UM ESTUDO SOBRE A TRANSFERÊNCIA DO CONHECIMENTO ENTRE GERAÇÕES DE ENGENHEIROS EM EMPRESAS DE ENGENHARIA CONSULTIVA DE MINAS GERAIS

GLEISSON ALBERGARIA AMARAL

Resumo


Este estudo foi desenvolvido com o objetivo de identificar o fluxo de transferência doconhecimento entre os engenheiros da geração Baby Boomer e da geração X, nas empresas deengenharia consultiva do estado de Minas Gerais. A fundamentação teórica utilizada baseousenos estudos e nas teorias da Gestão do conhecimento, Gestão de competências e Matrizesde Competências. A metodologia utilizada adotou abordagem qualitativa por ter comoobjetivo a interpretação das ações de indivíduos, grupos e organizações. Quanto aos objetivos,adotou-se uma abordagem descritiva, com o intuito de analisar os modelos de processosidentificados. Em relação ao objeto da pesquisa, buscou-se, através de pesquisa bibliográfica,embasamento teórico sobre Gestão do conhecimento, Gestão de competências, matrizes decompetências e seus principais constructos. De acordo com os resultados, observou-se queé inexistente ou superficial o gerenciamento sobre a transferência de conhecimento entre asduas categorias de engenheiros estudadas. Outros resultados indicam ainda, que as empresasavaliadas não estão preparadas para gerir nem mesmo de forma superficial o conhecimentoque se apresenta em seus quadros. Estes indicativos podem ter sofrido grande interferência doforte impacto financeiro que as empresas do segmento estudado atravessavam, em função dacrise econômica dos EUA e Europa, durante os anos de 2011, 2012 e 2013, período em queeste trabalho fora realizado.

Texto completo:

PDF

Referências


AÇO BRASIL, Instituto. Disponível em:

parque-siderurgico--grupo-vallourec_sumitomo.asp>. Acesso em 02 de Setembro de 2012.

ANDRADE, M. M. Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas.

ed. São Paulo: Atlas, 2002.

BENETT, G. Intranets: Como Implantar com Sucesso na sua Empresa. Rio de Janeiro:

Campus, 1997.

BERGAMINI, C. W. Liderança – Administração do Sentido. São Paulo: Atlas, 1994

BNDES, Plataforma. Disponível em:

noticias/21-clipping/169-investimento-de-belo-monte-ja-alcanca-r-28-bi>. Acesso em 29 de

julho de 2012.

BLUNT, R. Growing leaders for public service. Human Capital Management Series. In: IBM

Center for the Business of Governement, v. 2, 2004.

BUKOWITZ, W.R., WILLIAM, R.L. Manual de Gestão do Conhecimento: Ferramentas e

Técnicas que Criam Valor para a Empresa. Porto Alegre: Bookman, 2002.

CERVO, A. L.; Bervian, P. A. Metodologia científica e controle. São Paulo: Atlas, 1998.

BRANDÃO, H. P., Bahry, C. P. Gestão por competências: métodos e técnicas para

mapeamento de competências. Revista do Serviço Público. Ed.56, n.2, p.179-194. 2005.

CHOO, C. W. A Organização do Conhecimento. São Paulo: Editora Senac, 2003.

CHURCHILL, G.A.J. Marketing research: methodological foundations. Chicago: The

Dryden Press, 1987.

CLARKE, P. Implementing a knowledge strategy for your firm. Research – Technology

Management, v.41, n.2, p.28-31, 1998.

DA SILVEIRA, M. A. A formação do engenheiro inovador uma visão internacional. Rio

de Janeiro PUC-Rio: Sistema Maxwell, 2005.

DAVENPORT, T. H.; KLAHR, P. Managing Customer Support Knowledge. California

Management Review. v40. n.3, p.195-208, 1998.

DAVENPORT, T. H.; DE LONG, D.W.; BEERS, M.C. Successful Knowledge

Management Projects. Sloan Management Review, v.39, n.2, p.43-57, 1998.

