ANTECEDENTES DO DESEMPENHO DO ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS: estratégia, pessoas e operações – uma proposta de modelo conceitual

Ronielton Rezende Oliveira

Resumo


Em tempos de competição crescente, as organizações têm sido levadas a se estruturarem para dar respostas rápidas, flexíveis e inovadoras, pois o ambiente no qual operam é cada vez mais complexo e competitivo. Portanto, ao instrumentalizar maneiras de promover a mudança, o sucesso de projetos se torna crítico para o sucesso do negócio. Projetos são importantes instrumentos para promover mudanças e desenvolvimento, o que leva as empresas à perspectiva do Gerenciamento de Projetos (GP), um assunto de relevância no ambiente corporativo, que vem ganhando destaque nos últimos cinquenta anos também na literatura especializada. Esta, ao longo do tempo, tem analisado e identificado os aspectos que direcionam e orientam as atividades administrativas e comportamentais em projetos. A partir da década de 1990, intensificou-se nas empresas a criação dos Escritórios de Gerenciamento de Projetos (EGP) que surgem como uma entidade organizacional reconhecida pelo executivo como o órgão responsável pelos projetos e que recebe a atribuição de todos os aspectos relacionados ao Gerenciamento de Projetos na organização. Sua idealização envolve o direcionamento estratégico de negócio, que é permanente, ao acompanhar o benefício esperado do desenvolvimento de um projeto, e deve ser precedido da análise de viabilidade financeira consistente. De fato, projetos somente são executados por pessoas. Então, recorrer à literatura e propiciar treinamento são atitudes fundamentais para que no cenário de operações, onde se materializa o produto do projeto, o gerente de projetos e os membros do time de projeto tenham perfeito entendimento de como contribuir efetivamente para alcançar os resultados de negócio esperados. Nesse contexto, esta pesquisa quantitativa teve por objetivo avaliar o desempenho do Escritório de Gerenciamento de Projetos (EGP), a partir dos construtos: estratégias de implantação, capacitação e treinamento de pessoal e controle do ambiente de operações em projetos, reunidos em um modelo estrutural. O modelo conceitual proposto foi avaliado com o auxílio da Modelagem de Equações Estruturais Partial Least Squares (MEE-PLS). Os resultados apontaram o grau de influência da institucionalização de métodos combinados envolvendo o controle do ambiente e os esforços de capacitação e treinamento no desempenho do Escritório de Gerenciamento de Projetos (EGP). O estudo também apresentou um instrumento de pesquisa validado e foi mediado por meio de survey on-line para a população de gerentes de projetos em uma amostra não probabilística.

Palavras chave: Escritório de Gerenciamento de Projetos. Desempenho. Estratégia. Pessoas. Operações.


Texto completo:

PDF

Referências


ABE, C. K.; CARVALHO, M. M. D. Fatores críticos para a implementação do Escritório de Projetos: um estudo de caso. GEPROS - Gestão da Produção, Operações e Sistemas, Bauru, n. 2, p. 61-74, 2006.

ALEXIM, J. C.; LOPES, C. L. E. A Certificação Profissional Revisitada. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 29, n. 3, p. 3-15, set./dez. 2003.

ALMEIDA, E. L. D. S.; OLIVEIRA, I. G. D.; SANTOS, M. A. D. Desenvolvimento e Capacitação de Pessoas. Revista Visão Acadêmica UFG, Goiânia, n. 3, p. 89-101, nov. 2011.

ARTTO, K. et al. What is project strategy? International Journal of Project Management, v. 26, n. 1, p. 4-12, 2008.

BAKKER, K. D.; BOONSTRA, A.; WORTMANN, H. Does risk management contribute to IT project success? A meta-analysis of empirical evidence. International Journal of Project Management, v. 28, n. 5, p. 493-503, 2010.

BARBOSA, C. et al. Gerenciamento de custos em projetos. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009. (Série Gerenciamento de Projetos).

BARBOZA FILHO, F. U. N.; CARVALHO, M. M. D.; RAMOS, A. W. Gerenciamento de projetos: o impacto do uso dos indicadores de desempenho no resultado do projeto. Produto

& Produção, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 38-53, fev. 2009.

BARCAUI, A. B. et al. Gerenciamento do tempo em projetos. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006. (Série Gerenciamento de Projetos).

