SISTEMAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO: uma avaliação sobre o sistema SUS Fala no município de Timóteo

MARCELO JOSÉ VIGORITO CAMPARA

Resumo


RESUMO

 

 

O objetivo geral desta dissertação é avaliar os impactos obtidos após a implantação do sistema SUS Fala, cuja implantação foi iniciada em 2010 na Secretaria de Saúde da cidade mineira de Timóteo. A expectativa do uso da tecnologia era melhorar a administração das informações, principalmente no que diz respeito a dados que possuem características geográficas, com intuito de realização de variadas campanhas na área de saúde. A avaliação dos sistemas de informação faz-se importante devido à busca do sucesso na administração dos processos, sendo importante avaliar, portanto, se sua continuidade está efetivamente contribuindo para o bom funcionamento para os resultados esperados. O estudo de caso atual busca avaliar o software de uma instituição de saúde pública, tendo em vista a Lei de Responsabilidade Fiscal. O método proposto para avaliação do sistema SUS Fala utilizou quatro quesitos: Produtividade, Inovação de Ideias, Satisfação dos Usuários e Controle Gerencial. Essas dimensões atendem aos objetivos propostos, levando em conta a visão de usuários e gestores do sistema SUS Fala. Foi usado questionário estruturado, aplicado aos usuários do sistema e uma entrevista com o gestor da Secretaria de Saúde de Timóteo, que foi dividida em duas partes: a primeira com foco na avaliação geral do sistema e a segunda com foco no que diz respeito ao atendimento de normas legais exigidas por órgãos reguladores.  O questionário utilizado dispõe de quatro constructos: Produtividade, Inovação, Satisfação e Controle Gerencial, que serviram de base para a pesquisa. Na parte de avaliação dos usuários, percebeu-se que uma média bastante alta em todos os quesitos avaliados, onde a média geral foi de 4,32 (na escala de 1 a 5), que indica um ótimo desempenho geral em todos os constructos. Já na primeira parte da entrevista com o Secretário de Saúde, percebeu-se que todos os pilares medidos (constructos), foram avaliados de forma muito positiva pelo entrevistado. Na segunda parte, alguns obstáculos foram observados, o que dificulta a melhora do desempenho do sistema. É importante ressaltar que a pesquisa nos leva a refletir sobre assuntos como a necessidade de buscar novas formas de avaliar os dados, a forma com que sistemas de informação geográficas afetam a administração das Secretarias de Saúde e quais seriam os resultados obtidos após sua implantação


Texto completo:

PDF

Referências


AHO, A. V.; SETHI, R.; ULMAN. Compiladores: princípios, técnicas e ferramentas.

Massachusetts: Addison Wesley Publisching Co., 1995

ALBERTIN, A. L. Comércio eletrônico: um estudo no setor bancário. Revista de

Administração Contemporânea, v. 3, n. 1, p. 47-70, Jan/Abr. 1999.

ALVARENGA, J. C. S. Parâmetros de Gestão da Informação do Centro Universitário

São Camilo – Espírito Santo com ênfase na inteligência competitiva. 2006. 107 f.

Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação) – Pontifícia

Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2006.

ANDRADE, D. G.; FALK, J. A. Eficácia de sistemas deinformação e percepção de mudança

organizacional: um estudo de caso. Revista Administração Contemporânea,

Curitiba, v.5 n.3, p. 1-5, Set./Dez. 2001.

CALAZANS, A. T. S.; COSTA, M. S. C. Modelo de avaliação da qualidade da

informação estratégica bancária. 2009. Disponível em:

Acesso em: 18 Mai. 2013.

ASSAD. E.D.: SANO, E.E. Sistema de informações geográficas: aplicações na agricultura.

ed. Brasília: EMBRAPA. 1998. 434p.

ASSIS, Silvana M. B.; SOUZA SILVA, João. R. 2010. Grupo focal e análise de conteúdo

como estratégia metodológica clínica-qualitativa em pesquisas nos distúrbios do

desenvolvimento. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São

Paulo, v.10, n.1, p.146-152, 2010. Disponível em:

. Acesso em: 25 set. 2012.

