OPEN DATA como recurso de ensino e aprendizagem nas aulas de Geografia do 3º ano do ensino médio da rede pública federal

ALEX SANDER MIRANDA LOBO

Resumo


Cada vez mais as tecnologias estão presentes no cotidiano das pessoas, permitindo que a maioria das pessoas tenha acesso à informação. Com isso, as instituições de ensino tentam acompanhar esta evolução nas mudanças tecnológicas, porem sem sucesso. Uma forma da utilização da tecnologia em sala de aula seria o uso de Dados Abertos (Open Data). Diante deste cenário propomos o uso de uma ferramenta de visualização Open Data no processo de ensino e aprendizagem de uma turma do terceiro ano do ensino médio na disciplina de Geografia, para verificarmos se essa ferramenta poderá influenciar esse processo. Para atingirmos nosso objetivo de pesquisa faremos uma pesquisa preponderantemente qualitativa com natureza descritiva.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUNE, Roberto Meizi; BOLLIGER, Sérgio Pinto; FILHO, Álvaro Santos Gregório. Governo aberto SP: disponibilização de bases de dados e informações em formato aberto. Trabalho apresentado no III Congresso CONSAD de Gestão Pública realizado nos dias 15, 16, 17 de março de 2010 em Brasília, 2010.

ALVES, M. O Computador e a Internet como instrumentos pedagógicos: estudo exploratório com professores do 2º e 3º ciclo do ensino básico e do ensino secundário de escolas do concelho de Vila Verde. Unpublished Master Dissertation. Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2008.

AMARAL, A. L. As eternas encruzilhadas: de como selecionar caminhos para a formação do professor de ensino superior. In: XXII ENDIPE, 2004, Curitiba. Conhecimento local e conhecimento universal: pesquisa, didática e ação docente. Belo Horizonte: Editora Universitária Champangnat, 2004. v. 1, p. 139-150.

ARAÚJO, Lucas de Ramos; DE SOUZA, Jairo Francisco. Aumentando A Transparência Do Governo Por Meio Da Transformação De Dados Governamentais Abertos Em Dados Ligados. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, v. 10, n. 1, 2011.

BECKER, Fernando. O que é construtivismo. Série Ideias, n. 20, p. 87-93, 1994.

BEHRENS, M. A. A formação pedagógica e os desafios do mundo moderno. In: MASETTO, M. T. Docência na universidade. Campinas: Papirus, 1998. p. 57-68.

BELEI, Renata Aparecida et al. O uso de entrevista, observação e videogravação em pesquisa qualitativa. Cadernos de Educação, n. 30, 2012.

BERNERS-LEE, T. Linked data. Design Issues. Julho, 2006. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2014.

BERNERS-LEE, T. Putting government data online. Design Issues. Junho, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2014.

BERTONCELLO, Ludhiana. A utilização das TIC e sua contribuição na educação superior: uma visão a partir do discurso docente da área de letras. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2014.

BIZER, C.; HEATH, T.; BERNERS-LEE, T. Linked data - the story so far. Preprint to the special issue on linked data. International Journal on Semantic Web and Information Systems (IJSWIS), 2009. Disponível em: Acesso em: 19 mar. 2014.

BRAGLIA, Israel; GONÇALVEZ, Berenice. Abordagem Sistemática do Design Instrucional na Implementação de Hipermídias para Aprendizagem. In: Artigo publicado no Congresso Nacional de Ambientes Hipermídia para Aprendizagem. Florianópolis. 2009.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CAMPOS, Fernanda; ROCHA, Ana Regina; CAMPOS, Gilda HB. Design instrucional e construtivismo: em busca de modelos para o desenvolvimento de software. In: IV Congresso RIBIE. 1998.

COSTA, C. Educação, imagem e mídias. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

COUTINHO, C. TPACK: em busca de um referencial teórico para a formação de professores em Tecnologia Educativa. Revista Paidéi@, v. 2, n. 4, 2011

DA ROSA UREN, Flavio Henrique et al. Pressupostos construtivista para o ensino de projeto de arquitetura. Revista On-Line IPOG Especialize, n. 6, 2013.

DZIEKANIAK, Gisele Vasconcelos; KIRINUS, Josiane Boeira. Web semântica. Encontros Bibli, Santa Catarina, v. 9, n. 18, p. 20-39, 2004.

FABRE, Marie-Christine JM; TAMUSIUNAS, Fabricio; TAROUCO, Liane Margarida Rockenbach. Reusabilidade de objetos educacionais. RENOTE, v. 1, n. 1, 2003.

FERNANDES, R. C. M. Atitudes dos Professores Face às TIC ea sua utilização ao nível do ensino secundário. Dissertação de Mestrado. Lisboa: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade de Lisboa, 2006.