BARCLAY, C.; OSEI-BRYSON, K.-M. Project performance development framework: An approach for developing performance criteria & measures for information systems (IS)

projects. International Journal of Production Economics, v. 124, n. 1, p. 272-292, Mar. 2010.

BENTLER, P. M. Multivariate Analysis with Latent Variables: Causal Modeling. Annual Review of Psychology, v. 31, p. 419-456, Feb. 1980.

BIDO, D. D. S. et al. Qualidade do Relato dos Procedimentos Metodológicos em Periódicos Nacionais na Área de Administração de Empresas: o caso da modelagem em equações

estruturais nos periódicos nacionais entre 2001 e 2010. Organizações & Sociedade, Salvador, v.19, n. 60, p. 125-144, jan./mar. 2012.

BORDEAUX-RÊGO, R. et al. Viabilidade econômico-financeira de projetos. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. (Série Gerenciamento de Projetos).

BORGES, J. G.; CARVALHO, M. M. D. Sistemas de indicadores de desempenho em projetos. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 174-207, jan./jun. 2011.

BOTELHO, R. D. O.; OLIVEIRA, U. R. D. Capacitação pessoal e profissional através de treinamento, comunicação, empowerment e motivação: um estudo de caso no consórcio modular XPTO caminhões e ônibus. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E

TECNOLOGIA, 2., 2005, Resende. Anais... Resende: SEGeT. 2005.

BOUER, R.; CARVALHO, M. M. D. Metodologia singular de gestão de projetos: condição suficiente para a maturidade em gestão de projetos? Revista Produção, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 347-361, set./dez. 2005.

CALIXTO, G. M.; FURLAN, P. K.; CARVALHO, M. M. D. Estudo das tendências na análise de competências na gestão de projetos através de técnicas de bibliometria. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 181-196, jan./abr. 2012.

CARNEIRO, J. M. T. et al. Mensuração do desempenho organizacional: questões conceituais e metodológicas. In: ENCONTRO DE ESTUDOS EM ESTRATÉGIA, 2., 2005,

Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD. 2005.

CARVALHO, M. M. D. et al. Equivalência e completeza: análise de dois modelos de maturidade em gestão de projetos. R.Adm. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 289-300, jul./ago./set. 2005.

CARVALHO, M. M. D.; RABECHINI JÚNIOR, R. Construindo Competências para Gerenciar Projetos: Teorias e Casos. São Paulo: Atlas, 2005.

CARVALHO, M. M. D.; RABECHINI JÚNIOR, R. Gestão de projetos na prática: casos Brasileiros. São Paulo: Atlas, 2006.

CHIN, W. W. The Partial Least Squares Approach to Structural Equation Modeling. In: MARCOULIDES, G. A. Modern Methods for Business Research. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 1998. p. 295-336.

CODES, A. L. M. D. Modelagem de Equações Estruturais: um método para a análise de fenômenos complexos. Caderno CRH UFBA, Salvador, v. 18, n. 45, p. 471-484, set./dez. 2005.

COHEN, J. A Power Primer. Psychological Bulletin, New York, v. 112, n. 1, p. 155-159, 1992.

COSTA, J. F. D. Mensuração e desenvolvimento de escalas: aplicações em administração. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2011.

CURWIN, J.; SLATER, R. Quantitative Methods for Business Decisions. 6. ed. London: Cengage Learning, 2008.

DAI, C. X.; WELLS, W. G. An exploration of project management office features and their relationship to project performance. International Journal of Project Management, v. 22, n. 7, p. 523-532, Oct. 2004.

DINSMORE, P. C. Transformando estratégias empresariais em resultados através da gerência por projetos. 2. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2010.

DINSMORE, P. C.; CABANIS-BREWIN, J. AMA Manual de Gerenciamento de Projetos. Tradução de Adriane Cavalieri et al. Rio de Janeiro: Brasport, 2009.

FARIAS FILHO, J. R. D.; ALMEIDA, N. D. O. Definindo Sucesso em Projetos. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 68-65, jul./dez. 2010.

FAUL, F. et al. G*Power 3: A flexible statistical power analysis program for the social, behavioral, and biomedical sciences. Behavior Research Methods, v. 39, n. 2, p. 175-191, 2007.

