A INFLEXÃO ANTROPOLÓGICA DA SOFÍSTICA NOS ALBORES DA FILOSOFIA DO DIREITO E DO ESTADO

Felipe Magalhães Bambirra

Resumo


A Filosofia surgiu na Grécia, e Thales de Mileto é comumente considerado o primeiro filósofo. Nessa fase inicial, a Filosofia ocupou-se, sobretudo, da contemplação do kosmos e da physis, e a reflexão sobre o humano ainda não era priorizada ou pensada de forma autônoma. A transição ocorreu com os últimos pré-socráticos, a exemplo de Demócrito de Abdera e Diógenes de Apolônia, e concretizou-se na polêmica havida entre Sócrates e os sofistas. Apesar de marginalizados ao longo da história, os sofistas foram essenciais ao desenvolvimento da Filosofia e da Filosofia do Direito, uma vez que centralizaram suas preocupações nas ações humanas, especialmente na política, na retórica e no conhecimento. Prestando tributo à importância da Sofística na contemporaneidade, busca-se compreender, neste artigo, com base na cisão introduzida pelos sofistas no logos grego – cosmológico e unitário – dividido, então, entre physis e nomos, a contribuição legada ao Ocidente nos albores da Filosofia do Direito e do Estado.

Palavras-chave


Filosofia antiga. Filosofia do Direito e do Estado na Antiguidade. Direito e pré-socráticos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.46560/meritum.v5i1.892

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Meritum, Revista de Direito da Universidade FUMEC
ISSN 1980-2072 (Impressa)
ISSN 2238-6939 (Online)
Universidade FUMEC
Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde (FCH).