INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E COOPERAÇÃO EM ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE SOFTWARE DA RMBH: A percepção de gestores

AUGUSTA MENDES FERREIRA

Resumo


Esta pesquisa pertence a projeto financiado pela FAPEMIG Demanda Universal de 2011intitulado: INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E COOPERAÇÃO ENTRE ARRANJOSPRODUTIVOS LOCAIS DE MINAS GERAIS sob a coordenação da orientadora Profa.Cristiana Fernandes De Muylder. O tema refere-se aos novos fatores norteiam o rumo dasorganizações, sendo que economia atual deixa de se basear em conceitos existentes na antigaeconomia industrial. Segundo Fialho et al (2008), as organizações devem compreender oconhecimento como um ativo gerenciável e capaz de proporcionar vantagem competitivasustentável. Pois o sucesso das organizações na nova economia está diretamente ligado àcapacidade de aprendizagem, criação, compartilhamento, disseminação de conhecimento.Assim, os processos de Inteligência Competitiva (IC) nas empresas e aglomerados produtivosse apresentam como uma opção na geração de competências que possam gerar e sustentarposicionamentos competitivos. Neste sentido, o presente projeto tem o objetivo de identificara percepção dos empresários do Arranjo Produtivo Local (APL) de Software da RegiãoMetropolitana de Belo Horizonte (RMBH) quanto aos seus interesses e disponibilidade nocompartilhamento de informações estratégicas e cooperação. Pretende-se identificar asdimensões do macro e do microambiente organizacional que as empresas encontram maiorfacilidade e dificuldade de compartilhamento de informações estratégicas e inteligência;identificar o grau de importância para as empresas do APL selecionado quanto aoscomponentes do macro e do microambiente organizacional na potencialização de suacompetitividade. O estudo encontrou algumas características do setor de software por meio deentrevista a gestores pertencentes ao APL e demonstrou que não perceberam facilidade e/oudisponibilidade de compartilhamento de informação, no grupo pesquisado. Isto instiga novaspesquisas como a confirmação de resultados de investimentos feitos com foco no APLespecífico dentre outros.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Minas. Mais competitividade e produtividade para a economia mineira através

dos APLs. Disponível em: Acesso em 27

de ago. 2013.

ALBAGLI, S.; LASTRES, H. M. M.Informação e globalização na Era do conhecimento.

Rio de Janeiro: Campus, 1999.

ASHEIM, B.; COOKE, P. e MARTIN R. Clusters and regional development: critical

reflections and explorations. Nova York: Routledge, 2006.

BALESTRIN, A.; VARGAS, L. M. A dimensão estratégica dasredes organizacionais de

PMEs: teorizações e evidências. Revista de Administração Contemporânea - RAC, Rio de

Janeiro, v. 8, p. 203 – 227, 2004.

BARBOSA, S. de L. Estratégia, fatores de competitividade e contexto de referência das

organizações: uma análise arquetípica. Revista de Administração Contemporânea.

Curitiba, v. 06, n. 03, p. 07-32, 2002.

BARBOSA, R. R. Uso de fontes de informação para a inteligência competitiva: um estudo da

influência da parte das empresas sobre o comportamento informacional. Revista Eletrônica

de Biblioteconomia, Florianópolis, n. especial, 1º sem. 2006.

BARRETO, A. V. P., HONORATO, C. F. Manual de sobrevivência na selva acadêmica.

Rio de Janeiro: Objeto Direto, 1998.

BARTOL, K.; SRIVASTAVA, A. Encouraging knowledge sharing: the role of organizational

reward systems. Journal of Leadership & Organizational Studies, 9(1), 2002.

BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Social. Brasil. Arranjos Produtivos Locais

como Instrumento de Desenvolvimento. Disponível em:

pl.html>. Acesso em: 04 out. 2012.

