CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO DA MARCA EM PLATAFORMA WEB: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR ENERGÉTICO

WAGNER DEBOSSAN DIAS

Resumo


Com a necessidade premente das empresas em inovar para se manterem vivas no mercado, devido a concorrência acirrada e a constatação que os consumidores atuais tornaram-se extremamente exigentes, os gestores perceberam que deveriam produzir produtos que carregassem mais do que funcionalidades e usabilidade. Deveriam agregar um diferencial que conseguisse fixar sua marca na mente do seu público. Para atender esta demanda, este projeto analisará como as ferramentas de Gestão do Conhecimento podem auxiliar as estratégias de Branding na construção de uma marca sólida e viva na mente dos consumidores. Como ambiente de análise da construção da marca, será utilizada a plataforma web, com foco nas redes sociais. O objeto de estudo será a Cemig, uma renomada empresa do setor energético, que tem uma marca forte, presente nas redes sociais, mas ainda de forma incipiente. Para fundamentar este estudo, será feita uma revisão sistemática de literatura abordando Gestão do Conhecimento e Branding. Também serão realizadas entrevistas com os responsáveis pela marca Cemig nas redes sociais e, por fim, uma pesquisa quantitativa com os consumidores para entender sua percepção acerca da marca da empresa.

 

 Palavras-chave: Gestão do Conhecimento; Gestão de Marca; Branding; Internet; Redes Sociais; Web.


Texto completo:

PDF

Referências


AAKER, David A. Managing Brand Equity: Capitalizing on the Value of a Brand Name. New York: The Free Press, 1991.

AAKER, D. A. Criando e administrando marcas de sucesso. Tradução Bazán Tecnologia e Linguística. 2ª ed. São Paulo: Futura, 1996.

AAKER, D. A; JOACHIMSTHALER, E. Como construir marcas líderes. São Paulo: Futura, 2000.

AMBLER, T.; BHATTACHARYA, C. B.; EDELL, J.; KELLER, K. L.; LEMON, K. N.; MITTAL, V.. Relating brand and customer perspectives on marketing management. Journal of Service Research, v. 5, n. 1, p.13-25, 2002.

ANGELLONI, Maria T. (org.) Gestão do conhecimento no Brasil: casos, experiências e praticas de empresas publicas. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2008.

BATEY, M. O Significado da marca: como as empresas ganham vida na mente dos consumidores. Rio de Janeiro: Best Business, 2010.

BECKMAN, T. The current state of knowledge management. In; Liebowitz, J. Knowledge Management Handbook. Nova York, CRC, 1999.

BLACKSTON, M. “Building Brand Equity by Managing the Brand's Relationship”. J. AdvertRes, 40, November/December. 2000.

BONOMA, Thomas V. Case Research in Marketing: Opportunities, Problems, and Process. Journal of Marketing Research, Vol XXII, May 1985.

CANONGIA, C.; SANTOS, D. M.; SANTOS, M. M.; ZACKIEWICZ, M. Foresight, inteligência competitiva e gestão do conhecimento: instrumentos para a gestão da inovação. Gestão & Produção, v. 11, n. 2, 2004.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. A pesquisa: noções gerais. In: Metodologia Científica: para uso dos estudantes universitários. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1976. cap. 3, p. 65-70.

CHEVALIER, M.; MAZZALOVO, G. Pró Logo: marcas como fator de progresso. São Paulo: Panda Books, 2007.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Ed. do Senac, 2003

CIACO, B. Blogar é preciso. Navegar não é preciso. Webinsider (on-line), São Paulo, UOL, setembro 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 de abr. de 2014.

CORAZZA, Rosana Icassatti; FRACALANZA, Paulo Sérgio. Caminhos do Pensamento neo-schumpeteriano: para além das analogias biológicas. Revista Nova Economia. Belo Horizonte 14 (2) Págs. 127 a 155. Mai/Ago. 2004.

CRUZ, Tadeu. Gerência do Conhecimento. São Paulo: Cobra, 2002.

DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de janeiro: Campus, 1998, 237p.

DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK, Laurence. Conhecimento Empresarial: como as organizações gerencial o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DOWLING, G.. “Customer Relationship Management: in B2C Markets, Often Less is More”. California Management Review, 44(3). PRISMA.COM nº 15 ISSN: 1646 – 3153. 2002.