FILATRO, Andrea. Design instrucional contextualizado. - educação e t. [s.l.], Senac, 2004.

FILIPPI, Adriana; BORTOLINI, Camila Comin; DIAS, Rosangela Hanel. Metacognição: o elo de significação entre método, avaliação e aprendizagem. In: IX ANPED SUL – Seminário de pesquisa em educação da região sul, 2012.

FREIRE, Paulo. A máquina está a serviço de quem? Revista Bits, São Paulo, v. 1, n. 7, p. 6. 1984.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 4. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1977.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. A Pedagogy of Liberation: Dialogues for Transforming Education. Boston: Bergin and Garvey, 1987.

GESSER, Verônica. Novas tecnologias e educação superior: Avanços, desdobramentos, Implicações e Limites para a qualidade da aprendizagem. IE Comunicaciones: Revista Iberoamericana de Informática Educativa, n. 16, p. 23-31, 2012.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GONZÁLEZ, Luisa A. G. Um Modelo conceitual para Aprendizagem Colaborativa Baseada na execução de Projetos pela Web (MAC-BP). Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores, LARC. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. 2005. Tese de Doutorado. EPUSP. Brasil.

JESUS, S. N. de; SANTOS, J. C. V. Desenvolvimento profissional e motivação dos professores. Educação: Revista da Faculdade de Educação, Porto Alegre: PUCRS, v. 27. 2004.

JONASSEN, David. O uso das novas tecnologias na educação a distância ea aprendizagem construtivista. Aberto, v. 16, n. 70, p. 70, 1996.

JUNIOR, José Vicente Alves; CARMO, Patrick Thadeu Espírito Santo; TRAVASSOS, Luiz Carlos Panisset. Como o bom entendimento da relação entre motivação e aprendizagem pode ser positivo no processo ensino-aprendizagem. Revista Tecer, v.2, n.3, 2009.

KOLB, David A. et al. Experiential learning: Experience as the source of learning and development. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1984.

LEITE, Francisco Tarciso. Metodologia Científica: métodos e técnicas de pesquisa: monografias, dissertações, teses e livros. Aparecida: Idéias & Letras, 2008.

LIMA, Angelita IA de O. Estilos de aprendizagem segundo os postulados de David Kolb: uma experiência no curso de odontologia da UNOESTE. 2007. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado em Educação)–Departamento de Educação, Universidade do Oeste Paulista, Presidente Prudente.

MARCHIORI, Luciana Lozza de Moraes; MELO, Juliana Jandre; MELO, Wilma Jandre. Avaliação docente em relação às novas tecnologias para a didática e atenção no ensino superior. Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 16, n. 02, p. 433-443, 2011.

MARINHO, S. P. Tecnologia, educação contemporânea e desafios ao professor. In: JOLY, M. C. R. A. (Org.). A tecnologia no ensino: implicações para a aprendizagem. 1. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p. 41-62.

MARTINS, Weber et al. Estilos de aprendizagem em educação a distância. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ABED DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 10º. 2003.

MENDES, Alexandre. TIC – Muita gente está comentando, mas você sabe o que é? Portal iMaster, mar. 2008. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2014.

MENDES, M. H. A Informática na Escola. Jornal Psicopedagogia, Goiânia, ano I, no. 2, maio/jun. 1995.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. saúde coletiva, v. 13, n. 2, p. 2133-44, 2008.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. (Ed.). Novas tecnologias e mediações pedagógicas. 13. ed. São Paulo: Papirus, 2007.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. 4. ed. São Paulo: Papirus, 2009.

MORAN, José Manuel. Integração das Tecnologias na Educação. In: Salto para o Futuro. Brasília: Posigraf, 2005.

MORAN, José Manuel. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Papirus Editora, 2009.

MOREIRA, A. P.; LOUREIRO, Mª JOÃO; MARQUES, L. Percepções de professores e gestores de escolas relativas aos obstáculos à integração das TIC no ensino das ciências. In: Comunicação apresentada no VII Congresso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciências, Granada (7-10 Setembro). 2005. p. 2008.

NAVES MAFRA, Flávia Luciana et al. ENSINO-APRENDIZAGEM NUMA PERSPECTIVA CRÍTICA: RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 1, 2012.

NIQUINI, Débora Pinto. Informática na educação: implicações didático-pedagógicas e construção do conhecimento. Universa UCB, 1999.

OKOLI, Chitu; SCHABRAM, Kira. A guide to conducting a systematic literature review of information systems research. 2010.

OLIVEIRA, Kethure Aline; AMARAL, Marília Abrahão; DOMINGOS, Gabriela Recipputi. A Avaliação do uso de Objetos de Aprendizagem na Educação de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 19, n. 03, p. 53, 2011.

PAIVA, Jacinta. As tecnologias de informação e comunicação: utilização pelos alunos. Programa Nónio Século XXI, 2003.

