PORTAIS CORPORATIVOS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS: FERRAMENTA PARA A PROMOÇÃO DA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL

RODRIGO FERNANDES BERLINI

Resumo


 

A evolução das tecnologias de informação e comunicação (TICs), principalmente nas últimas décadas, permitiu um enorme avanço na administração pública e promoveu uma maior proximidade na relação entre o Estado e a sociedade.  As TICS possibilitaram o desenvolvimento de novas formas de gerenciamento da informação na esfera governamental. Através dessas tecnologias surgiu o governo eletrônico que implantou uma profunda reforma administrativa e na relação com a sociedade, uma vez que melhores níveis de eficiência da administração foram alcançados. Em função disso, a utilização da usabilidade e da gestão do conhecimento em portais corporativos representa uma importante ferramenta do governo eletrônico para promover a acessibilidade do cidadão à administração pública. Avaliar as ações, as atividades e as iniciativas utilizadas nos portais corporativos dos Tribunais de Contas, sob a ótica da usabilidade e da gestão do conhecimento, resultará em uma maior disponibilidade de informações e serviços à população e consequentemente um aumento da transparência.  Ao facilitar e potencializar o acesso às informações melhora-se a qualidade dos serviços, a transparência pública e o controle social. Portanto, este trabalho busca avaliar os critérios de usabilidade, gestão dos conhecimentos, governo eletrônico empregados no desenvolvimento dos portais dos Tribunais de Contas. O objetivo é avaliar os portais dos Tribunais de Contas a fim de garantir uma melhor acessibilidade e indiretamente fortalecer o mecanismo da transparência pública e do controle social.

PALAVRAS-CHAVE: Portais Corporativos; Gestão do Conhecimento; Usabilidade; Governo Eletrônico; Transparência Pública; Tribunais de Contas.


Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, Bryce L. Toward a User-Centered approach to information systems. Nova Iorque: Academic Press, 1996. 308 p.

ALMEIDA, Marcus Garcia de; ROSA, Pricila Cristina. Intranet, Internet e redes corporativas. Rio de Janeiro: Brasport, 2000.

ALVIM, Paulo. Enterprise Information Portals: integrando aplicações na Web. Develepors´CIO Magazine, São Paulo, n. 56, p. 20-21, abril 2001.

ARAKAKI, Cristiane. O Governo Eletrônico como Instrumento de Aproximação do Governo e o Cidadão. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, 2008.

ARAÚJO, Wagner Frederico Gomes de; GOMES, Marco Paulo Soares. GOVERNANÇA ELETRÔNICA NA AMÉRICA LATINA: PODEMOS ESPERAR UMA DEMOCRACIA ELETRÔNICA? Disponível em: www.neic.iesp.uerj.br/GovernancaEletronicaNaAmericaLatina_Final.doc . Acesso em: 03 jun. 2013.

BABBIE, E. Métodos de Pesquisa de Survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

BARBOZA, E. M., NUNES, E. M., SENA, N. K. (jan/abr de 2000). Web sites governamentais, uma esplanada à parte. Ci. Inf., 29(1), 118-125.

BARROSO, A. C. O.; GOMES, E. B. P. Tentando entender a Gestão do Conhecimento. Revista de Administração Pública, v. 32, mar./abr. 1999.

BATISTA, F. F. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão/Fábio Ferreira Batista. – Brasília: Ipea, 2012.

BENETT, Gordon. Intranets: Como Implantar com Sucesso na sua Empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

BHATT, Ganesh D. Knowledge management in organizations: examining the interaction between technologies, techniques, and people. Journal of Knowledge Management, v. 5, n. 1, p. 68-75. 2001.

BNDES. INFORME-SE. Modernização Da Gestão E-Governo: O Que Já Fazem Estados E Municípios. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhec imento/informesf/inf_20.pdf . Acesso em: 31 mai. 2013.

BORGES, Jussara; SILVA, Helena Pereira da. Democracia eletrônica e Competência informacional. Disponível em: www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/download/448/1500 . Acesso em 29 mai. 2013

BRASIL. Controladoria Geral da União. Acesso à Informação no Brasil. Disponível em: http://www.acessoainformacao.gov.br/acessoainformacaogov/acesso-informacao-brasil/ . Acesso em: 30 mai. 2013.

BRASIL. Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão. Secretaria de Orçamento Federal. Padrões Web em Governo Eletrônico e-PWG - Cartilha de Usabilidade. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2010.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº. 12.527/11. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12527.htm . Acesso em: 30 mai. 2013.

