USO DE SOFTWARE DE INTERAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: apoio à formação do aluno com monitorização e controle de processos educativos

ELINEY SABINO

Resumo


O objetivo do presente trabalho foi analisar a contribuição de um software de interação na educação fundamental. Como objetivos específicos, tem-se: verificar a contribuição de um software de interação na aprendizagem significativa em sala de aula do ensino fundamental: ou seja, verificar se seus conteúdos são compreensíveis para o aluno; averiguar se o software de interação facilita a aprendizagem, tornando-a mais prazerosa, mais dinâmica, interessante; e se melhora o processo de aprendizagem, permitindo, ao mesmo tempo, o controle dos processos educativos. O problema de pesquisa foi: Como o uso de um software de interação em sala de aula contribuiria com o aprimoramento dos processos educativos e da aprendizagem? O trabalho com software educativo justifica-se em função da sua importância para a construção e organização do processo de ensino e aprendizagem. Os softwares educacionais, quando bem contextualizados, podem tornar-se aliados no processo de ensino e aprendizagem, pois desempenham uma dupla função: a lúdica e a didática, de maneira criativa, motivadora e prazerosa. Associado à criação de novos esquemas mentais, possibilita a interação entre pessoas e tecnologias compartilhando objetivos comuns. Esse nível de aprendizado leva a um aprendiz participativo. A presente pesquisa caracteriza-se como exploratória e descritiva, com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada em duas escolas públicas do município de Ipatinga - MG, compreendendo 06 turmas do Ensino Fundamental, do 6º ao 8º ano, ficando assim divididas: na Escola 1, duas turmas do 7º ano, com 36 e 39 alunos e uma turma do 8º ano, com 40 alunos, e 03 professores; na Escola 2, uma turma do 6º ano, com 35 alunos, uma turma do 7º ano, com 34 alunos e uma turma do 8º ano com 20 alunos, e 03 professores; o total da amostra, portanto é de 210 pessoas. Os professores foram indicados pela diretoria das escolas, assim como as salas. Os métodos de coleta de dados utilizados no trabalho foi um questionário com perguntas fechadas, aplicados aos professores e alunos. Foram utilizados laboratórios de informática e o software de interação Acronus System 4.28. O uso do software facilitou a aprendizagem, melhorou a apreensão do conteúdo e ainda despertou o interesse dos alunos pelas aulas, inclusive com maior controle do professor não só do que o aluno estava acessando, mas, também, das dificuldades que os mesmos tinham, podendo saná-las individualmente, sem problemas, o que não poderia ser feito em uma aula comum. O aluno, por sua vez, estava em um ambiente agradável, por meio do qual despertou seu interesse pelo aprendizado, obtendo sucesso na atividade realizada, gerando ânimo pelo aprendizado. A informática veio para sala de aula trazendo melhor qualidade de ensino, que pode ser medida pelo aprendizado entusiasmado dos alunos, pelas dificuldades sanadas em tempo e com eficácia, maior controle do professor sobre cada aluno, rapidez na apresentação do conteúdo, dentre outras.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. C.; MASETTO, M. T. O professor universitário em aula: práticas e

princípios teóricos. 5. ed. São Paulo: MG Ed. Associados, 1985.

ALMEIDA, Fernando José de. Educação e informática: os computadores na Escola.

São Paulo: Cortez: Autores associados, 1998.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Gestão de tecnologias, mídias e recursos

na escola: o compartilhar de significados. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 79, p. 75-89,

jan. 2009.

ANAYA, Viviani. O campo teórico curricular, as tendências pedagógicas e a práxis

docente nos cursos de formação de professores. Anais do VII Colóquio de Pesquisa

sobre Instituições Escolares. Realizado nos dias 01, 02 e 03 de setembro de 2010.

Linha de Pesquisa em História e Teoria do Trabalho Docente e do Educador Social –

LIPHIS. Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Nove de Julho

(UNINOVE). São Paulo, 2010. Disponível em:

quio/Viviani%20Anaya.pdf>. Acesso em: 05/05/2014.