BOJA, C. Clusters Models, Factors and Characteristics. International Journal of Economic

Practices and Theories, Vol. 1, No. 1, 2011 (July)

BOTELHO, R.V. et al. Propagação da videira niagara rosada (Vitis labrusca) enxertada sobre

o porta-enxerto VR-043-43 (V. vinifera X V. rotundifolia). Scientia Agrária. Curitiba, v.10,

n.5, p.359-364,2009.

CARVALHO, K. Disseminação da informação e informação da inteligência organizacional.

Datagramazero, v. 2, no. 3, Jun. 2001. Disponível em:

Acesso em:01 jun. 2013.

CARVALHO, M.M.; LAURINDO, F.J.B. Estratégia competitiva: dos conceitos à

implementação. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

CASSIOLATO, J. E. Relatório do grupo de trabalho para arranjos produtivos locais.

MDIC, 2004.

CASTELLS, M. A sociedade em rede.São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CHRISTENSEN, C. M. Strategies for Survival in Fast-Changing Industries. Utterback

Source: Management Science, Vol. 44, No. 12, Part 2 of 2 (Dec., 1998), pp. S207-S220

CHOO, C. W. et al.Information culture and information use: An exploratory study of three

organizations. JASIST, 59(5): 792-804, 2008.

CHOO, C. W. (Ed.). Information management for the intelligent organization: the art of

scanning the environment. Hedfofd, New Jersey: Learned Information, 1998.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA – CNI. Conhecimento e inovação para

a competitividade. São Paulo, 2008. Disponível em:

hecimentoeInovacao_Web.pdf>. Acesso em: 30 set. 2012.

DOLOREUX, D.; PARTO, S. (2004) Regional Innovation Systems: A Critical Synthesis, In:

Institute for New Technologies (INTECH) discussion papern. 2004-17. Disponível em:

http://www.intech.unu.edu/publications/discussion-papers/2004-17.pdf> Acesso em 01 de jun

de 2013.

FAGGION, G. A. BALESTRIN, A. E WEYTH, C. Geração de conhecimento e inteligêmcia

estratégica no universo das redes interorganizacionais. Revista Inteligência Empresarial, n.

p 57-65, jul.2002.

FIEMG – Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais. FIEMG: 80 anos

impulsionando o desenvolvimento de Minas Gerais. Disponível em :

envolvimento_de_minas_gerais> Acesso em 01 de jun 2013.

FIALHO, F. A. P. et al. Gestão da sustentabilidade na era do conhecimento: o

desenvolvimento sustentável e a nova realidade da sociedade pós-industrial. Florianópolis:

Visual Books, 2008.

FREIRE, E.; BRISOLLA, S. de N. A Contribuição do caráter“Transversal” do software para

a política de inovação. Revista Brasileira de InovaçãoVolume 4 Número 1 Jan / Jun 2005.

FULD, L. M. The new competitor intelligence: the complete resource for finding, analyzing

and using information about your competitor. New York: John Wiley & Sons, 1995.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de

Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, mai/jun, 1995.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências

Sociais. Rio de Janeiro: Record, 1999.

GOMES, E.; BRAGA, F. Inteligência competitiva: como transformar informação em um

negócio lucrativo. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

GOMES, L. F. A. M. Tomada de decisão gerencial:enfoque multicritério. São Paulo: Atlas,

HADDAD, P. R. Setores Produtivos Potenciais. Belo Horizonte: SEBRAE/MG, 2007.

HIRATA, P. S e ALMEIDA, F. C. L.E.SCAning® – Entendendo e Implantando um Sistema

de Inteligência Competitiva. Anais. EnANPAD, 2009.

INSTITUTO EVALDO LODI – IEL. O Futuro da indústria de software. Belo Horizonte,

Disponível em: . Acessoem: 30 set. 2012.

JOHNSON, A. R. Using Knowledge Management as a Framework for Competitive

Intelligence. 1998. Disponível em: . In: _________. What

is Competitive Intelligence? 1995. Disponível em: < www. aurorawdc.com whatisci.htm>.

KAUARK, F. S.; MANHÃES, F. C.; MEDEIROS, C. H.. Metodologia da pesquisa: um guia

prático. Itabuna: Via Litterarum Editora, 2010.

