Portais Corporativos dos Tribunais de Contas: Ferramenta para A Promoção da Transparência Pública e Do Controle Social

Rodrigo Fernandes Berlini

Resumo


A evolução das tecnologias de informação e comunicação (TICs), principalmente nas últimas décadas, permitiu enorme avanço na administração pública e promoveu maior proximidade na relação entre o Estado e a sociedade. As TICs possibilitaram o desenvolvimento de novas formas de gerenciamento da informação na esfera governamental. Por meio dessas tecnologias, surgiu o governo eletrônico, que implantou profunda reforma administrativa e incrementou o relacionamento com a sociedade, uma vez que melhores níveis de eficiência da administração foram alcançados. Em função disso, a utilização da usabilidade associada em portais corporativos representa importante ferramenta do governo eletrônico para promover a acessibilidade do cidadão à administração pública. Esta pesquisa teve por objetivo avaliar as características da usabilidade, do portal corporativo e do governo eletrônico enquanto ferramentas capazes de facilitar o fortalecimento da transparência pública e o controle social empregados em portais dos Tribunais de Contas do Brasil. Avaliaram-se 28 portais eletrônicos dos Tribunais de Contas brasileiros, utilizando como recurso metodológico a análise de conteúdo, mediante com uma abordagem descritiva e estatística, que se concentrou em avaliar, quantificar e qualificar os recursos de governo eletrônico, do portal corporativo e da usabilidade empregados pelos Tribunais de Contas em seus portais. Os resultados demonstrados por esta pesquisa evidenciaram o grau de evolução em que se encontravam os portais dos Tribunais de Contas, com o intuito de despertar o interesse em sua utilização como um instrumento apto a promover o acesso à informação e a reforçar o vínculo do cidadão com o governo. Ao longo da pesquisa, buscou-se demonstrar os possíveis pontos a serem aprimorados em cada um dos portais analisados, para que os princípios de transparência pública e de acessibilidade sejam disponibilizados aos cidadãos, garantindo a eles o acesso às informações de uma forma simples e eficaz.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, Bryce L. Toward a User-Centered approach to information systems. Nova Iorque: Academic Press, 1996. 308 p.

ALMEIDA, Marcus Garcia de; ROSA, Priscila Cristina. Intranet, Internet e redes corporativas. Rio de Janeiro: Brasport, 2000.

ALVIM, Paulo. Enterprise Information Portals: integrando aplicações na Web. Develepors´CIO Magazine, São Paulo, n. 56, p. 20-21, Abril 2001.

ANSELIN, L The Moran scatterplot as an ESDAtool to assess local instability in spatial association. Fisher, M, Scholten, H.J and Unwin, D W (eds). Spatial analytical perspectives in GIS. Taylor&Francis. London. p 111-125. 1996.

ARAKAKI, Cristiane. O Governo Eletrônico como Instrumento de Aproximação do Governo e o Cidadão. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, 2008.

ARAÚJO, Wagner Frederico Gomes de; GOMES, Marco Paulo Soares. GOVERNANÇA ELETRÔNICA NA AMÉRICA LATINA: PODEMOS ESPERAR UMA DEMOCRACIA ELETRÔNICA? Disponível em: www.neic.iesp.uerj.br/GovernancaEletronicaNaAmericaLatina_Final.doc . Acesso em: 03 jun. 2013.

AYRES, M. et al. Bioestat 5.0: aplicações estatísticas nas áreas biológicas e médicas. Belém: Sociedade Mamirauá. Brasília CNPq. 200 7. 290 p.

BABBIE, E. Métodos de Pesquisa de Survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

BARBOZA, E. M., NUNES, E. M., SENA, N. K. (jan/abr de 2000). Web sites governamentais, uma esplanada à parte. Ci. Inf., 29(1), 118-125.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70. 2004.

BARROSO, A. C. O.; GOMES, E. B. P. Tentando entender a Gestão do Conhecimento. Revista de Administração Pública, v. 32, mar./abr. 1999.

BATISTA, F. F. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão/Fábio Ferreira Batista. – Brasília: Ipea, 2012.

