A INDISSOCIABILIDADE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: Estudo em universidade brasileira

SANDRO BIMBATO CESAR

Resumo


Este estudo pretende investigar a relação entre a gestão do conhecimento no contexto da indissociabilidadede ensino, pesquisa e extensão em um ambiente educacional de ensino superior. Diante de tal contexto, o objetivo desta pesquisa é analisar a percepção dos agentes de atividades de ensino, pesquisa e extensão, partindo da premissa da suposta ausência de materialização desta tríade. Este projeto de pesquisa apresenta uma abordagem considerada descritiva de cunho qualitativo, o qual se encontra em fase de construção de relações ainda não definitivas. Considera, inicialmente, apresentar os conceitos de gestão do conhecimento no ambiente de ensino superior e suas relações com ensino, pesquisa e extensão. Em seguida, será feito um estudo de caso em uma universidade privada no Estado de Minas Gerais, o qual será utilizado técnica de coleta de dados guiada por estudo bibliográfico, análise documental e entrevistas com os agentes de atividades de ensino, pesquisa e extensão para posterior tratamento. O resultado do estudo de caso será um mapeamento das práticas de gestão do conhecimento em andamento e os indicadores utilizados por essa intituição. A maior contribuição deste trabalho está na possibilidadede de trazer para o momento atual da educação de ensino superior, mediante os resultados obtidos, uma análise de como acontece à materialização da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão a partir de teorias e práticas de gestão do conhecimento. Uma nova visão que permitirá compreender o conhecimento atual e observar se está compatível com as reais necessidades das universidades particulares brasileiras, valorizando a subjetividade complexa dos envolvidos para que se possa servir de compartilhamento e base para os desafios acadêmicos do século XXI.

Palavras-chave: Indissociabilidade. Ensino. Pesquisa. Extensão. Gestão do Conhecimento.


Texto completo:

PDF

Referências


Associação Nacional dos Docentes de Ensino Superior – ANDES. Proposta do ANDES-SN para a Universidade Brasileira. n° 2, 3ª ed. atual. e rev. Brasília/DF, 2003.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: edições 70, 1994.

BARREIRO, Julio. Educação popular e conscientização. Trad de Carlos Rodrigues Brandão. Petrópolis: Vozes, 1980. 188p

BARRETO, A. A. Padrões de assimilação da informação. In: RODRIGUES, G. M; LOPES, I.L. (Org). Organização e representação do conhecimento na perspectiva da ciência da informação. Brasília: Thesaurus, 2003, p. 53-99.

BERNHEIM, Carlos Tünnermann; CHAUÍ, Marilena de Souza. Desafios da universidade na sociedade do conhecimento: cinco anos depois da conferência mundial sobre educação superior. Brasília: UNESCO, 2008.

BEUGELSDIJK, Sjoerd; CORNET, Maarten. ‘A Far Friend is Worth More than a Good Neighbour’: Proximity and Innovation in a Small Country. Journal of Management and Governance, v. 6, n. 2, p. 169-188, 2002.

BOTOMÉ, Silvio Paulo. Pesquisa alienada e ensino alienante: o equívoco da extensão universitária. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2010.

BUKOWITZ, Wendy R.; WILLIAMS, Ruth L. Manual de gestão do conhecimento. São Paulo: Bookman, 2002.

CATANI, A. M.; HEY, A. P.; GILIOLI, R. S. P. PROUNI: democratização do acesso às instituições de ensino superior? Educar em Revista, Curitiba, n. 28, p. 125- 140, dez. 2006.

CAVALCANTE, J. Evolução do ensino Superior-graduação – 1980/1998. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2000.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia Científica. 5 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002. 242 p.

CHERUBINI NETO, Reinaldo. O que é Conhecimento? Sintetizando Epstemologia, Metodologia e Teoria de Sistemas em uma nova proposição. READ – Revista Eletrônica de Administração da UFRGS, v.8 n.1, 2002.

COUTINHO, Gledson Luiz. Administração universitária: a reforma de 1968 – nem completamente entendida, nem completamente implantada. Belo Horizonte: Edição do autor, 2009.

COLLINS, H. M. Tacit knowledge, trust and the Q of sapphire. Social Studies of Science, n. 31, p.71-85, 2001.

CUNHA, L.A. Qual universidade? São Paulo: Cortez, 1989.