KEEBLE, D.; WILKINSON, F. High-technology clusters, networking and collective

learning in Europe.Aldershot: Ashgate, 2000.

KOTSEMIR, M.; MEISSNER, D.Conceptualizing the Innovation Process – Trends and

Outlook.MPRA.Paper 46504, University Library of Munich, Germany, 2013.

KUBOTA, L. C. 2006. Desafios da indústria de software. Disponível em

http://www.redmercosur.org/iepcim/RED_MERCOSUR/biblioteca/ESTUDOS_BRASIL/BR

A_88.pdf>. Acesso em 01 de jun 2013.

LOPES, B. Inteligência competitiva em arranjos produtivos locais: Uma análise do vale da

eletrônica, em Santa Rita do Sapucaí. 2011. 122 f. Dissertação(Mestre) - Curso de Mestrado

Acadêmico em Administração, Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte, 2011.

LOPES, B.; DE MUYLDER, C. F. e JUDICE, V. M. M. Inteligência Competitiva em

Arranjos Produtivos Locais: Uma Análise do Vale da Eletrônica, em Santa Rita do Sapucaí.

Anais. EnANPAD 2011.

MACCRIMMON, K. R. Managerial decision making. In. MCGUIRE, I.W. Contemporary

management:issues and viewpoints. Englewood Cliffs, New Jersey:Prentice-Hall, 1973.

MACHADO, M. V. C. Projetos orientados para o mercado: análise de um APL de tecnologia

da informação na região metropolitana de Belo Horizonte. Dissertaçãode Mestrado. Pedro

Leopoldo: FPL, 2012.

MACHADO, S. A. Dinâmica dos arranjos produtivos locais: um estudo de caso em Santa

Gertrudes, a nova capital da cerâmica brasileira. Escola Politécnica da Universidade de São

Paulo – Departamento de Engenharia de Produção, Tesede Doutorado, São Paulo, 2003.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa em marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre:

Bookman, 2006.

MASKELL; P. MAMBERG, A. Myopia, knowledge development and cluster evolution.

Journal of Economic Geography, Vol. 7, n. 5, 2007. p. 603-618.

MDCI – Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Arranjos

produtivos locais. Disponível em:

Acesso

em 01 mai 2013.

MDCI – Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.Grupo de trabalho

permanente para arranjos produtivos locais. Disponível em:

Acesso

em 01 de mai 2013.

MILLER, J., Millennnium intelligence: Understandig and conducting competitive

intelligence in the digital Age. New. New Jersey: CyberAge Books, 2000.

MINAYO, C.S., O Desafio do Conhecimento- Pesquisa Qualitativa em Saúde, HucitecAbrasco: São Paulo: Editora Hucitec, 1994.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia. 2 ed. Porto Alegre:

Bookman, 2010.

MORESI, E. A. D. Monitoração ambiental e complexidade. Tesede Doutorado em Ciencia

da Informação: UnB, 2001a.

MORESI, E. A. D. Monitoramento ambiental. In:TARAPANOFF, K. (Org.). Inteligência

organizacional e competitiva. Brasília: Editora UnB, 2001b. p. 93-109.

MOTTA, P. R. Razão e intuição: recuperando o ilógico nateoria da decisão gerencial.

Revista de Administração Pública.Rio de Janeiro: Escola Brasileira de Administração

Pública, v.22, n.3, p.77-94, jul-set. 1988.

NONAKA, I., TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro:

Campus, 1997.

NEUMANN, L.; HEXSEL, A e BALESTRIN, A. Desafios à cooperação em Aglomerados

Produtivos: um estudo de caso no segmento de malhasdo sul do Brasil. BASE – Revista de

Administração e Contabilidade da Unsinos. 8(3):220-230, julho/setembro 2011.

OCDE, Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo. 3.

ed. Tradução: do FINEP, 2005. Disponível em

Acesso em 01 de jun 2013.