AVELINO, P. M. A Trajetória da tecnologia de sistemas de informação geográfica (SIG) na

pesquisa geográfica. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros–Seção

três Lagoas. Três Lagoas, v.1, n.1, ano 1, p. 21-37, Novembro/2004. Disponível em:

http://www.cptl.ufms.br/revista-geo/artig_prof_patricia.pdf > Acesso em: 12 Set. 2012

BARCELLOS C, RAMALHO W. Situação atual do geoprocessamento e da análise de dados

espaciais em saúde no Brasil. Informática Públican.4, p. 221-230, 2002.

BARDIN L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BAZZOTTI, C.; GARCIA, E. A importância do sistema de informação gerencial para tomada

de decisões. 2007. Disponível em:

http://www.unioeste.br/campi/cascavel/ccsa/VISeminario/Artigos%20apresentados%20em%2

Comunica%C3%A7%C3%B5es/ART%203%20-%20A%20import%C3%A2ncia%20do%20sistema%20de%20informa%C3%A7%C3%A3o%

gerencial%20para%20tomada%20de%20decis%C3%B5es.pdf> Acesso em: 17 Set. 2012.

BOLFE, E. L.; SIQUEIRA, O. J. W.; PEREIRA, R. S. Uso, ocupação das terras e banco de

dados geográficos da metade sul do Rio Grande do Sul. Ciência Rural. Santa Maria, v.39.

n.6. p.l729-l737. Setembro/ 2009

BOSTJAN, B.; CARLISLE, G. Investigating the legal protection of data, information and

knowledge under the EU data protection regime. International Review of Law, Computers

& Technology. v. 23, 2009. Disponível em:

Acessado em: 20 Mai. 2013.

BRASIL. Presidência da República, lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as

condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o

funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 19 de

setembro de 1990

BRASIL. Ministério da Saúde. Abordagens Espaciais na Saúde Pública. Brasília: Fundação

Oswaldo Cruz, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. 7. ed. Brasília, 2009.

p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistemas de Informações Geográficas e Análise Espacial

na Saúde Pública.Brasília, Fundação Oswaldo Cruz, 2007.

BRASIL. Portaria n. 104, de 25 de janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em

legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI

, a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória

em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos

profissionais e serviços de saúde. Diário Oficial da União, 25 jan. 2011.

BRASIL. Portaria n. 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Considerando que a assinatura do

termo de compromisso de gestão municipal substitui o atual processo de habilitação, após a

assinatura deste termo o município de Timóteo após estruturação de toda rede publica passara

para a modalidade de Gestão Plena do Sistema Municipal. Diário Oficial da União, 22 fev.

BRASIL. Portaria n. 699/GM, de 30 de março de 2006. Considerando que as Diretrizes

Operacionais do Pacto pela Saúde, instituídas pela portaria nº399/GM de 22 de fevereiro de

, alteram várias dimensões do funcionamento do Sistema Único de

Saúde – SUS, necessitando de normatizações específicas para sua regulamentação;

BURROÜGH. P.A. Principles of geographical information systems for land resources

assessment.Oxford: Clarendon. 1989. 194p.

BURROUGH, P.A. Principles of Geographical information system for land resources

assessment. Oxford Science publications (Monographs on Soil andresources

Survey n 12) Calderon press, Oxford. 1986. (reimpressão com correções em 1991) 194p.

CÂMARA , G.; DAVIS , C.; MONTEIRO, A. M. V. Introdução à ciência da

geoinformação. São José dos Campos: INPE, 2001. Disponível em: < http://mtcm12.sid.inpe.br/col/sid.inpe.br/sergio/2004/04.22.07.43/doc/publicacao.pdf> Acesso em: 12

Set. 2012.

CÂMARA, G. Desenvolvimento de Sistemas de Informação Geográfica no Brasil:

Desafios e Oportunidades. São José dos Campos: INPE, 1996. Disponível em:

. Acesso em: 22 fev. 2008.