BARROS, Fernando França Monteiro de. Capacitação de professores para

utilização de novas tecnologias. 2002. 130f. Dissertação (Mestrado em Engenharia

de Produção) – Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina,

Florianópolis.

BISOL Claudia Alquati. Ciberespaço: terceiro elemento na relação

ensinante/aprendente. In: VALENTINI, Carla Beatris; SOARES, Eliana Maria do

Sacramento (Orgs.). Aprendizagem em ambientes virtuais: compartilhando ideias

e construindo cenários. Caxias do Sul, RS: Educs, 2010. Disponível em:

http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/aprendizagem-ambientes-virtuais/index.

Acesso em 25/05/2014.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de

Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos

Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007.

COLL, César (org.). Psicologia da Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

DUARTE, M. A inclusão das TIC nas escolas públicas e as relações

intergovernamentais no Brasil. In: BARBOSA, Alexandre (Coord.). Pesquisa sobre o

uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil: TIC Educação

São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2012.

FAGUNDES, L.; NEVADO, R.; BASSO, M.; BITENCOURT, J.; MENEZES, C.;

MONTEIRO, V. Projetos de Aprendizagem - Uma Experiência Mediada por Ambientes

Telemáticos. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 14, nº 1, Abr. 2006.

Disponível em: . Acesso

em: 01/04/2014.

FEIJÓ, O. G. Corpo e Movimento: Uma psicologia para o esporte. Rio de Janeiro:

Shape, 1992.

FERREIRO, E. e TEBEROSKY, A. A Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre:

Artes Médicas, 1991.

FIALHO, F. Ciências da Cognição. Florianópolis: Universo, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia-Saberes Necessários à Prática Educativa.

Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

FREITAS, K. S. de. Uma Inter-relação: políticas públicas, gestão democráticoparticipativa na escola pública e formação da equipe escolar. Em Aberto, Brasília, v.

, n. 72, p. 47-59, fev./jun. 2000a.

FREITAS, N. G. de. Pedagogia do amor. Caminho da libertação na relação

professor e aluno. Rio de Janeiro: Wak, 2000b.

FUSARI, José Cerchi. O planejamento do trabalho pedagógico: Algumas

indagações e tentativas de respostas. Série Ideias n. 8. São Paulo: FDE, 1998.

GOMES, Cristiano M. A. Em Busca de um Modelo Psico-Educativo para a

Avaliação de Softwares Educacionais. 2001. Dissertação (Mestrado em Engenharia

de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção,

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

HELLER, A. O cotidiano e a história. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro

Konder, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1989.

KAMII, Constance. Aritmética: Novas perspectivas: Implicações na teoria de Piaget.

ed. São Paulo: Papirus, 1995.

_____. Jogos em grupo: Implicações da teoria de Piaget. São Paulo: Trajetória

Cultural, 1991.

KEELING, R. Gestão de projetos: uma abordagem global. São Paulo: Saraiva, 2002.

KISHIMOTO, T. M. Froebel e a concepção de jogo infantil. In: KISHIMOTO, T. (org.)

O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1999.

LAJONQUIÈRE, Leandro de. De Piaget a Freud: para repensar as aprendizagens.

Petrópolis: Vozes, 1993.

LEITE, Lígia Silva. (Coord.). Tecnologia educacional: descubra suas possibilidades

na sala de aula. Colaboração de Cláudia Lopes Pocho, Márcia de Medeiros Aguiar,

Marisa Narcizo Sampaio. 2. Ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2004.

LENZI, Greicy Kelli Spanhol. Diretrizes para a gestão de projetos de cursos de

capacitação na modalidade de educação a distância. Dissertação (Engenharia e

Gestão do Conhecimento). 2010. Universidade Federal de Santa Catarina, Centro

Tecnológico. Florianópolis, SC, 2010. Disponível em: www.ufsc.br. Acesso em

/02/2014.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da

informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 14ª ed., 2006.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

_____. Planejamento escolar. 29/7/2013. Disponível em:

http://www.aecep.com.br/artigo/o-planejamento-escolar--jose-carlos-libaneo.html.

Acesso em 01/06/2014.

