A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

CARLA MARISE CANELA SALLES

Resumo


As mudanças econômicas, tecnológicas e sociais em andamento na sociedade do século XXI, estimulam o surgimento de novas configurações organizacionais em resposta às necessidades da dinâmica emergente do novo capitalismo. Os avanços tecnológicos e a crescente competitividade em escala global transformaram as organizações, onde ocorre o controle em tempo real do desenvolvimento de produtos, serviços e informação, cujas tarefas crescem em importância e complexidade. Neste estudo, pretende-se utilizar como construto central de análise a aprendizagem significativa. Sendo assim, esse trabalho almeja analisar as possibilidades da aplicação das teorias da aprendizagem mediadas pelas novas tecnologias na construção do conhecimento. Diante do exposto o presente trabalho pretende buscar respostas para o seguinte problema de pesquisa:Quais os fatores críticos da aquisição do conhecimento advindos da aprendizagem significativa com o uso de tecnologias de Educação a Distância? A metodologia a ser utilizada será de natureza descritiva, com abordagem qualitativa. Deste modo, a pesquisa será composta por 12 profissionais do EAD, sendo 06 de cada instituição selecionada (08 docentes e 04 técnicos divididos em 04 docentes e 02 técnicos em cada IES). Na pesquisa os sujeitos da pesquisa serão os objetos de análise.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2006.

ALMEIDA, M.E.B. de. Educação a distancia na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e pesquisa, São Paulo, 2003.

ALVES, João Roberto. A história do EAD no Brasil. In: LITTO, Fredric; FORMIGA, Marcos (Orgs.). Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

ANDRADE, Alana Augusta Concesso. Teorias interacionista, sociointeracionista e a aprendizagem. Material didático do curso de pós graduação da psicopedagogia a distancia da FUMEC, 2008.

ATKINSON, R. L. et al. Introdução à Psicologia de Hilgard. 2. Ed. São Paulo: Artmed, 2005.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa, Plátano. Edições Técnicas. Tradução ao português de Lígia Teopisto, do original The acquisition and retention of knowledge: a cognitive view, 2006.

AZAMBUJA Marcos, GUARESCHI Neuza. Qual educação não seria a distância? Athenea digital, 17,17-32, jun, 2010. Disponível em: . Acesso em 10 ago. 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

BEHAR, P. A. Modelos pedagógicos em Educação a Distância. Porto Alegre: Artmed,2009.

BIGGER,L. Morris. Teorias da aprendizagem para professores; tradução: José Augusto da Silva PontesNeto. 2. ED. São Paulo, EPU. Ed. da universidade de São Paulo, 2007.

BRASIL, Presidência da República. Decreto nº 5.622, de 20 de dezembro de 2005.

BRASIL. Lei n.9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, no. 248, dez.1996, p.27.833-27.841

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância - SEED. Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância, 2007.

CARDOSO, Oldimar e PENIN, Sonia T. de S. A sala de aula como campo de pesquisa: aproximações e a utilização de equipamentos digitais. Educação e Pesquisa, vol. 35, n. 1, São Paulo, jan./abr. de 2009.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. 5ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

CHAVES, Eduardo O C. Tecnologia e educação: o futuro da escola na sociedade da informação. 3. ed. Campinas: Mindware Editora, 2007.

DECLARAÇÃO MUNDIAL SOBRE EDUCAÇÃO SUPERIOR: Declaração mundial sobre Educação Superior no século XXI, visão e ação. Marco Referencial de ação Prioritária para a mudança e o desenvolvimento da educação superior. Trad. Amós Nascimento. Piracicaba, ed. UNIMEP, 1998.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 4 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ªed. São Paulo: Atlas, 2005.

GÓMEZ, M. Victoria. Educação em rede: uma visão emancipadora. 2ª Ed. São Paulo. Cortez, Instituto Paulo Freire, 2008.

HILGARD, Ernest Ropiequet. Teorias da aprendizagem. E. Ed. São Paulo, EPU, Brasília, INL, 2007.