BUSH, V. As we way think. Athantic Mont Hly, n.1, p. 101-108. July, 1945. [online], Maio, 1999. Disponível em: < http://www.ps.uni-saarland.de/~duchier/pub/vbush/vbush-all.shtml>. Acesso em: 22 Ago 2013.

CABESTRÉ, S. A.; GRAZIADEI, T. M.; FARIA, L. Inteligência competitiva no contexto digital – a utilização do sistema intranet como facilitador dos relacionamentos no ambiente organizacional. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 27, 2004, Porto Alegre. Anais, Porto Alegre, PUC, 2004, p.1-15.

CAMPELLO, Bernadete S., CENDÓN, Beatriz V., KREMER, Jeannette M.(org.). Fontes de Informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000. p.17.

CARDOSO, C.A. Porquê um portal organizacional (EIP). 2002

CARVALHO, Luis Gustavo Grandinetti Castanho de. A informação como bem de consumo. Revista Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor. Vol. 41, jan.- mar./2002, p. 253 – 263.

CARVALHO, Rodrigo B. Intranets, Portais Corporativos e Gestão Do Conhecimento:Análise das Experiências de Organizações Brasileiras e Portuguesas. Belo Horizonte:UFMG, 2006. Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFMG.

CASTELLS, Manuel. A Galáxia da Internet. Reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

CASTELLS, Manuel . A sociedade em rede. Tradução de Roneide Venâncio Majer. 9. ed. atual. São Paulo: Paz e Terra, 2006. (A era da informação: economia, sociedade e cultura; v.1).

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: A era da informação: economia, sociedade e cultura;v.1. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: A era da informação: economia, sociedade e cultura;v.1. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Ed. do Senac, 2003.

CONCEIÇÃO, Antonio Cesar Lima da. Controle Social da Administração Pública: Informação & Conhecimento – interação necessária para a efetiva participação popular nos orçamentos públicos. Disponível em: http://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/2055022.PDF . Acesso em: 30 mai. 2013.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DAVENPORT, T. H., PRUSAK, L. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DIAS, C. Usabilidade na web: criando portais mais acessíveis. 2. ed. Rio de Janeiro: Alta Books Ed., 2007. 296p.

DIAS, C. Usabilidade na web: criando portais mais acessíveis. 1. ed. Rio de Janeiro: Alta Books Ed., 2003.

DIAS, C. Hipertexto: evolução histórica e efeitos sociais. Ciência da Informação, v.28, n.3, p. 267-275. Dez. 1999.

DIAS, C. Portal corporativo: conceitos e características. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 1, p. 50-60, jan/abri. 2001.

DIAS, Rafael de Brito; Governo eletrônico: ferramenta democrática ou instrumento do neoliberalismo? Revista Tecnologia e Sociedade - 2ª Edição, 2012. ISSN (versão online): 1984-3526.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 20 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

ECKERSON, W. 15 rules for enterprise portals. Oracle Magezine, v.13, n. 4, p. 13-14, July/Aug. 1999. [online], abril 2000. Disponível em: [ http://www.oracle.com/oramag/oracle/99-Jul/49ind.html].

EISENBERG, José. Internet Popular e Democracia nas Cidades. Belo Horizonte: Revista IP – Informática Pública, v.01, n.01, p.07-24, maio/1999.

FLEMING, Jennifer. Web navigation: Designing the user experience. Sebastopol, Calif.: O'Reilly, 1998.

FLEURY, O. M. M. J. Gestão Estratégica do Conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FREDERICK, Amstel. Design de Interação Social. In: Blog Usabilidoido, Disponível em: http://www.usabilidoido.com.br/design_de_interacao_social.html

FREITAS, R. A. de; QUINTANILLA, L. W.; NOGUEIRA, A. dos S.. Portais corporativos: uma ferramenta estratégica para a gestão do conhecimento. Rio de Janeiro: Brasport, 2004.

FREY, Klaus. Governança Eletrônica: experiências de cidades européias e algumas lições para países em desenvolvimento. Belo Horizonte: Revista IP – Informática Pública, v.02, p.31-48, maio/2000.

FONSECA JÚNIOR, José de Ribamar Lima da. Governança e democracia eletrônica. Jus Navigandi, Teresina, ano 14, n. 2313, 31 out. 2009 . Disponível em: . Acesso em: 3 jun. 2013.

