APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

CARLA MARISE CANELA SALLES

Resumo


Esta dissertação tem o objetivo de identificar e analisar os fatores críticos da aquisição do conhecimento advindos do processo de aprendizagem significativa com o uso de tecnologias de Ensino a Distância (EaD). Com a consolidação do EaD e o aparecimento de práticas de aprendizagem mediadas por novas ferramentas tecnológicas, ampliaram-se os estudos destinados a entender a adequação de metodologias de ensino que buscam compreender a dinâmica do conhecimento produzido no ambiente virtual. Diante dessa realidade, a metodologia educacional na EaD deve promover a aprendizagem significativa pautada nas teorias construtivistas com apoio das novas tecnologias da informação e comunicação. A pesquisa objetivou identificar e analisar os fatores críticos da aquisição do conhecimento advindos do processo da aprendizagem significativa com o uso de tecnologias de EaD, identificar as dimensões críticas a serem analisadas; evidenciar as dificuldades e facilidades da adoção da aprendizagem significativa e as tecnologias contemporâneas da educação a distância além dos fatores críticos que permeiam o uso das tecnologias explorando a dimensões entendidas como: ativa, construtivista, cooperativa, intencional e contextual. A metodologia desenvolvida foi de natureza descritiva, com abordagem qualitativa sendo utilizado um estudo de caso, num estudo empírico com seis alunos e seis professores de cursos de EaD de duas instituições da cidade de Belo Horizonte, a partir de entrevistas semiestruturadas realizadas em um grupo de foco. Os resultados apresentados mostram que a partir das percepções dos dois grupos investigados, constata-se que os professores consideram as ferramentas impressas, conceituais como mais relevantes para se chegar a uma aprendizagem significativa ao passo que os alunos valorizam mais as ferramentas acompanhadas de recursos lúdicos, consideradas por eles mais dinâmicas e interativas. Ambos os grupos investigados destacam como relevantes recursos tais como textos, imagens, áudios, vídeos, simulações, animações, links, páginas, gráficos, quadros enriquecendo ferramentas tais como fóruns, wikis, chats, twitter, facebook, blogs, FAQ dentre outros. Pode-se afirmar que, para que se obtenha a aquisição do conhecimento advindo do processo da aprendizagem significativa com o uso de tecnologias, deve-se desenvolver ferramentas tecnológicas, fundamentadas em perspectivas de cunho dialógico-problematizador e colaborativo com atividades em que os alunos se tornem sujeitos ativos na construção dos seus próprios conhecimentos, permitindo a interação do aprendiz com os conteúdos a serem trabalhados no sentido de estimular, desafiar, auxiliando, assim, o seu desenvolvimento intelectual.

Texto completo:

PDF

Referências


ABEGG, Ilse et al. Aprendizagem colaborativa em rede mediada pelo wiki do

Moodle. In: XXIX CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO,

, Bento Gonçalves/RS. Anais... Bento Gonçalves: Entidade Promotora, 2009.

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo:

Cortez, 2006.

ALBERTIN, Luiz Alberto; MOURA, Rosa Maria de. Evolução dos modelos de

negócios na era digital. In: ALBERTIN, L. A.; MOURA, R. M. (Orgs). Tecnologia de

informação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

ALMEIDA. M.E.B. de. Educação a distância na internet: abordagens e

contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e pesquisa,

São Paulo, 2009.

ALVES, João Roberto. A história do EAD no Brasil. In: LITTO, Fredric; FORMIGA,

Marcos (Orgs). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson

Education do Brasil, 2009.

ALVES, Lynn; BARROS, Daniela; OKADA, Alexandra (Orgs.). Moodle: estratégias

pedagógicas e estudos de caso. Salvador, Bahia: Eduneb, 2009.

AMORETTI, Maria Suzana Marc. Ferramentas cognitivas e interação verbal na

EAD: uma estratégia semiótica de gestão e docência, 2006. Disponível

em. Acesso em:

nov. 2012.

ANDRADE, Alana Augusta Concesso. Teorias interacionista, sociointeracionista

e a aprendizagem. Material didático do curso de pós-graduação da psicopedagogia

a distancia da FUMEC, 2008.

ATKINSON, R. L. et al. Introdução à psicologia de Hilgard. 2. ed. São Paulo:

Artmed, 2005.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva

cognitiva. Tradução ao português de Lígia Teopisto. Lisboa: Plátano, 2006.

AUSUBEL, David P. et al. Psicologia Educacional. Trad. De Eva Nick e outros. 3.

ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1996.

AZAMBUJA Marcos, GUARESCHI Neuza. Qual educação não seria a distância?

Athenea digital, 17, 17-32, jun, 2010. Disponível em:

.

Acesso em 10 ago. 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

BEHAR, P. A. Modelos pedagógicos em educação a distância. Porto Alegre:

Artmed, 2009.

BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. 4. ed. São Paulo: Autores

Associados, 2009.

BIGGER, L. Morris. Teorias da aprendizagem para professores. Tradução: José

Augusto da Silva Pontes Neto. 2. ed. São Paulo: EPU, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.622, de 20 de dezembro de 2005.

_______. Ministério da Educação e Cultura. Lei n.9.394/96 de 20 de dezembro de

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União.

Brasília, DF, n. 248, dez.1996, p.27.833-27.841.

_______. MEC. Relatório da Comissão Assessora para Educação Superior a

distância. Secretaria de Educação Superior, Brasília, 2002.

_______ Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância - SEED.

Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância, 2007.

CARDOSO, Oldimar e PENIN, Sonia T. de S. A sala de aula como campo de

pesquisa: aproximações e a utilização de equipamentos digitais. Educação e

Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 1, jan./abr., 2009.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade

e cultura. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

CHAVES, Eduardo O C. Tecnologia e educação: o futuro da escola na sociedade

da informação. 3. ed. Campinas: Mindware, 2007.

COLL, César; MARTÍN, Elena, et. al. O construtivismo na sala de aula. 4. ed. São

Paulo: Ática, 2008.

DE BASTOS, F. da P. (Coordenador). Regularidades e transformações em

hipermídia educacional. Projeto submetido ao Edital MCT/CNPq 02/2009. Ciências

Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas. Disponível em:

Acesso

em: 15 dez. 2012.

DE LA TORRE, A. Web educativa 2.0. Edutec. Revista Electrónica de Tecnologia

Educativa. N. 24. 2008. Disponível em:

. Acesso em: 5 jan. 2013.

DECLARAÇÃO MUNDIAL SOBRE EDUCAÇÃO SUPERIOR: Declaração mundial

sobre Educação Superior no século XXI, visão e ação. Marco Referencial de ação

Prioritária para a mudança e o desenvolvimento da educação superior. Trad. Amós

Nascimento. Piracicaba: UNIMEP, 1998.

DEMO, Pedro. Professor do futuro e reconstrução do conhecimento. 4. ed.

Petrópolis: Vozes, 2009.

DOUGIAMAS, M; TAYLOR, P. C. Interpretive analysis of an internet-based course

constructed using a new courseware tool called Moodle. 2002. Disponível em:

Acesso em: 17 dez. 2012.

FISCHER, Graciana Simoni. Um ambiente virtual multimídia de ensino na WEB,

com transmissão ao vivo e interatividade. 2000. Dissertação. (Mestrado em

Informática) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 4

ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas,

GÓMEZ, M. Victoria. Educação em rede: uma visão emancipadora. 2. ed. São

Paulo: Cortez, 2008.

GRAELLS, P. Os métodos didáticos na educação a distância. 2. ed. São Paulo:

Atlas, 2007.

HILGARD, Ernest Ropiequet. Teorias da aprendizagem. 3. ed. São Paulo: EPU,

JONASSEN, D. O uso das tecnologias na educação a distância e a aprendizagem

construtivista. Em aberto, Brasília,v.16,n.70, abr./jun., 1996.

_____________. Computadores, ferramentas cognitivas: desenvolvendo o

pensamento crítico nas escolas. Porto-Portugal: Porto Editora, Coleção Ciências da

Educação Século XXI, 2007.

KEEGAN, D. In: NUNES, Ivônio B. Educação a distância e o mundo do trabalho.

ed. Rio de Janeiro: ABT, 2004.

LANDIN, Claudia Maria M.P. Ferreira. Educação a distância: algumas

considerações. 4. ed. Rio de Janeiro: Autores Associados, 2008.

LAUDON, Kenneth e LAUDON, Jane. Sistemas de informação gerenciais:

administrando a empresa digital. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2009.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 2. ed. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo:

Saraiva, 2007.

LITTO, F. e FORMIGA, M. Educação a distância: o estado da arte. São Paulo:

Pearson, 2009.

LITTO, Fredric Michael. Informática na Inovação d educação Tecnológica: Um

projeto de Parceria entre A Escola do Futuro da Universidade de Sao Paulo e a

Escola Técnica Federal de São Paulo. 3. ed. Projeto apresentado ao CNPq, 2009.

MAIA, Carmem; MATTAR, João. ABC da EAD. 3 ed. São Paulo: Pearson Prentice,

MANTOVANI, Ana Margô. Blogs na educação: construindo novos espaços de

autoria na prática pedagógica. Revista Prisma.com, Out. 2008.

MARINA. J. A. Teoria da inteligência criadora. 2. ed. Lisboa: Caminho, 2009.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.

ed. São Paulo: Hucitec, 2000.