DALL’ACQUA, Maria Júlia Canazza (org.) ; VITALIANO, Célia Regina. Formação de professores para a inclusão de alunos com necessidades especiais. Londrina: EDUEL, 2010.

DAVENPORT, T. H.; DE LONG, D. W.; BEERS, M. C. Successful knowledge management projects. Sloan Management Review, v.39, p.43-57, 1998.

DAVENPORT, Thomas; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, 1998.

DIAS, Ana Maria Iori. Discutindo Caminhos Para a Indissociabilidade Entre Ensino, Pesquisa e Extensão. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física, vol. 1, n. 1, p.37-52, Agosto/2009. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2012.

FAVERO, M. de L. Autonomia universitária mais uma vez: subsídios para o debate. In: SGUISSARDI, V. (Org.). Educação superior: velhos e novos desafios. São Paulo: Xamã, 2000.

FERREIRA, Aurélio B de H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986.

FONSECA, João José Saraiva. Metodologia da pesquisa científica. Ceará: Universidade Estadual do Ceará, 2002.

FONSECA, João José Saraiva. Referências para a elaboração de um artigo de pesquisa. Disponível em: < http://www.slideshare.net/joaojosefonseca/referncias- para-aelaborao-de-um-artigo-de-pesquisa> Acesso em 24 maio 2010.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 10 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 41 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2010. Coleção Leitura.

GHEDIN, E. ; FRANCO, M.A.S. Questões de método na construção da pesquisa em educação. São Paulo: Cortez, 2008.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991. 207 p.

GRIFFITH, B. C. Ed. (1980). Key papers in information science. New York: Knowledge Industru Publ. In: CAPURRO, R. Epistemologia e ciência da informação, 2003, disponível em http://www.capurro.de/enancib_p.htm. Acesso em 10 Nov. 2010.

HESSEN, J. Teoria do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 1999. 177p.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo técnico: Censo da educação superior de 2009. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2010. 37 p.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo técnico: Censo da educação superior de 2010. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2012. 85 p.

IVES, W., TORREY, B., GORDON, C. Knowledge management: an emerging discipline with a long history. Journal of Knowledge Management, v. 1, n. 4, 1998.p. 269-274.Disponívelem http://www.krii.com/downloads/km_emerg_discipl.pdf

KARL M. Wiig, (1997) "Knowledge Management: An Introduction and

Perspective", Journal of Knowledge Management, Vol. 1, pp.6 – 14.

KUNSCH, Margarida M.K. Universidade e Comunicação na Edificação da Sociedade. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

KISNERMAN, Natálio. Temas de Serviço Social. São Paulo, Cortez e Moraes, 1976.

KVALE, S. Interviews: an introduction to qualitative research interviewing. Thousand Oaks, Sage Publications, 1996.

LEITE, F. C. L., COSTA, S. M. S. Repositórios institucionais sob a perspectiva da gestão doconhecimento científico. Anais...1ª Conferência Ibero-Americana de Publicações Eletrônicas no Contexto da Comunicação Científica – CIPECC.

Brasília, 2006.Disponível em http://portal.cid.unb.br/CIPECCbr/ Acessado em Abril de 2006.

LIMA, Ana Catarina Silva, GOSLING, Marlusa. “A espiral do conhecimento: uma experiência em processo de desenvolvimento de software dentro da universidade.” Revista eletrônica de administração. 45 ed. Disponível em: . vol. 11, n. 3, mai.-jun./05. 2005. Acesso em: 29 abr. 2006.

MACIEL, A. S.; MAZZILLI, S. Indissociabilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão: Percursos de um Princípio Constitucional. In: 33ª Reunião Anual da ANPED, 2010, Caxambú - MG. Educação no Brasil: o balanço de uma década, 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2012.

MANCEBO, Deise. Reforma da Educação Superior: o debate sobre a igualdadeno acesso. In: BITTAR, Mariluce; OLIVEIRA, João Ferreira; MOROSINI, Marília (Organizadores). Educação Superior no Brasil: 10 anos Pós-LDB. Brasília-DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2008.

MELO, Pedro Antônio. A cooperação universidade/empresa nas universidades públicas brasileiras. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Florianópolis, 2002. 332 f.

MENDONCA, Erasto Fortes. A regra e o jogo – Democracia e patrimonialismo na educação brasileira, Ed. FE/UNICAMP, 2000, Campinas/SP.