CARDOSO, O. N. P. Banco de Dados. Lavras: UFLA / FAEPE, 2003.

CARVALHO, M. S.; PINA, M. F.; SANTOS, S. M. Conceitos Básicos de Sistemas de

Informação Geográfica e Cartográfica Aplicados à Saúde. Brasília: Ed. OPAS-RIPSA,

CRESWELL, J. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed.Porto

Alegre: Bookman, 2007.

CHEN, Y et al. Evaluation of information technology investment: a data envelopment

analysis approach. Computers & Operations Research, v. 33, n.5, p. 1368-1379, Maio/

CHIU, C-M et al. Usability, quality and e-learning continuance decisions. Computers &

Education, v. 45, n. 4, p. 399-416, Dezembro/ 2005.

COHAN, P. S. CFOs to Tech: ‘I’ll Spend For The Right Technology’. Financial Executive,

v.. 21, n. 3, p. 30-34, Abril, 2005.

COSTA, G. Uso e Aplicação na Saúde Pública e na Saúde Ambiental. 2012. Disponível em:

s%20da%20Costa.pdf>.Acesso em: 22 Fev. 2013.

CUNHA, S.M.M. O SIG ao serviço do ordenamento do território: Modelo de

Implementação 2009. 100 f. Dissertação (Mestrado emSistemas de Informação Geográfica do

Território) – Universidade do Porto, Porto, 2009.

DAVENPORT, T.H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações

gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

EPSTEIN, LARRY G.; SCHNEIDER, M. (2005). Ambiguity,Information Quality and Asset

Pricing. The Journal of Finance. v.63, n.1, p. 197-228. Fevereiro/2008. Disponível em:

http://rcer.econ.rochester.edu/RCERPAPERS/rcer_519.pdf >. Acesso em: 22 fev. 2013.

EZINGEARD, J. McCFADZEAN, E. e BIRCHALL D. A Model of Information Assurance

Benefits. Information Systems Management, p.20-29, Spring 2005.

FELGUEIRAS, C.A.; ERTHAL, G.J.; PAIVA, J.A.C.; ALVES, D.S. Metodologias de

integração de dados em Sistemas de Informações Geográficas. SIMPÓSIO BRASILEIRO DE

SENSORIAMENTO REMOTO, 6. 1990. Manaus). Anais... Manaus:

INpE/SElpER/ISpRS/SbC, 1990. v.3 p.732-735

FOINA, P.S. Tecnologia de Informação: planejamento e gestão. São Paulo: Atlas, 2001.

FREITAS,H. et al. O método de pesquisa Survey. Revista de Administração, São Paulo,

v.35, n.3, p.105-112, julho/setembro 2000.

FINK, A. The survey handbook. London: Sage Publications, 1995.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Atlas, 2002.

GOBIND M. H; RIAZ A. S; NOOR Z.; A. A. (2007). Knowledge Transformation and

Economic Development: The Role of Digital Technology- An Analysis. Indus Journal of

Management & Social Sciences v.1, n.1, p. 33-45. Spring 2007: Disponível em:

http://indus.edu.pk/RePEc/iih/journl/3KnowledgeTransformationandEconomicDevelopment.p

df >. Acesso em: Acesso em: 20 abr. 2013.

GOMES, J.M.; VELHO, L. Computação Visual: Imagens. Rio: SBM, 1995

GOMES, M. P.; AGUIAR, M. C. de; FERREIRA, M. E. Fundamentos de

Geoprocessamento. Treinamento SEMARH / SIAD. Goiás: 2005.

GREENWOOD, J.; MEHMET, Y.. 1974. Carnegie-Rochester Conference Series on Public

Policyn.46, p. 49-95, 1997.

