCORNAVACCA JR. E.; BECKER J. L.; BARNES; S. J. DEVELOPING AUTOMATED E-SURVEY AND CONTROL TOOLS: AN APPLICATION IN INDUSTRIAL MANAGEMENT. INDUSTRIAL MANAGEMENT & DATA SYSTEM, V. 104, N. 3, 2004.

SIQUEIRA, MARLI APARECIDA DA SILVA. MONOGRAFIAS E TESES: DAS NORMAS TÉCNICAS AO PROJETO DE PESQUISA. BRASÍLIA: CONSULEX, 2005. --- TIRAR

SHLEIFER, A.; VISHNY, W. A SURVEY ON CORPORATE GOVERNANCE. THE JOURNAL OF FINANCE VOL 52 (1997): NO 2. TAVARES, M. C. GESTÃO ESTRATÉGICA. SÃO PAULO: ATKAS, 2000.

STAUB, I. D.; MARTINS, H. C.; RODRIGUES, S.B. GOVERNANÇA CORPORATIVA E CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA: DA TEORIA À PRÁTICA, OS IMPACTOS ORGANIZACIONAIS E FINANCEIROS. REVISTA ECONOMIA E GESTÃO, BELO HORIZONTE, V.2, N.3, P. 36-55, JAN./JUN. 2002.- INSERIR

STEINER, G. A.; MINER, J.B. MANAGEMENT POLICY AND STRATEGY. NEW YORK: MACMILLAN, 1977.

STEINER, G. A. STRATEGIC PLANNING, FREE PRESS, NEW YORK, 1979.

STEINER, G. A.; STEINER, J. BUSINESS, GOVERNMENT, AND SOCIETY: A MANAGERIAL PERSPECTIVE. 10. ED. USA: MCGRAW-HILL, 2003.

STONER, J. A. F; FREEMAN, R. E.; GILBERT, D. R. MANAGEMENT , LONDON: PRENTICE-HALL INTERNATICIONAL LIMITED, 1995.

STEVENSON, W. J. ESTATÍSTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO. SÃO PAULO: HARBRA, 1986.

SHARPLIN, A. THE BHOPAL TRAGEDY. UNION CARBIDE OF INDIA LTD, 1985.

TEO, T. S. H; KING, W. R. JOURNAL OF MANAGEMENT INFORMATION SYSTEMS, V. 14, N. 1, P. 185-214, SUMMER 1997.

TEO, T. S. H; ANG, J. S. K. CRITICAL SUCCESS FACTORS IN THE ALIGNMENT OF IS PLANS WITH BUSINESS PLANS, INTERNATIONAL JOURNAL OF INFORMATION MANAGEMENT, 1999.

TILLES, S. (1963). HOW TO EVALUATE CORPORATE STRATEGY. HARVARD BUSINESS REVIEW, JUL/AUG.

TOIVONEN R. PLANNING THE USE OF INFORMATION TECHNOLOGY IN MARKETING: THE CASE OF FINNISH FOREST INDUSTRIES. FOREST PRODUCTS JOURNAL, MADISON, V. 49, N. 10, P. 25-30, OCT. 1999.

TURBAN, E.; MCLEAN, E.; WETHERBE, J. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA GESTÃO. PORTO ALEGRE: BOCKMAN, 3. ED., 2004.

VAN GREMBERGEN, W. STRATEGIES FOR INFORMATION TECHNOLOGY GOVERNANCE. HERSHEY: IDEA GROUP PUBLISHING, 2002.

VAN GREMBERGEN, W.; DE HAES, S.; GULDENTOPS, E. STRUCTURES, PROCESSES AND RELATIONAL MECHANISMS FOR IT GOVERNANCE. IN VAN GREMBERGEN, W. STRATEGIES FOR INFORMATION TECHNOLOGY GOVERNANCE, HERSHEY: IDEA GROUP PUBLISHING, 2004.

VON NEUMANN, J.; O. MORGENSTERN: THEORY OF GAMES AND ECONOMIC BEHAVIOR. PRINCETON: PRINCETON UNIVERSITY PRESS, 1947.

WEBB, PHYL; POLLARD, CAROL; RIDLEY, GAIL. ATTEMPTING TO DEFINE IT GOVERNANCE. IN: PROCEEDINGS OF THE 39TH HAWAII INTERNATIONAL CONFERENCE ON SYSTEM SCIENCES. HAWAII. 2006.

WEILL, P.; ROSS, J. IT GOVERNANCE: HOW TOP PERFORMERS MANAGE IT DECISIONS RIGHTS FOR SUPERIOR RESULTS. WATERTOWN: HARVARD BUSINESS SCHOOL PRESS, 2004.

WINTER S. KNOWLEDGE AND COMPETENCE AS STRATEGIC ASSETS. IN: KLEIN, D. (ED.). THE STRATEGIC MANAGEMENT OF INTELLECTUAL CAPITAL, WOBURN, MA: BUTTERWORTH-HEINEMANN, 1998.

WRAPP, H.E. (1967). GOOD MANAGERS DON'T MAKE POLICY DECISIONS, HARVARD BUSINESS REVIEW, SEPTEMBER-OCTOBER 1967.

YAYLA, ALI ALPER. ANTECEDENTS OF IT – BUSINESS STRATEGIC ALIGNMENT AND THE MODERATING ROLES OF GOAL COMMITMENT AND ENVIRONMENTAL UNCERTAINTY. BOCA RATON, FL: BARRY KAYE COLLEGE OF BUSINESS, DEC. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)