DRUCKER, P. Administrando em tempos de grandes mudanças. 4. ed. São Paulo: Pioneira, 1996.

DRUCKER, Peter F. O advento da nova organização. In: Harvard Business Review (Org). Gestão do conhecimento. 9. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001, p.9-26.

ELLIOTT, R. e PERCY, L. Strategic Brand Management. Oxford University Press, Oxford. 2007.

FIGUEIREDO, Saulo Porfírio. Gestão do Conhecimento: Estratégias competitivas para a criação e mobilização do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005, p. 6-7, 374p.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FONSÊCA, F. R. B; MELLO, S. C. B. Clarificando a identidade do fenômeno relacional marca-consumidor: uma visão proveniente da antropologia social ou eu vou, eu vou para a McDonalds, agora eu vou... In: Encontro da Associação de Pós- Graduandos em Administração, 29, 2005, Brasília, DF. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2005. CD-ROM, MKT-A 792 .

FOURNIER, S. Consumers and their brands: developing relationship theory in consumer research. Journal of Consumer Research, vol. 24, pp. 343-373.

FREEMAN, C. Um pouso forçado para a nova economia? A tecnologia da informação e o sistema nacional de inovação dos Estados Unidos. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. (org.). Conhecimento, Sistemas de Inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2005.

FUKS, S. A Sociedade do Conhecimento. Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, n. 152p. 75-101, jan./mar. 2003.

GOBÉ, M. A Emoção das Marcas: conectando marcas às pessoas. Tradução de Fúlvio Lubisco. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

GOLDMAN, Fernando Luiz. Podemos ainda aprender com Nonaka e Takeuchi? In: Km Brasil 2010, Gramado. 2010.

HAMEL, Gary. A obrigação de inovar. HSM Management, São Paulo, 31: 32-40, mar-abr, 2002.

HEALEY, Matthew. O que é o Branding? Título original: What is Branding? RotoVision SA. 2008.

IAB. Disponível em: . Acesso em: 05 de Abr. 2014.

IAB. Disponível em: Acesso em: 05 de Abr. 2014.

IBOPE. Disponível em: . Acesso em: 05 de Abr. 2014.

KARJALAINEN, TONI-MATTI. Strategic brand identity and symbolic design cues. In. 6th ASIAN DESIGN CONFERENCE, 2003.

KAPLAN, Robert S., NORTON, David P. Mapas estratégicos: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de janeiro: Elsevier, 2004.

KELLER, K. L.. Strategic brand management: building, measuring, and managing brand equity. Upper Saddle River, NJ: Pearson Education. 2003.

KELLER, K. L.; MACHADO, M. Gestão Estratégica de Marcas. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

KLEIN, Naomi. Sem logo. Rio de Janeiro: Record, 2002.

KOTLER, P. Administração de Marketing: a edição do novo milênio. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

KULPAS, S. Muita gente, pouca grana: o futuro ainda é incerto para os sites sociais como fonte de receita publicitária. Revista Meio Digital. São Paulo: m&m, n.5, maio/junho 2008. p. 52-58.

LAIA, Marconi Martins de. Comportamento de Busca de Informações de Gerentes e Técnicos em uma Instituição Governamental: um estudo de caso. 2002. 113f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Pesquisa Bibliográfica. In: Metodologia do trabalho científico. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1987. cap. 2, p. 44-79.

LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de informação com internet. São Paulo: Atlas, 1998.

LEMOS, Cristina. Inovação na Era do Conhecimento. In: LASTRES, Helena M. M.; ALBAGLI, Sarita. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: campus, 1999;

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo, Ed. 34, 1999.

Linde K, Willich SN. How objective are systematic reviews? Differences between reviews on complementary medicine. J R Soc Med. 2003; 96:17-22.

McGEE, T.; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

MIRANDA, R. C. da R. "O uso da informação na formulação de ações estratégicas pelas empresas". Ciência da Informação, Brasília, v.28, n.3, p.284- 290, set./dez. 1999.

MORAIS, F. Planejamento estratégico digital: a importância de planejar a comunicação da marca no ambiente digital. Rio de Janeiro: Brasport, 2009.