FAUL, F. et al. Statistical power analyses using G*Power 3.1: Tests for correlation and regression analyses. Behavior Research Methods, v. 41, n. 4, p. 1149-1160, 2009.

FONSECA, J. J. S. D. Metodologia da pesquisa científica. UEC. Fortaleza. 2002. Apostila.

FONSECA, S. U. L. D. Benefícios da adoção do modelo PMBOK no desenvolvimento e implantação do projeto de tecnologia da informação de um operador logístico: um estudo de caso da Word Cargo. Dissertação de Mestrado. Universidade Católica de Santos -UniSantos. Santos. 2006. 119

FREITAS, H.; MOSCAROLA, J. Da observação à decisão: métodos de pesquisa e de análise quantitativa e qualitativa de dados. RAE-eletrônica, São Paulo, v. 1, n. 1, jan./jun. 2002.

GARDINER, P. D.; STEWART, K. Revisiting the golden triangle of cost, time and quality: the role of NPV in project control success and failure. International Journal of Project Management, v. 18, n. 4, p. 251-256, 2000.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de Pesquisa. Série Educação a Distância. Coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS.

Porto Alegre. 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOSLING, M.; GONÇALVES, C. A. Modelagem por Equações Estruturais: conceitos e aplicações. Revista de Administração FACES, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 83-95, ago./dez. 2003.

GUASCH, A. et al. Modelado y simulación: aplicacion a procesos logísticos de fabricacion y servicios. 2. ed. Barcelona: Edicions UPC, 2004.

GUELBERT, M. et al. Treinamento e Desenvolvimento: mais do que uma vantagem competitiva para as organizações. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ENEGEP. 2008.

HAIR JR., J. F. et al. A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). Thousand Oaks: Sage, 2013.

HAIR, J. F.; RINGLE, C. M.; SARSTEDT, M. PLS-SEM: Indeed a Silver Bullet. Journal of Marketing Theory and Practice, v. 19, n. 2, p. 139-151, 2011.

HALLOWS, J. E. The project management office toolkit. New York: AMACOM, 2002.

HELDMAN, K. Gerência de Projetos: guia para o exame oficial do PMI. Tradução de Edson Furmankiewicz. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

HENSELER, J.; RINGLE, C. M.; SINKOV, R. R. The use of Partial Least Squares Path Modeling in International Marketing. Advances in International Marketing, v. 20, p. 277-319, 2009.

HOLZMANN, V. A meta-analysis of brokering knowledge in project management. International Journal of Project Management, v. 31, n. 1, p. 2-13, 2013.

HOSS, O.; ZENCI, S. D.; LEZANA, A. G. R. Investimento em projetos com base no planejamento estratégico: um estudo de caso em uma fábrica de carrinhos para supermercado. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 3, n. 3, p. 181-214, set./dez. 2012.

HULLAND, J. Use of partial least squares (PLS) in strategic management research: a review of four recent studies. Strategic Management Journal, v. 20, n. 2, p. 195-204, Feb. 1999.

IBM. IBM SPSS Statistics for Windows, Version 21.0. Armonk, NY: IBM Corp. Released, 2012.

ISACA. COBIT5: A Business Framework for the Governance and Management of Enterprise IT. Rolling Meadows, Illinois: Information Systems Audit and Control Association, 2012.

JUGDEV, K. Through the looking glass: Examining theory development in project management with the resource-based view lens. Project Management Journal, v. 35, n. 3, p. 15-26, 2004.

KERLINGER, F. N. Metodologia da Pesquisa em Ciências Sociais: um tratamento conceitual. Tradução de Helena Mendes Rotundo. São Paulo: EPU, 1980. 120

KERZNER, H. Gestão de Projetos: as melhores práticas. Tradução de Lene Belon Ribeiro. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

KERZNER, H. Gerenciamento de Projetos: uma abordagem sistêmica para planejamento, programação e controle. Tradução de João Gama Neto; Joyce I. Prado. São Paulo: Blucher, 2011.

LEYBOURNE, S. The changing bias of Project Management research: a consideration of the literatures and an application of extant theory. Project Management Journal, v. 38, n. 1, p. 61-73, 2007.

