AVALIAÇÃO DA COMUNICABILIDADE EM JOGOS DE DISPOSITIVOS MÓVEIS: um estudo da relevância dos signos em jogos Tower Defense

VINÍCIUS SILVA ANDRADE

Resumo


Há no mundo acadêmico, diversos estudos com temas principais sendo Jogos Digitais. Alguns destes estudos são sobre os efeitos cognitivos de determinados jogos, outros tantos estudos   levam em consideração a concepção, o design, a programação e a comunicação, entre outros tópicos. Essa dissertação realizou testes com quatro diferentes jogos guiados pelo método de avaliação   de comunicabilidade fundamentados pela Engenharia Semiótica para responder a questão sobre quais são as   características semióticas semelhantes nos jogos digitais para dispositivos móveis capazes de fazer com que   estes jogos tenham maior sucesso de vendas em seus respectivos repositórios. Para tal analise, serão considerados   jogos digitais do subgênero tower defense para os dispositivos móveis com tecnologia Android da Google e tecnologia iOS da Apple, cujos repositórios são a Google Play e a App Store respectivamente.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, D. The State of the RTS: We take a look at the past, present, and future

of the RTS genre with the help of some industry heavies. 2006. Disponível em:

. Acesso em: 19 de

Março de 2013. Citado 2 vezes nas páginas 29 e 30.

ADLER, P.; WINOGRAD, T. Usability: Turning technologies into tools. 1992. Oxford

University Press, New York, 1992. Citado na página 46.

ALMEIDA, C. C. de. Peirce e a Organização da Informação:contribuiç ao teórica

da Semiótica e do Pragmatismo. Tese de Doutorado. Marília: Universidade Estadual

Paulista - UNESP. Campus de Marília - Faculdade de Filosofia e Ciências., 2009. Citado

na página 39.

ALMEIDA, M. L. P. de. Como elaborar monografias. 1996. n. 4, 1996. Citado 2 vezes

nas páginas 51 e 52.

APPLE. Apps that are ready for anthing. 2013. Disponível em:

. Acesso em: 01 de Abril de 2013. Citado

vezes nas páginas 37 e 38.

AVERY, P. et al. Computational intelligence and tower defence games. In: IEEE

Congress on Evolutionary Computation’11. Nevada: [s.n.], 2011. p. 1084–1091. Citado 3

vezes nas páginas 31, 32 e 33.

BATTAIOLA, A. L. Jogos por computador: Histórico, relevância tecnológica e

mercadológica, tendências e técnicas de implementação. In: . [S.l.: s.n.], 2000. Citado 3

vezes nas páginas 22, 26 e 29.

BLOG, G. O. Introducing Google Play: All your entertainment, anywhere you go. 2012. Disponível em:

.

Acesso em: 01 de Abril de 2013. Citado na página 37.

CAFÉ, A. A. Desenvolvimento de Cross-Platform Mobile Apps Utilizando o Titanium

Mobile. 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 de Março de 2013.

Citado 2 vezes nas páginas 35 e 37.

CERVO, A.; BERVIAN, P. Métodologia científica. 1976. São Paulo, 1976. Citado na

página 52.

COOPER, D.; SCHINDLER, P. Métodos de pesquisa em administração. 2011. Porto

Alegre, n. 10, 2011. Citado na página 51.

Referências

CRAWFORD, C. The Art of Digital Game Design. Vancouver: Washington State

University, 1982. Citado 3 vezes nas páginas 22, 23 e 28.

FARAGO, P. Is it Game Over for Nintendo DS and Sony PSP? 2011. Disponível em:

.

Acesso em: 15 de fevereiro de 2013. Citado na página 36.

FISCHER, G. Beyond ’couch potatoes’: From consumers to designers. In: . Asia Pacific:

Computer-Human Interaction Conference, 1998. p. 2–9. Citado na página 46.

GAMES, S. The history of tower defense games. [OnLine]. 2008. Disponível em:

. Acesso em: 01

de Março de 2013. Citado na página 33.

HERBST, L. Dicas de games para iOS: defenda-se se for capaz. 2011. Disponível em:

.

Acesso em: 15 de fevereiro de 2013. Citado na página 33.

HUIZINGA, J. Homo Ludens - vom Unprung der Kultur im Spiel. Tradução: João

Paulo Monteiro. Revisão: Mary Amazonas Leite de Barros. Produção: Ricardo W.