BENETT, Gordon. Intranets: Como Implantar com Sucesso na sua Empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

BHATT, Ganesh D. Knowledge management in organizations: examining the interaction between technologies, techniques, and people. Journal of Knowledge Management, v. 5, n. 1, p. 68-75. 2001.

BNDES. INFORME-SE. Modernização Da Gestão E-Governo: O Que Já Fazem Estados E Municípios. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/informesf/inf_20.pdf . Acesso em: 31 mai. 2013.

BORGES, Jussara; SILVA, Helena Pereira da. Democracia eletrônica e Competência informacional. Disponível em: www.periodicos.ufpb.br ojs index.php ies article download 448 1500 . Acesso em 29 mai. 2013

BRASIL. Controladoria Geral da União. Acesso à Informação no Brasil. Disponível em: http://www.acessoainformacao.gov.br/acessoainformacaogov/acesso-informacao-brasil/ . Acesso em: 30 mai. 2013.

BRASIL, Padrões Web em Governo Eletrônico: Guia de Administração / Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - Brasília : MP, SLTI, 2009.

BRASIL. Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão. Secretaria de Orçamento Federal. Padrões Web em Governo Eletrônico e-PWG - Cartilha de Usabilidade. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2007.

BRASIL, Padrões Web em Governo Eletrônico: Cartilha de Usabilidade/Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - Brasília : MP, SLTI, 2010.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº. 12.527/11. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12527.htm . Acesso em: 30 mai. 2013.

BUSH, V. As we way think. Athantic Mont Hly, n.1, p. 101-108. July, 1945. [online], Maio, 1999. Disponível em: < http://www.ps.uni-saarland.de/~duchier/pub/vbush/vbush-all.shtml>. Acesso em: 22 Ago 2013.

CABESTRÉ, S. A.; GRAZIADEI, T. M.; FARIA, L. Inteligência competitiva no contexto digital – a utilização do sistema intranet como facilitador dos relacionamentos no ambiente organizacional. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 27, 2004, Porto Alegre. Anais, Porto Alegre, PUC, 2004, p.1-15.

CAMPELLO, Bernadete S., CENDÓN, Beatriz V., KREMER, Jeannette M.(org.). Fontes de Informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000. p.17.

CARDOSO, C.A. Porquê um portal organizacional (EIP). 2002

CARVALHO, Luis Gustavo Grandinetti Castanho de. A informação como bem de consumo. Revista Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor. Vol. 41, jan.-mar./2002, p. 253 – 263.

CARVALHO, Rodrigo B. Intranets, Portais Corporativos e Gestão Do Conhecimento:Análise das Experiências de Organizações Brasileiras e Portuguesas. Belo Horizonte:UFMG, 2006. Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFMG.

CASTELLS, Manuel . A sociedade em rede. Tradução de Roneide Venâncio Majer. 9. ed. atual. São Paulo: Paz e Terra, 2006. (A era da informação: economia, sociedade e cultura; v.1).

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: A era da informação: economia, sociedade e cultura;v.1. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: A era da informação: economia, sociedade e cultura;v.1. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CASTELLS, Manuel. A Galáxia da Internet. Reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Ed. do Senac, 2003.

Ciência da Informação da UFMG, 2003. Dissertação de mestrado.

CONCEIÇÃO, Antonio Cesar Lima da. Controle Social da Administração Pública: Informação & Conhecimento – interação necessária para a efetiva participação popular nos orçamentos públicos. Disponível em: http://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/2055022.PDF . Acesso em: 30 mai. 2013.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DAVENPORT, T. H., PRUSAK, L. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 20 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

DIAS, C. Hipertexto: evolução histórica e efeitos sociais. Ciência da Informação, v.28, n.3, p. 267-275. Dez. 1999.

DIAS, C. Portal corporativo: conceitos e características. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 1, p. 50-60, jan/abri. 2001.

DIAS, C. Usabilidade na web: criando portais mais acessíveis. 1. ed. Rio de Janeiro: Alta Books Ed., 2003.

DIAS, C. Usabilidade na web: criando portais mais acessíveis. 2. ed. Rio de Janeiro: Alta Books Ed., 2007. 296p.