PASSOS, Alfredo. Inteligência competitiva: como fazer IC acontecer na sua empresa. São

Paulo: LCTE Editora, 2005.

PEREIRA, M. N. B. Tecnologia de informação em alinhamento à estratégia de negócio: na

visão de gestores das empresas participantes do IT Service Management Forum de Minas

Gerais. Dissertaçãode Mestrado. Faculdade Novos Horizontes. Belo Horizonte, 2008.

PRESCOTT, J. E.; MILLER, S. H. Inteligência competitiva na prática. Rio de Janeiro:

Campus, 2002.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior.

Rio de Janeiro: Campus, 1985.

ROBBINS, S. P. Administração:mudanças e perspectivas. Tradução de Cid Knipel

Moreira. São Paulo : Saraiva, 2001.

RHODEN, V. N. Strategy as practice e os lapsos conceituais.Anais. CONVIBRA, 2008.

ROESCH, S. Projetos de estágio e de pesquisa em administração.São Paulo. Atlas. 1999

RUTHES, S. Inteligência competitiva para o desenvolvimento sustentável. São Paulo:

Peirópolis, 2007

Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (2012). Arranjos produtivos

locais – APLs. Disponível em: Acesso em 05 de abr. 2013.

Secretaria de Estado de Estado de Desenvolvimento Econômico (2010) Mais

Competitividade e Produtividade Mineira Através dosAPLs.Disponível em:

Acesso em 28 de ago. 2013.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE. Brasil. Diagnóstico

da indústria de software de Belo Horizonte. Belo Horizonte:FDC, 2006.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE. Brasil. Termo de

referência para atuação do sistema SEBRAE em arranjos produtivos locais. 2003.

Disponível em:

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/camaras_setoriais/Hortalicas/26RO/Termo.pdf>.

Acesso em: 05 out. 2012.

SIERRA, J. C. V. e RODRIGUES, L. C. Maturidade Organizacional em Inteligência

Competitiva – O caso de uma instituição financeira brasileira. Anais. EnANPAD, 2011.

SILVEIRA, H. SWOT. In:TARAPANOFF, K., Org. Inteligência organizacional e

competitiva. Brasília: Ed. UnB, 2001.

SIMON, H. A. The shape of automation:for men and management. New York: Harper &

Row, 1965.

STAREC, C.; GOMES, E.; BEZERRA, J. (Org.). Gestão estratégica da informação e

inteligência competitiva. São Paulo: Saraiva, 2006.

Sociedade dos Profissionais de Inteligência Competitiva - SPIC. Mas afinal de contas, o que

é Inteligência Competitiva? São Paulo, 2012. Disponível em:

. Acesso em: 30 set. 2012.

TEIXEIRA, F.; FERRARO, C. Aglomeraciones productivas locales en Brasil, formación

de recursos humanos y resultados de la experiencia CEPAL-SEBRAE. Serie Desarrollo

Productivo. Unidad de Desarrollo Industrial y Tecnológico. Nações Unidas / CEPAL.

Santiago de Chile, marzo 2009.

THOMPSON JR., A.A.; STRICKLAND III, A.J. Planejamento estratégico: elaboração,

implementação e controle. São Paulo: Pioneira, 2000

VALE, G. M. V. Territórios vitoriosos: o papel das redes organizacionais. Rio de Janeiro:

Editora Garamond Ltda, 2007.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

VIEIRA,S. F. A. ; ICHIKAWA, E. Y. e SANTOS, E. M. O processo de criação do Parque

Tecnológico de Londrina> uma Análise à Luz da Teoria Neo-Institucional. Anais. Em: XXIX

ENANPAD - Encontro Anual dos Cursos de Pós-Graduação em Administração, 2005.

VIEIRA, M M; ZOUAIN, D M. Pesquisa qualitativa em administração.Rio de Janeiro:

Editora da FGV, 2004. p. 18.

WHIPP, R. Creative deconstrucion: strategy and organization. In: CLEGG, S.R.; HARDY,

C.; NORD, W. Handbook of Organization Studies. London: Sage, p. 261-, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)