Neves e Adriana Garcia. São Paulo: Editora Perspectiva S.A., 2000. Disponível em:

. Acesso em: Acessado em 10

de janeiro de 2013. Citado 2 vezes nas páginas 20 e 21.

IFPI. Recording Industry in Numbers 2010. International Federation of the Phonographic Industry. London, 2010. Disponível em:

. Acesso em: 23 de

janeiro de 2013. Citado na página 17.

IRVINE, C. World of Warcraft Subscriber Base Reaches 11.5 Million Worldwide.

Disponível em: <. Acesso em: 11 de Novembro de 2012. Citado 2 vezes nas páginas 30

e 31.

JÚNIOR, M. A. P.; CASTRO, R. de O. Um estudo de caso da plataforma Android com Interfaces Adaptativas. 2011. Disponível em:

.

Acesso em: 25 de Março de 2013. Citado na página 35.

JUUL, J. Half-Real: Video Games between Real Rules and Fictional Worlds. ISBN:

[S.l.]: The MIT Press, 2005. Citado na página 22.

KASTENSMIDT, C. Os impactos das tecnologias dos jogos digitais multijogadores na

jogabilidade social. 2010. Famecos/PUCRS, Porto Alegre, n. 23, Agosto 2010. Citado 2

vezes nas páginas 26 e 30.

LAKATO, E. M.; MARCONI, M. de A. Técnica de pesquisa. 1996. São Paulo, 1996.

Citado na página 52.

LEITE, L. L. Colaboração entre pares para melhor compreensão da mensagem do

designer via sitema de ajuda. Tese de Doutorado. Porto Alegre: [s.n.], 2012. Citado na

página 48.

Referências 73

LUCCHESE, F.; RIBEIRO, B. Conceituação de jogos digitais. 2009. São Paulo, 2009. Disponível em:

.

Acesso em: 23 de Fevereiro de 2013. Citado 2 vezes nas páginas 22 e 25.

MARCELO, A.; PESCUITE, J. Fundamentos de design para jogos: um guia para o

projeto de jogos modernos reais e virtuais. Rio de Janeiro: Brasport, 2009. Citado 4

vezes nas páginas 26, 27, 29 e 30.

MATTOS, B. A. M. Uma Extensão do Método de Avaliação de Comunicabilidade para

Sistemas Colaborativos. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: [s.n.], 2010. Citado 6

vezes nas páginas 41, 42, 47, 48, 49 e 50.

MICROSOFT, G. S. Civilizations. 2010. Disponível em:

. Acesso em:

de Março de 2013. Citado na página 30.

MITCHELL, L. Tower defense: Bringing the genre back. [OnLine]. 2008. Disponível em:

. Acesso em: 01

de Março de 2013. Citado na página 33.

MPAA. Theatrical market statistics. [S.l.], 2011. Disponível em:

.

Acesso em: 23 de janeiro de 2013. Citado na página 17.

NIELSEN, J.; LORANGER, H. Usabilidade na Web: Projetando Websites com qualidade.

Rio de Janeiro: Editora Campus, 2006. Citado 2 vezes nas páginas 45 e 54.

OLIVEIRA, E. R. de. Investigação sobre a aplicabilidade dos métodos de avaliação de

comunicabilidade ao domínio educacional. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte:

[s.n.], 2010. Citado 2 vezes nas páginas 42 e 43.

PEERBOLTE, J. Game Design Document: Tactical Turret Defense

Game. Introduction To Game Development. 2009. Disponível em:

. Acesso

em: 21 de Março de 2013. Citado na página 31.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 2005. Editora Perspectiva, São Paulo, 2005. Citado 3 vezes

nas páginas 38, 39 e 42.

PETRÓ, G. Sucesso de brasileiros na criação de games põe mercado em evidência.

Globo, 2011. São Paulo, Julho 2011. Disponível em: . Acesso em:

Acessado em 10 de janeiro de 2013. Citado na página 17.

POOLE, S. Trigger Happy: Videogames and the Entertainment Revolution. New York: Arcade, 2000. Disponível em:

. Acesso em: Acessado em 19 de Março de 2013. Citado na página 27.