DIAS, Rafael de Brito; Governo eletrônico: ferramenta democrática ou instrumento do neoliberalismo? Revista Tecnologia e Sociedade - 2ª Edição, 2012. ISSN (versão online): 1984-3526.

Disponível em: http://www.usabilidoido.com.br/design_de_interacao_social.html

documental y difusión de infromacion. Anales de Documentácion, n.4, 2001.

ECKERSON, W. 15 rules for enterprise portals. Oracle Magezine, v.13, n. 4, p. 13-14, July/Aug. 1999. [online], abril 2000. Disponível em: [ http://www.oracle.com/oramag/oracle/99-Jul/49ind.html].

EISENBERG, José. Internet Popular e Democracia nas Cidades. Belo Horizonte: Revista IP – Informática Pública, v.01, n.01, p.07-24, maio/1999.

FERGUSON, M. Estratégias de governo eletrônico: o cenário internacional em desenvolvimento. IN: EISENBERG, J; CEPIK, M (Orgs). Internet e política: teoria e prática da democracia eletrônica. Belo Horizonte: Editora:UFMG, 2002.

FLEMING, Jennifer. Web navigation: Designing the user experience. Sebastopol, Calif.: O'Reilly, 1998.

FLEURY, O. M. M. J. Gestão Estratégica do Conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004. FONSECA JÚNIOR, José de Ribamar Lima da. Governança e democracia eletrônica. Jus Navigandi, Teresina, ano 14, n. 2313, 31 out. 2009 . Disponível em: http://jus.com.br/revista/texto/13772. Acesso em: 3 jun. 2013.

FREDERICK, Amstel. Design de Interação Social. In: Blog Usabilidoido,

FREITAS, R. A. de; QUINTANILLA, L. W.; NOGUEIRA, A. dos S.. Portais corporativos: uma ferramenta estratégica para a gestão do conhecimento. Rio de Janeiro: Brasport, 2004.

FREY, Klaus. Governança Eletrônica: experiências de cidades européias e algumas lições para países em desenvolvimento. Belo Horizonte: Revista IP – Informática Pública, v.02, p.31-48, maio/2000.

GALLO, Michael A.; HANCOCK, William A. Comunicação entre computadores e

GIL, A. C Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HAIR, Joseph F., Willian C. Black, Barry J. Babin, Rolph E. Anderson, e Ronald L. Tatham. Análise Multivariada de Dados. Porto alegre: Bookman, 2009.

JACCARD, P. “The distribution of the flora in the alpine zone.” New Phytologist, 1912: 37-50. Triola, Mario F. Introdução à Estatística. LTC, 2005.

JOHNSON, S. Emergência: a dinâmica de rede em formigas, cérebros, Cidades e softwares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

Knowledge Management, v. 6, n. 3, p. 224-239, 2002.

KROGH, V. G.; ICHIJO, K.; NONAKA, I. Facilitando a criação de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011.

LEMOS, C. Inovação na era do conhecimento. In: LASTRES, H. M.; ALBAGLI, S. (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993. [2002].

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. 260 p.

LOCK, Fernando do Nascimento. Participação Popular no Controle da Administração Pública: um estudo exploratório. Revista Eletrônica de Contabilidade: Curso de Ciências Contábeis UFSM, Santa Maria - RS, v. 1, n. , p.122-133, 01 set. 2004. Trimestral. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2013.

LUDKE, M. e ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. MARÇAL FILHO, Justen. Curso de direito administrativo. São Paulo: Saraiva, 2005, p.14.

MARCUS, Robert; WATTERS, Beverly. Collective Knowledge: Intranets, Productivity and the promise of the knowledge workplace. Redmond: Microsoft Press, 2002.

MARINELA, Fernanda. Direito Administrativo. 5 ed. Niterói: Impetus, 2011.

MARTIELI, Rosa Maria Feltrim. Tecnologia da informação na construção do conhecimento : uma abordagem a partir do modelo de Nonaka & Takeuchi. 2001, 118 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção)-Universidade de Santa Catarina, Santa Catarina, 2001.