MILNER, Jean-Claude. Reflexões sobre a referência e a correferência. In: CAVALCANTE, Mônica M.; RODRIGUES, Bernadete B.; CIULLA, Alena. Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003. p.85-126.

MINAYO, M.C.S. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29 ed.Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

NONAKA, Ikujiro e TAKEUCHI, Hirotaka. Criação do Conhecimento na Empresa: como as empresas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONAKA, I.; UMEMOTO, K.; SENOO, D. From information processing to knowledge creation: a paradigm shift in business management. Technology in Society, v. 18, n.2, p.203-218, 1996.

PAIVA, Aerton, “0rganizações empresariais celulares”, São Paulo: Makron Books, 1999.

PEREIRA JÚNIOR, Alfredo. A universidade pública e os desafios do desenvolvimento. La Insígnia: Brasil, 13 jan. 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2007.

PIMENTA, Selma. ANASTASIOU, Léa. Docência no ensino superior. Coleção Docência em Formação. Vol1. São Paulo: Cortez, 2002.

RAYS, Oswaldo Alonso. Ensino-Pesquisa-Extensão: notas para pensar a indissociabilidade. Revista Cadernos de Educação Especial, n. 21, 2003, p. 71- 85.

RIOS, Terezinha Azeredo. Ética na Docência Universitária: a caminho de uma universidade pedagógica In PIMENTA, Selma Garrido, ALMEIDA, Maria Isabel de (Orgs.). Pedagogia Universitá-ria: caminhos para a formação de professores. São Paulo: Cortez, 2011.

ROSSATTO, M. A. Gestão do conhecimento: a busca da humanização, transparência, socialização e valorização do intangível. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortez, 2004. p. 757-776.

SAVIANI, D. Escola e democracia. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1985. Tendências e correntes da educação no Brasil. In: MENDES, Durmeval Tri gueiro (Coord.). Filosofia da educação brasileira. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987. p.19-47.

Schwartzman, S., 1988 - "Brazil: Opportunity and Crisis in Higher Education," Higher Education, 17, 1 (99-119).

SKYRME, D. J. Measuring the value of knowledge: metrics for the knowledge- based business. 2003. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2006.

SILVA, Maria das Graças. Universidade e sociedade: cenário da extensão universitária? In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23., Caxambu, 2000. Anais... Caxambu: ANPED, 2000. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2005.

STEWART, Thomas A. Capital intelectual. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

STUKALINA, Yulia. Using quality management procedures in education: manging the learner-center educational environment. Baltic Journal on Sustainability, [S.l.], v.1, n.16, p. 75-93, 2010.

TEIXEIRA, A.S. A Universidade de ontem e de hoje. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. In: MANCEBO, Deise e FÁVERO; ALBUQUERQUE, Maria de Lourdes (Org). Universidade: Política, Avaliação e Trabalho docente. São Paulo: Cortez 2004.

TEIXEIRA FILHO, J. Gerenciando o conhecimento: como a empresa pode usar a memória organizacional e a inteligência competitiva no desenvolvimento dos negócios. Rio de Janeiro: Ed. SENAC, 2000.

TERRA, J. C. C. Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial: uma abordagem baseada no aprendizado e na criatividade. São Paulo: Negócio, 2001.

TOZONI-REIS, M.F.C. Contribuições para uma pedagógica crítica da educação ambiental: reflexões teóricas. In: LOUREIRO, C.F.B. A questão ambiental no pensamento crítico. Rio de Janeiro: Editora Quartet, 2007.

TRIGUEIRO, M. G. S. Uma discussão sobre ciência e a ideologia em Althusser. Cadernos de Difusão de Tecnologia, Brasília, v. 2, n. 3, p. 421-430, 1985. Disponível em http://atlas.sct.embrapa.br/pdf/cct/v02/cc02n3_05.pdf Acessado em maio de 2005.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação – o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. São Paulo: Atlas, 1987.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

VIANA, Nildo. Formação Intelectual, Representações Cotidianas e Pensamento Complexo. Educação & Mudança, v. 2, num. 09, 2010.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi. 3a ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

WHETTEN, D.A. Organizational decline: A neglected topic in organizational science. Academy of Management Review. n.5, p. 577-588. 1980.

ZACCARELLI, Sérgio B. Estratégia e sucesso nas empresas. São Paulo: Saraiva, 2000.

ZIMAN, J. M. Conhecimento público. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1979, p. 164.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)