Desenvolvimento de aplicativo para smartphones para avaliação automática da maturidade óssea utilizando o método de Tanner-Whitehouse

IGOR DE GUSMÃO TANURE

Resumo


A idade óssea (IO) vem sendo estudada desde o começo do século passado como método para avaliar o desenvolvimento das crianças. A IO é uma medida do grau de maturidade esquelética de uma criança, ou seja, até que ponto a criança tem avançado em seu desenvolvimento do esqueleto. Essa maturação é controlada por hormônios, e os mesmos hormônios também regulam o início da puberdade, por isso, uma criança com maturidade esquelética atrasada é também provável que tenha puberdade tardia. A compreensão do potencial de crescimento do paciente no estagio final ou próximo ao final, traz uma implicação importante no prognóstico e fornece orientações para o médico decidir a modalidade de tratamento a ser aplicada (LUK et Al., 2014).

Clinicamente, os métodos de Greulich-Pyle (GP) e Tanner-Whitehouse (TW2) são os mais famosos para a avaliação da idade óssea. Os dois métodos utilizam comparação visual entre a radiografia com imagens disponíveis no Atlas impresso.

Este trabalho propõe avaliar o impacto da criação de um aplicativo para smartphone, com o intuito de realizar a avaliação da IO e previsão de estatura final de forma automática, utilizando o método TW2-RUS. Esse aplicativo irá auxiliar na classificação manual convencional, amplamente utilizada nos hospitais e clínicas, otimizando o processo da avaliação da IO.

Texto completo:

PDF

Referências


APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2004.

BARROS, A. J. S. e LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia: Um Guia para a Iniciação Científica. 2 Ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

CAETANO, N. R.; NETTO, T. G.; TOMITA, INES. Development of a software to boné age assessment by Tanner and Whitehouse method. Revista Brasileira de Física, 2011, v.4, p.15-20

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

LONG, F.; ZHANG, H., FENG, D. D. Fundamentals of content-based image retrieval, Microsoft Corporation Research Articles, 2003

GARN, S.M. et al. Ossification communalities of the hand and other body parts: their implication to skeletal assesssment. Am. J. Phys. Anthropol., New York, v.27, n. 1, p.75-82, July 1967.

GREULICH, W.W.; PYLE, S.I. Radiographic atlas of skeletal development of the hand and wrist. 2. ed. Stanford: Stanford University Press, 1959. 255p.

GREULICH, W.W.; PYLE, S.I. (1992). Radiographic Atlas of Skeletetal Development of the Hand and Wrist. 2.ed., Ed. University Press.

HEALY, M.R.J.; GOLDSTEIN, H. (1976). An approach to the scaling of categorized attributes. Biometrika, 63, 2, p. 219-29.

LONGUI, C.A. Determinação da Idade óssea e previsão da estatura final. In: Monte O, Longui CA, Calliari LEP, editores. Endocrinologia para o pediatra. 2ª. ed. São Paulo:Atheneu, 1998.p.24-47.

LUK, K.D.; SAW, L.B.; GROZMAN, S.; CHEUNG, K.M.; SAMARTZIS, D. Assessment of skeletal maturity in scoliosis patients to determine clinical management: a new classification scheme using distal radius and ulna radiographs. Spine J. 2014 Feb 1;14(2):315-25. doi: 10.1016/j.spinee.2013.10.045. Epub 2013 Nov 12. PubMed PMID: 24239801.

MANSOURVAR M., ISMAIL M.A, RAJ R.G., KAREEM S.A., AIK S., GUNALAN R., ANTONY C.D. The applicability of Greulich and Pyle atlas to assess skeletal age for four ethnic groups. J Forensic Leg Med. 2014 Feb;22:26-9. doi: 10.1016/j.jflm.2013.11.011. Epub 2013 Dec 3. PubMed PMID: 24485416.

MARCONDES, E. Idade óssea em pediatria. Pediatria, São Paulo, v. 2, p. 297-311, 1980.

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6ª Ed. São Paulo; Atlas, 2005

MARQUES FILHO, O. VIEIRA NETO, H. Processamento Digital de Imagens, Rio de Janeiro: Brasport, 1999. ISBN 8574520098.

MARSHALL, D. Radiographic correlation of hand, wrist and tooth evelopment. Dent. Radiogr. Photogr., Rochester, v. 49, n. 3, p. 51-74, 1976.

MONTE, O.; LONGUI, C.A.; CALLIARI, L.E.; KOCHI, C. Endocrinologia para o pediatra. 3. Ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2007.

MORAES, L.C. et al. Idade óssea. RGO, Porto Alegre, v. 42, p. 201-203, 1994.

MORAES, M.E.L.; MORAES, L.C.; MEDICI FILHO, E.; GRAZIOSI, M.A.O.C., Fidelidade dos Métodos Greulich & Pyle e Eklof & Ringertz para Avaliação da Idade Óssea em Crianças Brasileiras. Revista de Odontologia da UNESP, São Paulo, v. 32, n. 1, 9-17, 2003.

QUEIROZ, J. E. R.; GOMES, H. M. Introdução ao Processamento Digital de Imagens, Revista de Informática Teórica e Aplicada (RITA), 13(1):11-42, 2006.

SETIAN, N.; DAMIANI, D.; KUPERMAN, H.; MAKSOUDIAN, A.; DICHTCHEKENIAN, V.; DELLA MANNA, T. Síndrome de Turner: tratamento da baixa estatura com hormônio de crescimento. Arq Bras Endocrinol Metab 1997;41:93- 7.

SIQUEIRA, M. L. Reconhecimento Automátivo de Padrões em Imagens Ecocardiográficas. Porto Alegre: PPGC - UFRGS, 2010.

TANNER, J.M., WHITEHOUSE, R.H., CAMERON, N., MARSHALL, W.A., HEALY, M.J.R. Goldstein H.Assessment of skeletal maturity and prediction of adult height, 2nd ed. London: Academic Press, 1983.

TAVANO, O. (2001). Radiografias Carpas e Cefalométrica como Estimadores da Idade Óssea e do Crescimento e Desenvolvimento, Bauru - Brasil.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)