_____ et al. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez,

_____. A didática e as exigências do processo de escolarização: formação cultural e

científica e demandas das práticas socioculturais. III EDIPE – Encontro Nacional de

Didática e Prática de Ensino. Anápolis (GO), out. 2009. Disponível em

http://www.ceped.ueg.br/ocs20/dociiiedipe/texto_libaneo_iiiedipe.pdf, acessado em

agosto de 2011.

LIMA, Ana Lúcia D’Império. TIC na educação no Brasil: o acesso vem avançando. E

a aprendizagem? In: BARBOSA, Alexandre (Coord.). Pesquisa sobre o uso das

tecnologias de informação e comunicação no Brasil: TIC Educação 2011 . São

Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2012.

LOPES, Maria C. L. P. Formação tecnológica: um fenômeno em foco. Série Estudos:

Periódico do Mestrado em Educação da Universidade Católica Dom Bosco, nº 19,

junho, 2005. Campo Grande – MS: UCDB, 2005, p. 127-136.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens

qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAGDALENA, B., PERNIGOTTI, J., DUTRA, I. CAMARGO, F., VALENTINI, N.,

LACERDA, R. GONZALEZ, Yara. Projeto Amora 2000, 1999. Disponível em:

http://amora.cap.ufrgs.br/2000/documentos/ProjetoAmora2000.doc. Acesso em

/09/2013.

MERCADO, Luís Paulo Leopoldo. Novas Tecnologias na Educação: Reflexões

sobre a prática. Maceió: Educal, 2002.

MIRANDA, Guilhermina Lobato. Limites e possibilidades das TIC na educação . Sísifo

Revista de Ciências da Educação, nº 3, mai/ago, 2007. Disponível em:

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012617.pdf. Acesso em

/05/2014.

MIZUKAMI, MGN. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: Editora

Pedagógica e Universitária, 1986.

MORELATTO, C. et al. Softwares Educacionais e a Educação Especial: Refletindo

sobre Aspectos Pedagógicos. VII Ciclo de Palestras Novas Tecnologias na Educação

- 11 a 13 de julho de 2006. CINTED-UFRGS. Revista Renote - Novas Tecnologias

na Educação. V. 4, nº 1, Julho, 2006. Disponível em:

http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/13887. Acesso em 29/05/2014.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento – um processo histórico.

São Paulo: Scipione, 1993.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: repensando a escola na era da informática.

Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PIAGET, J. A psicologia da criança. Ed Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

PINHEIRO, C. M. Gestão da Aprendizagem: Controlo através de Software de Gestão

de Salas de Aula. Dissertação (Multimédia, perfil Educação). Faculdade de

Engenharia da Universidade do Porto, 2010. Porto: Portugal, Setembro de 2010.

Disponível: http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/58852/1/000143911.pdf.

Acesso em 01/02/2014.

PMBOK® - PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE - PMI. Um Guia do Conjunto de

Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK®). Project

Management Institute, Four Campus Boulevard, Newton Square, Pensylvannia, USA,

Third Edition, 2004. Tradução oficial de “A Guide to the Project Management Body of

Knowledge” (PMBOK® Guide), 2004.

PORTO, Tânia Maria Esperon. Adolescentes e meios de comunicação: espaços de

afetividade e aprendizagem. Série-Estudos. Periódico do mestrado em Educação da

UCDB, n. 19 (junho de 2005). Campo Grande: UCDB, p. 43-58, 2005.

PULASKI, Mary Ann S. Compreendendo Piaget- Uma Introdução ao

Desenvolvimento Cognitivo da Criança. RJ: Ed. Guanabara, 1986.

REGO, T. C. Vygotsky: Uma Perspectiva Histórico-Cultural da Educação. 9 ed.

Petrópolis-RJ: Vozes, 2000.

RICHARDSON, Roberto Jarry [et al]. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São

Paulo: Atlas, 1999.

RODRIGUES, Luciana Silveira. O uso de software educacional no ensino

fundamental de matemática e a aprendizagem do sistema de numeração decimal

por alunos de 3ª série. Campo Grande, 2006, 175p. Dissertação (Mestrado).

