UM ESTUDO SOBRE A TRANSFERÊNCIA DO CONHECIMENTO ENTRE GERAÇÕES DE ENGENHEIROS EM EMPRESAS DE ENGENHARIA CONSULTIVA DE MINAS GERAIS

GLEISSON ALBERGARIA AMARAL

Resumo


O projeto tem como objetivo estudar como se dá a transferência do conhecimento entre as gerações de engenheiros veteranos e os engenheiros mais jovens nas empresas de engenharia consultiva do estado de Minas Gerais. Para tanto propõe um estudo que além de avaliar as características específicas de cada uma das duas geração de engenheiros em relação a gestão do conhecimento, analisa o uso das matrizes de competências para identificar possíveis lacunas de conhecimento nas organizações e o uso da tecnologia da informação como ferramenta de sustentação da criação e da propagação do conhecimento.


Texto completo:

PDF PDF

Referências


AÇO BRASIL, Instituto. Disponível em:. Acesso em 02 de Setembro de 2012.

ANDRADE, M. M. Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

BENETT, G. Intranets: Como Implantar com Sucesso na sua Empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

BNDES, Plataforma. Disponível em: . Acesso em 29 de julho de 2012.

BUKOWITZ, W.R., WILLIAM, R.L. Manual de Gestão do Conhecimento: Ferramentas e Técnicas que Criam Valor para a Empresa. Porto Alegre: Bookman, 2002.

CERVO, A. L.; Bervian, P. A. Metodologia científica e controle. São Paulo: Atlas, 1998.

Brandão, H. P., Bahry, C. P. Gestão por competências: métodos e técnicas para mapeamento de competências. Revista do Serviço Público. Ed.56, n.2, p.179-194. 2005.

CHOO, C. W. A Organização do Conhecimento. São Paulo: EditoraSenac, 2003.

CHURCHILL, G.A.J. Marketing research: methodological foundations. Chicago: The Dryden Press, 1987.

CLARKE, P. Implementing a knowledge strategy for your firm. Research – Technology Management, v.41, n.2, p.28-31, 1998.

DA SILVEIRA, M. A. A formação do engenheiro inovador uma visão internacional. Rio de Janeiro PUC-Rio: Sistema Maxwell, 2005.

DAVENPORT, T. H.; KLAHR, P. Managing Customer Support Knowledge. California Management Review. v40. n.3, p.195-208, 1998.

DAVENPORT, T. H.; DE LONG, D.W.; BEERS, M.C. Successful Knowledge Management Projects. Sloan Management Review, v.39, n.2, p.43-57, 1998.

DAVENPORT, T. H.; PRUZAK. L, Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DAVIDSON, K.; FRAPPAOLO, C. Document Power: The New Management Paradigm. Disponível em: . Acesso em 12 de Dezembro de 2012.

DIÁRIO DO COMÉRCIO, O. Economia. Disponível em: .Acesso em 29 agosto 2012.

DIXON, N. M. Common knowledge: how companies thrive by sharing what they know. Boston: Harvard Business School Press, 2000.

DRUCKER, P.F. Post-Captalist Society. New York: Harper-Collins, 1993.

ESTADÃO. Economia. Disponível em: . Acesso em 29 de julho de 2012.

FAZENDA, Ministério da. Revista Economia brasileira em perspectiva. Brasília: 2011.

FINEP, Revista Inovação em pauta n. 6. Brasília: Jul, 2012. Disponível em: . Acesso em 02 de Agosto de 2012.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

IBRAM, Revista Indústria da Mineração n.37. Brasília: Set, 2010.

INTERNET GROUP – IG. Economia. Disponível em: . Acesso em 29 de julho de 2012.

JOIA, L. A. Capital Intelectual nas Empresas de Engenharia Consultiva Brasileiras. In: Intellectual Capital in the Brazilian Engineering Consultancy Companies), Proceedings of the Business in the Knowledge Era Seminar. 1998.

JOIA, L. A. Medindo o capital intelectual. RAE - Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 41 n.2 p.54-63, 2001.