PRATES, R. O.; BARBOSA, S. D. J. Introdução á teoria e a

prática da interação humano computador fundamentada na engenharia semiótica. 2007. p. 263–326, Janeiro 2007. Disponível em:

.

Acesso em: 03 de Março de 2013. Citado 4 vezes nas páginas 41, 46, 47 e 52.

Referências

RABIN, S. Introdução ao desenvolvimento de games: entendendo o universo dos jogos .

tradução Opportunity Translations. Revisão Técnica Arlete dos Santos Petry; Luís

Carlos Petry. S ao Paulo: Cengage Learning, 2011. Citado 3 vezes nas páginas 26, 27

e 29.

RESVIVO, K. Growth Accelerates in the Worldwide Mobile Phone and Smartphone

Markets in the First Quarter, According to IDC. International Data Corporation - IDC.

Disponível em: .

Acesso em: 03 de Abril de 2013. Citado na página 36.

SALVADOR, A. D. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. 1986. Porto Alegre:

Sulina, n. 4, 1986. Citado na página 51.

SANTAELLA, L. O que é Semiótica. Coleção primeiros passos: 103. São Paulo: Editora brasiliense, 1999. Disponível em:

.

Acesso em: Acessado em 10 de janeiro de 2013. Citado 3 vezes nas páginas 38, 39 e 44.

SANTAELLA, L. Games e comunidades virtuais. Exposição hiPer> relação eletro

digitais entre 31 de maio e 5 de setembro. Porto Alegre: Instituto Sérgio Motta e pelo

Santander Cultural, 2004. Citado 4 vezes nas páginas 20, 21, 24 e 26.

SANTOS, G. L. Máquinas de estados hierárquicas em jogos eletrônicos. Globo, 2004. São Paulo, Julho 2004. Disponível em:

.

Acesso em: 15 de Fevereiro de 2013. Citado na página 25.

SCHELL, J. Introdução as Teorias Semióticas. [S.l.]: Editora Vozes, 2006. Citado 5

vezes nas páginas 21, 23, 24, 42 e 47.

SCHUYTEMA, P. Design de games: uma abordagem prática. tradução Cláudia Mello

Belhassof revisão técnica Paulo Marcos Figueiredo de Andrade. S ao Paulo: Campus

Media Technology, 2011. Citado na página 21.

SOUZA, C. S. de. The semiotic engineering of human-computer interaction. [S.l.]: The

MIT press, 2005. Citado 7 vezes nas páginas 18, 41, 42, 46, 47, 48 e 49.

SOUZA, C. S. de; LEITAO, C. F. Semiotic Engineering Methods for Scientific Research

in HCI. [S.l.]: Morgan and Claypool Publishers, 2009. Citado 5 vezes nas páginas 41,

, 43, 48 e 49.

SOUZA, C. S. de et al. Projeto de interfaces de usuário: Perspectivas cognitiva e

semiótica. 1999. Anais da Jornada de Atualização em Informática, XIX Congresso da

Sociedade Brasileira de Computação, Rio de Janeiro, junho 1999. Citado 4 vezes nas

páginas 39, 41, 43 e 46.

SOUZA, L. S. de. A arte de game design: o livro original (The Art of Game Design

A book of lenses). Tradução: Edson Furmankiewicz ISBN: 0262101106. [S.l.]: Campus

Media Technology, 2011. Citado 3 vezes nas páginas 39, 40 e 44.

SOUZA, M. C. de. O desafio do conhecimento. 1993. 1993. Citado na página 51.

Referências 75

STUDIOS, E. Welcome to a world called Age of Empires III. 2010. Disponível em:

. Acesso em: 19 de Março de

Citado na página 30.

THIBODEAU, P. Gartner’s top 10 tech trends

for 2013. 2012. Fevereiro 2012. Disponível em:

.

Acesso em: 28 de Fevereiro de 2013. Citado na página 17.

WETZEL, C. What is a "tower defense"game? 2009. Disponível em:

.

Acesso em: 21 de Março de 2013. Citado na página 31.

WOODSON, W. E.; TILMAN, B.; TILMAN, P. Human factors design handbook. 1981.

Mcgraw Hill, n. 2, 1981. Citado na página 45.

WU, J. Global Video Game Market Forecast. [S.l.], 2011. Disponível em:

.

Acesso em: 20 de Fevereiro de 2013. Citado na página 17.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)