GALLO, Michael A.; HANCOCK, William A. Comunicação entre computadores e tecnologias de rede. São Paulo: Pioneira, 2003.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, A. C Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

JOHNSON, S. Emergência: a dinâmica de rede em formigas, cérebros, Cidades e softwares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

KROGH, V. G.; ICHIJO, K.; NONAKA, I. Facilitando a criação de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011.

LEMOS, C. Inovação na era do conhecimento. In: LASTRES, H. M.; ALBAGLI, S. (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. 260 p.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993. [2002].

LOCK, Fernando do Nascimento. Participação Popular no Controle da Administração Pública: um estudo exploratório. Revista Eletrônica de Contabilidade: Curso de Ciências Contábeis UFSM, Santa Maria - RS, v. 1, n. , p.122-133, 01 set. 2004. Trimestral. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2013.

LUDKE, M. e ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARÇAL FILHO, Justen. Curso de direito administrativo. São Paulo: Saraiva, 2005, p.14.

MARCUS, Robert; WATTERS, Beverly. Collective Knowledge: Intranets, Productivity and the promise of the knowledge workplace. Redmond: Microsoft Press, 2002.

MARINELA, Fernanda. Direito Administrativo. 5 ed. Niterói: Impetus, 2011.

MARTIELI, Rosa Maria Feltrim. Tecnologia da informação na construção do conhecimento : uma abordagem a partir do modelo de Nonaka & Takeuchi. 2001, 118 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção)-Universidade de Santa Catarina, Santa Catarina, 2001.

MARTÍN, César. Usabilidade. Disponível em: . Acesso em 05 de maio de 2013.

MARTINS, G. de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

McGEE, T.; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

MEMÓRIA, Felipe. Design para internet: projetando a experiência perfeita. Editora Campus, 2005. 192p.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, métodos e criatividade. 21 ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

MOLINA, L.G. Portais corporativos: tecnologia de informação e comunicação aplicadas à gestão da informação e do conhecimento em empresas de Tecnologia de Informação. Dissertação de Mestrado (Mestrado – Ciência da Informação). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências. Marília, 2008.

MONAVVARIAN, A.; KASAEI, M. A KM model for public administration: the case of Labour Ministry. VINE: The Journal of Information and Knowledge Management Systems, v. 37, n. 3, p. 348-367, 2007.

MORAES, Maira de. Produtos interativos para consumidores multimídia: discutindo a interatividade na era dos bits. Pré Textos, Bahia, 25 nov. 1998.

MURRAY, G. The portal is the desktop. Intraspect, May/June 1999.

NASCIMENTO, Elyesley Silva do. Curso de Direito Administrativo. Niterói: Impetus, 2013. p. 1015.

NASCIMENTO, J. A. M. do; AMARAL, S. A. do. Avaliação de usabilidade na internet. Brasília: Thesaurus, 2010. 142p.

NEVIS, E. C.; DI BELLA, A. J.; GOULD, J. M. Understanding organizations as learning systems. Sloan Management Review, v. 36, n. 2, p. 73-85, 1997.

NIELSEN, Jakob. Projetando websites: designing web usability. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2000. 416p.

NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa. Usabilidade na web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

PADOVANI, S. Avaliação ergonômica de sistemas de navegação em hipertextos fechados. In MORAES, Anamaria de. Design e avaliação de interface. Rio de Janeiro, iUSeR, 2002, p. 27- 58.

PÉREZ, T.S. Las comunidades virtuales y los portales como encenarios de gestión documental y difusión de infromacion. Anales de Documentácion, n.4, 2001.

PETRINI, M.; FREITAS, M. T.; POZZEBON, M. Inteligência de negócios ou inteligência competitiva? Noivo Neurótico, Noiva Nervosa. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, Salvador. Anais.... Salvador, BA: Ed. ANPAD, 2006.

PRIMO, Alex F. Teixeira; Uma análise sistêmica da interação mediada por computador. Informática na Educação, Porto Alegre, v. 3, n.1, p. 73-84, 2000

PINHO, J.B. Publicidade e vendas na internet. São Paulo: Summus, 2000. 354p.

SACRAMENTO, A. R. S.; PINHO, J. A. G. Transparência na administração pública: o que mudou depois da Lei de Responsabilidade Fiscal? Um estudo exploratório em seis Municípios da região metropolitana de salvador. Revista de Contabilidade da UFBA, Salvador, v. 1, n.1, p. 48-61 set./dez. 2007.