KANAAME, Roberto. Comportamento Humano nas Organizações: O Homem Rumo ao

Século XXI 2ª ed. São Paulo: ATLAS, 1999. p. 36 e 55.

Laudon, K. C.; Laudon L. P. Management Information Systems: Managing the Digital Firm, 8.ed., New Jersey, 2004

LEONARD-BARTON, D. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação. RJ: FGV, 367p, 1998.

LIMA, M. C. Pesquisa-ação nas organizações: do horizonte político à dimensão formal. Gestão.Org, v. 3, n. 2, mai./ago., 2005.

LOMBARDIA, Pilar García. Quem é a geração Y? HSM Management, n.70, p.1-7. set./out., 2008.

MEMO, Revista UFF, n. 7. Rio de janeiro: Ago., 2012. Disponível em: .Acesso em 29de julho de 2012.

MCDERMOTT, R. Why information technology inspired but cannot deliver knowledge management. California: California Management Review, v.41, n.4, p.103-117, 1998.

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NORTH, K. Gestão do Conhecimento - Um guia prático Rumo à Empresa Inteligente. Rio de Janeiro: Quality Mark,2010.

O`DELL, C.; GRAYSON, C.J. If only we knew what we know: Identification and transfer of internal best practices. California: California Management Review, v.40, n.3, p.154-174, 1998.

OLIVEIRA, Sidnei. Geração Y: Era das Conexões, tempo de Relacionamentos. SP: Clube de Autores, 2009.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens -entre duas lógicas; Reviewed the regulation of excellence in learning - between two logics. Artmed, 1999.

POMPERMAYER, F. M.; NASCIMENTO, P. A. M. M.; MACIENTE, A. N.; GUSSO, D. A.; PEREIRA, R. H. M. Potenciais Gargalos e Prováveis Caminhos de Ajustes da Engenharia no Brasil. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, IPEA n. 12, p. 7-13, Fev. 2011.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e concorrências. 2. Ed. Rio de janeiro: Elsevier, 2004.

SALERNO, M. Projeto organizacional de produção integrada, flexível e de gestão democrática: processos, grupos e espaços de comunicação-negociação. São Paulo. 259p. Tese (Livre-docência) – Departamento de Engenharia de Produção, Escola Politécnica de São Paulo. 1998.

SANTIAGO, J. R. Capital intelectual. O grande desafio das organizações. São Paulo: Novatec Editora, 2007.

SANTOS, A. R. et al. Gestão do conhecimento como modelo empresarial. In: Gestão do conhecimento: uma experiência para o sucesso empresarial. cap.1, p. 34. Curitiba: Champagnat, 2004.

SANTOS, N. D. A era do conhecimento: os novos desafios para os profissionais de engenharia. 2004.

SUSMAN, G. I. EVERED, R.D. An Assessment of the Scientific Merits of Action Research. Administrative Science Quarterly, v.23, p. 582-603, 1978.

TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TEECE, D.J, Capturing value from knowledge assets: the new economy, markets for know-how, and intangible assets. California: California Management Review, v 40, n.3, p.55-79, 1998.

TELLES, Márcia. Brasil sofre com a falta de Engenheiros. Revista Inovação e Pauta. v. 13, 2009. Disponível em: http://www.finep.gov.br/imprensa/revista/edicao6/inovacao_em_pauta_6_educacao.pdf d. Acesso em 20/03/2012.

TERRA, J. C. C. Gestão do Conhecimento – O grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio Editora, 2000.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.

WESTBROOL, R. Action research: a new paradigm for research in production and operations management. International Journal of Operations & Production Management, Bradford, vol. 15, n.12, p 6-20, 1995.

XU, J. Quaddus, M. Adoption and diffusion of knowledge management system: an Australian survey. Journal of Management Development, v.24, m. 4, 2005, p.335-361.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

ZARIFIAN, P. Objectif compétence. Paris: Liaisons, 175p, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Projetos, Dissertações e Teses em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento
ISSN 2358-5501 (Online)