MOORE, M. G; KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São

Paulo: Thomson Learning, 2007.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como

chegar lá. Campinas: Papirus, 2007.

MORAN, Jose; MASSETTO, Marcos e BERHRENS, Maria. Novas tecnologias e

mediação pedagógica. 19 ed. Campinas: Papirus, 2012.

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. 3. ed. São Paulo: Pedagógica e

Universitária, 2009.

MORGAN, D. Focus group as qualitative research. Qualitative Research.

Methods Series. London: Sage, 2004.

MOROSINI, M. C. (Org.) Professor do ensino superior. Brasília: Plano, 2005.

NARDIN, FRUET BARROS. Potencialidades tecnológicas e educacionais em

ambiente virtual de ensino-aprendizagem livre. 2009. Disponível em:

Acesso em:

out. 2012.

NISKIER, Arnaldo. Educação a distância: a tecnologia da esperança. São Paulo:

Loyola, 1998.

OLIVEIRA, Marta Kohl. Pensar a Educação: contribuições de Vygotsky. In:

CASTORINA, José Antônio, et al. (Orgs). Piaget - Vygotsky: novas contribuições

para o debate. 4. ed. São Paulo: Ática, 2008.

PARRA, N. Técnicas audiovisuais de educação. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 2007.

PELIZZARI, A. et al.. Teoria da aprendizagem significativa Segundo Ausubel.

Revista PEC, Curitiba, v. 2, n. 1.p. 37-42, agosto 2002.

PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. 5. Ed. Porto Alegre:

Artmed, 2000.

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. 3. ed. Porto

Alegre: Artmed, 2006.

PULASKI, Mary Ann Spencer. Compreendendo Piaget: uma introdução ao

desenvolvimento cognitivo das crianças. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1986.

RAMOS, M. N. A. Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 3. ed.

São Paulo: Cortez, 2007.

RAPPAPORT, Clara Regina; FIORI, Wagner e DAVIS, Claudia. Psicologia do

desenvolvimento. Teorias do desenvolvimento Conceitos fundamentais. São Paulo:

Editora Pedagógica e Universitária, 1981.v.1.

RESENDE, A. C. A. Subjetividade: a contribuição da psicanálise ao debate. In:

MIRANDA, M. G; RESENDE, A. C. A. (Orgs.). Escritos de psicologia, educação e

cultura. Goiânia, Editora da Universidade Católica, 2009.

RICARDO, Eleonora Jorge (Org.). Educação corporativa e educação a distância.

Rio de Janeiro: Qualitymark, (2005).

SANCHO, Juana Maria. Para uma tecnologia educacional. 2. ed., Artmed, Porto

Alegre, 2008.

SANTOS, Júlio César F. Aprendizagem significativa: modalidades de

aprendizagem e o papel do professor. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2007.

SCHONS, C. H. A contribuição dos wikis como ferramentas de colaboração no

suporte à gestão do conhecimento organizacional. Inf. & Soc.: Est., João

Pessoa, v. 18, n.2, p. 79-91, maio/ago. 2008. Disponível em:

. Acesso em: 20 de ago.

SILVA, Marcos (Org.). Educação on-line: teorias, práticas, legislação, formação

corporativa. São Paulo: Loyola, 2010.

STERNBERG, J. Robert. Psicologia cognitiva. 5. ed. São Paulo: Artmed, 2008.

TAVARES, Romero. Aprendizagem significativa. Revista Conceitos. João Pessoa,

v.12, n.55, p. 10-50, Julho, 2006.

TORNAGHI, Alberto. Computadores, internet e educação a distância. In: Integração

das tecnologias na educação. Secretaria de Educação a distância. Brasília:

Ministério da Educação, Seed, 2005.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa

qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

UNESCO. Declaração Mundial sobre o Ensino Superior para o século XXI: visão

e ações. Paris: Conferência Mundial sobre o Ensino Superior. Nove de outubro de

Disponível em: . Acesso em: 12 de jul. de 2012.

VALENTE, José Armando. Aprendizagem por computador sem ligação à rede. In:

LITTO, Predric; FORMIGA, Marcos (Orgs). O estado da arte. São Paulo: Pearson,

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração.

São Paulo: Atlas, 2003.

__________. Métodos de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas,

VYGOTSKY, Levy. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

______________. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

YIN, R. K. Estudo de caso. Planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi.

ed. Porto Alegre: Brookman, 2001.

ZAMBALDE, André Luiz e FIGUEIREDO, Cristhiane Xavier. Ensino a distância.

UFLA/FAEPE. 2008.

ZANONI, Eliane e BACCARO, Accioly Tais. Ambiente virtual de aprendizagem e sua

importância no processo pedagógico. UNOPAR Cientifica, Ciência Humana.

Educação. Londrina, v.9, n. esp, p. 99-104, Outubro, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)