PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO E INDICADORES DE GERAÇÃO DA INOVAÇÃO

RUBENS DE SOUZA SILVA

Resumo


Um elo comum entre os processos de gestão da inovação é a utilização da GC (Gestão do Conhecimento) na busca de combinações que gerem inovação. Considerando que diferentes estilos de gerir o conhecimento podem estar associados a diferentes níveis de inovação, este trabalho se propôs á estudar a maneira como as práticas de GC em diferentes níveis de uma empresa influenciam na geração da inovação. Diante da quantidade de variáveis existentes na gestão da inovação, buscar o entendimento de como cada fator influencia no resultado poderá afinar a configuração adequada para alcançar determinado objetivo. Para isto, foi realizada uma pesquisa descritiva de natureza qualitativa onde foram analisadas as práticas de GC em diversos níveis de uma empresa e mensurados os indicadores de percepção de inovação. Para a mensuração das práticas de GC foi utilizado o modelo de Terra e para mensurar a percepção de inovação foi utilizado o formulário Minnesota Innovation Survey do projeto MIRP (Minnesota Innovation Research Program). Os dados foram coletados através de entrevistas com quatro colaboradores de uma empresa de tecnologia de Belo Horizonte. Foi realizada uma análise de discursso que permitiu identificar práticas de Gestão do Conhecimento em apenas um nível da empresa e foi possível concluir que a maior parte das dimensões de inovação apresenta alto grau de percepção, podendo fazer alusões há possíveis contribuições daquelas práticas nestas dimensões.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBIERI, J. C. et al. (Org.). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. Rio de

Janeiro: FGV Editora, 2003.

CANONGIA, C.; SANTOS, D. M.; SANTOS, M. M.; ZACKIEWICZ, M. Foresight,

inteligência competitiva e gestão do conhecimento: instrumentos para a gestão da inovação.

Gestão & Produção, v. 11, n. 2, 2004.

CONDE, M. V. F., ARAUJO-JORGE, T. C. Modelos e concepções de inovação a transição

de paradigmas, a reforma de C&T brasileira e as concepções de gestores de uma

Instituição pública de pesquisa em saúde. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Vol. 8, n. 3,

Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003, p. 727-741.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor – Entrepreneurship. 6 ed. São Paulo:

Pioneira, 1985.

DRUCKER, P. F. Sociedade Pós-capitalista. São Paulo: Pioneira, 1994

FIGUEIREDO, S. P. Gestão do conhecimento; estratégias competitivas para a criação e

mobilização do conhecimento na empresa. São Paulo: Qualitymark, 2005.

FREEMAN, Christopher. The economics of industrial innovation. Londres: Pinter, 1982

GOLDMAN, F. L. Podemos ainda aprender com Nonaka e Takeuchi? 2010. Dispoonivel

em:

Acesso em 28 de mai 2013.

KRUGLIANSKAS, I. Tornando a pequena e média empresa competitiva. São Paulo:

Instituto de Estudos Gerenciais e Editora, 1996.

MACHADO, D. D. P. N. Inovação e cultura organizacional: um estudo dos elementos

culturais que fazem parte de um ambiente inovador. São Paulo, 2004. Tese (Doutorado:

Administração de Empresas). Escola de Administração de Empresas de São Paulo da

Fundação Getúlio Vargas

MIRANDA, R. C. da R. Gestãodo conhecimento estratégico: uma proposta de modelo

integrado. 2004. 289 f. Tese (Mestrado) - Curso de Ciência da Informação, Departamento de

Ciência da Informação, Universidade de Brasília, Brasília, 2004.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 7ª.ed. São

Paulo: Hucitec-Abrasco, 2010.

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na Empresa: como as empresas

japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONAKA, I., TAKEUCHI, H., The knowledge-creating company:how Japanese companies

create the dinamics of innovation, New York:Oxford University Press, 1995

NOGUEIRA, C. A analise do discurso. 2001 Disponivel em:

urso_final1.pdf> Acesso em 28 de mai 2013.

OCDE. Manual de Oslo – Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre Inovação. 2ª

ed., Tradução FINEP, 2004, Disponível em: www.finep.org.br

PAVONI, E. T. Estilos de gestão do conhecimento e inovação em empresas de média e

baixa tecnologia. 2009. 170 f. Dissertação (Doutorado) - Curso de Administração,

Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

PINTEC – Pesquisa industrial de inovação tecnológica. Disponível em:

Acesso em: 12 de outubro 2012.

PINTEC, Banco de dados da pesquisa industrial de inovação tecnológica 2008. Disponível

em:

ecnicas%202008.pdf> Acesso em: 12 out. 2008.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard

Business Review, v. 68, n. 3, 1990.

QUINN, J. The intelligent company. New York: The Free Press, 1992

ROGERS, E.. Diffusion of innovations. 4. ed. New York: The Free Press, 1995.

SCHUMPETER, J. A Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural

(Coleção Os Economistas), 1981.

SILVA, A. R. da. Análise da relação entre a gestão do conhecimento e o ambiente de

inovação em uma instituição de ensino profissionalizante. 2011. 213 f. Tese (Doutorado) -Curso de Engenharia e Gestão do Conhecimento, Departamento de Centro Tecnológico,

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

TERRA, J. C. et al. (Org.). 10 dimensões da gestão da inovação: uma abordagem para a

transformação organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

TERRA, J. C. C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo:

Negócio Editora, 2001.

TERRA, J. C. C. Gestão do conhecimento: aspectos conceituais e estudo exploratório sobre

as práticas de empresas brasileiras. 1999. Tese de doutorado (Pós-Graduação em Engenharia

de Produção) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K.. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman,

VAN DE VEN, A. H; ANGLE, H. L; POOLE, M. S.; Research on the management of

innovation. Oxford: Oxford University Press, 2000.

VENUTO, N. M. Práticas de gestão do conhecimento: desempenho do curso de

administração das instituições de ensino superior privadas de Minas Gerais no exame nacional

de desempenho do estudante. 2010. 165 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade Novos

Horizontes, Belo Horizonte, 2010.

VIEIRA, Eduardo. Os bastidores da Internet no Brasil: as histórias de sucesso e de fracasso

que marcaram a Web brasileira. Barueri: São Paulo, 2003.

ZILBER, S. N.; SILVA, F. L. da. Inovação das grandes empresas multinacionais para o

mercado brasileiro de baixa renda: um estudo multicaso. XXXI Encontro ANPAD, Rio de

Janeiro, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)