MARTÍN, César. Usabilidade. Disponível em: . Acesso em 05 de maio de 2013.

MARTINS, G. de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

McGEE, T.; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

MEMÓRIA, Felipe. Design para internet: projetando a experiência perfeita. Editora Campus, 2005. 192p.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, métodos e criatividade. 21 ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

MOLINA, L.G. Portais corporativos: tecnologia de informação e comunicação aplicadas à gestão da informação e do conhecimento em empresas de Tecnologia de Informação. Dissertação de Mestrado (Mestrado – Ciência da Informação). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências. Marília, 2008.

MONAVVARIAN, A.; KASAEI, M. A KM model for public administration: the case of Labour Ministry. VINE: The Journal of Information and Knowledge Management Systems, v. 37, n. 3, p. 348-367, 2007.

MORAES, Maira de. Produtos interativos para consumidores multimídia: discutindo a interatividade na era dos bits. Pré Textos, Bahia, 25 nov. 1998.

MUELLER, C.; TORRES, M.; MORAIS, M. Referencial básico para a construção de um sistema de indicadores urbanos. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 1997.

MURRAY, G. The portal is the desktop. Intraspect, May/June 1999.

NASCIMENTO, Elyesley Silva do. Curso de Direito Administrativo. Niterói: Impetus, 2013. p. 1015.

NASCIMENTO, J. A. M. do; AMARAL, S. A. do. Avaliação de usabilidade na internet. Brasília: Thesaurus, 2010. 142p.

NEVIS, E. C.; DI BELLA, A. J.; GOULD, J. M. Understanding organizations as learning systems. Sloan Management Review, v. 36, n. 2, p. 73-85, 1997.

NIELSEN, Jakob. Projetando websites: designing web usability. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2000. 416p.

NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa. Usabilidade na web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO. Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3.ed. FINEP, 2005. Disponível em: . Acesso em: 15.12.2013.

PADOVANI, S. Avaliação ergonômica de sistemas de navegação em hipertextos fechados. In MORAES, Anamaria de. Design e avaliação de interface. Rio de Janeiro, iUSeR, 2002, p. 27-58.

PÉREZ, T.S. Las comunidades virtuales y los portales como encenarios de gestión

PETRINI, M.; FREITAS, M. T.; POZZEBON, M. Inteligência de negócios ou inteligência competitiva? Noivo Neurótico, Noiva Nervosa. In: ENCONTRO NACIONAL DOS

PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, Salvador. Anais.... Salvador, BA: Ed. ANPAD, 2006.

PINHO, J.B. Publicidade e vendas na internet. São Paulo: Summus, 2000. 354p.

PINHO, José Antônio Gomes de; SACRAMENTO, Ana Rita. Accountability: já podemos traduzi-la para o português? Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rap/v43n6/06.pdf . Acesso em: 01 jun. 2013.

PRIMO, Alex F. Teixeira; Uma análise sistêmica da interação mediada por computador. Informática na Educação, Porto Alegre, v. 3, n.1, p. 73-84, 2000

OCDE. (2013), Education at a Glance 2013: OECD indicators. Disponível em: . Acesso em: 12/04/2014.

REYNOLDS, H & KOULOPOULOS, T. Enterprise knowledge has a face. Intelligent Enterprise, v. 2, p. 29-34, Mar. 1999.

REYNOLDS, H.; KOULOPOULOS, T. Enterprise knowledge has a face.2008

RICHARDSON, R. J. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ROVER, Aires José. Métrica de Avaliação dos Sítios e Portais Corporativos dos Tribunais de Contas Brasileiros. – Florianópolis: Conceito Editorial, 2012. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/livro_tcu.pdf . Acesso em 03ju. 2013.

SACRAMENTO, A. R. S.; PINHO, J. A. G. Transparência na administração pública: o que mudou depois da Lei de Responsabilidade Fiscal? Um estudo exploratório em seis Municípios da região metropolitana de salvador. Revista de Contabilidade da UFBA, Salvador, v. 1, n.1, p. 48-61 set./dez. 2007.