JACOBS, G. Gerson; PEIXE, C.S.B. (2007). Gestão da Informação Georreferenciada:

proposta de integração e sistematização das bases públicas do Estado do Paraná. In: PEIXE et

al(Orgs.).Formulação e Gestão de Políticas Públicas no Paraná: Reflexões, Experiências e

Contribuições. v.2. Paraná: EDUNIOESTE, 2010. Disponível em:

http://www.escoladegoverno.pr.gov.br/arquivos/File/formulacao_e_gestao_de_politicas_publi

cas_no_parana/volume_I/capitulo_2_ciencia_tecnologia_e_ensino_superior/2_7.pdf>. Acesso

em: 26 set. 2012.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A. Estratégia em Ação: Balance Scorecard. Rio de

Janeiro: Campus, 1997.

LACAZ C. Introdução à Geografia Médica do Brasil.São Paulo: Editora E. Blücher, 1972.

LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de Informação. Rio de Janeiro: Livros

Técnicos e Científicos, 2004.

LAURANCE, W. et al.The Future of the Brazilian Amazon. Science, v. 16, n. 291, Janeiro

LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1999.

LIMA, E.G. Estruturação da gestão de conhecimento na área da pesquisa acadêmica.

100 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia deProdução) – Universidade Paulista, São

Paulo, 2011.

LITWIN, M.S. How to measure survey reliability and validity. Los Angeles: Sage

Publications Inc, Survey Kit. 7, 1995.

LUCHT, R. R.; HOPPEN, N.; MAÇADA, A. C. G. (2007). Ampliação do Modelo de Impacto

de TI de Torkzadeh e Doll à luz do Processo Decisório e da Segurança da Informação.

Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2012.

MACEDO, Mariano de Matos. Gestão da produtividade nas empresas: A aplicação do

conceito de Produtividade Sistêmica permite determinar o valor adicionado ao processo

produtivo. Revista FA E BUSINESS, n.3, set. 2002.

MAGUIRE, D. An Overview and Definition of GIS. In: MAGUIRE, D.; GOODCHILD, M.;

RHIND, D. Geographical Information Systems: Principles and Applications. Nova Iorque:

John Wiley and Sons, 1991, p. 9-20.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre:

Bookman, 2001.

MARTINS, J., & BICUDO, M. A pesquisa qualitativa em psicologia. São Paulo: Centauro,

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo:

Hucitec, 2007

NEELY, M. P.; COOK, J. S. FifteenYears of Data and Information Quality Literature:

Developing a Research Agenda for Accounting. Journal of Information Systems, v. 25, n.

, p. 79-108, Spring 2011. Disponível em:

. Acessoem: 20 Mai. 2013.

NETO, O. D.J.; RICCIO, L.E. Desenvolvimento de um instrumento para mensurar a

satisfação de sistemas de informação. Revista de Administração v. 38, n.3, p.230-241,

Julho/Agosto/Setembro/2003. . Disponível em: . Acesso em: 21 Set. 2012.

O’BRIEN, J. A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da Internet. São

Paulo: Saraiva, 2001.

OLIVEIRA, F., Bruno. Fluxos informacionais e necessidades de informação no

processo de tomada de decisão na gestão de obras públicas :um estudo de caso na

secretaria de estado de obras públicas do paraná. 2009. 118 f. Dissertação (Programa de PósGraduação em Construção Civil) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

OLIVEIRA FILHO, K.S. .; SARAIVA, M. F. O. 2007. Sistemas de Coordenadas. Disponível

em: http://astro.if.ufrgs.br/coord.htm. Acesso em: 10 jan. 2008.

OLETO, R. R. Percepção da qualidade da informação. Ciência da Informação. Brasília, v.

, n. 1, p. 57-62, jan./abr. 2006. Disponível em:

Acesso em: 17 Set. 2012.

OLETO, R. R. A qualidade da informação na percepção do usuário em diferentes

contextos informacionais. 2003. Tese (Doutorado)-Universidade Federal de Minas Gerais,

Escola de Ciência da Informação, Belo Horizonte, 2003.

PAULUCI, R. Inteligência competitiva aplicada ao SENAI no atendimento a cadeias

produtivas: Estudo de caso da construção civil. Dissertação (DEA en Veille et Intelligence

Competitive). Toulon: Université du Sud de Toulon Var, 2002.