LOUREIRO, L. M. D. J.; GAMEIRO, M. G. H. Interpretação crítica dos resultados estatísticos: para lá da significância estatística. Revista de Enfermagem Referência, v. 3, n.3, p. 151-162, mar. 2011.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Tradução de Lene Belon Ribeiro; Monica Stefani. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MARSHALL JÚNIOR, I. et al. Gestão da qualidade. 9. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

MARTINS, D. D. A.; SOUZA, D. D. M. O.; MELO, K. C. N. S. D. Utilização do Método Delphi no processo de planejamento estratégico: duas perspectivas e a garantia de eficiência e heterogeneidade. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 26., 2006, Fortaleza. Anais... Rio de Janeiro: ENEGEP. 2006.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, H. C.; MOURA, M. T.; MESQUITA, J. M. C. D. Escritórios de Projeto como resposta estratégica da organização - um estudo de caso na VALE. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 26-52, jul./dez. 2011.

MENDES, E. L. Uma Metodologia para Avaliação da Satisfação do Consumidor com os Serviços Prestados pelas Distribuidoras. Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC Rio. Rio de Janeiro. 2006.

MERWE, A. P. V. D. Project management and business development: integrating strategy, structure, processes and projects. International Journal of Project Management, v. 20, n. 5, p. 401-411, 2002.

MÜLLER, R.; GLÜCKLER, J.; AUBRY, M. A Relational Typology of Project Management Offices. Project Management Journal, v. 44, n. 1, p. 59-76, 2013.

NORO, G. D. B. A gestão de stakeholders em gestão de projetos. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 127-158, jan./jun. 2012.

OGC. Gerenciando Projetos de Sucesso com PRINCE2™. Norwich, Norfolk: Office of Government Commerce: The Stationery Office (TSO), 2011.

OLIVEIRA, R. R. Documento de Lições Aprendidas Exame PMP ®

(Project Management Professional). Blog Ronielton Rezende Oliveira [On Line], 01 jun. 2011. Disponivel em: . Acesso em: 28 fev. 2013.

PATAH, L. A. Alinhamento estratégico de estrutura organizacional de projetos: uma análise de múltiplos casos. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo - USP. São Paulo. 2004. 121

PATAH, L. A. Avaliação da relação do uso de métodos e treinamentos em gerenciamento de projetos no sucesso dos projetos através de uma perspectiva contingencial - uma análise quantitativa. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo - USP. São Paulo. 2010.

PATAH, L. A.; CARVALHO, M. M. D. Alinhamento entre estrutura organizacional de projetos e estratégia de manufatura: uma análise comparativa de múltiplos casos. Gestão & Produção, São Carlos, v. 16, n. 2, p. 301-312, abr./jun. 2009.

PMI. A guide to the project management body of knowledge (PMBOK ® guide). 5. ed.

Newton Square, Pennsylvania: Project Management Institute, 2013a.

PMI. Project Management Professional (PMP) ®

Handbook. Newton Square, Pennsylvania: Project Management Institute, 2013b. Updated 23 February 2013.

POLI, M.; SHENHAR, A. J. Project Strategy: The Key to Project Success. In: TECHNOLOGY MANAGEMENT FOR RESHAPING THE WORLD. PORTLAND INTERNATIONAL CONFERENCE ON MANAGEMENT OF ENGINEERING AND TECHNOLOGY, 2003, Portland. Anais... Portland, Oregon: PICMET. 2003. p. 231-235.

PRAJAPATI, B.; DUNNE, M.; ARMSTRONG, R. Sample size estimation and statistical power analyses. Optometry Today, 10 jul. 2010. Disponivel em: http://www.psycho.uniduesseldorf.de/abteilungen/aap/gpower3/literature/Dokumente/Prajapati-et-al.--2010-.pdf>.

Acesso em: 01 out. 2013.

RAMOS, W. J. Definição de indicadores de desempenho para PMO. Revista MundoPM,

Curitiba, n. 52, p. 22-25, ago./set. 2013.

RINGLE, C. M.; WENDE, S.; WILL, A. SmartPLS 2.0 (M3) beta, Hamburg, Germany, 2005.

Disponivel em: . Acesso em: 01 out. 2013.