SALDANHA, Ricardo. Portais corporativos: entre o sonho e a realidade, abril 2004.

SANTOS, Daniela Gomes dos. A internet como instrumento de controle social: o portal da transparência do Governo Federal – Brasília, 2010. Disponível em:

http://bdm.bce.unb.br/bitstream/10483/3983/6/2010_DanielaGomesdosSantos.pdf . Acesso em: 25 mai. 2013.

SHIELDS, D.; SOLAR, S.; MARTIN, W. The role of values and objectives in communicating indicators of sustainability. Ecological Indicator, v. 2, n. 1-2, p. 149-160, nov. 2002.

SHILAKES, C. C. e TYLMAN, J. Enterprise informations portals. New York, NY: Merril Lynch, 16 Nov. 1998.

SICHE, Raul; AGOSTINHO, Feni; ORTEGA, Henrique; ROMEIRO, Ademar. Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade Campinas v. X, n. 2 p. 137 – 148 , jul. dez. 2007.

SILVA, S. L. Gestão do conhecimento: uma revisão critica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Revista Ciência da Informação, Brasília, v.33, n2, p. 143-151, maio/ago. 2004

SVEIBY, K. E. A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

tecnologias de rede. São Paulo: Pioneira, 2003.

TERRA, J. C. Gestão de Conhecimento. 2. ed. São Paulo: Negócio, 2001.

TERRA, J. C.; BAX, M. P. Portais corporativos: instrumento de gestão de informação e de conhecimento. In: Isis Paim. (Org.). A Gestão da Informação e do Conhecimento. Belo Horizonte, 2003.

TERRA, José Cláudio Cyrineu; GORDON Cindy. Portais Corporativos: a revolução na gestão do conhecimento. São Paulo: Negócio, 2002.

TOMAÉL, M. I.; MARTELETO, R. M. Do compartilhamento da informação ao conhecimento coletivo. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 7., 2006, Marília. Anais... Marilia: ANCIB, 2006.

TRIBUNAL DE CONTAS DE MINAS GERAIS. Disponível em: http://www.tce.mg.gov.br/index.asp?cod_secao=1IMQ&tipo=1&url=&cod_secao_menu=3 . Acesso em: 25 mai de 2013.

TRIBUNAL DE CONTAS DE MINAS GERAIS. Disponível em: http://www.tce.mg.gov.br/IMG/Legislacao/legiscont/Regimentointerno/Reg-Int-12-08%20%20-%20Atualizado.pdf. Acesso em: 23 mai de 2013.

TRIBUNAL DE CONTAS DE MINAS GERAIS. Disponível em: http://www.tce.mg.gov.br/index.asp?cod_secao=1J&tipo=1&url=&cod_secao_menu=3. Acesso em: 23, mai. de 2013.

TRIBUNAL DE CONTAS DE MINAS GERAIS. Disponível em: http://www.tce.mg.gov.br/?cod_pagina=1111620270&acao=pagina&cod_secao_menu=5K&a=noticias# Acesso em: 23, mai. de 2013

TRIOLA, M. F. Introdução à Estatística. 10ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 696 pág.

VASCONCELOS, M. C. R. L. de, FERREIRA, M. A. T. O processo de aprendizagem e a Gestão do Conhecimento em empresas mineiras de vanguarda. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 26., 2002, Salvador. Anais... Salvador: ANPAD, 2002.

VILELA, Renata Moutinho. Conteúdo, usabilidade e funcionalidade: três dimensões para avaliação de portais estaduais de governo eletrônico na web. Belo Horizonte: Escola de

WHITE, C. Decision threshold. Intelligent Enterprise, v. 2, n. 16, p. 35-40, Nov. 1999.

WHITE, C. Enterprise information portal requirements. Decision processing brief. DP -99-02. Morgan Hill, CA: Database Associates International, Jan. 1999.

WIIG, K. M. Knowledge management in public administration. Journal of

XEXÉO, G. (2003, Abril). Vinte anos do nascimento da internet. Ciência Hoje.

YIN, R, K (2005). Estudo de Caso. Planejamento e Métodos. 3ed. São Paulo: Bookman Editora.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)