MEDIAÇÕES DAS MULHERES NAS CENAS MUSICAIS: O Coletivo Girls on X e o Riot Grrrl em Natal/RN

Daniel Meirinho, Karina Moritzen

Resumo


Este artigo traz a experiência do coletivo e Festival Girls on X que ocorreu em Natal/RN em 2011 e 2012, reunindo grandes nomes da cena Riot Grrrlnacional como as bandas Anti-Corpos (SP) e Noskill (PB). Ao trazer uma retrospectiva da teoria feminista de Gayle Rubin (2017), é discutido o conceito de sexo/gênero cunhado pela autora para guiar a busca pelo fim da opressão às mulheres. Utilizando o termo “mulheres” de maneira estratégica, o artigo busca aplicar a teoria aqui resumida ao festival Girls on X, enfatizando sua relação com o movimento estadunidense Riot Grrrl. A metodologia passa por entrevistas qualitativascom as mulheres participantes do coletivo Girls on X, através de perguntas que tiveram como intenção recriar a atmosfera da cena musical existente na época. Para este fim, foram utilizados os conceitos de cenas musicais de William Straw (1991) e as discussões sobre silenciamento das mulheres subalternas de Gayatri Spivak (2010). 


Palavras-chave


Riot Grrrl, cenas musicais, feminismo, gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Alexandre; et al. 100 discos do rock potiguar. Natal: 8 editora, 2016.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo: Fatos e Mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BUTLER, Judith P. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 8a. Edição Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015

CUNHA, Carlos Henrique Pessoa. Nos tempos do blackout: cena musical, práticas urbanas e a ressignificação da Rua Chile, Natal-RN. 2014. 210 f. Dissertação (Mestrado em História e Espaços) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

GARBER, Jenny; MCROBBIE, Angela. Girls and Subcultures. In: HALL, Stuart; JEFFERSON, Tony (Org.). Resistance Through Rituals. Birmingham: Taylor and Francis, 2003, p. 209-222.

GELAIN, Gabriela. Releituras, Transições e Dissidências da Subcultura Feminista Riot Grrrl no Brasil. 177 p. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS; São Leopoldo, 2017.

HALL, Stuart. The Spectacle of the Other. In: EVANS, Jessica; HALL, Stuart; NIXON, Sean. Representation: Cultural Representation and Signifying Practices. London: Sage in Association with the Open University, 2013.

LEONARD, Marion. Gender and Sexuality. In: In: SHEPHERD, John; DEVINE, Kyle. The Routledge Reader on the Sociology of Music. New York: Routledge, 2015.

LIMA, Artemilson Alves de. Escaladas da contracultura: Natal, década de 1980. 2017. 255f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.

MARCUS, Sara. Girls To The Front: The True Story of the Riot Grrrl Revolution. New York: Harper Perennial, 2010.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos Meios às Mediações. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

McCLARY, Susan. Music as Social Meaning. In: SHEPHERD, John; DEVINE, Kyle. The Routledge Reader on the Sociology of Music. New York: Routledge, 2015.

McCLARY, Susan. Feminine Endings: Music, Gender and Sexuality. New York: Routledge, 2015.

OLIVEIRA, Luciana Xavier de. A Cena Musical da Black Rio: Estilo e Mediações nos bailes soul dos anos 1970. Salvador: EDUFBA, 2018.

PINHEIRO, Carlos; PINHEIRO, Fred. Pássaro Novo. Natal: Edição do Autor, 2012.

RUBIN, Gayle. Políticas do Sexo. São Paulo: Editora UBU, 2017.

SCHILT, Kristin. "Riot Grrrl Is...": Contestation Over Meaning in a Music Scene. In: BENNETT, Andy; PETERSON, Richard (org.). Music Scenes: local, virtual, translocal. Nashville: Vanderbilt University Press, 2004, p. 115-130.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. In: De Hollanda, Heloisa Buarque (org.). Pensamento Feminista: Conceitos Fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

SPIVAK, Gayatri. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

STRAW, Will. Systems of Articulation, Logics of change: Scenes and Communities in Popular Music. Cultural Studies, vol. 5, n. 3, p. 361-375, Oct. 1991.

TROTTA, Felipe. Som de cabra-macho: sonoridade, nordestinidade e masculinidades no forró. Comunicação, mídia e consumo, v. 9, n. 26, p. 151-172, 2012.

TORNQUIST, Carmen Susana; FLEISCHER, Soraya Resende. Sobre a marcha mundial das mulheres: entrevista com Nalu Faria. Revista Estudos Feministas, Florianópolis , v. 20, n. 1, p. 291-312, Apr. 2012.

WHITELEY, Sheila. Women and Popular Music: sexuality, identity and subjectivity. New York: Routledge, 2000


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 3.0.

Revista Mediação
ISSN 2179-9571 (on-line)
ISSN 1676-2827 (impressa)
Universidade FUMEC
Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde.