QUALIDADE DA INFORMAÇÃO: ANÁLISE TEXTUAL AUTOMATIZADA DE PUBLICAÇÕES EM SITES JORNALÍSTICOS E CRITÉRIOS DE QUALIDADE PERCEBIDOS PELO LEITOR

TIAGO ANTÔNIO DE ARAÚJO

Resumo


Juntamente com Internet, cresceu a possibilidade de que a informação que se deseja esteja
disponível on-line. Porém, unida às inúmeras bases de dados, surgiu a distância cognitiva, ou
seja, a dificuldade dos usuários (leitores) chegarem à informação que lhes interessa. E mesmo
quando se encontra o procurado, como avaliar a qualidade da informação? Embora as
pesquisas sobre extração automática de informações tenham se ampliado nos últimos anos, há
ainda muitos campos a serem explorados. O presente trabalho tem o objetivo de avaliar a
qualidade das publicações em sites jornalísticos do estado de Minas Gerais por meio de
análise textual e parâmetros de qualidade da informação adotados por leitores. A partir da
identificação do perfil cognitivo dos leitores de acordo com reações e habilidades diante de
estímulos semióticos, análise textual da similaridade entre uma notícia e seu resumo,
identificação dos parâmetros de qualidade da informação e análise da percepção da qualidade
dos sites jornalísticos. Um roteiro de entrevista semiestruturado foi desenvolvido para
realização das entrevistas com leitores dos sites jornalísticos do Estado de Minas, O Tempo e
Hoje em Dia. O roteiro foi composto de quatro blocos, com questionamentos na escala Likert,
que orientaram a coleta de dados. Foram entrevistados 24 leitores na região metropolitana de
Belo Horizonte, no período de 11 a 15 de novembro de 2013. Os resultados obtidos apontam
que a proliferação de conceitos e parâmetros certamente apresenta-se como obstáculo à
adoção de uma definição consensual. Os leitores assimilaram melhor textos mais curtos,
mesmo validando os maiores e mais completos, pois o excesso de informações, mesmo
avaliadas positivamente, não foi totalmente absorvido por eles. E assim tem-se “clareza”,
“dados estatísticos” e “título” como os principais parâmetros na qualificação da informação
intencional e “legenda”, “referências” e “vocabulário” como parâmetros suplementares.

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ALEXANDER, J. E.; TATE, M. A. Web wisdom: how to evaluate and create information

quality on the web. Mahwah, N.J: Erlbaum, 1999.

ÁLVAREZ, A. C. Extração de Informação de Artigos Científicos: uma abordagem baseada

na indução de regras de etiquetagem. São Carlos: USP, 2007.

ARAÚJO, Vânia M. R. H. Sistemas de informação: novaabordagem teórico conceitual.

Ciência da Informação, Brasília, v. 24, n. 1, p. 54-76, jan./abr. 1995.

ASSIS, Juliana. Indicadores de qualidade da informação em sistemas baseados em

Folksonomia: uma abordagem semiótica. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

BACHELARD. G. A filosofia do não. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

BARROS, F. A; ROBIN, J. Processamento de Linguagem Natural. In: Congresso da

Sociedade Brasileira de Computação, Recife, 2007.

BOURDIEU, P.; CHARTIER, R. A leitura: uma prática cultutal. In: CHARTIER, R. (Org.).

Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

BUCKLAND, K. Michael. Information as a thing. Journal of the American Society for

Information Science, Silver Spring, v. 42, n. 5, p. 351-360, 1991,

CANAVILHAS, João. Webjornalismo: Da Pirâmide invertida à pirâmide deitada. In:

BARBOSA, Suzana (Org.). Jornalismo Digital de Terceira Geração. Labcom, Covilhã, p.

-6, 2007.

CAPURRO, Rafael; HJØRLAND, Birger. The Concept of Information.Annual Review of

Information Science and Technology, Sylver Spring, v. 37, p. 343-411, 2003.

CASSIANO, Reinaldo Mesquita. Estratégias competitivas das empresas produtoras de

sementes de soja: um estudo exploratório no Sul de Mato Grosso. ( Mestrado em

Administração e Desenvolvimento Organizacional). CNEC/FACECA. Faculdade Cenecista

de Varginha. Varginha, 2005.

CHARTIER, Roger (Org.). A aventura do livro.Do leitor ao navegador. Reginaldo

Carmello Corrêa de Moraes (Trad.). Unesp, 1998.

CURI, Walter Romano. A percepção dos clientes quanto à qualidade dos sites na Internet:

aplicação e validação do modelo WEBQUAL. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

DEELY, John. Semiótica básica. São Paulo: Ática, 1990.

DEDEKE, A. A conceptual framework for developing quality measures for information

systems. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATIONQUALITY, 2000,

Massachusetts. Proceedings... Massachusetts: The MIT Press, 2000. p. 126-128 apud

KNIGHT, Shirlee-ann; BURN, Janice. Developing aframework for assessing information

quality on the world wide web. Informing Science Journal, Santa Rosa, Califórnia, v. 8, p.

-171,2005.

DIAS-DA-SILVA, B.C. et al. Introdução das Línguas Naturais e Aplicações. São Carlos:

NILC, Série de Relatórios do NILC, NILC-TR-07-10. São Carlos, 2007.

ECO, Humberto. Lector in Fabula. São Paulo: Perspectiva, 2004.

FIGUEIREDO, F. V. Diniz. Evidências de qualidade de atributos textuais na web 2.0.

Belo Horizonte: UFMG, 2010.

FLUSSER, Vilém. Die Schrift. Hat SchreibenZukunft?Gottinger: Immat-rix, 1987.

FRANTZ, V.; Shapiro, J.; Voiskunskii, V. Automated Information Retrieval: Theory and

Methods. San Diego, CA: Academic Press, 1997.

GAIZAUSKAS, R.; WILKS, Y. Information extraction: Beyond document retrieval. Journal

of Documentation, v. 54, n. 1, p. 70-105, 1998.

GONZÁLEZ DE GOMEZ, Maria Nélida. O objeto de estudoda Ciência da Informação:

paradoxos e desafios. Ciência da Informação, Brasília, v. 19, n. 2, p. 117-122, 1990.

GOURLEMOT, Jean M. Da leitura como produção de sentidos. In: CHARTIER, R (Org.).

Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

IBGE. Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02).

Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2012.

IVC. Área de pesquisas e estudos. Pesquisas e estudos. Disponível em:

. Acesso em: 15 mar. 2013.

JOHANSEN, Jorgen Dines. Dialogic semiosis: an essay on signs and meaning. Bloomington

e Indianapolis: Indiana University Press 1993.

JONCEW, Consuelo Chaves. A participação das fontes formais na qualificação da notícia.

Belo Horizonte: UFMG, 2005.

KAHN, B. K.; STRONG, D. M.; WANG, R. Y. Informationquality benchmarks:Product and

service performance. Communications of the ACM, v. 45, n. 4, p. 84-192, 2002 apud

KNIGHT, Shirlee-ann; BURN, Janice. Developing a frameworkfor assessing information

quality on the world wide web. Informing Science Journal, Santa Rosa, Califórnia, v. 8, p.

-171, 2005

KATERATTANAKUL, P.; SIAU, K. Measuring information quality of web sites:

development of an instrument. In: International conference on information systems, 20,

KLEIN B. D. When do users detect information quality problems on the World Wide Web?

In: AMERICAN CONFERENCE IN INFORMATION SYSTEMS,2002, Long Beach.

Proceedings… p. 1101 apud KNIGHT, Shirlee-ann; BURN, Janice. Developing a framework

for assessing information quality on the worldwide web. Informing Science Journal, Santa

Rosa, Califórnia, v. 8, p. 159-171, 2005.

KNIGHT, Shirlee-ann; BURN, Janice. Developing a framework for assessing information

quality on the world wide web. Informing Science Journal, Santa Rosa, Califórnia, v. 8,

LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. Rio de

Janeiro e São Paulo: Record, 2004.

LAVILLE, Christian, DIONNE Jean. A construção do saber. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

LE COADIC, Yves-François. A ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos Livros,

LEUNG, H. K. N. Quality metrics for intranet applications.Information &Management, v. 38,

n. 3, p. 137-152, 2001 apud KNIGHT, Shirlee-ann; BURN, Janice. Developing a framework

for assessing information quality on the worldwide web. Informing Science Journal, Santa

Rosa, Califórnia, v. 8, p. 159-171, 2005.

MANGUEL, Alberto. Uma história de leitura. Pedro Maia Soares (Trad.). São Paulo:

Companhia das Letras, 1997.

MAIA, Luiz Cláudio Gomes. Uso de sintagmas nominais na classificação automática de

documentos eletrônicos. Minas Gerais, 2008. [Manuscritos].

MALHOTRA, Naresh. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre:

Bookman, 2001.

MANNILA, H. Data Mining: Machine Learning Statistic. In: Database. Departamento of

Computer Science, University of Helsinki, 1997.

MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149-158,

/1991.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa.5. ed. São Paulo: Ed. Atlas,

MATOS, P. F. Metodologia de Pré-processamento Textual para Extração de Informação

sobre efeitos de Doenças em Artigos Científicos do Domínio Biomédico. São Carlos: USP,

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: edição compacta. São Paulo: Atlas, 1996.

MIELNICZUK, Luciana. Jornalismo na web: uma contribuição para o estudo do formato

notícia na escrita hipertextual.Salvador: UFB, 2003.

MOURA, Maria Aparecida. Semiótica e mediações digitais: o processo de criação e

recepção de hipermídias.Belo Horizonte: UFMG, 2002.

NAUMANN, F.; ROLKER, C. Assessment methods for information qualitycriteria. In:

INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 2000, Massachusetts.

Proceedings... Massachusetts: The MIT Press, 2000. p. 148-162 apud KNIGHT, Shirlee-ann;

BURN, Janice. Developing a frameworkfor assessing information quality on the world wide

web. Informing Science Journal, Santa Rosa, Califórnia, v. 8, 2005, p. 159-171.

NEHMY, Rosa. Leitura epistemológico-social da qualidade da informação. UFMG, Belo

Horizonte, 1996.

NÖTH, Winfried. Panorama da semiótica. São Paulo: Annablume, 2005.

OLIVEIRA, F. A. D. Processamento de linguagem natural: princípios básicos e a

implementação de um analisador sintático de sentenças da língua portuguesa. Rio Grande do

Sul: UFRGS , 2004.

PEIRCE, Charles S. Writings of C. S. Peirce.A chronological edition, Max Fisch et al. (org.)

Vols. 1-6. Bloomington: Indiana University Press apud SANTAELLA, Lucia; NÖTH,

Winfried. Comunicação e Semiótica. São Paulo, Hacker Editores, 2004.

PEIRCE, Charles S. Collected Papers of Charles S. Peirce. 8 v. Cambridge, MA. Harvard

Univ. Press, 1958 apud ZILLER, Joana. Qualidade da informação em webjornais: a

demanda e a tradução intersemiótica. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

PEIRCE, Charles S. Semiótica. 3. Ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

PINTO, Júlio. 1, 2, 3 da Semiótica. Belo Horizonte, UFMG, 1995.

PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

RILOFF, E; JONES, R. Learning Dictionaries for Information Extraction by Multi-Level

Bootstrapping. In: Proceedings of AAAI-99. Salt Lake City: University of Utah, 1999.

SANTAELLA, Lucia; NÖTH, Winfried. Comunicação e Semiótica. São Paulo: Hacker

Editores, 2004.

SANTAELLA, Lucia. A teoria geral dos signos: como as linguagens significam as coisas.

São Paulo: Pioneira, 2004a.

SANTAELLA, Lúcia. Navegar no Ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São

Paulo: Paulos, 2004b.

SANTOS, D. Introdução ao Processamento de LinguagemNatural através das Aplicações.

[S.l.]: Tratamento das Línguas por Computador – Uma Introdução à Lingüística

Computacional e suas Aplicações, 2001.

SARACEVIC, T. Definitions and conceptual framework.In: SARACEVIC, T; WOOD, J.

Consolidation of information. Paris: Unesco, 1981.

SHANKS, G.; CORBITT, B. Understanding data quality:social and cultural aspects. Anais

da 10º Conferência Australiana de Sistemas de Informação, p. 785, 1999 apud KNIGHT,

Shirlee-ann; BURN, Janice. Developing a framework forassessing information quality on the

world wide web. Informing Science Journal, Santa Rosa, Califórnia, v. 8, p. 159-171, 2005.

SILVA JÚNIOR, José Afonso. Jornalismo 1.2: características e usos da hipermídia no

jornalismo, com estudo de caso do grupo Estado de São Paulo. UFBA, Salvador, 2000.

SOUSA, Jorge Pedro. As notícias e seus efeitos. Coimbra: Minervacoimbra, 2000.

STIILPEN JÚNIOR, M. BRASUM: Um sumarizador automático extrativo de notícias na

língua portuguesa – Brasil. Ouro Preto: UFOP, 2013.

TRESCA, Rosemary Pezzetti e DE ROSE JR., Dante. Estudo comparativo da motivação

intrínseca em escolares praticantes e não praticantes de dança. Disponível em:

. Acesso em: 10 jan. 2014.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em

educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VAZ, Paulo. Mediação e tecnologia. In: MENEZES MARTINS, Francisco; SILVA, Juremir

Machado da (Org.). A genealogia do virtual: comunicação, cultura e tecnologias do

imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2004.

VIEIRA, R; LIMA, V. L. S. Linguística Computacional: princípios e aplicações. Rio

Grande do Sul: UFRGS , 2004.

VILLAÇA, Nízia. Impresso ou eletrônico: um trajeto de leitura. Rio de Janeiro: Mauad,

WANG, R. Y.; STRONG, D. M. Beyond accuracy: what data quality means to data

consumers. In: Journal of Management Information Systems, v. 12, n. 4, Primavera, 1996.

YANGARBER, R.; GRISHMAN, R. Extraction Pattern Discovery through Corpus Analysis.

TR- 00-143, The Proteus Project, New York University. In: Proceedings of the Workshop

Information Extraction meets Corpus Linguistics, Second International Conference on

Language Resources and evaluation (LREC 2000), Athens, Greece, 2000.

ZEIST, R. H. J.; HENDRIKS, P. R. H. Specifying software quality with the extended ISO

model. Software Quality Management IV – Improving Quality, BCS, 1996.

ZHU, X.; GAUCH, S. Incorporating quality metrics incentralized/distributed information

retrieval on the World Wide Web. ANNUAL INTERNATIONALACM SIGIR

CONFERENCE ON RESEARCH AND DEVELOPMENT ININFORMATION

RETRIEVAL, 23, 2000, Atenas. Proceedings… p. 288-295 apud KNIGHT, Shirlee-ann;

BURN, Janice. Developing a framework forassessing information quality on the world wide

web. Informing Science Journal, Santa Rosa, Califórnia, v. 8, p. 159-171, 2005.

ZILLER, Joana. Qualidade da informação em webjornais: a demanda e a tradução

intersemiótica. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

ZILLER, Joana. Qualidade da informação e produsage: semiótica, informação e o usuário

antropofágico. Belo Horizonte: UFMG, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)