RODRIGUES, I.; RABECHINI JÚNIOR, R.; CSILLAG, J. M. Os escritórios de projetos

como indutores de maturidade em gestão de projetos. R.Adm. Revista de Administração da

Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 273-287, jul./ago./set. 2006.

SALLES JÚNIOR, C. A. C. et al. Gerenciamento de riscos em projetos. Rio de Janeiro:

FGV, 2006. (Série Gerenciamento de Projetos).

SANTOS, F. F. et al. Identificação de riscos em compras do setor público: um estudo de caso.

Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 69-87, jan./jun. 2011.

SERRA, F. R. et al. Status da produção acadêmica brasileira em PM - uma avaliação a partir

de trabalhos do ENANPAD e ENEGEP. Revista MundoPM, Curitiba, n. 47, p. 68-78,

out./nov. 2012.

SHENHAR, A. J.; DVIR, D. Reinventing Project Management: The Diamond Approach to

Successful Growth and Innovation. Boston, Massachusetts: Harvard Business School Press,

SILVA JÚNIOR, A. D. S.; FEITOSA, M. G. G. Maturidade no Gerenciamento de Projetos:

um estudo das práticas existentes nos órgãos do Governo de Pernambuco. Revista de Gestão

e Projetos - GeP, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 207-234, maio/ago. 2012.

SILVA, E. L. D.; MENEZES, E. M. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de

Dissertação. Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. 4. ed. Florianópolis. 2005.

SILVEIRA, G. D. A. Fatores contribuintes para a maturidade em gerenciamento de

projetos: um estudo em empresas brasileiras. Tese de Doutorado. Universidade de São

Paulo - USP. São Paulo. 2008.

SOLER, A. M. Reflexões sobre a implantação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos

(PMOs) em Empresas da Indústria da Construção. Revista MundoPM, Curitiba, n. 49, p. 10-15, fev./mar. 2013.

SOTILLE, M. A. et al. Gerenciamento do escopo em projetos. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

(Série Gerenciamento de Projetos).

SPALEK, S. Improving Industrial Engineering Performance through a Successful Project

Management Office. Inzinerine Ekonomika-Engineering Economics, Kaunas, Lithuania, v.

, n. 2, p. 88-98, 2013.

SRIVANNABOON, S. Linking project management with business strategy. Project

Management Journal, v. 37, n. 5, p. 88-96, 2006.

TORREÃO, P. G. B. C. Project Management Knowledge Learning Environment:

Ambiente Inteligente de Aprendizado para Educação em Gerenciamento de Projetos.

Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Pernambuco. 2005.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em

educação. São Paulo: Atlas, 1987.

URBACH, N.; AHLEMANN, F. Structural Equation Modeling in Information Systems

Research Using Partial Least Squares. Journal of Information Technology Theory and

Application, v. 11, n. 2, p. 5-40, Jun. 2010.

VALANDRO, A. A.; KRONMEYER FILHO, O. R. Transformando estratégias

empresariais em resultados com balanced scorecard e gerência por projetos. In:

ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 23., 2004, Florianópolis.

Anais... Rio de Janeiro. 2004.

VARGAS, R. V. Análise de valor agregado em projetos: revolucionando o gerenciamento

de custos e prazos. 5. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2011.

VERGARA, S. C. Métodos de Pesquisa em Administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

VERZUH, E. The fast forward MBA in Project Management. 2. ed. Hoboken, New

Jersey: John Wiley & Sons, 2005.

WRIGHT, J. T. C.; GIOVINAZZO, R. A. DELPHI - uma ferramenta de apoio ao

planejamento prospectivo. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 1, n. 12,

trim., 2000.

XAVIER, C. M. D. S. et al. Metodologia de Gerenciamento de Projetos

METHODWARE

®

: abordagem prática de como iniciar, planejar, executar, controlar e fechar

projetos. 2. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2009.

XAVIER, C. M. D. S. Gerenciamento de projetos: como definir e controlar o escopo do

projeto. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

ZWICKER, R.; SOUZA, C. A. D.; BIDO, D. D. S. Uma revisão do Modelo do Grau de

Informatização de Empresas: novas propostas de estimação e modelagem usando PLS

(partial least squares). In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMNISTRAÇÃO, 32., 2008, Rio de Janeiro. Anais...

Rio de Janeiro: ANPAD. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)