PINHO, José Antônio Gomes de; SACRAMENTO, Ana Rita. Accountability: já podemos traduzi-la para o português? Diponível em: http://www.scielo.br/pdf/rap/v43n6/06.pdf . Acesso em: 01 jun. 2013.

REYNOLDS, H & KOULOPOULOS, T. Enterprise knowledge has a face. Intelligent Enterprise, v. 2, p. 29-34, Mar. 1999.

REYNOLDS, H.; KOULOPOULOS, T. Enterprise knowledge has a face.2008

RICHARDSON, R. J. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ROVER, Aires José. Métrica de Avaliação dos Sítios e Portais Corporativos dos Tribunais de Contas Brasileiros. – Florianópolis: Conceito Editorial, 2012. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/livro_tcu.pdf . Acesso em 03ju. 2013.

SALDANHA, Ricardo. Portais corporativos: entre o sonho e a realidade, abril 2004.

SANTOS, Daniela Gomes dos. A internet como instrumento de controle social: o portal da transparência do Governo Federal – Brasília, 2010. Disponível em: http://bdm.bce.unb.br/bitstream/10483/3983/6/2010_DanielaGomesdosSantos.pdf . Acesso em: 25 mai. 2013.

SHILAKES, C. C. e TYLMAN, J. Enterprise informations portals. New York, NY: Merril Lynch, 16 Nov. 1998.

SILVA, S. L. Gestão do conhecimento: uma revisão critica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Revista Ciência da Informação, Brasília, v.33, n2, p. 143-151, maio/ago. 2004

SVEIBY, K. E. A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TERRA, J. C. Gestão de Conhecimento. 2. ed. São Paulo: Negócio, 2001.

TERRA, José Cláudio Cyrineu; GORDON Cindy. Portais Corporativos: a revolução na gestão do conhecimento. São Paulo: Negócio, 2002.

TERRA, J. C.; BAX, M. P. Portais corporativos: instrumento de gestão de informação e de conhecimento. In: Isis Paim. (Org.). A Gestão da Informação e do Conhecimento. Belo Horizonte, 2003.

TOMAÉL, M. I.; MARTELETO, R. M. Do compartilhamento da informação ao conhecimento coletivo. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 7., 2006, Marília. Anais... Marilia: ANCIB, 2006.

TRIBUNAL DE CONTAS DE MINAS GERAIS. Disponível em: http://www.tce.mg.gov.br/index.asp?cod_secao=1IMQ&tipo=1&url=&cod_secao_menu=3 . Acesso em: 25 mai de 2013.

TRIBUNAL DE CONTAS DE MINAS GERAIS. Disponível em: http://www.tce.mg.gov.br/IMG/Legislacao/legiscont/Regimentointerno/Reg-Int-12- 08%20%20-%20Atualizado.pdf. Acesso em: 23 mai de 2013.

TRIBUNAL DE CONTAS DE MINAS GERAIS. Disponível em: http://www.tce.mg.gov.br/index.asp?cod_secao=1J&tipo=1&url=&cod_secao_menu=3. Acesso em: 23, mai. de 2013.

TRIBUNAL DE CONTAS DE MINAS GERAIS. Disponível em: http://www.tce.mg.gov.br/?cod_pagina=1111620270&acao=pagina&cod_secao_menu=5K&a =noticias# Acesso em: 23, mai. de 2013

VASCONCELOS, M. C. R. L. de, FERREIRA, M. A. T. O processo de aprendizagem e a Gestão do Conhecimento em empresas mineiras de vanguarda. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 26., 2002, Salvador. Anais... Salvador: ANPAD, 2002.

VILELA, Renata Moutinho. Conteúdo, usabilidade e funcionalidade: três dimensões para avaliação de portais estaduais de governo eletrônico na web. Belo Horizonte: Escola de Ciência da Informação da UFMG, 2003. Dissertação de mestrado.

XEXÉO, G. (2003, Abril). Vinte anos do nascimento da internet. Ciência Hoje.

WHITE, C. Enterprise information portal requirements. Decision processing brief. DP -99-02. Morgan Hill, CA: Database Associates International, Jan. 1999.

WHITE, C. Decision threshold. Intelligent Enterprise, v. 2, n. 16, p. 35-40, Nov. 1999.

WIIG, K. M. Knowledge management in public administration. Journal of Knowledge Management, v. 6, n. 3, p. 224-239, 2002.

YIN, R, K (2005). Estudo de Caso. Planejamento e Métodos. 3ed. São Paulo: Bookman Editora


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)