DAVENPORT, T. H.; PRUZAK. L, Conhecimento Empresarial: como as organizações

gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DAVIDSON, K.; FRAPPAOLO, C. Document Power: The New Management Paradigm.

Disponível em: . Acesso em

de Dezembro de 2012.

DIÁRIO DO COMÉRCIO, O. Economia. Disponível em:

com.br/index.php?id=70&conteudoId=88622&edicaoId=872>.Acesso em 29 agosto 2012.

DIXON, N. M. Common knowledge: how companies thrive by sharing what they know.

Boston: Harvard Business School Press, 2000.

DRUCKER, P.F. Post-Captalist Society. New York: Harper-Collins, 1993.

ESTADÃO. Economia. Disponível em:

petrobras-vai-investir-r-826-bi-em-refinarias-em-2012-,814061,0.htm>. Acesso em 29 de

julho de 2012.

FAZENDA, Ministério da. Revista Economia brasileira em perspectiva. Brasília: 2011.

FINEP, Revista Inovação em pauta n. 6. Brasília: Jul, 2012. Disponível em:

finep.gov.br/pagina.asp?pag=85.40.40.6>. Acesso em 02 de Agosto de 2012.

FORTULAN, Marcos Roberto; GONÇALVES FILHO, Eduardo Vila. Uma proposta de

aplicação de Business Intelligence no chão-de-fábrica. Gestão & Produção, v. 12, n. 1, p. 55-66, 2005.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HIGGINS, Monica C.; KRAM, Kathy E. Reconceptualizing Mentoring at Work: a develop-

mental network perspective. Academy of Management Review. v.16. 2001. p. 264-288.

HIGGINS, Monica C.; THOMAS, David A. Constellations and careers: toward understanding the effects of multiple developmental relationship. Journal of Organizational

Behavior. v .22. 2001. p. 223-247.

IBRAM, Revista Indústria da Mineração n.37. Brasília: Set, 2010.

INTERNET GROUP – IG. Economia. Disponível em: . Acesso em 29 de

julho de 2012.

JANASZ, Suzanne C.; SULLIVAN, Sherry E.; WHITING, Wicki. Mentor networks and

career success: lessons for turbulent times. Academy of Management Executive. v. 17, n.4,

JOIA, L. A. Capital Intelectual nas Empresas de Engenharia Consultiva Brasileiras.

In: Intellectual Capital in the Brazilian Engineering Consultancy Companies), Proceedings of

the Business in the Knowledge Era Seminar. 1998.

JOIA, L. A. Medindo o capital intelectual. RAE - Revista de Administração de Empresas.

São Paulo, v. 41 n.2 p.54-63, 2001.

KANAAME, Roberto. Comportamento Humano nas Organizações: O Homem Rumo ao

Século XXI 2ª ed. São Paulo: ATLAS, 1999. p. 36 e 55.

KRAM, K. E. Phases of mentor relationship. Academy of Management Journal. v. 26, p.

-665, 1983.

KRAM, K. E. Mentoring at work: developmental relationships in organizational life.

Boston, EUA: University Press of America,1988.

LAUDON, K. C.; LAUDON, L. P. Management Information Systems: Managing the Digital

Firm, 8.ed., New Jersey, 2004,

LEONARD-BARTON, D. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação.

RJ: FGV, 367p, 1998.

LIMA, M. C. Pesquisa-ação nas organizações: do horizonte político à dimensão formal.

Gestão.Org, v. 3, n. 2, mai./ago., 2005.

LOMBARDIA, Pilar García. Quem é a geração Y? HSM Management, n.70, p.1-7. set./out.,

DE MEDEIROS, L. F.; Gestão do conhecimento na era quântica. 2010.

MEMO, Revista UFF, n. 7. Rio de janeiro: Ago., 2012. Disponível em:

memo.com.br/engenharia/procura-se-engenheiros>. Acesso em 29de julho de 2012.

MCDERMOTT, R. Why information technology inspired but cannot deliver knowledge

management. California: California Management Review, v.41, n.4, p.103-117, 1998.

