Fatores de Análise de Desempenho Determinantes das IES e Unidades de Ensino Superior Brasileiras: uma Análise das Relações entre As Variáveis do Censo da Educação Superior e Demográfico

JOHNNY VICTOR MATOS ABJAUD

Resumo


A importância das Instituições de Ensino Superior no Brasil é incontestável. Entretanto há que se entender a evolução dos números relacionados a essas instituições pelo país, visto que houve, nos últimos anos, um aumento na quantidade de instituições e de oferta de cursos pelo Brasil. Como essas instituições são propagadoras, criadoras e desenvolvedoras do conhecimento faz-se necessário analisar a qualidade deste serviço. Atualmente é um diferencial que faz com que as instituições de ensino superior usem os indicadores, apontados pelo Ministério da Educação, com a finalidade de permanecer no mercado e ainda garantir a inserção de profissionais no mercado com uma qualificação cada vez melhores. A partir destes argumentos buscou-se, com esta pesquisa entender: Qual é a relação entre fatores de análise de desempenho determinantes das IES e unidades de ensino superior e as variáveis do censo da educação superior e censo demográfico brasileiro? Esta dissertação tem como objetivo analisar os fatores de análise de desempenho determinantes das IES e unidades de ensino superior brasileiras através de uma análise das relações entre as variáveis do censo da educação superior e demográfico, a partir de modelos de análise fatorial e de equações estruturais. Como objetivos específicos buscou-se identificar os fatores de desempenho dos cursos superiores no modelo governamental brasileiro; comparar os indicadores em macrorregiões brasileiras, analisar os fatores específicos de desempenho da cidade de Belo Horizonte em comparação com os indicadores brasileiros, identificar a relação entre os indicadores de desempenho apresentados pelo MEC até 2012 e o censo demográfico de 2010. A pesquisa aqui descrita é classificada por descritiva e de natureza quantitativa, utilizando todas as Instituições de ensino superior constantes das tabelas do Ministério da Educação. A metodologia utilizada para elaboração deste estudo foi de análise estatística dos dados referente aos indicadores de desempenho e estatísticos e ainda contando com uma análise fatorial exploratória, numa segunda fase de tratamento de dados utilizou-se análise de equações estruturais. Dentro dos resultados obtidos pelo estudo estatístico notou-se que a análise fatorial mostrou que existem quatro fatores não observáveis que explicam satisfatoriamente a variabilidade das vinte e duas variáveis analisadas, entretanto foi a partir da análise de equações estruturais que houve a confirmação da significância dos quatro construtos encontrados, são eles: indicadores externos, indicadores internos, indicadores de gastos e indicadores de desempenho. Observou-se, também, que a evolução da quantidade de instituições influenciou outros fatores, como por exemplo no aumento do número de mulheres inseridas no ensino superior em número maior que dos homens. Entendeu-se que, a partir dos dados aqui analisados foi possível avaliar que os atuais indicadores utilizados pelo MEC podem ser melhor estruturados para abranger um maior número de fatores que possam auxiliar nos processos de melhoria das instituições brasileiras de ensino, e não somente no ensino superior, mas também em todas as áreas que possa apresentar algum benefício.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Decreto no 6.317, de 20 de dezembro de 2007.Aprova a Estrutura Regimental e o

Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Instituto

Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, e dá outras

providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 dez. 2007, Seção 1. Disponível em:

Arquivos=196>. Acesso em: 3 jun 2012

BRASIL. Decreto nº 6.425, de 4 de abril de 2008. Dispõe sobre o censo anual da educação.

Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 abr. 2008. Seção 1. Disponível em:

www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=3&data=07/04/2008>. Acesso

em: 3 jun 2012.

BRASIL. Lei n° 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e

dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001, Seção 1.

Disponível em:

pagina=177&totalArquivos=446>. Acesso em: 3 jun 2012

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da

educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1. Disponível

em:

otalArquivos=289>. Acesso em: 3 jun 2012.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Portaria Normativa nº 40, de 12 de dezembro de

Institui o e-MEC, sistema eletrônico de fluxo de trabalho e gerenciamento de

informações relativas aos processos de regulação daeducação superior no sistema federal de

educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção 1. Disponível em:

. Acesso em: 3 jun 2012.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Portaria Normativa nº 40, de 12 de dezembro de

Institui o e-MEC, sistema eletrônico de fluxo de trabalho e gerenciamento de

informações relativas aos processos de regulação, avaliação e supervisão da educação

superior no sistema federal de educação, e o Cadastro e-MEC de Instituições e Cursos

Superiores e consolida disposições sobre indicadores de qualidade, banco de avaliadores

(Basis) e o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e outras disposições.

Republicada por ter saído, no DOU nº 239, de 13-12-2007, Seção 1, págs. 39 a 43, com

incorreção no original. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 dez. 2010. Seção 1.

Disponível em:

data=29/12/2010. Acesso em: 3 jun 2012.

BRASIL. Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Anísio Teixeira. Manual do ENADE 2012. Brasília-DF, maio de 2012. Disponível em:

Acesso em 05 ago

BRASIL. Projeto de Lei nº 8.035/2010. Aprova o Plano Nacional de Educação para o

decênio 2010-2020 e dá outras providências. (Projeto em tramitação no Congresso Nacional).