Mestrado em Educação. Universidade Católica Dom Bosco – UCDB. Disponível em:

http://site.ucdb.br/public/md-dissertacoes/7874-o-uso-de-software-educacional-noensino-fundamental-de-matematica-e-a-aprendizagem-do-sistema-de-numeracaodecimal-por-alunos-de-3-serie.pdf. Acesso em 03/05/2014.

SABINO, E. Gestão escolar e mídias na escola: transformar para ensinar. 2013.

Artigo no prelo.

SACRISTÁN, J. G. e GÓMEZ, A. I. P. Compreender e Transformar o Ensino. Porto

Alegre: Artes Médicas, 1999.

SANCHO, Juana. Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

SANTOS, Maria Eduarda V. M. dos. Desafios pedagógicos para o século XXI.

Lisboa: Livros Horizontes, 1999.

SCATTONE, Cristiane; MASINI, Elcie F. S. O software educativo no processo de

ensino-aprendizagem: um estudo de opinião de alunos de uma quarta série do ensino

fundamental. Rev. psicopedag., São Paulo, v. 24, n. 75, 2007. Disponível em

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862007000300004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em

SLOCZINSKI, Helena; SANTAROSA, Lucila Maria Costi. “Como crescemos...

Aprendemos tanto...”: Construções sociocognitivas em curso a distância, mediado

pela Web. In: VALENTINI, Carla Beatris; SOARES, Eliana Maria do Sacramento

(Orgs.). Aprendizagem em ambientes virtuais: compartilhando ideias e construindo

cenários. Caxias do Sul, RS: Educs, 2010. Disponível em:

http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/aprendizagem-ambientes-virtuais/index.

Acesso em 25/05/2014.

SOUZA JR., A. J.; SILVA, J. C. Informática e Cultura Profissional: o laboratório de

informática da escola como espaço de formação. In: FONSECA, S. G. Currículos,

Saberes e Culturas Escolar. Campinas, Editora Alínea, 2007.

SOUZA, Solange Jobim; JR., Nilton Gambá. Novos suportes, antigos temores:

tecnologia e confronto de gerações nas práticas de leitura e escrita. Revista

Brasileira de Educação. São Paulo, n.21, set./out./nov./dez., p.104 -114, 2002.

SPANHOL, G. K.; SANTOS, N. dos. As Tecnologias da Informação e Comunicação e

a Gestão do Conhecimento como apoio ao Gerenciamento das Comunicações em

Projetos. Revista Gestão Industrial (Online), v. 5, 2009, p. 43-58.

TAJRA, Sanmya Feitosa. Informática na Educação: novas ferramentas pedagógicas

para o professor da atualidade. São Paulo: Erica, 2001.

VALENTE, J. A. Computadores e conhecimento: repensando a educação. [s.ed.]

Campinas: Gráfica Central da UNICAMP, 1998.

_____. Os diferentes usos do computador na educação. In: ______. (Ed.).

Computadores e conhecimento: repensando a Educação. Campinas: UNICAMP,

-1993.

_____. Porque o computador na Educação. In: ______. (Ed.). Computadores e

conhecimento: repensando a Educação. Campinas: UNICAMP, 1990.

VALENTINI, Carla Beatris; FAGUNDES, Léa da Cruz. Comunidade de aprendizagem:

a constituição de redes sociocognitivas e autopoiéticas em ambiente virtual. In:

VALENTINI, Carla Beatris; SOARES, Eliana Maria do Sacramento (Orgs.).

Aprendizagem em ambientes virtuais: compartilhando ideias e construindo

cenários. Caxias do Sul, RS: Educs, 2010. Disponível em:

http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/aprendizagem-ambientes-virtuais/index.

Acesso em 25/05/2014.

VASCONCELOS, Celso dos Santos. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem

e Projeto político-pedagógico – elementos metodológicos para elaboração e

realização. São Paulo: Libertad, 1999.

VINHOLI, Maria da Graça. Utilização da TV Escola no cotidiano escolar: um estudo

das possibilidades e das limitações em uma escola pública de Mato Grosso do Sul.

Dissertação de Mestrado. São Carlos: UFSCAR, 2002.

VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984; 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)