PINSONNEAULT, A.; KRAEMER, K. L. Survey research in management information

systems: an assessement. Journal of Management Information System, 1993.

PLOX. Projeto SUS Fala de Timóteo aprovado pelo InovaSUS. 2012. Disponível em:

. Acesso em: 21 Set. 2012.

Portal da Saúde. Disponível em:

.

Acesso em: 21 Set. 2012.

PRADA, Charles Anderson. Protótipo de um gerenciador de informações dos sistemas

elevatórios de água tratada.1999. 65 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em

Ciências da Computação) - Centro de Ciências Exatase Naturais, Universidade Regional de

Blumenau, Blumenau.

PRATES, R. O.; BARBOSA, S. D. J. Introdução à teoria e prática da interação humanocomputador fundamentada na engenharia semiótica. In: KOWALTOWSKI, T.; BREITMAN,

K. (Orgs.) Jornadas de Atualização em Informática, JAI/SBC, 2007, p. 263-326.

QUEIROZ, G. R.; FERREIRA, K. R. Tutorial sobre Bancos de Dados Geográficos

GeoBrasil 2006. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia / Instituto Nacional de

Pesquisas Espaciais, 2006.

RAMPELOTI, L. E. Implementação de uma ferramenta de interface para um sistema de

informações geográficas. 2002. 66 f. Monografia (Bacharelado em Ciência daComputação)

– Universidade regional de Blumenau, Blumenau, 2002.

REHBEIN, R.A. Avaliação de sistemas de Informação: Estudo do Sistema de

Administração Tributária da Prefeitura de Canoas/RS. 2002. 159 f. Dissertação (Mestrado em

Economia) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do

Sul, Porto Alegre, 2002.

REIS, H. M. L. Qualidade da informação e sua relação com a produtividade na prestação

de serviços de TI. 2009. 99 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) –

Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2009.

RODRIGUES, M. (1993) Geoprocessamento: Um Retrato Atual. Revista Fator GIS,

Curitiba, ano 1, n. 2, p. 20-23, 1993.

SABADIN, M.N. Teoria da relevância e etiquetagem de rupturas na comunicação

homem computador. 2010. 141 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências da

Linguagem) – Pontifícia Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, 2010.

SANDERS, N. R. e PREMUS, R. Modeling the relationship between firm IT capability,

collaboration, and performance. Journal of Business Logistics, v. 26, n. 1, p.1-23, 2005.

SECRETARIA de Estado de Saúde de Minas Gerais. Disponível em:

Acesso em: 21 Set. 2012.

SILVA, W. D. F. da. Introdução à Gestão da Informação. Campinas, São Paulo: Editora

Alínea, 2003.

SILBERSCHATZ, A.; KORTH, H. F.; SUDARSHAN, S. Sistema de Banco de Dados. São

Paulo: Pearson Makron Books, 1999.

SIMÕES, C. A.; MOURA, A.C.M; CINTRA, I. S. Geoprocessamento no estudo da

deposição irregular dos residos da construção civil. Belo Horizonte: 2007. Disponível em:

< http://www.arq.ufmg.br/SiteLabGeo/Laboratorio_Geo/Artigos/XXIII-CBC-Carla.pdf>.

Acesso em: 27 fev. 2013.

STAIR, Ralph M. Princípios de Sistemas de Informação: uma abordagem gerencial. 2 ed.

Rio de Janeiro: LTC, 1998.

TORKZADEH, A. G.; DOLL, W. J. The development of a toll for measuring the perceived

impact of information technology on work. The International Journal of Management

Science, n.27, p.327-339, 1999.

ULYSSÉA NETO, I.; ROSADO, M. C.; CRAGLIA, M. Uso de SIG na Determinação da

Acessibilidade a Serviços de Saúde em Áreas Urbanas. Hygeia v.8 n.15, p.177-189,

Dezembro/2012. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2012.

VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas,

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)