NONAKA, Ikujiro; AKUTSU, Satoshi. Capacidades de Branding: um olhar sobre Capacidade da Sony na Criação do Conhecimento da Marca. In: IKUJIRO, Hirotaka e NONAKA, Takeuchi. Gestão do Conhecimento; tradução Ana Thorell. Porto Alegre: Bookman, 2008.

NONAKA, I.; KONNO, N. The concept of "ba": Building a foundation for knowledge creation. California Management Review, Berkeley, v. 40, n. 3, spring 1998.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de Conhecimento na Empresa. Como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 13. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre. Bookman, 2008, 320p.

OCDE. Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. FINEP, 2005. Disponível em: . Acesso em: 07.03.2014.

PERASSI, R. L. S; MENEGHEL, T. R. Conhecimento, Mídia e Semiótica na Área de Mídia do Conhecimento. In: VANZIN, T.; DANDOLINI, G. A. Mídias do Conhecimento. Florianópolis: Pandion, 2011.

PINHO, J. B. O Poder Das Marcas. São Paulo: Summus,1996.

PORTER, Michael. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro. Elsevier, 1989.

PRINGLE, Hamish; THOMPSON, Marjorie. Marketing social: marketing para causas sociais e a construção das marcas. São Paulo: Makron Books, 2000.

PROBST, Gilbert; RAUB, Steffen; ROMHARDT, Kai. Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman, 2002.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

REICHHELD, F. “The Loyalty Effect”. Harvard Business School Press. Boston. 1996.

RUÃO, Teresa. Uma investigação aplicada da identidade da marca: o caso das porcelanas Vista Alegre. 2002

SCHUMPETER, Joseph A. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SETZER, Valdemar W. Dado, Informação, Conhecimento e Competência. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação - n. zero dez/99.

SOUZA, Francisco das Chagas de. Escrevendo e normalizando trabalhos acadêmicos. Um guia Metodológico. 2. Ed. Florianópolis. Editora da UFSC, 2001.

SOUZA NETO, A. F.; MELLO, S. C. B.; CORDEIRO, A. T.; FONSÊCA, F. R. B. Voltando o carro para trás dos bois: busca da compreensão de nuances do “relacionamento” no contexto de consumo como forma de subsidiar a prática consciente do “marketing de relacionamento” por empresas de serviço. In: ENCONTRO DE MARKETING, 1, 2004, Porto Alegre, RS. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2004.

SPYER, Juliano. Para entender a internet: noções práticas e desafios da comunicação em rede. São Paulo: NãoZero, 2009.

STEWART, Thomas A. Capital Intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

STREBINGER, A; TREIBLMAIER, H. E-Adequate Branding: Building Off-line and Online Brand Structure within a Polygon of Interdependet Foces, 2004.

STRUNK, G. Como criar identidades visuais para marcas de sucesso. Rio de Janeiro. Books, 2001.

SVEIBY, Karl-Erik. A nova riqueza das organizações: Gerenciando e avaliando patrimônios do conhecimento. 5 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998

TAVARES, Mauro Calixta. A Força da Marca. Como Construir e Manter Marcas Fortes. São Paulo : Harbra, 1998.

TERRA, José Cláudio Cyrineu. Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio Editora, 2000.

TERRA, J. C. Gestão de Conhecimento. 2. ed. São Paulo: Negócio, 2001.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TULL, D. S. & HAWKINS, D. I. Marketing Research, Meaning: Measurement and Method. Macmillan Publishing Co., Inc., London, 1976.

TURBAN, E., MCLEAN, E., WETHERBE, J. Tecnologia da informação para gestão. Transformado os negócios da economia digital. 3 ed. Porto Alegre. Editora Bookman, 2004.

VALENTIM, M. L. P. (Org.). Métodos qualitativos de pesquisa em Ciência da Informação. São Paulo: Polis, 2005, 176p. (Coleção Palavra-Chave, 16).

VAZ, C. A. Google marketing: o guia definitivo de marketing digital. São Paulo, Novatec Editora, 2008.

WINER, R.S. “A Framework for Customer Relationship Management.” California Management Review. Vol. 43 Issue 4, p89-105, 17p,. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)