PAPERT, Seymour. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre, Artes Médicas,1994.

PASSARINI, R. F. Objetos de aprendizagem: protótipo para módulo de ambiente de treinamento online. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

PCN. Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997. p. 142.

PERRENOUD, Philippe. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed editora, 2000.

PETRY, Luís Carlos. O conceito de novas tecnologias e a hipermídia como uma nova forma de pensamento. Porto. In: Cibertextualidades, v. 1, n. 1, p. 110-125, 2006.

PIAGET, J. Para Onde Vai a Educação? Tradução de Ivette Braga. 8a Edição. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1984.

PIAGET, Jean; MERLONE, Marion. A equilibração das estruturas cognitivas: problema central do desenvolvimento. Zahar, 1976.

PRIMO, Alex Fernando Teixeira. Interação Mediada por Computador: A comunicação e a educação a distância segundo uma perspectiva sistêmico-relacional. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.

PROGRAMA NACIONAL DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL – PROINFO. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=462/>. Acesso em: 05 fev. 2014.

REINHARDT, Andy. Novas formas de aprender. Byte Brasil, São Paulo, v. 4, n. 3, p. 34-51, 1995.

REZENDE, Flávia. As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva construtivista. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 2, n. 1, p. 75-98, 2008.

RODRIGUES, Izabela França. Dados governamentais abertos: meio de promoção de transparência, controle e co-criação. . In: Trabalho apresentado no IV Congresso Consad de Gestão Pública. Brasília (25 a 27 Maio). 2011.

ROMISZOWSKI, Hermelina Pastor. Avaliação no design instrucional e qualidade da educação a distância: qual a relação. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, v. 3, 2004.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SAMPAIO, Romilson Lopes; SOUZA, Antonio Carlos. Objetos Digitais de Aprendizagem: Uma ferramenta auxiliar no processo de ensino-aprendizagem da disciplina Informática Básica. In: II Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica. João Pessoa. 2007.

SAMPAIO, Rosana Ferreira; MANCINI, Marisa Cotta. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Braz. J. Phys. Ther.(Impr.), v. 11, n. 1, p. 83-89, 2007.

SANTOS, Izequias Estevam dos. Manual de métodos e técnicas de pesquisa científica. 9ª Edição. Niterói: Impetus, 2013.

SOUSA, Adão. COUTINHO, Clara Pereira. Conteúdos digitais (interactivos) para educação: questões de nomenclatura, reutilização, qualidade e usabilidade. Revista Paidéi@, UNIMES Virtual, Volume 2, número 2, dez 2009.

FABRE, Marie-Christine JM; TAMUSIUNAS, Fabricio; TAROUCO, Liane Margarida Rockenbach. Reusabilidade de objetos educacionais. RENOTE, v. 1, n. 1, 2003.

TEDESCO, J. C. Educação e novas tecnologias: esperança ou incerteza? São Paulo: Cortez, 2004.

TERUYA, T. K. Trabalho e educação na era midiática: um estudo sobre o mundo do trabalho na era da mídia e seus reflexos na educação. Maringá: Eduem, 2006.

THOFEHRN, Maira Buss; LEOPARDI, Maria Tereza. Construtivismo sócio-histórico de Vygostky ea enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 59, n. 5, p. 694-98, 2006.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2007.

VALENTE, J.A. Por que o computador na educação? Computadores e conhecimento – Repensando a educação. Campinas, SP, Gráfica Central da UNICAMP, 1993, cap. 2.

VALENTE, José Armando et al. O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: UNICAMP/NIED, 1999.

VALENTE, José Armando. A espiral da aprendizagem e as tecnologias da informação e comunicação: repensando conceitos. A tecnologia no ensino: implicações para a aprendizagem. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 15-37, 2002.

VALENTE, J.A. A Espiral da Espiral de Aprendizagem: o processo de compreensão do papel das tecnologias de informação e comunicação na educação. Tese (Livre Docência) Departamento de Multimeios, Mídia e Comunicação, Instituto de Artes (IA), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). 2005.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. A formação social da mente. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 1991.

WALLON, Henri. As origens do pensamento na criança. São Paulo: Manole. 1989.

WILEY, D. A. The Instructional Use of Learning Objects: Online Version, 2001. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2014.

XAVIER, Cínthia Oliveira; VIANA, Vanessa Faria; MAIA, Luiz Cláudio Gomes. As tecnologias e sua atuação na comunicação e nos processos educativos. SynThesis Revista Digital, p. 77–85, 2012.

ZUCHI, Ivanete. O Desenvolvimento de um Protótipo de Sistema Especialista Baseado em Técnicas de RPG para o Ensino de Matemática. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, 2000.

Texto na Internet:

Dados Abertos – Governo Federal. Ferramentas Case. O que são dados abertos?, 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)