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro:

Campus, 1997.

NORTH, K. Gestão do Conhecimento - Um guia prático Rumo à Empresa Inteligente. Rio de

Janeiro: Quality Mark,2010.

O`DELL, C.; GRAYSON, C.J. If only we knew what we know: Identification and transfer

of internal best practices. California: California Management Review, v.40, n.3, p.154-174,

OLIVEIRA, Sidnei. Geração Y: Era das Conexões, tempo de Relacionamentos. SP: Clube de

Autores, 2009.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens -entre duas

lógicas; Reviewed the regulation of excellence in learning - between two logics. Artmed,

PINTO, Dyana. Gerenciamento da documentação técnica: proposta de implementação e

integração aos processos de engenharia e qualidade. Trabalho apresentado no VII Congresso

Nacional de Excelência em Gestão, Rio de janeiro, 2011.

POMPERMAYER, F. M.; NASCIMENTO, P. A. M. M.; MACIENTE, A. N.; GUSSO,

D. A.; PEREIRA, R. H. M. Potenciais Gargalos e Prováveis Caminhos de Ajustes da

Engenharia no Brasil. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, IPEA n. 12, p. 7-13,

Fev. 2011.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e concorrências. 2.

Ed. Rio de janeiro: Elsevier, 2004.

PRIMAK, Fábio Vinícius. Decisões com bi (business intelligence). Fabio Vinicius Primak,

SALERNO, M. Projeto organizacional de produção integrada, flexível e de gestão

democrática: processos, grupos e espaços de comunicação-negociação. São Paulo. 259p.

Tese (Livre-docência) – Departamento de Engenharia de Produção, Escola Politécnica de São

Paulo. 1998.

SANTIAGO, J. R. Capital intelectual. O grande desafio das organizações. São Paulo: Novatec

Editora, 2007.

SANTOS, A. R. et al. Gestão do conhecimento como modelo empresarial. In: Gestão do

conhecimento: uma experiência para o sucesso empresarial. cap.1, p. 34. Curitiba:

Champagnat, 2004.

SANTOS, N. D. A era do conhecimento: os novos desafios para os profissionais de

engenharia. 2004.

SANTOS, Maribel Yasmina; RAMOS, Isabel. Business Intelligence: Tecnologias da

informação na gestão de conhecimento. FCA-Editora de Informática, 2006.

SEZÕES, Carlos; OLIVEIRA, José; BAPTISTA, Miguel. Business intelligence. São João do

Estoril, Portugal: Sociedade Portuguesa de Inovação, 2006

SHEA, Gordon F. Mentoring: Como desenvolver o comportamento bem sucedido do mentor.

Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

SUSMAN, G. I. EVERED, R.D. An Assessment of the Scientific Merits of Action

Research. Administrative Science Quarterly, v.23, p. 582-603, 1978.

TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TEECE, D.J, Capturing value from knowledge assets: the new economy, markets for knowhow, and intangible assets. California: California Management Review, v 40, n.3, p.55-79,

TELLES, Márcia. Brasil sofre com a falta de Engenheiros. Revista Inovação e Pauta. v.

, 2009. Disponível em: http://www.finep.gov.br/imprensa/revista/edicao6/inovacao_em

_pauta_6_educacao.pdf d. Acesso em 20/03/2012.

TERRA, J. C. C. Gestão do Conhecimento – O grande desafio empresarial. São Paulo:

Negócio Editora, 2000.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.

TURBAN, Efraim et al. Business Intelligence: um enfoque gerencial para a inteligência do

negócio. Grupo A, 2009.

WESTBROOL, R. Action research: a new paradigm for research in production and operations

management. International Journal of Operations & Production Management, Bradford,

vol. 15, n.12, p 6-20, 1995.

XU, J. Quaddus, M. Adoption and diffusion of knowledge management system: an

Australian survey. Journal of Management Development, v.24, m. 4, 2005, p.335-361.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

ZARIFIAN, P. Objectif compétence. Paris: Liaisons, 175p, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)