Organização: Márcia Abreu e Marcos Cordiolli. Brasília: Câmara dos Deputados, 2011.

Disponível em:

_2020.pdf?sequence=1>. Acesso em: 3 jun 2012

BUSSAB, W., MORETTIN, P. Estatística Básica. São Paulo: Editora Saraiva. 2003.

CAJUEIRO, J. L. G.; SICSU, A. B.; RIBEIRO, A. R. B. Elementos Preliminares para a

Construção de Modelos: A Contribuição da Gestão do Conhecimento para Instituições de

Ensino Superior. Revista Gestão Industrial, v. 5, p. 219-234, 2009.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação da Educação Superior. São Paulo: Cortez, 2003.

DIAS, C. L.; HORIGUELA, M. L. M.; MARCHELLI, P. S. Políticas para avaliação da

qualidade do ensino superior no Brasil: um balanço crítico. Educação e Pesquisa, São Paulo,

v.32, n.3, p. 435-464, set./dez. 2006.

FAMA, E., JENSEN, M., Separation of ownership and control, Journal of Law and

Economics, Jun, 1983.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D.T. (Organizadoras) Métodos de pesquisa. Porto Alegre:

Editora da UFRGS, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HAIR Jr., J. F., ANDERSON, R. E., TATHAM, R. L., BLACK, W. C. Análise multivariada

de dados. Porto Alegre: Bookman, 2005

HOUAISS, A., VILLAR, M. S., FRACO, F. M. M. Dicionário Houaiss da língua

portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. 2922p.

IBGE. Censo 2010. Disponível em: . Acesso em: 12

fev. 2014.

IBGE. Metodologia do Censo 2000. Rio de Janeiro, IBGE, 2003, 558p.

INEP. Avaliação de cursos na educação superior: a função e a mecânica do Conceito

Preliminar de Curso. – Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Anísio Teixeira, 2009.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da

educação superior: 2010 – resumo técnico. – Brasília: Instituto Nacional de Estudos e

Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2012. 85 p.; tab. ISBN: 978-85-7863-018-8

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da

educação superior: 2013. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Anísio Teixeira, 2013.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculos de

índices do ENADE. Disponível em: Acesso em 03 jun. 2012

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Anuário

Estatístico do Brasil, v.70, Rio de Janeiro, 2010

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São

Paulo: Atlas, 2008.

LEITE, F. C. L., Gestão do conhecimento científico no contexto acadêmico: proposta de

um modelo conceitual. Brasília, 2006. 240p. Dissertação (Mestrado em Ciência da

Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade de

Brasília.

LOEHLIN, J. C. Latent variable models: an introduction to factor, path, and structural

equation analysis. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates. 2004.

MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à Administração. 5 ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas,

MEC, Ministério da Educação e Cultura. Índice Geral de Cursos – IGC. 2012 Disponível

em:

catid=272:sesu-igc&Itemid=613> Acesso em: 01 jun 2012.

MELLO, S. C. B.; DUTRA, H. F. O.; OLIVEIRA, P. A. S. Avaliando a qualidade de serviço

educacional numa IES: o impacto da qualidade percebida na apreciação do aluno de

graduação. O&S, v.8, n.21, p. 125-137, Maio/Agosto, 2001.

MENEGHEL, S. M.; ROBL., F.; SILVA, T. T. F. A relação entre avaliação e regulação na

Educação Superior: elementos para o debate. Educar, Curitiba, n. 28, p. 89-106, 2006.

Editora UFPR.

MINGOTI, S. A. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma

abordagem aplicada. Belo Horizonte: Editora UFMG. 2005.

OLIVEIRA, L.C.V.; CORRÊA, O.M. Normas para redação de trabalhos acadêmicos,

dissertações e teses. 2 ed. rev. Belo Horizonte: Universidade FUMEC, 2008.

PILATI, R.; LAROS, J. A. Modelos de Equações Estruturais em Psicologia: Conceitos e

Aplicações. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, Abr-Jun 2007, Vol. 23 n. 2, pp. 205-216

R Development Core Team (2012). R: A language and environment for statistical

computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. ISBN 3-900051-07-0.

ROSA, A. R.; AQUINO ALVES, M. Pode o conhecimento em gestão e organização falar

português? RAE - Revista de Administração de Empresas, vol. 51, núm. 3, maio-junho,

, pp. 255-264

SANCHEZ, G.; TRINCHERA, L.; RUSSOLILLO, G. (2013). plspm: Tools for Partial

Least Squares Path Modeling (PLS-PM). R package version 0.4.1. http://CRAN.Rproject.org/package=plspm.

SANTOS, M. R. C.; SILVA, C. E.. Universidades corporativas como vantagem competitiva

na era do conhecimento. Revista Brasileira de Administração Científica, Aquidabã, v.2,

n.1, p.31‐52, 2011.

SEGENREICH, S. C. D.; CASTANHEIRA, A. M.. Expansão,privatização e diferenciação da

educação superior no Brasil pós - LDBEN/96: evidências e tendências. Ensaio:

aval.pol.públ.Educ., Rio de Janeiro, v. 17, n. 62, mar. 2009. Disponível em

lng=pt&nrm=iso>. acessos em 02 ago. 2012.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. 21ª ed., São Paulo: Cortez, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)