JONASSEN, D. O uso das tecnologias na Educação à Distância e as aprendizagem construtivista. Em aberto, Brasília, n.70, ano 16, abr./jun., 1996.

_____________. Computadores, Ferramentas Cognitivas: desenvolvendo o pensamento crítico nas escolas. Porto-Portugal: Porto Editora. Coleção Ciências da Educação Século XXI, nº 23, 2007.

KEEGAN, D. In NUNES, Ivônio B. Educação a Distância e o Mundo do Trabalho. 3ª Ed. Rio de Janeiro: ABT, 2004.

LANDIN, Claudia Maria M.P. Ferreira. Educação à Distância: algumas considerações. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Ed. Autores Associados. 2008.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 2. ed. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo, 2007

LITTO, F. FORMIGA, M. Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo:

Pearson Education do Brasil, 2009.

MARINA.J. A. Teoria da inteligência criadora. 2. ed. Lisboa: Editorial Caminho,2009.

MAIA, Carmem; MATTAR, João. ABC da EAD. 3 ed. São Paulo: Pearson Prentice, 2008.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7ª.ed. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 2000.

MOORE, M. G; KEARSLEY, G. Educação a Distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

MORGAN, D. Focus group as qualitative research. Qualitative Research. Methods Series. London: Sage Publications, 2004.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Campinas: Papirus, 2007.

MOREIRA, M. A. Teorias de Aprendizagem. 3. Ed. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 2009.

MOROSINI, M. C. (org.) Professor do ensino superior. Brasília: Plano, 2005.

NISKIER, Arnaldo. Educação a Distância: A Tecnologia da Esperança. São Paulo, Loyola, 1999.

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

PULASKI, Mary Ann Spencer. Compreendendo Piaget: Uma introdução ao desenvolvimento Cognitivo das Crianças. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC- livros Técnicos e Científicos Editora S. A., 1986.

RAMOS, M. N. A. Pedagogia das Competências: autonomia ou adaptação? 3. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

RAPPAPORT, Clara Regina; FIORI, Wagner; DAVIS, Claudia. Psicologia do Desenvolvimento. Volume 1Teorias do desenvolvimento Conceitos fundamentais. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária,1981 Obs. Coordenadora Clara Regina Rappaport

RESENDE, A. C. A. Subjetividade: a contribuição da psicanálise ao debate. In: Miranda, M. G; Resende, A. C. A. (orgs.). Escritos de Psicologia, Educação e Cultura. Goiânia, Editora da Universidade Católica, 2009.

RICARDO, Eleonora Jorge (org.). Educação Corporativa e Educação a Distância. Rio de Janeiro: Editora Qualitymark, (2005).

SILVA, Marcos (Org.). Educação Online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Loyola, 2008.

STERNBERG, J. ROBERT. Psicologia cognitiva.São Paulo: Artmed, 2000.

______________________. Psicologia cognitiva.São Paulo: Artmed, 2008.

TAVARES, Romero. Aprendizagem Significativa. Revista Conceitos Nº 55 Pgs. 10 a 50, 2006.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

UNESCO. Declaração Mundial sobre o Ensino Superior para o Século XXI: Visão e Ações. Paris: Conferência Mundial sobre o Ensino Superior. Nove de outubro de 1998. www.unesco.org. Acesso em 12 de julho de 2012.

VALENTE, José Armando. Aprendizagem por computador sem ligação à rede. In: LITTO, Predric; FORMIGA, Marcos (Orgs.). O estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2003.

__________. Métodos de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

ZANONI, Eliane e BACCARO, Accioly Tais. Ambiente Virtual de aprendizagem e sua Importância no Processo Pedagógico. UNOPAR Cientifica, Ciência Humana. Educação, Londrina, v.9, n.esp,pg. 99-104,0utubro, 2008.

ZAMBALDE, André Luiz; & FIGUEIREDO, Cristhiane Xavier. Ensino a Distância.UFLA/FAEPE. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)