Maturidade em gestão de projetos em empresas fornecedoras de sistemas de informação

Gustavo Teixeira Silva

Resumo


A busca das empresas pela competitividade no mercado moderno trouxe consigo muitos aspectos que colaboram com este objetivo, como a otimização dos recursos e a busca pela excelência no gerenciamento de projetos. Com isso, nota-se a transformação da governança dos recursos corporativos, fazendo com que a maturidade na execução destes projetos garantam as capacidades operacionais necessárias para a alcançar o seu sucesso. Empresas do setor de tecnologia, mais sensíveis às mudanças de mercado, buscam continuamente avaliações, metodologias, certificações e avaliações que diminuam os riscos de fracassos em seus projetos. A avaliação de maturidade em gestão de projetos se mostra como uma importante ferramenta no apontamento do crescimento e o volume de trabalho necessário para alcançar níveis esperados da capacidade de geração valor. Neste contexto, a presente pesquisa tem como objetivo a identificação das capacidades que uma organização fornecedora de sistemas voltados para empresas do setor de saúde precisa ter para ser considerada como madura em gerenciamento de projetos. Esta pesquisa descritiva utilizará o instrumento de pesquisa MMGP - Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projeto - Setorial – Prado (2012), o qual é utilizado para avaliar e apontar o grau de maturidade em gestão de projetos de uma determinada organização.


Texto completo:

PDF

Referências


ARCHIBALD, R. Managing High TecnologyProgramsandProjects. 3ed. New York: John Wiley& Sons, 2003.

AZEVEDO, C.S. Gerência hospitalar: a visão dos diretores de hospitais públicos do município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1993. Dissertação de mestrado. Instituto de Medicina Social, Universidade Federal do Rio Janeiro.

BERRY, L.; SELTMAN, K. Lições de Gestão da Clínica Mayo. São Paulo: Bookman, 2008.

BOEHM, B.; TURNER, R. BalancingAgilityand Discipline: A Guide for thePerplexed. Reading: Adisson-Wesley, 2004.

CHU, S. Clinicalinformation systems : a fourthgeneration. Nursing Management, 1993.

CLELAND, D.; IRELAND, L. Gerenciamento de Projetos. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

CORDEIRO, A. G. Priorização de requisitos e avaliação da qualidade de software segundo a percepção dos usuários. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual do Norte Fluminense. Engenharia de Produção, 2010.

DIEL, A.; TATIM, D. Pesquisa em Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

DONALDSON, M.; LOHR, K. Helth data in theinformation age. Washington: NationalAcademy Press, 1994.

FILHO, J.; XAVIER, J.; ADRIANO, A. A Tecnologia da Informação na Área Hospitalar: Um Caso de Implementação de um Sistema de Registro de Pacientes. RAC jan./abr. 2001. Disponível em Acesso em: 03 set. 2013.

GIL, A. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

KERZNER, H. Gestão de projetos: as melhores práticas. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

KERZNER, H. In SearchofExcellence in Project Management. New York: Van Nostrand-Reinhold, 1998.

KERZNER, H. Strategic Planning for Project Management using a project management MaturityModel. New York: John Wiley& Sons, 2001.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LEBEN, Joe. Strategicinformationplanningmethodologies. 2 ed. EnglewoodCliffs, New Jersey: Prentice-Hall, 1989.

LEFFINGWELL, D. Scaling Software Agility. Reading: Addison Wesley, 2006.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTIN, James. Strategic data-planningmethodologies. 2 ed. EnglewoodCliffs, New Jersey: Prentice Hall, 1982.

MOROZ, M.; GIANFALDONI, M. O processo de pesquisa: iniciação. 2. ed. Brasília: Líber Livro, 2006.

PETERS, T. Você é o Seu Projeto. Revista Você S.A., agosto 1999, p.34-49.

PRADO, D. Gerenciamento de portfólios, programas e projetos nas organizações. 5. ed. Nova Lima: INDG, 2012.

PRADO, D; ARCHIBALD, R. Gerenciamento de projetos para executivos. Nova Lima: INDG, 2007.

PRESMAN, R. S. Engenharia de Software. 5.ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2002.

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE - PMI. PMBOK®: a guideto Project management bodyofknowledge. 5 ed. Newton Square, PA: Project Management Institute, 2013.

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE - PMI. Organizational Project Management MaturityModel, OPM3 Knowledge Foundation. Newton Square, Pennsylvania, United States, 2003.

RABECHINI JUNIOR, R. Competências e maturidade em gestão de projetos: uma perspectiva estruturada. São Paulo, Annablume: Fapesp, 2005.

ROSSETTI, A.; MORALES, A. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Brasília, 2007

SIGULEM, D.; RAMOS, M; BARSOTTINI,C. Sistemas de apoio à decisão em medicina. Atualização Terapêutica – Manual Prático de Diagnóstico e Tratamento. 1998. Disponível em: http://www.virtual.epm.br/material/tis/curr- med/sad/sld001.htm Acesso em: XXXXXXXXXXXXX

SILVA, E.; MENEZES, E. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. Florianópolis: 2005.

SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software. Addison-Wesley, 2003.

STANDISH GROUP. The ChaosManifest. 2013. Disponível em: http://versionone.com/assets/img/files/CHAOSManifesto2013.pdf Acesso em: 18/04/2013.

TAN, J. E-Health CareInformation Systems : AnIntroduction for studentsandprofessionals. USA. Jossey-Bass, 2005.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

VIANNA, H. Pesquisa em educação: a observação. Brasília: Plano Editora, 2003.

WILL, D. Metodologia da pesquisa científica. 2. ed. Palhoça: UnisulVirtual, 2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: Planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ZIEMER, S. Managing Chance in Software Development. Central andEastEuropeanConferenceon Software EngineeringTechniques, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)